Archives for posts with tag: Albertino Alves de Almeida

“Resenha Histórica do Hóquei Clube de Macau”, escrita por José dos Santos Ferreira (Adé) e publicada em 1972, na revista «MACAU, Boletim de Informação e Turismo » (1) 

 “Naquela tarde de Outono de 1926, um jovem oficial do Exército, meses antes chegado à Província, reunia à sua volta no campo desportivo da Caixa Escolar cerca de uma dúzia de atletas, uns ainda rapazes e outros homens já feitos, a quem falou animadamente do hóquei em campo, em todos incutindo o gosto e o interesse pela modalidade. Desportista em toda a acepção do termo e entusiasta de hóquei como nunca houve outro igual, Filipe Augusto O´Costa – assim se chama o jovem tenente de Infantaria – acabava, naquela tarde, de lançar a semente que viria a produzir tantos e tão benéficos frutos em proveito do desporto português nestas paragens do Oriente, Filipe O´Costa tinha feito escola de hóquei na Alemanha e Inglaterra. Ali aprendera a jogar a li colhera sãos ensinamentos sobre o desportivismo, o espírito de «fair play» e a essência do amadorismo no desporto, única forma em que o hóquei em campo é aceitável.

O primeiro grupo de hóquei de Macau formou-se umas semanas após aquela reunião, dele fazendo parte estudantes, militares e cadetes ingleses. Filipe O`Costa era médio-centro, o capitão, o chefe, mestre, treinador e a alma do grupo. Mercê de muita tenacidade e valiosos ensinamentos, sem mais tardar, viu os seus discípulos e companheiros da equipa predicados que bem valiam ser aproveitados, a par dum entusiasmo e dedicação a toda a prova. Aos primeiros elementos, outros se juntaram e no ano seguinte já mais de duas dezenas d adeptos sabiam manejar o «stick», revelando, porém, sem grande surpresa para o mestre, decidida inclinação para a modalidade.

Naquele tempo, em Hong Kong, dada a existência de muitos esportistas britânicos e ainda por influência da Índia, já o nível do hóquei se situava em escala bastante elevada. Vários eram os agrupamentos e centenas os jogadores de diferentes nacionalidades que praticavam com regularidade este desporto. Era, pois, imperioso promover contactos. Não hesitou o tenente Filipe O´Costa em proporcionar aos seus discípulos o gosto de participar em pugnas, convidando para Macau quantas equipas quisessem aqui vir a disputar encontros amigáveis com o primeiro e o único grupo de hóquei de Macau.

Os primeiros resultados foram inteiramente desfavoráveis; derrotas após derrotas, algumas delas copiosas, assinalaram as duas épocas iniciais do hóquei de Macau. Tais resultados, se foram desastrosos, não chegaram, com certeza, a ser desmoralizadores. Bem antes pelo contrário, constituíram, de certo modo para estímulo e levaram os nossos hoquistas a encher-se de brio, convencendo-se de que era preciso trabalhar mais e aprender melhor. Assim, de facto, aconteceu, e os resultados positivos do seu trabalho aturado, persistência e redobrada dedicação não se fizeram esperara partir d terceira época, já muitos encontros terminavam a favor de Macau. Não mais de havia registado outra derrota pesada. A turma macaense havia crescido e já se sabia impor aos grupos de Hong Kong, muito jogados e experientes. O nome do Hóquei Clube de Macau estava feito.

Durante cerca de uma década, vitórias após vitórias marcaram o período áureo do clube macaense, já então cognominado o «invencível» pela massa desportiva e Imprensa de Macau e Hong Kong. Os adversários já não eram apenas os modestos clubes de hóquei de Hong Kong, com também agrupamentos mistos e seleções da colónia britânica, grupos e selecções de Singapura, universitários do Japão e ainda uma selecção de Cantão, formada, na sua maioria, por elementos da comunidade alemã estabelecida em Shameen.

Identificação dos jogadores (data ?; local ?)
1.ª plano (sentados): Henrique Nolasco da Silva; Fernando Marques; Lourenço Ritchie; Alexandre Airosa(?) ; Albertino Almeida
2.º plano (de joelhos): Herculano da Rocha (Josico); ???; Humberto Rodrigues.
3.º plano (de pé): João do Santos Ferreira; José dos Santos Ferreira; César Capitulé (guarda redes) ; Armando Basto.

