Archives for posts with tag: Arquivos de Macau

Foi a 15 de Junho de 1920, a aprovação dos Estatutos da Associação Científica, Literária e Artística denominada «Instituto de Macau», criada para promover o estudo da sinologia e da acção e influência portuguesas no Oriente. Os Estatutos foram publicados no B.O., n.º 25 de 19 de Junho desse ano (pp. 468-469)

Extraído de «BOGPM», n.º 25 de 19 de Junho de 1920, p. 468

“ O Instituto durou pouco, mas chegou a dar frutos: – a criação do Museu Comercial e Etnográfico Luís de Camoês, a organização da Biblioteca Pública e a publicação de um boletim que deu origem aos Arquivos de Macau. O Governo de Macau deu alento ao entusiasmo dos mentores de tais ideias, Drs. Humberto Severino de Avelar e Telo de Azevedo Gomes, então ambos professores do Liceu (Cfr. Renascimento; Macau, Vol. II, pp. 480-482) ” (1)

Os fundadores do Instituto de Macau a homenagear o poeta, na Gruta de Camões, no ano de 1920. (2)

Da esquerda para a direita: Eng. Eugénio Dias de Amorim, Dr. Camilo Pessanha, D. José da Costa Nunes, Comandante Correia da Silva (Paço d´Arcos), Dr. Humberto S. de Avelar, Vice-almirante Hugo de Lacerda Castelo Branco, Dr. José António F. de Morais Palha, Padre Régis Gervais, José Vicente Jorge, Dr. Manuel da Silva Mendes, Dr. Telo de Azevedo Gomes e Alferes Francisco Peixoto Chedas.

Extraído de «ANUÁRIO DE MACAU DE 1921», p. 99

(1) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p. 131

(2) Anterior postagem em 24-04-2014 https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/04/24/macau-e-a-gruta-de-camoes-xxi-instituto-macau-1920/

Arquivos de Macau III série, Vol XVIII, n.º 4 de OUT 1972, p. 224

NOTA 1: Botica do Hospital Real Militar (1) posteriormente com outras designações: Laboratório Farmacêutico (1810); Laboratório Químico Farmacêutico (1877); Laboratório Químico Farmacêutico Militar (1887); Laboratório Químico Farmacêutico do Exército (1943), foi criado em 1808, pelo Príncipe Regente D. João (decreto de 21 de Maio) como Botica Real Militar, anexa ao Hospital Militar e Ultramar, que estava instalado no antigo Colégio dos Jesuítas, no morro do Castelo, no Rio de Janeiro (Dicionário Histórico-Biográfico das Ciências da Saúde no Brasil (1832-1930) in Casa de Oswaldo Cruz / Fiocruz – http://www.dichistoriasaude.coc.fiocruz.br)

NOTA 2: Alguns vocábulos da “Relação dos Medicamentos”:

Anchões (plural de anchão); termo macaense “anchom” – boião pequeno, compoteira. Do cantonense ham (tampa) e choum (malga) – Dicionário Luso-Asiático de Sebastião R. Salgado)

Arráteis (plural de arrátel) – antiga unidade de medida de peso equivalente a 459 gramas. (2)

Arrobas (plural de arroba) –  peso antigo de 32 arráteis, ou um quarto de quintal, 14,688 Kg. (2)

Beijoim ou benjoim – resina balsâmica do benjoeiro (árvore estiracácea) (2)

Bispote – recipiente portátil para urina ou dejectos humanos.= bacio. (2)

Onça – peso da décima sexta parte do arrátel ou da duodécima parte da libra das farmácias (2)

Raiz da China – planta esmilácea (2)

Ruibardo – género de plantas poligonáceas, de raiz medicinal. (2)

Volatil – ave doméstica (2)

(1) Hospital Real Militar e Ultramar (outras denominaçõesHospital Real Militar e Ultramar (1768); Hospital Real Militar; Hospital Regimental do Campo (1832); Hospital Militar da Guarnição da Corte (1844); Hospital Central do Exército (1890)), foi criado em 1832 (decreto 0-135, de 17 de fevereiro) quando foram extintos os Hospitais Militares em todo o país, transformando os existentes em “Hospitais Regimentais”. O Hospital Real Militar e Ultramar foi transferido para o Quartel do Campo da Aclamação, na actual Praça da República, e passou a se chamar Hospital Regimental do Campo. Em 29 de Dezembro de 1844, em face da precariedade das instalações, voltou a instalar-se no Morro do Castelo, novamente centralizado, para atender a todos os militares do Exército, com a denominação de Hospital Militar da Guarnição da Corte.

