Archives for posts with tag: Auguste Borget

Trata-se de um esboço/estudo (desenho a lápis) de uma mulher chinesa com o filho bebé às costas, efectuado em Macau, no dia 3 de Julho de 1838 por Auguste Borget.

Em segundo plano, à esquerda, um  esboço de junco chinês.

Anteriores referências a este pintor em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/auguste-borget/

Ainda incluída na colecção de cinco quadros de “19TH CENTURY MACAU PRINTS” (1), apresento os dois últimos desenhos.

R. Elliot Baía da Praia Grande c. 1835Macau, circa 1835
Bay of Praia Grande , looking towards Guia Hill
From sketch by Capt. R. Elliot  R. N. , engravedby W. Floyd, drawn by W.Purser

Uma das pinturas feitas a partir dos desenhos do  Capitão Robert Elliot (oficial da marinha inglesa -“Royal Navy” 1822-1833 – e conhecido pelos seus desenhos topográficos de 1822 a 1824)
Robert Elliot made a series of sketches, taken on the spot, of views in India, Canton, and the Red Sea. These were worked up by Samuel Prout, Clarkson Stanfield, and others into finished drawings; and were published in parts by Fisher & Co., appearing 1830-1833, under the title, “Views in the East, comprising India, Canton, and the Red Sea, with Historical and Descriptive Letterpress by Emma Roberts“.
https://en.wikisource.org/wiki/Elliot,_Robert_(DNB00)
Já em anterior postagem (2), publiquei o mesmo desenho .

Outro desenho atribuído a Auguste Borget (3) “ Vista de Macau dos fortes de Heang – Shan” . (4)

Auguste Borget 1835 Macau visto do forte de Heung ShanMacau, circa 1835
Macau from the Forts of Heang-shan 1839 & 1842
Unattributed but probably from sketch by Auguste Borget, engraved by S. Fisher

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/02/27/pinturas-19th-century-macau-prints-i-pasta-envelope-e-a-praia-grande-de-thomas-allom/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/01/03/macau-em-1856-a-praia-grande/
(3) Anterior referência a Auguste Borget em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/august-borget/
(4) Heang-shan/Heung-Shan/Heong San/Xiangshan (香山 – mandarim pinyin : xiāng shān; cantonense jyutping: hoeng1 saan1) é hoje Zhongshan (中山 – mandarim pinyin: Zhōngshān; cantonense jyutping: zung1 saan1) é uma cidade da província de Guangdong na China.

Outro desenho de Auguste Borget (1), incluída na colecção de cinco quadros de “19TH CENTURY MACAU PRINTS” (2), com gravura de M. J. Starling.

Auguste Borget 1835 Capela do Templo de A-MAMacau, circa 1835
Chapel of A-Ma Temple
From sketch by Auguste Borget, engraved by M. J. Starling

Outro desenho relacionado com o  templo da Barra, do mesmo autor:

Auguste Borget 1838 Praçaexterior do Templo de A-MAThe Square Outside the Ma Kok Temple, 1838
Drawn from nature by Aug. Borget, lithograph by Eug. Ciceri”
http://ocw.abuad.edu.ng/OcwExport/Akamai/21f/21f.027/rise_fall_canton_04/cw_gal_01_thumb.html

 (1) Anterior referência a Auguste Borget em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/august-borget/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/02/27/pinturas-19th-century-macau-prints-i-pasta-envelope-e-a-praia-grande-de-thomas-allom/

Gravura de B. Bradshaw dum desenho de Auguste Borget (1)  incluída na colecção de cinco quadros de “19TH CENTURY MACAU PRINTS” (2),

Auguste Borget 1830 Fachada do Templo de A-MAFacade of A-Ma Temple
Macau, circa 1835
From skecht by Auguste Borget, engraved by B. Bradshaw

