Archives for posts with tag: 2005

Envelope (32 cm x 22,5 cm) do Instituto Cultural do Governo da R.A.E. de Macau a propósito de:

 澳門 世界遺 MACAU  PATRIMÓNIO MUNDIAL – MACAO  WORLD HERITAGE

Envelope
Verso do envelope

No seu interior, com a mesma temática, pagela (29,5 cm x 21 cm) dos Correios de Macau (PGL 074) emitida no dia 16 de Julho de 2005, data do lançamento /1.º dia de circulação de 4 selos, um bloco filatélico, um sobrescrito de 1.º dia formato C6 (16,2 cm x 11,4 cm) e 4 bilhetes postais. (1)

Capa + Contracapa

“Baseada no tema “O Centro Histórico de Macau”, esta colecção de selos foi concebida para ilustrar a identidade oriental-ocidental única de Macau. Fazendo uso da representação em banda desenhada de personagens portuguesas e chinesas, no contexto de monumentos históricos selecionados que incluem as Ruínas de S. Paulo, o Templo de A-Má, a Casa do mandarim, o Teatro D. Pedro V e a Igreja de S. José, estas ilustrações reflectem a história de Macau.

De um pequeno porto mercantil chinês nos seus primórdios, Macau tornou-se num povoado de raiz portuguesa, onde duas civilizações se encontraram e coexistiram durante mais de quatro séculos. Este encontro histórico marcou igualmente o início do intercâmbio cultural Oriente- Ocidente, patente nas crenças religiosas, nos estilos de vida e até as técnicas de construção, reflexos nítidos da coexistência harmoniosa das culturas ocidental e oriental num período de intercâmbio e simbiose. Esta tolerância e respeito pelo intercâmbio cultural consubstanciam o que tornou Macau e o seu património cultural tão único e precioso.” (2)

Interiores da capa e contracapa
Capa
Contracapa

Dados Técnicos – Design: Instituto Cultural (Victor Marreiros, Leong Chi Hang)

(1)

BO n.º 29 de 18-07-2995, p. 792

(2) Instituto Cultural do Governo da R.A.E. de Macau.

Nesse terreno firme – a colina da Guia – argamassado com o suor de tantos valentes guerreiros e, por isso, mais consistentes, calcado com as rodas pesadas que deslocavam as grossas peças de artilharia, ajoelham anualmente novas fardas e novos cidadãos, envolvidos no sentimento patriótico e de devota homenagem da alma portuguesa, no dia 5 de Agosto, aos pés da Senhora das Neves. Vestida de seu gracioso manto azul, tapetado de estrelas doiradas, a todos recebe com o mesmo carinho de outrora, quando os marinheiros, singrando os mares para trazerem novas do reino distante, iam à sua capelinha cumprir os votos feitos em horas de tormenta e de aflição.

Foto de 1955

Cenário rico de natureza, mas também cenário abundante de recordações históricas e de terna devoção patriótica. Muitos calcorrearam os caminhos que conduziam ao cima da Guia; mas cremos que foi a Fé dos que subiram essas encostas em peregrinação que manteve desfraldada a bandeira lusa a flutuar ao vento mesmo ao lado da capelinha branca da Senhora.

No dia 5, logo pela manhãzinha, o sino velhinho, religiosamente conservado na pequena torre, fez ouvir a sua voz pela encosta e pela cidade, a despertar a população e a relembrar a data que mais uma vez se repetia.” (1)

Foto de 2005

A capela apresenta uma fachada simples, com um frontão triangular assente sobre pilastras pintadas de amarelo sobre um fundo branco. A nave mede 16 por 4,7 m e as suas grossas paredes suportam a abóbada interior. As paredes da capela estão ainda reforçadas por contrafortes ao longo do perímetro do edifício. Os frescos que hoje se vêm nas paredes e que estavam escondidos pelo caiado, foram recuperados em 1996. A sacristia situa-se do lado esquerdo e existe um pequeno coro-alto por cima da zona de entrada. O telhado está coberto com telhas cerâmicas tradicionais vermelhas. (2)

(1) Sem indicação de autor, MBI, III-41 de 15 de Agosto de 1955, pp. 8-10.

