Archives for posts with tag: As Colónias Portuguesas

Dicionário Geográfico de Joze Maria de Sousa Monteiro (1810-1881) – Cavalleiro da Ordem de Nossa Senhora da Conceição, e Secretário Geral Honorario da Provincia de Cabo-Verde, etc, etc. – “Diccionario geographico das provincias e possessões portuguezas no Ultramar em que se descrevem as ilhas e pontos continentaes que actualmente possue a corôa portugueza e se dão muitas outras notícias dos habitantes, sua historia, costumes, religião e commercio” (1)
Descrição de Macau nas pp. 341-352
(1) MONTEIRO, Joze Maria de Souza Monteiro – Diccionario geographico das provincias e possessões portuguezas no Ultramar em que se descrevem as ilhas e pontos continentaes que actualmente possue a corôa portugueza e se dão muitas outras notícias dos habitantes, sua historia, costumes, religião e commercio. . Lisboa : Tip. Lisbonense, 1850. – 539, [4] p.; 21 cm.
Extraído de:  http://purl.pt/13931

Tal como o artigo publicado na revista ilustrada “O Occidente” de 1883 (1) sobre o “Palácio do Governo de Macau” e postado já neste blogue em (1), também nesse ano a revista ilustrada “As Colónias Portuguesas” (2) resumia assim a descrição deste palácio:
É um dos principais edifícios das nossas Colónias. Situado proximamente no centro da Praia Grande de Macau foi mandado construir pelo governador falecido visconde da Praia Grande, se bem nos recorda de empreitada por 35 mil pesos.
Não havia então na província engenheiros nem tão pouco serviço de obras públicas. Era urgente fazer-se uma residência para os governadores e nesse tempo principiava o falecido Visconde de Cercal o seu palácio. O governador que conseguira em sua administração tornar replectos de boa moeda sonante todos os cofres da província animou-se a empreender também a construção d´um edifício apropriado. Com um chin mestres d´obras (mata-pau) designou os cómmodos que desejava para esse edifício e estabeleceu as condicções a que devia satisfazer sua construção. Aquelle homem que conhecemos e também já falleceu, como sabia, lá riscou n´um papel pardo, a lápis de côres uma planta e alçado, que depois de soffrer algumas modificações, foi posto em execução.
Tem o edifício de frente, quarenta tantos metros e de suas extremidades seguem perpendicularmente à frente alas que para o lado interior fecham até certa altura o jardim do mesmo palácio, o qual depois é protegido por muros e prédios particulares, sendo os fundos do lado fronteiro ao palácio fechado pelas cavalariças e cocheiras pertencentes ao mesmo, cuja frente fica na calçada, se bem nos recorda, do Santo Agostinho. (1)
Comprehende o palacio dois pavimentos, no inferior, lado direito, são as repartições da secretaria do governo e, lado esquerdo, alojamentos dos oficiaes às ordens e adjudantes dos governadores. Nos fundos, arrecadações e quartos de ordenanças.
No primeiro pavimento à frente, salas de entrada e na primeira, à direita, mais duas sendo a do topo a do docel; à esquerda, de visitas ou dos retratos dos governadores, reservada, a gabinete particular do governador ou seu escriptorio.
(1) Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/palacio-da-praia-grande/
(2) In pp. 10-12 de TEIXEIRA, Padre Manuel – Residência dos Governadores de Macau, 1982.
(3) O que se conhece hoje por Rua do Padre Luís Fróis – 傅禮士神父街 – começou por se chamar Calçada do P. Fróis. Depois mudou o nome para Calçada do Governador e já mais recentemente recuperou o nome deste jesuíta que viveu algum tempo em Macau.

Artigo publicado em Agosto de 1886, na revista ilustrada “As Colónias Portuguesas (1)

(1) «As Colónias Portuguesas», IV-6, Agosto de 1886.