Auguste Borget 1808-1877(1) Auguste Borget (1808-1877), pintor francês, conhecido pelos seus esboços e aguarelas da China sobretudo depois da publicação do famoso livro “Sketches of China and the Chinese / from drawings by Auguste Borget, Includes extracts from letters by the artist. London : Tilt and Bogue ; Paris : Goupil and Vibert, 1842″. (3)
Um outro livro “La Chine ouverte“, publicado em 1845, contém ilustrações com xilogravuras excelentes.
Em 1936 viajou do Norte ao Sul da América e depois Honolulu. Embarca em 1838 a bordo do navio “Psyche” numa volta ao mundo que durou quatro anos. Em Setembro de 1838 estava em Cantão e esteve por lá durante 10 meses. Terá encontrado em Cantão, George Chinnery.
Amigo de Balzac, que lhe dedicou o romance : “La Messe de l’Athée“.
Escreve  Balzac num artigo de 1842:
«Borget pourrait être le Jacquemont de la Chine. Ce ne serait pas une faute au gouvernement français que de lui confier la mission d’aller y achever son œuvre (…) Il a dans le style un peu de cette douce malice qui assaisonne le récit et le fait digérer»
https://fr.wikipedia.org/wiki/Auguste_Borget
Segundo catálogo “Carnet de voyage Auguste Borget“, que esboça o itinerário do pintor pelos seus desenhos e escritos, a estadia em Macau (seguindo os desenhos datados) foi nos seguintes períodos:

1938:    3 de Julho e 11 de Julho
“3 juillet : Maison européenne Macao
11 juillet : Macao”
12 de Julho partida para Cantão /Hong Kong) até 3 de Setembro
“3 septembre : Macao, la ville
Macao, Mère portant son enfant
6 septembre : Porte du grand temple à Macao”
               9 de Setembro:  estava em Cantão até Outubro
“21 octobre : En route vers Macao
24 octobre : Macao
6 novembre : Porte du grand temple à Macao
21 novembre : Entrée d’une rue par la place……Macao
22 novembre : Macao. Habitations de pécheurs.
7 décembre : Embarcadère. Bateaux de Tanka.”
1839:     “1er janvier : Macao
4 janvier : Macao
10 janvier : Macao
14 janvier : Macao – Au Lapa en face du grand temple
24 janvier : Au Lapa en face du grand temple près de Macao
20 février : Chiffonnier chinois
22 février : Macao
29 février : Marchand de fruits et restaurant à Macao, port Intérieur (erro da datação do desenho pois 1839 não foi ano bissexto)
Março e Abril em Hong Kong ?  – “22 avril : Baie de Kowloon”
Maio em Macau
“2 mai : Macao
9 mai : Macao
12 mai : Macao
21 mai : Macao
22 mai : Camp chinois près de la porte barrière de Macao.
20 juin : Macao”

Em 27 de Julho de 1839 estava em Manila seguindo depois para  Singapura e Calcutá. Em 1840 estava na Índia voltando a Paris  no Verão desse ano.
En 1842 Auguste Borget dédie à Louis Philippe un recueil de lithographies intitulé La Chine et les Chinois avec 26 pages de texte e 32 planches lithographiées à deux teintes, que suivra en 1845 un second album, Fragments d’un voyage autour du monde.
En 1845 il illustre de 215 vignettes La Chine ouverte de Émile Daurand-Forgues et produit de nombreux récits illustrés de son voyage dans L’Art en province. Ildonne également beaucoup de ses dessins aux revues L’Illustration et Le Chrétien illustré.”
http://mediatheque.ville-chateauroux.fr/medias/medias.aspx?INSTANCE=EXPLOITATION&PORTAL_ID=portal_model_instance__portrait___auguste_borget.xml
Outro desenho relacionado com o  templo da Barra, do mesmo autor:

Auguste Borget A Market in MacaoA Market in Macao
(oil on canvas), Borget, Auguste
Musee du Berry, Bourges, France / Giraudon / The Bridgeman Art Library

(1) Anterior referência a Auguste Borget em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/august-borget/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/02/27/pinturas-19th-century-macau-prints-i-pasta-envelope-e-a-praia-grande-de-thomas-allom/
(3) Sketches of China and the Chinese / from drawings by Auguste Borget; Includes extracts from letters by the artist. London : Tilt and Bogue ; Paris : Goupil and Vibert, 1842.
http://libmma.contentdm.oclc.org/cdm/fullbrowser/collection/p16028coll4/id/9050/rv/compoundobject/cpd/9118