O histórico do Hospital Real Militar e Ultramar em; http://www.dichistoriasaude.coc.fiocruz.br/iah/pt/verbetes/hosremili.htm

(2) Dicionário Priberam da Língua Portuguesa – https://dicionario.priberam.org/

Ofício enviado de Lisboa por D. Diogo de Costa ao Vice-Rei da Índia em 27 de Março de 1626, (1) sobre o direito de Caldeirão (2) e conservação do Colégio de S. Paulo.

“Conde VRei Amigo Eu ElRey etc. O anno de 1624 apliquey as despezas da obra da fortificação da Cidade Macao a renda do direito de Caldeirão daquela Cidade, e que fortificada ella se trataria depois da conceruação, e sostento do Collegio a mesma Cidade que pertende consignar se lhe o necessário naquele drt.º p se ter p conveniente conseruarse o dito Collegio, pella boa criação e ensino, que ali tem os filhos dos moradores da dita Cidade, e vendo o que em reposta disso me escrevestes na via do anno passado, me pareceo encomendarnos me avizeis do que montara cada anno passado o rendimento daquele direito de Caldeirão, e o que importara a despeza, que será nescessario fazerse com o Collegio de Macao, e que do dito dinheiro do Caldeirão se não faça nelle agua sem primeiro saberem e julgarem os efeitos para que he mais necessário. Escrita em Lisboa a 27 de Março de 1626. Dom Diogo da Siua. Diogo de Costa.” (3)

(1) Em 1626, Portugal estava sob o domínio filipino, Filipe IV de Espanha (de 1621 a 1640), o Vice-Rei e Governador da Índia era D. Francisco da Gama (Conde de Vidigueira) (de 1622 a 1628). Em Macau, governava o Capitão-Geral de Macau D. Filipe Lobo (de 19-07-1626 a 1630): o Bispo era D Diogo Correa Valente, S. J (de 1626 a 1633) e o reitor do Colégio de S. Paulo, Manuel Lopes (de 1626 a 1627).

Nesse ano de 1626, concluía-se a Fortaleza de S. Paulo “conforme inscrição epigráfica, sobre a porta de acesso” e já existia a Capela na Guia (quando os holandeses tentaram invadir Macau, em 24 de Junho de 1622, já existia uma ermida) e o Forte da Guia (rudimentar sistema defensivo) que seria reconstruída como Fortaleza entre 1637-38, pelo Capitão de Artilharia António Ribeiro, a expensas da cidade, sendo Capitão-Geral Domingos da Câmara de Noronha

(2) Sobre o direito de Caldeirão – dinheiro das rendas dos cidadãos de Macau que patrocinavam as obras das fortalezas e outras do sistema defensivo da cidade:

“Toda a dita artelharia que tem esta cidade e obras de muros e fortes fez ella a sua custa sem a fazenda Real entrar nisso com couza algua em tempo que a viagem de Japão corria quasi por sua conta e particularmente os direitos que chamavam o caldeirão que são oje a oito por cento de todas as fazendas que vão pera Japão, e antigamente erão a tres e a quatro, e ainda assy lhe rendião muito», como explica António Bocarro no seu «Livro do Estado da índia Oriental», de 1635 reproduzido em C. R. Boxer, em “Macau na época da Restauração”, p. 34 da edição de 1993, da Fundação Oriente.

(3) “Arquivos de Macau”, 2.ª série –Vol I. n.º 2 de Fev-Março de 1941, p. 123

(4) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume IV, 2015, pp 10, 33, 46, e 49; Volume I, pp. 139.

NOTA INTRODUTÓRIA: retomo, ao fim de quatro dias sem “postar” , simplesmente (e felizmente) por motivos técnicos – sem acesso á rede internet. Agradeço aos que detectaram essa interrupção e me desejaram rápidas melhoras. Para compensar irei colocar duas postagens por dia recuperando as postagens prontas para os dias faltosos.

 Notícia de 6 de Novembro de 1917, dava conta do desaparecimento do vapor «Hitachi-Maru» que transportava passageiros portugueses para Moçambique (1)

Não consegui mais informações sobre o número de passageiros portugueses. Sabe-se que 5 tripulantes que trabalhavam como oficiais no navio, eram portugueses. Desconheço o destino destes portugueses.