(2) http://www.wh.mo/pt/site/detail/25

Ver anteriores referências à Capela da Guia/Capela de Nossa Senhora das Neves, em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/01/10/1898-os-postais-do-jornal-unico-iv-pharol-da-guia/

Um pisa-papéis de vidro transparente, lembrança do 20.º aniversário dos Cuidados de Saúde Primários, celebrado no dia 19 de Julho de 2005, uma oferta dos Serviços de Saúde.
A parte superior/anterior sensivelmente com a forma dum coração (maiores dimensões: 10 cm na vertical x 8 cm horizontal)
Visão superior da base (interno)
A base (parte inferior) também com a forma dum coração (dimensões: 7 cm vertical x 8 cm horizontal)
Visão posterior (dimensões: 7 cm  de altura x 8 cm  de largura)

Capa/pasta (31 cm x 23 cm x 0,5 cm) do Instituto Cultural do Governo da RAEM emitido aquando do projecto de candidatura para “澳門世界遗產MACAU PATRIMÓNIO MUNDIAL – MACAU WORLD HERITAGE”.
O Centro Histórico de Macau entrou em 15 de julho de 2005, para a Lista do Património Mundial da Humanidade da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) na sua 29ª Sessão que decorreu em Durban, na África do Sul.
O Centro Histórico de Macau é um conjunto de ruas e praças antigas, onde se podem admirar edifícios muito bonitos e de estilos muito diferentes. Alguns desses edifícios, como por exemplo o Templo de A-Má, a Casa do Mandarim, o Templo de Sam Kai Vui Kun, a Casa de Lou Kau, o Templo de Na Tcha, foram construídos segundo modelos chineses. Outros como a Fortaleza do Monte, a Fortaleza e o Farol da Guia, o Leal Senado e as variadíssimas igrejas e capelas seguiram modelos europeus. Este centro histórico representa a grande diversidade cultural da cidade de Macau. Por ser único no mundo, pela sua beleza e pelo seu valor na história universal foi incluído pela UNESCO na Lista do Património Mundial da Humanidade, como o 31º sítio do Património Mundial da China.
澳門世界遗產mandarim pīnyīn: ào  mén shì jiè wèi chǎn; cantonense jyutping: ou3 mun4 sai3 gaai3 wai4 caan2.

A contracapa

Caixas de fósforos do Hotel Beverly Plaza. Dimensões: 5,5 cm x 3,5 cm x 0,7 cm
Os dois lados da caixa com o mesmo design. O logótipo, o nome do hotel em chinês e em português

富豪酒店
HOTEL BEVERLY PLAZA

Num dos lados menores,  o endereço em chinês e o número de telefone.

澳門羅理基博士大馬路富豪酒店
337755

Cabeças dos fósforos de cor vermelhas.

O Beverly Plaza, situado na Avenida do Dr. Rodrigo Rodrigues, n.º 70-100,é um hotel de 4 estrelas, com 294 quartos e 6 suites (actualmente).
Tem 19 andares e foi inaugurado em 1989. Teve uma renovação em 2005.

A revista «MACAU B. I. T.» em Março de 1976 (1) chamava a atenção para a necessidade da criação de um Museu de Arte Religiosa, em Macau, aproveitando os artigos religiosos, estátuas  e outros artigos relacionadas com as Missões em Macau e que se encontravam acumuladas na Igreja de S. Domingos.

