Archives for posts with tag: Aeroporto Internacional de Macau

Em 10 de Março de 1980, o Governador de Macau general Melo Egídio, acompanhado pelos Secretários-adjuntos para os Assuntos Económicos Henrique de Jesus e Obras Públicas e Telecomunicações, Aires da Silva, efectuaram, até 17 deste mês, uma visita oficial à República Popular da China para tratarem de assuntos sobre Macau e as relações luso-chinesas, a convite do Ministro do Comércio Externo daquele país. O general Melo Egídio, Governador de Macau entre 1979 e 1981, foi o primeiro a realizar uma visita oficial, à República Popular da China, depois da implantação do regime comunista, em1949 e a estabelecer relações amistosas com as autoridades chinesas de Pequim como da província de Guangdong cerca de um ano depois de Portugal e China terem restabelecido as relações diplomáticas

General Nuno de Melo Egídio (1922-2011) Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (1981-1984)

Um dos assuntos da sua agenda era a obtenção de assentimento para construção de um aeroporto e de uma ligação ferroviária com a China. Quando da visita, o Governador de Macau teve oportunidade de ser recebido pelo Vice-Primeiro-Ministro, Deng Xiaoping, com ele trocando francas e amistosas impressões sobre o significado do estabelecimento de relações diplomáticas entre os dois países. (1)

Antes de regressar a Macau, a 15-03-1980, o Governador Melo Egídio e a sua comitiva visitaram Xangai e Guangzhou, aonde mantiveram conversações com o Governador de Guangdong, Xi Zhonxu e os Vice governadores Liang Weilin e Zeng Dindgshi sobre a cooperação entre a província de Guangdong e Macau (1)

(1) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. III, 2015, pp. 416-417

A 8 de Dezembro de 1989, o Governador Carlos Melancia provocou uma verdadeira explosão no território ao carregar no botão que fez deflagrar duas toneladas de explosivos para desmontar o morro da Ponta da Cabrita, assinalando assim o início formal das obras do aeroporto internacional de Macau (1)
O acontecimento foi presenciado por muitos curiosos (eu assisti da Estrada de Cacilhas, a perda de parte de uma “paisagem” diária da minha infância e adolescência)
A inauguração do aeroporto oficial (2) foi a 8 de Dezembro de 1995 (seis anos depois deste acontecimento) embora os voos tenham iniciado a 9 de Novembro de 1995.
Pormenor de um Mapa de 1934 onde se assinala a localização da Ponta Cabrita na ilha da Taipa Grande
Actualmente , embora inexistente a Ponta da Cabrita, permanece na Toponímia da Ilha da Taipa nas proximidades do Aeroporto,  a Estrada da Ponta da Cabrita – 雞頸馬路
Um trecho da estrada para a Ponta da Cabrita de autor não identificado, (data:?) do espólio do  IICT/Cartografia; Centro de Documentação e Informação.(3)
(1) Extraído do “Baú de recordações” do JTM.
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/aeroporto-internacional-de-macau/
(3) https://actd.iict.pt/view/actd:AHUD5114

Folheto turístico “BEM VINDO A MACAU” emitido pela Direcção dos Serviços de Turismo em Maio de 1998, composto por três partes dobráveis (cada uma com cerca de 21 cm x 30 cm), muito semelhante quer na grafia quer no conteúdo ao folheto turístico do ano anterior (ver postagem de 28-04-2018) (1)
A diferença está na actualização dos dados estatísticos referentes ao ano de 1997, nomeadamente ao que se refere ao Aeroporto Internacional de Macau:
“ Em 1996 e 1997 o Aeroporto Internacional de Macau foi distinguido com a classificação do terceiro melhor aeroporto da Ásia. A pontuação mais alta incidiu rapidez e eficiência da assistência ao check-in e à bagagem, e ainda à adequação do desenho e imagem do Aeroporto. A pontuação mais fraca foi atribuída às facilidades das lojas francas que desde então sofreram uma considerável melhoria com introdução de novas lojas, quiosques da especialidade (de diversas marcas de renome mundial) e preços competitivos.
Em 1998 o Aeroporto Internacional de Macau continuou a melhorar a qualidade dos seus serviços prestando aos passageiros um atendimento ainda mais requintado”
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/04/28/folheto-turistico-da-direccao-dos-servicos-de-turismo-de-1997/