Quando o vapor “Hitachi Maru” não chegou ao seu destino, o governo japonês deu-o como desaparecido, e em Outubro de 1917, o cruzador da armada imperial japonês Tsuhima e o cruzador francês D´Estreess ainda fizeram buscas á procura do barco e ou sobreviventes tendo finalmente concluído que deveria ter-se afundado.

No entanto a história do navio foi diferente: estava-se na “ I Guerra Mundial”, o navio estava armado com um só canhão de 10.5 cm no convés para defesa. Quando em 26 de Setembro de 1917 navegava ao sul das ilhas Maldivas, avistou o navio alemão «SMS Wolf’s Wolfchen (Wolf IV)». O capitão Tominaga ao ter conhecimento da identidade do navio e ignorando os tiros de aviso deste para parar, preparou-se para abrir fogo mas o navio alemão mais rápido atingiu-o com 4 tiros matando 14 membros japoneses mortos e seis feridos 14 e após curta batalha entre os dois navios o capitão Tomonaga rendeu-se. Os restantes tripulantes (oficiais entre eles cinco portugueses, marinheiros japoneses e empregados chineses)) e passageiros (entre eles Frederic Trayers e esposa) foram considerados prisioneiros de guerra. Depois da sua captura o comandante Tomonaga suicidou-se. Depois da rendição, os dois barcos foram para o Atol Suvadiva onde a carga toda do navio chinês (carvão, seda, cobre e provisões alimentares) foram transferidos para o navio alemão. Em 7 de Novembro de 1917, o navio japonês foi afundado pelos alemães com cargas explosivas, entre as ilhas do atol de Cargados/Carajos. (2)

Características do navio Hitachi Maru – construído em 1906 pela empresa: “Nippon Yusen Kaisha – NYK, Tokyo”, para uso de transporte de passageiros e carga, comandado pelo capitão Tomonaga; 6557 toneladas; dimensões 135,6 x 15,8 x 10,2 m; potência 5475 i.h.p.; velocidade: 15 nós; afundado em 16-11-1917.

(1) Processo n.º 517 -Série P. in Arquivos de Macau – Boletim do Arquivo Histórico de Macau – Tomo I Janeiro/Junho de 1985, p. 258.

(2) Notícia no jornal neozelandês “THE EVENING- POST, Saturday, March 2. 1918,  p. 8” com o título:  “SOUTH SEAS PIRATE CRUISE OP THE WOLF RESISTANCE BY JAPANESE”

THE EVENING- POST, Saturday, March 2. 1918,  p. 8

“Further details “obtained from the Igotz Mendi prisoners show that after the Wairuna was captured, the Wolf cruised for weeks hunting between the Kermadecs and Australia, capturing and sinking a number of vessels. The raider seized a benzine schooner off the coast of New Guinea, replenishing her sea- planes’ stores. The capture of the Matunga gave great quantities of food. The Wolf then went towards Java, laying a train of mines. She encountered and attacked the Hitachi Maru, carrying a cargo of copper and rubber, valued at nearly three millions sterling. The Japanese vessel fought the raider, but unfortunately lost twelve seamen before she surrendered.” https://paperspast.natlib.govt.nz/imageserver/newspapers/P29pZD1FUDE5MTgwMzAyJmdldHBkZj10cnVl

(3) Jean Lettens (06-02-2012) https://www.wrecksite.eu/wreck.aspx?172414

Edital que os Ministros da Casa da Câmara mandaram por pelos lugares públicos desta cidade, com o parecer do governador do bispado, António de Morais Sarmento, (1) para que não se recolhesse freira nenhuma no Convento de Santa Clara, conforme ordens dos Vice-reis do Estado da Índia.

Extraído de «Arquivos de Macau« 2.ª série, Vol I, n. 4, Junho –Agosto de 1941, pp 205-206

(1) D. Diogo Correia Valente S.J. (bispo de Macau de 1630 a 1633) faleceu em 1633 e devido à ocupação e à independência de Portugal da Espanha, desde 1633, o deterioramento das relações entre estes dois países e as guerras contínuas influenciaram a nomeação do novo bispo dos quais resultou a longa vagatura da Diocese, durante quase 80 anos. O novo bispo de Macau foi D João de Casal, (bispo de 1690 a1735), nomeado em 1690 por D. Pedro II, mas só terá chegado a Macau em 1692.