MACAU B.I.T. XI, n.º1 e 2 MAR-ABR 1976 ~Igreja de S. DomingosIGREJA DE S. DOMINGOS, 1976

É natural que numa cidade de tão acentuadas tradições religiosas muito tenha ficado a testemunhar esta vivência, aqui às portas da China. Muitos que demandam esta nossa terra, sentem-se, sem dúvida, curiosos em verificar o que neste campo temos para lhes oferecer, levando-os a percorrer, através dos testemunhos presentes, etapas tão dilatadas como sugestivas.
Se não estamos em erro, muitos dos artigos, estátuas e outros, encontram-se acumulados na vestuta igreja de S. Domingos, um templo que fica num lugar muito acessível e para o qual poderiam ser conduzidos, com mais frequência, grupos de turistas. Nada perderiam, porque a sua arquitectura, se bem que bastante simples, não deixa de revelar certo recorte artístico…(…)
Supomos que nas dependências daquela veneranda igreja, que testemunhou a intensa actividade missionária de tantos religiosos dominicanos, se encontra lugar muito apropriado para a montagem dum museu, enquadrando-o num ambiente de certa religiosidade, em harmonia com o carácter dos objectos expostos…” (1) 

MACAU B.I.T. XI, n.º1 e 2 MAR-ABR 1976 ~Tesouros de Arte SacraSra. da Boa Viagem, 1976

NOTA: Hoje os artigos religiosos, estátuas  e outros artigos relacionadas com as Missões em Macau, encontram-se, desde 1997 (após restauro da Igreja e seus anexos)  no Tesouro de Arte Sacra, localizado no campanário e torre sineira da Igreja de S. Domingos ocupando três andares, desde 1997. ÁLBUM 2005 - TESOUROS DA ARTE SACRA II

Tesouro de Arte Sacra, Igreja de S. Domingos, 2005

O Tesouro de Arte Sacra é um espólio constituído por cerca de 300 artefactos religiosos, dos séculos XVII a XIX. O acesso a esta torre faz-se através de um corredor situado do lado direito da nave da igreja. Na década de 90 do século XX, o Instituto Cultural financiou a recuperação e o restauro da Igreja para permitir a instalação deste Tesouro, num espaço que foi aberto ao público em 23 de Novembro de 1997.
ÁLBUM 2005 - TESOUROS DA ARTE SACRA III

Tesouro de Arte Sacra, Igreja de S. Domingos, 2005

Fazem parte deste espólio, objectos sacramentais em prata, bronze e ouro, estátuas em madeira, gesso e marfim, pinturas a óleo, entre as quais uma do século XVII retratando Santo Agostinho, gravuras com cenas bíblicas, vestimentas litúrgicas, etc. Em exposição estão dois sinos do século XIX.
ÁLBUM 2005 - TESOUROS DA ARTE SACRA I

Tesouro de Arte Sacra, Igreja de S. Domingos, 2005

A Igreja de São Domingos está  incluído na Lista dos monumentos históricos do “Centro Histórico de Macau”, e incluído na Lista do Património Mundial da Humanidade da UNESCO.
Existe ainda presentemente outro espaço em Macau, dedicado à Arte Sacra: o  Museu de Arte Sacra localizado  nas traseiras (cripta/capela) das Ruínas de S. Paulo, após a sua recuperação e musealização entre 1990 e 1995. Aqui encontra-se uma selecção de pintura, escultura e alfaias litúrgicas representativas das igrejas e conventos da cidade.
(1) Artigo não assinado e fotos (a preto e branco) retirados de «MACAU B. I. T.»de 1976.

COM PALAVRAS AMO – livro (1) com poesias de Eugénio de Andrade (2), traduzidas para chinês por Yao Jingming, editado pelo Instituto Cultural de Macau, em  1990.