Realizou-se nos dias 6 e 7 de Outubro um intercâmbio desportivo entre os portugueses de Hong Kong e Macau, tendo sido disputados com grande animação e concorrência, os diversos desafios de hóquei em campo, ténis e bridge.
Macau saiu vencedora em ténis e hóquei em campo mas perdeu no bridge.
O Encarregado do Governo e esposa assistiram interessados ao desafio de hóquei em campo entre os grupos de Hong Kong e Macau, no campo do Tap Seac.
O grupo de honra do Hockey Club de Macau que derrotou o grupo visitante por 2 a 0
De pé (da esqª para dtº) Herculano da Rocha, , Augusto Jorge, César Capitulé, José Vítor do Rosário, Armando Basto, Humberto Rodrigues
1.ª fila: Luís da Cunha, Frederico Nolasco da Silva, Lourenço Ritchie, Fernando Marques Marques, Albertino Almeida
Os grupos de 2.ªs categorias do Clube de Recreio e Hockey Club de Macau
O vice-cônsul de Hong Kong, sr. Fernando Ribeiro, entregando a Taça Brazão ao Sr. António de Melo, capitão do Ténis Civil de Macau que derrotou o Club de Recreio de Hong Kong por 8 a 1.
Os numerosos convivas que participaram no jantar de confraternização
O representante do grupo de Hong Kong, Sr Jackie Noronha, agradecendo a hospitalidade de Macau.
Extraído de «Mosaico» III-15/16,1951

Hóckey (Oquei) Club de Macau – Direcção (Anuário de Macau 1951/52)
Presidente : António Emílio Rodrigues da Silva
Secretário: Engenheiro Humberto Rodrigues
Tesoureiro : Herculano Silvânio da Rocha
Vogais: Frederico Nolasco da Silva e Pedro Hyndman Lobo

Ténis Civil – Direcção (Anuário de Macau 1951/52)
Presidente – Dr Cassiano C. de Castro Fonseca
Secretário: Eduardo Batalha da Silva
Tesoureiro Armando Rodrigues da Silva.

Existiu uma Associação de Bridge de Macau, que teve como presidente foi Frederico Nolasco da Silva, mas não consegui determinar com exactidão a data da sua existência.

No dia 14 de Janeiro de 1952, realizou-se um encontro de hóquei em campo, no campo desportivo do Tap Seac, caracterizadas por jogadas estonteantemente rápidas entre o Macau Hockey Club e o Army de Hong Kong que foi derrotado por 2 a 1.

mosaico-iii-17-18-1952-equipa-do-hockey-clube-de-macauA equipa do Hockey Clube de Macau

Da esquerda para a direita:
1.ª fila: José Vitor do Rosário, César Capitulé (guarda-redes) e Armando Basto
2.ª fila: Herculano da Rocha (capitão), Alexandre Airosa e Humberto Rodrigues
3.ª fila: Henrique Nolasco da Silva, Fernando Marques, Lourenço Ritchie, Augusto Jorge e Albertino Almeida.

mosaico-iii-17-18-1952-equipa-do-army-de-hong-kongA equipa do Exército (“Army”) de Hong Kong

FOTOS  em «MOSAICO, 1952»