O Padre António de Morais Sarmento, governador episcopal (ou vigário capitular nomeado pelo Cabido da sé de Macao?) de 1684 a 1691, foi encarregado pelo vice-rei da Índia em Maio de 1684 de «certas diligências em Macao». O Vice-Rei da Índia, invocando haver nele atitudes contrárias aos interesses do Padroado (dizia-se que o Padre Sarmento favorecia em Macau os clérigos regulares (teatinos, como então se chamava aos jesuítas) em 22 de Dezembro de 1691 queixava-se ao rei porque o governador do bispado favorecia os missionários estrangeiros contra as regalias do padroado e sugeriu a sua substituição pelo que o Governador do Bispado foi, até à chegada do novo bispo, o Cónego José da Silva. (TEIXEIRA, P. Manuel – Macau e a sua Diocese, Tomo II, 1940, p.149) e SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume I, 1997)

Ver anteriores referências ao Convento de Santa Clara em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/convento-de-santa-clara/

Extraído de «O Portuguez na China», Vol. 2, n.º 51 de 3 de Setembro de 1840, n.º 1

José de Arriaga Brum da Silveira (21-07-1810/29-08–1840), capitão da Infantaria do Batalhão Príncipe Regente, (1) faleceu aos 30 anos, um mês e 4 dias de idade, deixando a viúva de 18 anos de idade, Maria Antónia Joaquina de Abreu e Silva (1822-1891) casamento em 03-05-1836 (2) e um filho de 2 anos de idade, António José de Arriaga Brum da Silveira. (3) “Recebeu o foro de fidalgo cavaleiro da Casa Real e a comenda da Ordem de Cristo, quando tinha 2 anos de idade, em atenção aos relevantes serviços prestados por seu pai; foi também cavaleiro da Ordem de N.ª Sr.ª da Conceição de Vila Viçosa” (4)

José de Arriaga é filho (2.º do casamento) do ouvidor Miguel José de Arriaga Brum da Silveira (1776-1824) (5) e de Ana Joaquina de Almeida (filha de Januário Agostinho de Almeida, um dos maiores armadores macaenses, no seu tempo, com vastos interesses no comércio do ópio e futuro Barão de São José de Porto Alegre).

(1) José de Arriaga Brum da Silveira, primeiro tenente da Companhia de Artilheria, foi promovido a Capitão em 02-05-1838. (Ordem do Exército n.º 21 do QG em Paguim)

Arquivos de Macau 3.ª série VOL XVIII n.º 4 de OUT1972, p. 199

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/02/17/noticia-de-17-de-fevereiro-de-1867-casamento-na-igreja-de-s-lourenco/

(3) António José de Arriaga Brum da Silveira, nasceu na freguesia de Santo António em 29 de Julho de 1838. Casou com Carolina Antónia de Arriaga e Silva (1846-1930) e tiveram 8 filhos. Faleceu a 1 de Abril de 1922 na freguesia da Sé. “ Era funcionário público e «pensionista do estado em terceira vida» (pensão concedida , em três vidas, ao seu avô)” (5)  

(4) FORJAZ, Jorge – Famílias Macaenses Volume I, p. 280

(5) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/miguel-de-arriaga-brum-da-silveira/

Extraído de «GAZETA DE MACAO», Vol. I, n.º 21 de 13 de Junho de 1839, p. 82

O Padre Teixeira em “Os Macaenses” (1965, p. 61) cita a Chapa do Mandarim de 1690, referindo-a aos  “Arquivos de Macau” (Fevereiro de 1964, pp. 39-40)

“ A 3 de Junho de 1690, o Procurador expôs que o mandarim Heung-Shan remetera uma chapa dos mandarins de Cantão, ordenando que «os Cabeças da Rua dessem pr lista todos os Chinas assistentes nesta cidade em Challes, Boticas, e Gudoens dos Moradores, e q´ de cada dez pessoas nomeasse hum, q´ fosse cabeça, p.ª dar  conta dos mais todas as vezes q´ lhe pedissem e q´ se dessemos nomes de todos os nossos moradores, q´ em seus Gudoens recolhem Chinas, p.ª darem conta deles». Os oficiais do Senado, para evitar questões, resolveram que se dessem as listas dos chinas das lojas e que os portugueses expulsassem de suas casas aqueles que lá viviam»

Arquivos de Macau, 3.ª Série – Vol.I n.º 1 – Fevereiro de 1964, pp. 39-40

A revista «Século Ilustrado», na fase revolucionária depois de Abril de 1974, (1) publicou um artigo intitulado “Por que não fomos expulsos de Macau” de Manuel de Lima, sobre os acontecimentos em dezembro de 1966, durante a revolução cultural chinesa em Macau, o chamado “1-2-3”, relatados pelo entrevistado Dr. Danilo Barreiros. (2)

“Graves acontecimentos foram vividos em Macau nos últimos meses de 1966, época de oiro da «revolução cultural» de Mao Tsé Tung. Apenas o reconhecimento e a confissão de violências por parte do Governo terá evitado a expulsão e o massacre dos portugueses.”