Folheto turístico “BEM VINDO A MACAU” emitido pela Direcção dos Serviços de Turismo em Maio de 1997, composto por três partes dobráveis (cada uma com cerca de 21 cm x 30 cm)

MACAU Cidade de Cultura

… Macau é desde há séculos, ponto de encontro privilegiado de viajantes e de culturas. Terra de comércio, Macau encontra na actividade turística a razão da própria identidade. Não espanta por isso que um território tão pequeno receba anualmente cerca de 8 milhões de visitantes. Macau é por si só, um destino exótico, multifacetado e único.
A interligação das culturas está bem patente na singular herança histórica: Templos do século XVI, Fortalezas do século XVII, Igrejas do século XVIII, Palácio do século XIX, jardins chineses e aldeias flutuantes de pescadores.
Todo este património cultural sobreviveu até aos nossos dias porque sempre fez parte do quotidiano de Macau. Conservando o charme romântico europeu. Macau é hoje um Território moderno e em franco progresso e com um produto turístico diversificado para oferecer aos seus visitantes. (…)
… O sector do Turismo ocupa lugar de relevo na economia de Macau contribuindo com 43 % para o produto Interno Bruto e empregando, directa e indirectamente 30% da população activa. No final de 1996 Macau dispunha de 104 unidades de alojamento e 8500 quartos oferecendo aos visitantes uma ampla escolha – desde simples pensões até hotéis de nível internacional, um dos quais disponde de campo de golfe… (…)
Com o Aeroporto Internacional de Macau e os ambiciosos projectos de infraestruturas entretanto concluídos (o Terminal Marítimo, o Complexo Portuário de Ká Hó e a nova ponte da Amizade), Macau assume-se cada vez mais como um destino final de lazer e cultura, local de Congressos e Incentivos e também ponto de passagem para outros locais da Ásia-Pacífico…(…)

Capa da revista MACAU CELEBRATION CITY, n.º 1 publicado em Dezembro de 1996 (25 Patacas). Tópicos principais deste número: “A Macanese Christmas”, “Chinese New Year” e “Easter”

Revista (30cm x 21 cm; 34 páginas) em inglês, publicada em Dezembro de 1996, projectada para ser publicada três números ao ano, creio no entanto que só foi publicada este número. A capa do n.º 2, estava anunciada neste primeiro número e prevista para sair em Abril de 1997, mas não sei se foi concretizada. . Pretendia ser um “magazine” de acontecimentos festivos de Macau, hotéis, restaurantes, de divulgação turística. Publicação da “Imagination Macau” (“Managing Editor”: Liz Thomas).

Na contracapa um anúncio da “CAM– Macau International Airport Company”

MACAU, ASIA OLDEST GATEWAY TO CHINA
Asia´s oldest Europen gateway is home to Asia´s newest airport.”

No dia 8 de Dezembro de 1995, foram emitidos e postos em circulação pelos Correios de Macau  selos postais e um bloco filatélico alusivos à emissão extraordinária «Aeroporto Internacional de Macau»
1995-8dez1995-aeroporto-internacional-de-macauEnvelope de 16 cm x 11,6 cm, com obliteração de carimbo de 1.º dia de circulação, em 4 selos dos seguintes valores: 1.00 Pataca; 1.50 Patacas; 2.00 Patacas; e 3.00 Patacas.
portaria-302-95-m-27nov-selos-aimPortaria n.º 302/95/M de 27 de Novembro : emite e põe em circulação selos postais alusivos à emissão extraordinária «Aeroporto Internacional de Macau».