No Campo da Caixa Escolar, a equipa de honra do Hóquei Clube de Macau registou neste dia, 13 de Março de 1955, uma merecida vitória, derrotando, por 4 a 1, uma forte equipa da primeira divisão de Hong Kong.
Denominada »Nav Bharat», a equipa visitante não é mais que um misto de jogadores indianos e paquistaneses, com o concurso, ainda, de um português e um britânico.
O onze do Hóquei Clube, se bem que não fez uma exibição em cheio, teve ocasião de patentear a sua superioridade, merecendo, inteiramente, a vitória.
O jogo teve um começo desastrado para a equipa de Macau, se bem que não fez exibição em cheio, teve ocasião de patentear a sua superioridade, merecendo inteiramente , a vitória…(…)
Os primeiros minutos da partida pertenceram aos visitantes, que carregaram, obstinadamente, o nosso semi-círculo, o que provocou entre os nossos, jogadas descondizentes e algumas faltas imperdoáveis.
Alguns «cantos curtos» foram, então, marcados contra Macau e, em menos de cinco minutos, Hong Kong marcava, a seu favor o primeiro tento da tarde. Rematada por Bhagat Singh, a bola, resultante de «canto curto», entrou sem defesa possível para Santos.
Os jogadores de Macau procuraram reagir e só depois de batalhar durante uns vinte minutos é que conseguiram assentar jogo. A partir desse momento, a partida passou a ter outra fisionomia. Em conclusão de um ataque bem concluído pela nossa linha avançada, Ritchie alcançou o tento de empate à custa dum remate potente. Chega o intervalo, sem alteração no marcador.
A equipa local, melhorando bastante o seu jogo, conseguiu, na 2.ª parte, exercer completo domínio sobre o «onze» adversário, que, fortemente oprimido e acusando falta de fôlego, acabou por ceder, permitindo a marcação dos tentos que deram a Macau a justa vitória.
Mais três bolas foram marcadas neste 2º período, a primeira por Augusto, a 2.ª por Ritchie e a última por Marques.
As equipas alinharam:
Rosário e A. Basto; J. Bosco, H. Rodrigues e R. Rosário; F. Nolasco, F. Marques, L. Ritchie , A. Jorge e A. Almeida.
Nav Bharat: F. Soares; Harnam e McCormack; Sarwan, B. Singh e Gurbux; Gurcharan, Manjit, Mohinder, U. S. Dillon e Uttam.
Reportagem de “Macau, Bol. Inf.“, 1955.

Na ocasião da tomada de posse da nova Direcção da Associação de Hóquei em Campo,  (1) foi realçado pelo novo presidente Filipe de Senna Fernandes  da  necessidade de reacender o interesse por esta modalidade e para isso reactivar a organização do que era o tradicional «interport» entre as selecções de hóquei em campo de Macau e Hong Kong.
Posteriormente após reunião com o “Hong Kong Hockey Association” ficou assente que esse «interport» regressaria em Março deste ano. Saúdo esta iniciativa porque  a par doutras decisões que a Direcção possa  tomar para melhorar o hóquei em campo em Macau, era e será sempre o «Interport» com Hong Kong, o que mais desejavam os hoquistas macaenses e os amantes deste desporto, em Macau.   Aliás um dos motivos do declínio desta modalidade no território foi  a decisão errada de acabar com «Interport» com Hong Kong .
E para lembrar os tempos áureos do hóquei em campo macaense, a notícia de 28 de Janeiro de 1952, foi a de mais um encontro anual (1952),o “XXI inter-cidades de Hóquei em Campo” realizado em Hong Kong. (2)
A equipa A do Hockey Clube de Macau venceu por 3 a 1 e a equipa B por 2 a 1.

MOSAICO III-17-18 1952 -Interport Hóquei em HK 28JAN1952 (I)A equipa A do Hóquei Clube de Macau com o Presidente, António Maria Rodrigues da Silva  e o treinador,  Dr. João dos Santos Ferreira.
Reconheço (da esq para a dta); em pé:  o guarda redes César Capitulé, Frederico Nolasco da Silva, Lourenço Ritchie, Dr. João dos Santos Ferreira (treinador), José Vitor Rosário, Humberto Rodrigues, Armando Bastos e o Presidente António M. Rodrigues da Silva; sentados: Herculano da Rocha. Albertino de Almeida, Alexandre Airosa, Augusto Jorge e Fernando Marques.
MOSAICO III-17-18 1952 -Interport Hóquei em HK 28JAN1952 (II)O capitão da equipa Humberto Fernando Rodrigues recebendo das mãos do Governador de Hong Kong, sir Alexander Grantham, a taça.

A Direcção do Hockey  Clube de Macau, em 1952 , era constituída por:
Presidente: Adm. António Maria Rodrigues da Silva
Secretário: Eng. Humberto Fernando Rodrigues
Tesoureiro: Herculano Silvânio da Rocha
Vogais: Frederico Nolasco da Silva e Pedro Hyndman Lobo
(1) Notícia no jornal “Ponto Final ” de 14 de Outubro de 2015.
(2) “Mosaico“, n.º 17 e 18, 1952

Reportagem do “Macau Boletim Informativo”, desse ano.

