Continuação da leitura do livro “CHRONICA PLANETARIA (Viagem à Volta do Mundo) ” de José Augusto Correa, publicado em 1904 (1) e referido em anteriores postagens (2)

“21 de Junho – Ainda não vi cidade onde dois bairros façam tão profunda e radical diferença um do outro, como em Macau o bairro chinez do portuguez. O primeiro é perfeita e completamente oriental, caracteristicamente mongólico com o seu conjunto interessante, curiosíssimo, fantástico e nauseabundo. O segundo é, nem mais nem menos, uma das melhores cidades portuguezas de província, Braga, por exemplo, coma diferença, a favor de Macau, da limpeza e do mar. Em compensação, pelas tardes amenas e estivaes, quando a musica toca no Jardim Publico, a população feminina da Jerusalem do occidente encanta os forasteiros pela sua numerosa e brilhantíssima presença, ao passo que por uma formosa tarde e noite de Domingo, (3) em Macau, vi apeas uma dúzia de senhoras, se tanto, disputando às flôres dos alegretes, as harmonias musicaes e ao meigo astro da noite, a primazia na belleza do rosto, na meiguice e suavidade do olhar, no encantador donaire do porte e na melodia suprema que resulta da conjunção dos maravilhosos primores da natureza.

Effectivamente, as macauenses, tanto as filhas de portuguezes, nascidas em Macau, como as cruzadas de chinez e portuguez, são geralmente bonitas e perguntam com muita graça:

 – Como gosta de Macau?

– Infinito.

É uma resposta que mais lhes agrada.

(1) CORREA, José Augusto – Cronica Planetaria (Viagem à volta do mundo), 2.ª edição. Editora: Empreza da História de Portugal, Lisboa, 2.ª edição, 1904, 514 p. Illustrada com 240 photogravuras; 15,5 cm x 21 cm.

 (2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-augusto-correa/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/07/04/leitura-chronica-planetaria-de-jose-augusto-correa-i/

(3) O «Boletim Official do Governo da Província de Macau» n.º 25 de 21 de Junho de 1902, na sua p. 208 apresenta o programa musical que a “Banda de música” da guarnição de Macau executou no dia 22 de Junho (Domingo), no Jardim de S. Francisco, das “8 ½ às 10 ½ hs p. m.”. O programa terminava sempre com o Hino Nacional.