No dia 9 de Outubro de 1989, os «Correios e Telecomunicações de Macau / CTT MACAU» emitiram e puseram  a circular o sobrescrito do 1.º dia de circulação (selos e carimbo) com o tema “Meios de Transporte Tradicionais – Hidroaviões” (1)
1-a-dia-circulacao-meios-de-transportes-tradicionais-hidroavioesApresento o sobrescrito (C5 – 229 mm x 163 mm) do 1.º dia de circulação com o seu motivo e da obliteração  – (frente e verso com o logótipo dos C.T.T., em relevo) – com um selo de $7.50 patacas (diferente dos quatro emitidos e que constam na folha lembrança).
1-a-dia-circulacao-meios-de-transportes-tradicionais-hidroavioes-folha-lembrancaA folha lembrança (em português, inglês e chinês; dimensões: 30 cm x 21 cm)  apresenta quatro selos com os desenhos são de Ng Wai Kim:
50 avos – hidroavião + igreja da Penha
70 avos – hidroavião + fortaleza da Guia
2,8 patacas – hidroavião + barraca de pesca
4 patacas –  hidroavião + junco chinês
1-a-dia-circulacao-meios-de-transportes-tradicionais-hidroavioes-dados-tecnicosAlém dos dados técnicos, apresenta um resumo histórico da autoria de Manuel Vilarinho (Contra-almirante) (2)
Só no princípio do século XX se conseguiu voar num avião, pois só nessa altura se soube construir um motor que permitisse ao avião elevar-se no espaço. Assim, em 1906, Santos Dumont consegue voar 270 metros. Mas é com a I Guerra Mundial que a aviação começa a demonstrar as suas potencialidades. Em Portugal começa por criar em 1914 a Escola de Aviação Militar, em Vila Nova da Rainha, e em 1916 cria-se o Centro de Aviação Naval de Lisboa. Só entre as duas guerras mundiais se começa a desenvolver a aviação civil.
Não é pois de estranhar que os primeiros aviões que voaram em Macau fossem militares e, dadas as características do território, aviões da Aviação Naval.
É certo que a 20 de Junho de 1924 sobrevoou Macau o Breguet XVI B2, Pátria que aqui não consegue aterrar, e tem que aterrar de emergência perto de Cantão. (3)
Contudo a Aviação Naval chega a Macau em 1927, fundando-se o Centro de Aviação Naval de Macau, equipado com três aviões Fairey, os n.ºos 17, 19 e 20. O Fairey 17, o Santa Cruz, era um dos três aviões que, pilotados por Sacadura Cabral e tendo Gago Coutinho por navegador, tinham tomado parte na travessia aérea Lisboa-Rio de Janeiro , em 1922. (4)
O Centro de Aviação Naval é extinto em 1933 e de novo reactivado em 1938, desta vez com aviões Osprey, primeiro os n.ºos 71 e 72, aviões que tinham embarcado nos navios Afonso de Albuquerque e Bartolomeu Dias, a que se juntam mais tarde, outros quatro aviões também Osprey.
Em 1942, em plena II Guerra Mundial, o Centro de Aviação Naval é definitivamente extinto.
Na década de 30 é a vez de a aviação civil aparecer em Macau, com os hidroaviões da Pan-American que estabelecem carreiras comerciais partindo dos Estados Unidos.  da guerra do Pacífico resultou  que pouco durassem essas carreiras.
Que se saiba, só em 1948 volta a amarrar em Macau um outro hidroavião, Catalina PBY-2. Mas a era do hidroavião tinha passado e os progressos da aviação comercial seriam feitos com aviões de rodas, primeiro a hélice, depois a jacto.
Macau voltará a ser sobrevoada por aviões quando estiver concluído o aeroporto. (5)
Neste período de 90 anos o progresso da aviação foi surpreendente e os aviões que virão a Macau não terão comparação com aqueles que aqui voaram em 1928. Também a aviação comercial é uma empresa bem estruturada e que não pára de se desenvolver e progredir.
Acabaram, assim, os tempos em que o avião era um brinquedo e voar uma aventura romântica, um  modo de morte, que atraía os que o praticavam e as multidões. Hoje é uma profissão bem estabelecida e cujos riscos são quase os de qualquer outra actividade.
1-a-dia-circulacao-meios-de-transportes-tradicionais-hidroavioes-folha-resumo(1) Portaria n.º 164/89/M – Emite e põe em circulação selos postais alusivos à emissão extraordinária ‘Meios de Transporte Tradicionais – Hidroaviões”.
(2) Anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/manuel-vilarinho/
(3) Referências anteriores aos transportes aéreos em Macau
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/transportes-aereos/
(4) Referências anteriores ao Centro de Aviação Naval em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/centro-de-aviacao-naval/
(5) O Aeroporto Internacional de Macau foi inaugurado em Novembro de 1995

TAIPA Mapa Turístico 1991 CAPATAIPA 氹仔, MAPA TURÍSTICO 旅遊地圖, (1)

 A frente do folheto de 19 cm por 11 cm, editado pela Câmara Municipal das Ilhas, sem indicação da data (provavelmente 1991).