“No topo da colina da Penha existia outrora um forte que é anterior a 1623, (1) como se prova dum documento relativo a D. Francisco Mascarenhas, governador de Macau (1623-1626). A 1 de Fevereiro de 1625, este governador requereu ao ouvidor António Camelo Serrão que fizesse um inquérito judicial sobre os seguintes pontos:

«que vindo a esta cidade para Capitão geral com gente nella e ordem para a por em toda a boa defenção e desciplina, ordenou três Companhias na melhor forma que lhe foy possível. E tanto que o teve feito loguo os seus soldados occuparão os postos e forão fazer vegia na barra, no forte de São Francisco e no de Penha de França» (2)

 Não há dúvida da existência deste forte em Macau. Montalto de Jesus (3), cita um velho manuscrito francês un petit lieu ao bord de la mer au pied d´une  montagneoù autrefois les Portugais ont eu une forteresse mesmes qu´il y en a beaucoup  qui y habitente”.
Este forte estava ligado à fortaleza de Nossa Senhora de Bomparto/Bomporto  por uma muralha “Do Bomporto estendia-se uma muralha que ultrapassava a elevação da Penha”.  (3)

Forte da Penha LJUNGSTETNesta velha estampa, vê-se a muralha que ligava a Fortaleza de
Nossa Senhora da Penha à Fortaleza de Bomparto, s/ data (4)

O forte foi demolido devido às suspeições chinesas que receavam a fortificação e a construção de muralhas à volta da “cidadela”. A sua reconstrução foi depois do ataque holandês de 1622,  (5) atribuído a D. Francisco de Mascarenhas, o primeiro Governador de Macau. A fortificação de Macau, a “cidadela” foi completada em 1626. Este forte foi demolido em 1892.(6)

Forte da Penha Chinnery 1837

“Vista da Igreja da Penha”, Chinnery . c. 1837
A Ermida da Penha dentro do forte e a muralha que ligava à Fortaleza de Bomparto.

O Forte de Nossa Senhora da Penha de França estava situado no cimo da colina da Penha, onde se encontra presentemente a Ermida da Penha.

O seu objectivo principal era a defesa contra as invasões navais e por isso, apesar de não estar próximo do litoral, era considerado uma fortificação costeira. Além disso, as suas armas podiam ser apontadas formando um arco completo sobre toda a cidade. Infelizmente não há conhecimento de desenho, plantas ou descrições deste forte que tenham sobrevivido. (4)

Forte da Penha BORGET 1838“O Forte da Penha de França”, Auguste Borget – c. 1838
O Forte da Penha está à esquerda e a Fortaleza de Bomparto
no sopé da colina e ligando as duas fortificações, a muralha

(1) Não se sabe a data de construção do forte mas foi um dos primeiros de Macau. Por esta notícia, já existia o forte da Penha aquando da chegada de D. Francisco, a 7 de Julho de 1623.
(2) TEIXEIRA, Pe. Manuel – Os Militares em Macau.1976
(3) JESUS, C. A. Montalto de – Macau Histórico. Livros do Oriente, 1990
(4) “Fort Bomparto –“baluarte de Nossa Senhora de Bomparto” – anciently denominated with greater propriety Baluarte do Bomporto. From this fort a Wall ascends south-west the Hill, on the top of wich is seated the hermitage of Penha de França”
LJUNGSTEDT, Andrew – An Historial Sketch of the Portuguese Settlements in China ando of the Roman Catholic Chirch and Mission in China”. Boston, 1836.Ver em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/03/23/noticia-de-23-de-marco-de-1759-nascimento-de-andrew-ljungstedt/
Poderá ler este livro em:
http://books.google.pt/books/about/An_Historical_Sketch_of_the_Portuguese_S.html?id=Q7gNAAAAIAAJ&redir_esc=y
(5) Ou-Mun Kei-Leok relata que, para protecção contra os ataques holandeses, os portugueses construíram um forte semelhante a um antigo que tinha sido demolido.
Tcheong-U-Lâm; Ian-Kuong-Iâm- Ou-Mun Kei-Leok, Monografia de Macau, 1751, traduzida por Luís Gonzaga Gomes. Quinzena de Macau, 1979.
(6) GRAÇA, Jorge – Fortificações de Macau; concepção e história. Instituto Cultural de Macau.