Archives for posts with tag: Armando A. A. Cação

O Campo Desportivo «28 de Maio» foi na manhã do dia 4 de Dezembro de 1955, teatro dum festival desportivo-militar, a que assistiram milhares de pessoas.
Naquele recinto realizou-se a cerimónia do Juramento de Bandeira de novos soldados macaenses,  recrutados em Setembro de 1955.
Por toda a extensão do campo, viam-se dispostas armas militares e aos cantos, bivaques de acampamento e viaturas. Bandeiras portuguesas decoravam a bancada e a tribuna de honra.

MBI III-57 1955 Festa Militar IÀs 10.00 horas, aquando da chegada do Governador Joaquim Marques Esparteiro, prestou guarda de honra, uma força militar, postada à entrada do recinto.

O festival constou de três partes distintas.
Na primeira parte, as forças em parada prestaram continência a Sua Ex.ª o Governador seguindo-se a recepção da Bandeira Nacional.
Antes da cerimónia do Juramento pelos novos soldados macaenses, o Tenente José Mendonça procedeu à leitura dos deveres militares e o Comandante Militar, Coronel Rui Pereira da Cunha, dirigiu aos novos soldados uma patriótica e vibrante alocução alusiva ao acto que se ia realizar.

MBI III-57 1955 Festa Militar IIA segunda parte do programa constou da entrega a vários soldados e graduados de condecorações, prémios de aulas regimentais e de troféus de campeonatos desportivos militares. Fechou esta segunda parte o desfile das forças em parada.

A terceira e última parte foi apresentada pelo Capitão Silva Pereira: um programa de exibições de ginástica com arma, por praças europeias e macaenses e pelo tenente António Vinhas, e um programa de exibições de ginástica com traves, executadas por praças africanas.

MBI III-57 1955 Festa Militar IIIExibições de ginástica com traves, executadas por praças africanas.

No final o Tenente José de Mendonça dirigiu, orientou e comentou um conjunto de exercícios tácticos, pelos recrutas do Esquadrão de Cavalaria Motorizado, (1) tendo este último espectáculo constado do desenvolvimento gradual dum tema de combate, entre as forças azuis e as verdes, na terra de ninguém, em que entraram, no combate, armas pesadas, com estrondosos tiros e explosões de granadas, lançadas por hipotéticos aviões, na colina fronteira.
O festival terminou com nova guarda de honra e continência final ao Governador.
NOTA: deste festival militar, apesar dos meus 4 anos, tenho uma vaga ideia, principalmente da exibição das praças africanas.
Informações e fotos retiradas de MBI, 1955.

(1) “Em virtude do Decreto 39027 de 06Dez52 a designação passa a ser: Esquadrão de Cavalaria Motorizado. No 2.º Suplemento do BO 52/1952 o Dec-Lei 39.027 refere que a Companhia de Metralhadoras é transformada em Esquadrão de Cavalaria Motorizado. Até 1958, esteve sediado no Quartel S. Francisco. O comandante foi o Capitão de Cavalaria José Carlos Sirgado Maia, durante mais de 3 anos , até 11 de Janeiro de 1956.” (CAÇÃO, Armando – Unidades Militares de Macau, Gabinete das Forças de Segurança de Macau, 1999, 329 p.)

 

Pequeno opúsculo de 28 páginas (21 cm x 14,8 cm) sobre a Fortaleza do Monte (esboço histórico, conforme se refere na capa) de Armando A.A.Cação, major de engenharia. (1)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No verso da capa tem as seguintes indicações:
Edição do Comando das Forças de Segurança Macau – 25 JUL 85
Tipografia Hong Seng
Impresso em Macau, em Junho de 1985
Capa segundo desenho do Sr. Adolfo C. Demée” 

Na 1.ªpágina, o autor refere:
Este trabalho pretende dar apenas uma ideia geral sobre a Fortaleza de Nossa Senhora do Monte”

Na contra capa encontra-se os dizeres que estão fixados na entrada dessa fortaleza


Este opúsculo além do resumo histórico da fortaleza, contém 19 páginas com cópias de cabeçalhos de documentos e de carimbos  indicativos das diversas denominações militares que estiveram aquarteladas no Monte, como por exemplo, os carimbos apresentados nas páginas 10 e 11.

A Fortaleza do Monte (Fortaleza de Nossa Senhora do Monte, Fortaleza de Nossa Senhora do Monte, 大炮台 ,em mandarim dà ou dai (grande grande, profundo velho, grande) páo ou bão (forte, bateria) tái (plataforma) e em cantonense: daai6 paau3 toi4 (2) foi construída pelos jesuítas (complexo que integrava o Colégio de São Paulo e a Igreja da Madre de Deus) e ao longo dos anos foi submetida a um grande número de alterações. Foi uma estrutura militar (principal estrutura defensiva) com diversos fins – inicialmente habitação de jesuítas, e depois sucessivamente, residência governamental, ocupada por força expedicionária inglesa, presídio e aquartelamento da força militar, residência de capitães militares e governadores, guarnição de praça de guerra, depósito de degredados, companhia de artilharia, secção de reformados, depósito de material de guerra, aquartelamento do pelotão da Polícia Militar. Monumento Nacional desde 30 Dezembro de 1976. A partir de 1965 Serviços Meteorológicos e Geofísicos. Hoje Museu de Macau (inaugurado em 18 de abril de 1998) e está inserido no Centro Histórico de Macau
(1) CAÇÃO, Armando A.A. – A Fortaleza do Monte. Edição do Comando das Forças de Segurança, Macau 25 JUL 85, 28 p., 21 cm x 14,8 cm
(2) Cantonense jyutping