Por duas bolas a uma, a equipa de hóquei em campo de Macau, derrotou, em Hong Kong, a selecção de Hong Kong, no encontro do 14.º «Interport», entre as duas cidades vizinhas e amigas.
O encontro realizou-se no campo de Sukunpoo, em Hong Kong, perante numerosa assistência, sendo de salientar a presença do Exmo. Cônsul de Portugal em Hong Kong, Sr. Dr. Guilherme de Castilho, que dispensou à embaixada desportiva de Macau um cordial acolhimento.

As equipas alinharam:
MACAU: – César Capitulé; José Vítor do Rosário e Armando Basto; Herculano da Rocha (cap), Alexandre Airosa e Amadeu Cordeiro; Luís da Cunha, Fernando Marques, Lourenço Ritchie, Augusto Jorge e Albertino Almeida.
HONGKONG: – S.N. Ponniah; Alfredo Néry (cap) e Bhagat Singh; R. A. Colaço; M. M. J. Petters e L. Forde; Anthony S. Da Cruz, A. A. Dos Remédios Jr, Armando Marques e P.Gardner. (1)

O jogo foi, na opinião da vizinha colónia britânica, um dos mais interessantes de quantos se realizaram em Hong Kong até hoje. A equipa de Macau imprimu uma toada rápida ao jogo desde o início,obrigando Hong Kong a acompanhá-la na mesma toada e dando assim, lugar a uma partida renhida e digna de ser observada com o maior entusiasmo e emoção.
A meio da primeira parte, Ritchie avançado-centro de Macau, aproveitando um excelente centro do extremo-direito Cunha, enfiou nas redes adversárias a primeira bola da tarde sem defesa possível para Ponniah, justamente considerado o melhor guardião de Hong Kong.
Hong Kong reagiu energicamente e foi Gerard quem, ainda na primeira parte, conseguiu o tento do empate.
Ambas as equipas desenvolveram, na segunda parte, jogo estupendo, procurando, cada um por sua vez, alcançar o tento que lhe desse a vitória.
Aos impetuosos ataques dos avançados de Hong Kong respondiam os jogadores da linha defensiva de Macau com calme, perícia e excelente colocação, aliviando o mais que puderam o seu campo e desfazendo as perigosas arremetidas.
Por sua vez os avançados de Macau mostravam-se mais agressivos e desenvolviam melhor combinação.
O seu segundo golo não tardou a aparecer, sendo, novamente, Ritchie o seu autor.
Os últimos dez minutos foram de luta ardorosa… (…)

Dez cantos curtos foram marcados contra Macau nesse período derradeiro do jogo. E o ambicionato empate  de Hong Kong não se viu, não se sabe bem se por milagre, se por eficácia dos esforços sobre-humanos despendidos pelos jogadores de Macau.

14.º Int Hóquei em campo 1954

Em pé, da esquerda para a direita: o Dr  João dos Santos Ferreira, Presidente da Direcção do Hóquei Clube de Macau,  José Vítor do Rosário, Armando Basto,  César Capitulé, Herculano da Rocha (cap),  Amadeu Cordeiro e o Sr Cônsul (?)
Em primeiro plano: Luís da Cunha, Fernando Marques, Lourenço Ritchie, Augusto Jorge e Albertino Almeida.

A Associação de Hóquei de Hong Kong homenageou os hoquistas de Macau com um jantar, no Sky Room, (2)a que assistiram, além dos hoquistas e árbitros que participaram nos encontros, o Cônsul de Portugal e sua Exma Esposa, os directores da referida Associação e do Hóquei Clube de Macau e alguns convidados.”

(1) Integrava na equipa de Hong Kong, alguns jogadores macaenses.
(2) Terá sido (?) no muito popular “Sky Room Night Club”, situado no “Luna Park” também conhecido como “Great World Amusement Park” que funcionou de 1949 a 1954 (?), em “King´s Road”, na Ilha de Hong Kong.