Com Palavras Amo - Eugénio de Andrade1990 CAPACAPA

IGNORO O QUE SEJA A FLOR DA ÁGUA

Ignoro o que seja a flor da água
mas conheço o seu aroma:
depois das primeiras chuvas
sobe ao terraço

entra nu pela varanda,
o corpo inda molhado
procura o nosso corpo e começa a tremer:
então é como se na sua boca

um resto de imortalidade
nos fosse dado a beber,
e toda a música da terra,
toda a música do céu fosse nossa,

até ao fim do mundo
até amanhecer (3)

Com Palavras Amo - Eugénio de Andrade1990 CONTRACAPACONTRACAPA

Eugénio de Andrade(1) ANDRADE, Eugénio – Com Palavras Amo. Antologia Bilingue Português-Chinês. Tradução para chinês: Yao Jingming. Instituto Cultural de Macau, 1990, 113p., ISBN 972-35-0091-1. (23 cm x 15, 8 cm).

NOTA: No dia 9 de Outubro de 1990, foi inaugurada na Livraria Poruguesa, uma exposição de retratos do poeta, na ocasião do lançamento da antologia bilingue (português-chinês) “Com Palavras Ano”. No dia anteior, 8 de Outubro, houve um recital de poesia no Leal Senado.
(2) Eugénio de Andrade, pseudónimo de José Fontinhas, (1923 – 2005), esteve em Macau, em Outubro de 1990, tendo escrito 12 pequenos poemas, apontamentos e textos em prosa poética, publicados em “Pequeno Caderno do Oriente”.
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/eugenio-de-andrade/
(3) Página 67 do livro citado em (1)

Catálogo (1) duma exposição  de rótulos de caixas de fósforos antigas realizada na Casa de Exposições , Casas Museu – Taipa de 30 de Dezembro de 2005 a 26 de Fevereiro de 2006.

Catálogo Esplendor Centenário CAPACAPA

Trata-se de um excelente catálogo produzido pelos Serviços Culturais  e Recreativos do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais, em Dezembro de 2005. A exposição apresentava mais de 1000 exemplares de rótulos de caixas de fósforos produzidos na China,  uma variedade de desenhos e padrões que iam desde o período do final da Dinastia Qing até ao advento da República, e rótulos completos e temáticos do Período Republicano. Apresentava também, os rótulos das caixas de fósforos produzidos em Macau  das décadas de 20 à 50  (no período áureo desta indústria, décadas de 20 e 30, Macau possuía diversas fábricas e marcas próprias e empregavam mais de mil operários), das conhecidas fábricas, Cheong Ming, Tung Hing, Tai Kwong e Man Koc.

Catálogo Esplendor Centenário 1.ª páginaNa ” Mensagem”  (p. 13) do Presidente do Conselho Administração do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais, Lau Si Io , retiro o seguinte trecho:
… Uma pequena caixa de fósforos é um objecto encantador. A parte de cima apresenta normalmente a marca e a parte de baixo o anúncio, designado por “rótulo traseiro” . As caixas que têm uma etiqueta a toda a volta, incluindo a faixa da lixa, são conhecidas por caixas de “rótulo completo”, É extraordinária, a forma como podemos ver o mundo projectado num pedaço de papel de poucos centímetros...”
(1) Esplendor Centenário – Rótulos de Caixas de Fósforos Antigas / Centennial Glamour – Matchbox Labels. Edição do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais da Região Administrativa Especial de Macau. 2005, 63 p., ISBN 99937-54-66-8, 26 cm x 22 cm.

Da colecção dos postais emitida em 16 de Julho de 2005  com o tema “Macau Património Mundial” (1) apresento hoje o postal (15 cm x 10,5 cm) emitido nesse dia com o mesmo tema  e dedicado à CASA DO MANDARIM – um dos edifícios patrimoniais do Centro Histórico de Macau e inscrito na Lista do Património Mundial da Unesco em 2005.