A reconstrução de uma escola pelos habitantes chineses da ilha de Taipa foi obstruída pelas autoridades portuguesas, que enviaram para o local uma força policial, resultando feridos e detidos.

Os documentos fotográficos que se encontram neste artigo, são reproduzidos de uma obra intitulada «Luta contra as Atrocidades Sanguinárias do Imperalismo Portugês em Macau», de Setembro de 1967, publicação do «Aomen Ribao» («Diário de Macau»).

No Palácio do Governo, a detenção de manifestantes
Fora do Palácio do Governo professores e alunos manifestam-se contra a actuação da Polícia portuguesa

(1) «Século Ilustrado», n.º 1897 de 18 de Maio de 1974, pp. 47 a 53. Disponível em: http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/Periodicos/OSeculoIlustrado/OSeculoIlustrado_N1897

 (2) “Danilo Barreiros que posteriormente exerceu as funções de delegado da Fazenda nas ilhas da Taipa e Coloane, de professor primário, do chefe de secretaria de Serviços de Saúde e cumulativamente, redactor de um jornal e uma revista “Arquivos de Macau” Foi também membro da Direcção da Delegação de Guerra da Cruz Vermelha, director e professor de uma escola de ensino secundário, particular, chefe e tesoureiro do Rádio Clube de Macau” (1) Leopoldo Danilo Barreiros (1910-1994) advogado e escritor de vários romances e ensaios, chegou a Macau em 1931. Casou em 1935, com Henriqueta, filha de José Vicente Jorge. Colaborou na Revista “Renascimento” (Macau, 1943-45). O seu filho Pedro Barreiros lançou uma biografia do seu pai no centenário do seu nascimento no dia 11 de Outubro de 2010. https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/leopoldo-danilo-barreiros/ https://jtm.com.mo/local/mundo-de-danilo-barreiros-em-imagens/

Edital do Leal Senado da Câmara de Macau, anunciando a abertura de uma aula de Matemáticas puras no Covento de S. Francisco sob a direcção do Governador Adrião Acácio de Silveira Pinto e dada pelo “lente” Tenente Ricardo de Mello Sampayo (1)

Extraído de «Gazeta de Macao»,  I-7 de 28 de Fevereiro de 1839.

(1) Ordem do Exército n.º 21 do Quartel General no Palácio de Pangim de 2 de Maio de 1838:
Promoção a tenente de Infantaria o alferes da Guarnição de Goa, Ricardo de Mello Sampayo

 

Extraído de “Arquivos de Macau” 3.ª série III-5, Maio de 1965, 260-261.

Os mandarins mandaram a Macau 14 capítulos acerca da Lei Cristã; se não os cumprissem, mandariam sair de Macau todos os chinas. O Senado aceitou esses Capítulos, que deveria fazer esculpir em pedra.
Foi o sucessor do Nhifú que incumbiu o mandarim da Casa Branca de vir a Macau pôr em execução a chapa do Suntó; essa chapa deveria ser colocada a 26 de Dezembro na Rua do Bazar, que era das principais da cidade; outra pedra com a mesma chapa em português deveria ser colocada na Casa do senado. Proibia a construção de novas casas sem licença do mandarim e a prática da religião cristã aos chinas.
A 31 de Dezembro, numa junta do Senado, decide-se enviar a Lisboa o bispo D. Fr. Hilário de Santa Rosa e a Goa o desembargador Pereira da Silva. As razões eram as seguintes: «Não há para nós dia sem susto, nem noite, em que prudentemente não receemos muito não amanhecer»; a injúria da chapa mandarínica contra a religião; o andar o Vice-Rei da Índia Marquês de Alorna, empenhado em novas conquistas, não podendo, por isso, vir a Macau.
Por fim, concordaram os chinas que na pedra do Senado se cortassem as frases contra a religião e também a proibição de catequizar os neófitos; e que a chapa chinesa se colocasse só em cada do Mandarim, no Campo de Mong-Há”.
(SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. 2, 1997)