A 22 de Novembro de 1956, iniciaram na cidade de Melbourne (Austrália), os Jogos Olímpicos de Verão de 1956 (XVI Olimpíada) (1). Os jogos decorreram até 8 de Dezembro no Melbourne Cricket Ground.
Nesse ano de 1956, estava programada que duas representações nacionais estariam a cargo da Província de Macau: a participação nos Campeonatos Mundial de Ténis de Mesa, no Japão (2) e o hóquei em campo nos Jogos Olímpicos da Austrália.
Mas a decisão final do ministro de Educação alegando dificuldades económicas (3), deitou por terra a aspirações dos jogadores macaenses de hóquei em campo.

Pode-se portanto dizer-se que, para os macaenses, a maior desilusão no desporto macaense nomeadamente no Hóquei em Campo, foi a sua não participação nos Jogos Olímpicos de Melbourne de 1956, em representação de Portugal.

Todo o programa de preparação estava delineado e a fim de preparar melhor a equipa, a Direcção do Hóquei Clube de Macau, convidou o Ten. Filipe Augusto do Ó Costa (conhecido como o introdutor desta modalidade em Macau, em 1924) (4) que chegou 21 de Julho de 1956, para aperfeiçoar e intensificar os treinos.

Em 1955, o “Macau-Boletim Informativo” (5) informava:
Em Macau, entre quase todos os entusiastas do desporto, sempre que se fale, nos Jogos Olímpicos de Melbourne, surge como que imperdoável a seguinte pergunta: Será a representação de Portugal, no Torneio Olímpico de Hóquei em Campo, confiada aos hoquistas de Macau?
Estarão os hoquistas de Macau à altura de suportar tamanha responsabilidade, qual seja a de prestigiar o nome de Portugal nos Jogos Olímpicos de Melbourne?
Os hoquistas de Macau, que, desde há muito, vêm acalentando fortes esperanças de, um dia, serem chamados às fileiras de uma representação nacional, julgam chegada a altura de porem a claro os seus justos anseios e reclamar para si as responsabilidades duma incumbência honrosa.
Nunca Portugal se fez representar nas Olimpíadas em hóquei em campo, possivelmente porque nunca se ofereceu a oportunidade ou porque nunca se ofereceu equipa capaz de proporcionar uma representação compensadora

Em 1955, o Sr. Roland Hill, delegado da Austrália ao Congresso Internacional de Agências de Viagens, entregou ao Presidente da Câmara de Lisboa, uma mensagem do Lord Mayor de Sidney, «manifestando o interesse dos poderes constituídos e dos meios desportivos do seu país por uma representação portuguesa nos próximos jogos olímpicos de Melbourne, lembrando a propósito a possibilidade dessa representação ser entregues à equipa de hóquei em campo de Macau, cuja categoria constituía certeza antecipada de boa figura» (6)

Na verdade o hóquei em Campo, em Macau, atingira um nível e o grau de perfeição que em nenhum outro desporto (em Macau) conseguiram.
Vejamos o palmarés, em jogos internacionais, nos anos que precederam esse ano de 1955:
Na época de 1949-50 disputaram-se 15 encontros dos quais ganharam 14 e teve 1 empate. dos 10 encontros, perderam um. Os restantes 9, só foram vitórias.
Em 1950-51 em 10 jogos 9 vitórias e uma derrota.
Em 1951-52, dos 10 encontros, 8 foram vitórias, 1 empate e 1 derrota.
Em 1952-53 dos 7 encontros realizados ganharam 4, perderam 1 e consentiram 2 empates.
Em 1953-54 7 vitórias em 8 encontros (com uma derrota).
Em 1954-55 10 jogos realizados com 9 vitórias e 1 derrota.
Este é o palmarés do pequeno núcleo de desportistas macaenses (uma verdadeira queda para esta modalidade) do Hóquei Clube de Macau (em termos de comparação em Hong Kong nessa altura tinha cerca de 400 jogadores em duas dezenas ou mais de agrupamentos de hóquei.)