澳門 世界 遺 產
MACAU PATRIMÓNIO MUNDIAL
MACAO WORLD HERITAGE

POSTAL - CASA DO MANDARIMConstruído antes de 1869, este foi o lar de arquitectura tradicional chinesa da proeminente figura literária chinês Zheng Guanying, cujos trabalhos sobre mercados económicos influenciaram tanto o Dr. Sun Yat Sen e Mao Tse Tung e que foram utilizados por eles promovendo grandes mudanças históricas na China. Este complexo residencial de estilo tradicional chinês que tem uma área de cerca de 4.000 metros quadrados também com espaços abertos, integra vários estilos arquitectónicos e  constitui o maior complexo residencial Chinês existente em Macau. Está localizado junto ao Largo do Lilau, um dos primeiros da cidade ao estilo das praças Portuguesas.
POSTAL - CASA DO MANDARIM verso(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/04/18/dia-internacio-nal-dos-monumentos-e-sitios-postal-macau-patrimonio-mundial/
Anterior referência à Casa do Mandarim em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/casa-do-mandarim/

EXP. Plantas de Edifícios Históricos CARTAZContinuação da minha colecção de marcadores de livro referentes à Exposição de Plantas de Edifícios Históricos”, realizada entre 22 de Agosto e 22 de Outubro de 2005  e organizada pelo Instituto Cultural do Governo da R. A. E. de Macau no Arquivo Histórico. (1) (2)

EXP. Plantas de Edifícios Históricos Bairro de S. LázaroMarcador: Bairro de São Lázaro

“Na sequência da sua demolição em finais do século XIX devido às deficientes condições higiénicas, surgiu um novo bairro de malha regular que albergou a vivência urbana e peculiar de Macau dos anos 20 do século passado.”

EXP. Plantas de Edifícios Históricos Bairro de S. Lázaro versoNOTA: “Em 10 de Setembro de 1808 o Pe. Agostinho espanhol, José Segui requereu ao Senado um terreno baldio, defronte uma povoação que estava fora das portas de S. Lázaro onde estavam 300 a 400 novos cristãos chineses. Estes foram perseguidos por ordem dos Mandarins mas muitos deles voltaram, registando-se em 1818, nada menos de 98 casas de cristãos chineses. O jornal “Echo Macaense”, de 21.02-1897 dizia: «Até 1871 as freguesias da Sé, S. Lourenço, e Santo António eram as únicas onde estavam estabelecidas as residências de portuguezes: em 1878, estenderam-se elas já para S. Lázaro, e em 1896 disseminaram-se pelos bairros chinas: ora sendo em geral os rendimentos dos prédios das três primeiras freguesias, pela natureza da construção e pela sua situação, superior ao dos prédios da freguesia de S. Lázaro e dos bairros, a dispersão encontra natural explicação no presente estado financeiro dos filhos desta terra, como também a este estado se pode atribuir a sucessiva diminuição d´esta parte da comunidade portugueza, e, como consequência, a sua emigração»” (3)

EXP. Plantas de Edifícios Históricos Igreja N.S.CarmoMarcador: Igreja de Nossa Senhora do Carmo

“A construção desta igreja foi proposta em 1882 e concluído em 1885, sob o motivo de promover a missão católica junto dos três mil habitantes da Taipa”

EXP. Plantas de Edifícios Históricos Igreja N.S.Carmo versoNOTA: “Dado o constante aumento da população que se entregava à pesca, construiu-se em 1876 na Taipa para atender às suas necessidades espirituais uma ermida  e com tão bom sucesso que em breve foi necessário um edifício mais vasto, levantando-se em 1883 uma igreja; a actual igreja dedicada a Nossa Senhora do Carmo foi levantada em 1885, ficando ali como pároco o P. José V. da Costa, antigo missionário e superior de Hainan”. (4)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/02/17/marcadores-de-livro-i-exposicao-de-plantas-de-edificios-historicos/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/02/28/marcadores-de-livro-ii-exposicao-de-plantas-de-edificios-historicos/
(3) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I.
(4) TEIXEIRA, P. Manuel – Macau e a sua Diocese I, 1940