TAIPA Mapa Turístico 1991 VERSOO verso do folheto, com um mapa “miniatura” da ilha.

No interior, desdobrável, um mapa da Ilha da Taipa (45 cm x 35,5 cm).

TAIPA Mapa Turístico 1991 Planta da Ilha

Estão sinalizados (em português e chinês) além dos Templos e Mosteiros, do Largo do Carmo com a Igreja de Nossa Sr.ª do Carmo, do Jardim do Cais na Fortaleza da Taipa, do Jardim do Monumento, da sede da Câmara Municipal das Ilhas e da Biblioteca, as construções mais modernas como os solares da Avenida da Praia (vivendas construídas em 1921), o istmo Taipa-Coloane (construído em 1968), a ponte Governador Nobre de Carvalho (construção de 1970 a 74), o conjunto escultórico e miradouro da Montanha da Taipa Pequena (concluído em 1985). a Universidade de Macau (com esta denominação, em 1991, substituindo a Universidade da Àsia Oriental) e o hipódromo (reorganizado pela S.T.D.M em 1991),

Não sinalizados, mas já aparecem no mapa, os aterros de Pac On, à frente do cemitério chinês da Taipa, com a indicação do lugar da futura Central de Incineração dos Resíduos Sólidos de Macau (inaugurado em 1992) e os aterros para a construção do Aeroporto Internacional de Macau (inaugurado em 1995), junto à ponta Cabrita.

TAIPA Mapa Turístico 1991 Resenha históricaPor detrás do mapa, uma pequena resenha histórica da ilha de que retiro:
Oficialmente estabelecidos na península de Macau desde 1557, os portugueses a pedido das populações locais, no sentido de as protegerem de ataques de malfeitores que constantemente ameaçavam as suas embarcações, vidas e negócios, ocuparam em 1847, no tempo do Governador Ferreira do Amaral, a Taipa Pequena construindo-se nesse mesmo ano, uma fortaleza na parte ocidental da ilha.
Em 1851, o Governador António Gonçalves Cardoso mandou, pelas mesmas razões ocupar a outra parte da ilha, a Taipa Grande, que se encontrava então separada daquela. Recorde-se que até aos primeiros anos deste século a Taipa era formada por duas ilhas, a Taipa Grande e a Taipa Pequena

(1) 旅遊地圖 – mandarim pinyin: lu yóu di  tú ; cantonense jyutping: leoi5 jau4 dei6 tou4.

Pequeno livro (15 cm x 18,5 cm) de divulgação turística, de 1996, editado pela Câmara Municipal das Ilhas, em português e chinês, sem numeração das páginas. (1)

Roteiro das Ilhas -Ilda da Taipa CAPACAPA com a foto do conjunto escultório e miradouro na Montanha da Taipa Pequena, projectado pela escultura portuguesa Dorita Castel-Branco, concluído em 1985 e inaugurado em 23 de Dezembro de 1985 pelo Governador Vasco Leote de Almeida e Costa.

Roteiro das Ilhas -Ilda da Taipa CONTRACAPAA Contra-capa com o Brasão da Câmara Municipal das Ilhas (2)

Roteiro das Ilhas -Ilda da Taipa ÍNDICENa página 2, apresenta o Índice dos locais abordados da Ilha da Taipa, com interesse turístico, com um pequeno resumo sobre a história e descrição do local, acompanhado de fotografias.

Roteiro das Ilhas -Ilda da Taipa Mapa do TerritórioEntre as primeiras páginas, um desdobrável apresenta o  mapa do Mar da China, com incidência no Território de Macau e Regiões Adjacentes, numa escala de 1:250.000.

Roteiro das Ilhas -Ilda da Taipa Mapa da TaipaNo verso do desdobrável, outro mapa, o da Ilha da Taipa, do ano de 1996, (escala de 1:15 000) com as duas ligações a Macau (ponte do Governador Nobre de Carvalho e ponte da Amizade), o aeroporto, a Estrada do Istmo e os terrenos da futura COTAI.

(1) Roteiro das Ilhas, Ilha da Taipa. Edição da Câmara Municipal das Ilhas, 1996, 107 p. + 1 desdobrável, ISBN 972-8279-10-8.
(2) Pela Portaria n.º 468/74, de 10 de Julho, foi atribuído ao Concelho das Ilhas o privilégio de usar escudo de armas e bandeira próprios.