Hóquei 1956 Jogos OlímpicosOs hoquistas de Macau preparando fisicamente no ginásio para as exigências de uma competição olímpica

NOTA: Quanto ao nível do hóquei em campo nesse tempo, Edward Eagan que fora campeão olímpico de boxe, pesos leves nos jogos realizados em 1920, na cidade de Antuérpia, e que mais tarde, em 1932, fizera parte do quarteto americano vencedor da prova de trenó, deu um entrevista à Imprensa local quando esteve em Macau durante algumas horas, em passeio, em 1 de Julho de 1955. Declarou que conhecia bem a fama dos hoquistas macaenses antes mesmo de chegar ao Extremo Oriente e que seria uma pena se os rapazes de Macau não conseguissem representar Portugal nos Jogos Olímpicos de Melbourne. Falando sobre o desporto em geral, o Sr. Eagan afirmou que a principal propaganda dum país era o desporto e que se Macau participasse nos Jogos Olímpicos, esta nossa terra, hoje tão conhecida e falada no estrangeiro, haveria de lucrar bastante.

Campo do Tap SeacO campo desportivo da Caixa Escolar, no Tap Seac  Foto tirada do Edifício da Caixa Escolar (7)

(1) Foram os primeiros Jogos Olímpicos no Hemisfério Sul. A cidade de Melbourne foi eleita cidade sede por apenas um voto de diferença ( a outra cidade era Buenos Aires).  Pela primeira vez uma das modalidades desportivas dos Jogos não foram realizadas nem na cidade nem no país  anfitrião, com o hipismo sendo transferido para Estocolmo (Suécia) e disputado cinco meses antes de Melbourne, devido às severas leis australianas relativas à quarentena de animais que impediam a entrada no país.
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Jogos_Ol%C3%ADmpicos_de_Ver%C3%A3o_de_1956
(2) O Campeonato do Mundo de Ténis de Mesa (pingue-pongue) realizou-se em Tóquio de 2 a 11 de Abril. A representação nacional não foi exclusivamente de atletas de Macau, já que além dos três jogadores macaenses (Raul da Rosa Duque, Augusto Gonçalves, Alberto Ló), juntou-se Manuel de Carvalho, do Benfica.
(3) Em Macau, houve uma subscrição pública para ajudar as despesas com a deslocação da equipa de Macau.
(4) Sobre Filipe Augusto do Ó  Costa ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/04/20/hoquei-em-campo-i-filipe-do-o-costa/
(5) Informações recolhidas de “Macau- Boletim Informativo”, 1955, 1956.
(6) O Hóquei Clube de Macau que, em 1955, filiara na Federação Portuguesa de Hóquei em Campo, argumentaria e justificaria, junto do Comité Olímpico Português assim, a escolha de Macau para representar Portugal em hóquei em campo: como Portugal, dado a distância a que se encontra da Austrália, teria provavelmente dificuldades em fazer representar-se, o envio de uma delegação desportiva de Macau seria mais fácil e financeiramente mais viável e contribuiria de forma apreciável para o desenvolvimento da modalidade e viria patentear ao mundo a realidade da sempre proclamada unidade da nação portuguesa.
(7) Foto tirada de TEIXEIRA, Monsenhor Manuel – Liceu de Macau, 3.ª edição. Direcção dos Serviços de Educação, 1986, 577p + |12|
NOTA: interessantes depoimentos sobre os primórdios do hóquei em campo em Macau  na blogosfera.
1- De  Albertino Alves de Almeida:
http://www.oclarim.com.mo/j120427/opiniao7.shtml
http://www.oclarim.com.mo/j120518/opiniao7.shtml
http://oclarim.com.mo/j120413/opiniao7.shtml
http://www.oclarim.com.mo/j120406/opiniao7.shtml  http://www.oclarim.com.mo/j120330/opiniao7.shtml
2 – De Rogério P. D. Luz: “Fernando Ramalho, dos melhores do hóquei de Macau, nos anos 30/40” e  “José dos Santos Ferreira “Adé”, entrevista de 1983 e o hockey de Macau anos 30/40” em:
http://cronicasmacaenses.com/2013/10/20/fernando-ramalho-dos-melhores-do-hoquei-de-macau-nos-anos-3040/
http://cronicasmacaenses.com/2013/08/23/jose-dos-santos-ferreira-ade-entrevista-de-1983-e-o-hockey-de-macau-anos-3040/
3 – Testemunho de João Bosco Basto da SilvaHóquei em campo (década 1950)”em:
http://macauantigo.blogspot.pt/2010/09/hoquei-em-campo-decada-1950-testemunhoi.html