Archives for posts with tag: 1984
Dimensões: 27 cm x 19, 5 cm

Programa das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades de Portuguesas para o dia 9 de Junho de 1984, bilingue, português e chinês, do Instituto Cultural de Macau.

De 19 de Dezembro de 1983 a 15 de Janeiro de 1984 decorreu na Galeria Almada Negreiros (Lisboa) uma exposição sobre o património arquitectónico de Macau, numa organização do Departamento de Defesa do Património Urbanístico, Paisagístico e Cultural de Macau, com a colaboração do Ministério da Cultura.

Página 19 da revista «Sábado» (1)

(1) PEDREIRINHO, José Manuel – De Macau: as pedras que nos falam in Revista «SÁBADO», suplemento ao Boletim Diário de Informação. Edição do Gabinete de Comunicação Social, n.º 80 de 7-01-1984, pp. 18-21.

No dia 18 de Novembro de 1987, os «Correios e Telecomunicações de Macau / CTT MACAU» emitiram e puseram em circulação selos postais alusivos à emissão extraordinária “Meios de Transportes Tradicionais – 1. º Grupo“ e um bloco filatélico. Trata-se de uma continuação da emissão de selos sob o tema “Meios de Transporte “ iniciado em 1984 com os “Barcos de Pesca” e terminado com os “Hidroaviões” (estes já publicados em anteriores postagens (1) (2)

Os quatros selos desta emissão são nos valores de 10 avos (carro de mercadorias), 70 avos (cadeirinha) 90 avos (riquexó) e 10 patacas (triciclo) (3)

Um dos meios de transporte mais antigo e comum usado na china e em Macau foi a cadeirinha portátil. Sustentada por dois varais compridos, era conduzida por dois homens, um colocado atrás e outro à frente. Foi usada principalmente nas cidades e no campo em pequenas distâncias. A cadeirinha foi durante a maior parte da história de Macau o meio de transporte mais importante e típico”. (4)

O Bispo de Macau tinha ao seu serviço quatro cadeirinhas, reservando uma para cada estação do ano. (5)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/10/22/noticia-de-22-de-outubro-de-1984-filatelia-barcos-de-pesca/https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/10/25/noticia-de-25-de-outubro-de-1985-filatelia-barcos-de-carga/https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/08/28/noticia-de-28-de-agosto-de-1986-filatelia-1-o-dia-de-circulacao-meios-de-transporte-barcos-de-passageiros/https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/07/15/noticia-de-15-de-julho-de-1988-filatelia-meios-de-transportes-tradicionais-2o-grupo/https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/10/09/noticia-de-9-de-outubro-de-1989-1-o-dia-de-circulacao-meios-de-transpor-tes-tradiconais-hidroavioes/https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/10/09/noticia-de-9-de-outubro-de-1989-1-o-dia-de-circulacao-meios-de-transpor-tes-tradiconais-hidroavioes-ii/

(3) Portaria n.º 143/87/M de 9 de Novembro (BOM n.º 45, 1987, p. 2943) – Emite e põe em circulação selos postais e blocos alusivos aos “Meios de Transportes Terrestres Tradicionais”

(4) Texto de Jorge Cavalheiro in “Da Sampana ao Jactoplanador, Da Cadeirinha ao Automóvel”. Edição da Direcção dos Serviços de Correios e Telecomunicações de Macau, 1990, 114 p.

(5) “O palanquim do Bispo de Macau tinha janelas de vidro e decorado com madrepérolas. Não há nenhum que ouse ser tão belo ou que se lhe possa comparar “ «Ou-Mun Kei-Leok Monografia de Macau», tradução de Luís Gonzaga Gomes, Outubro de 1979, p. 228.

Anteriores referências a triciclos e riquexós em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/triciclos/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/riquexos/

Mário Cabral e Sá, de Goa, num artigo publicado na «Revista Nam Van» de 1984 (1) a propósito do Arquivo Histórico de Goa onde se encontra vários processos administrativos e judiciais do regime português até 1961 (data em que termina a alçada judicial que o Tribunal de Relação de Goa tinha sobre Macau e Timor), refere que entre esses processos nomeadamente numa série de «Livros de Macau» encontrou o processo n.º 113 ( o autor não aponta a data!) que relata sumariamente o seguinte: 

“O Dr. Gustavo Nolasco da Silva, (2) conservador do Registo Predial da Comarca de Macau, foi ferido, com dois tiros de revólver, por Fernando Sena Rodrigues, (3) natural de Macau, casado, comerciante. Nolasco da Silva, que era também vogal da Comissão de Terras, teria dito a Sena Rodrigues que não lhe era possível conceder os terrenos referidos porque já o haviam sido a um tal Gomes, que era financiado por uns alemães de uma sociedade em que o pai de Nolasco da Silva parecia ter interesses.”

(1) SÁ, Mário Cabral e – Há muitas maneiras de matar pulgas in «Revista Nam Vam», n.º 5, 1 de Outubro de 1984, pp. 25-26.

(2) Gustavo Nolasco da Silva (1909-1991), 2.º filho de Luis Gonzaga Nolasco da Silva (7.º filho de Pedro Nolasco da Silva e Edith Maria Angier) e proprietário da «Casa Branca», posteriormente Convento da Ordem do Precioso Sangue, era licenciado em Direito. Foi conservador do Registo Predial de Macau. Foi advogado da Irmandade da Santa Casa da Misericórdia (Cartório da Santa Casa). https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/gustavo-nolasco-da-silva/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/01/09/postais-macau-artistico-iv/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/05/06/personalidade-pedro-nolasco-da-silva/

(3) Fernando de Senna Fernandes Rodrigues (1895-1945) 1.º filho de Fernando José Rodrigues e de Alina Clarissa de Senna Fernandes, proprietário e fundador da «Firma F. Rodrigues, agente de companhias de navegação e seguros. Faleceu assassinado à porta da Caixa Escolar, por Wong Kong Kit, a soldo de uma quadrilha de chineses pró japoneses em 10-09-1945. https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fernando-de-senna-fernandes-rodrigues/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/firma-f-rodrigues/

CAPA

Suplemento ao “Programa Oficial” do 31.º Grande Prémio de Macau, realizado nos dias 17 (sábado) e 18 (domingo) de Novembro (1) intitulado “ Para lá das rodas / Behind the wheels” (27 cm x 19 cm; 24 p.), em português, chinês e inglês, contendo as listas de todos os participantes das diversas corridas e um artigo do jornalista Pedro Dá Mesquita com os subtítulos:

Uma magia que dura há 30 anos” (p. 2); “A mais ansiada das vitórias” (p.2); “G. P. de motos bater o triunvirato inglês” (pp.2-3); “A corrida dos campeões” (p. 3); “A opção certa” (p. 4); “O norte e o sul” (p.4); “A armada britânica” (p.4); “Continua o domínio latino” (pp. 4-5); “Os pilotos que vêm do frio” (p.5).

CONTRACAPA

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/11/17/noticias-de-17-18-de-novembro-de-1984-31-o-grande-premio-de-macau-macau-grand-prix-i/

CAPA DO PROGRAMA

Programa oficial do 31.º Grande Prémio de Macau, (28 cm x 21 cm x 0,5 cm; 105 p.) que se realizou nos dias 17 (sábado) e 18 (domingo) de Novembro (com circuito da Guia fechado nos dias 15 e 16 para treinos), edição trilingue da Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau (Calçada do Tronco Velho, n.º 14-M (A,B), Edifício “Centro Oriental), em português, chinês e inglês. (1)

Do editorial (p.4):”São passados 31 anos desde que, pela primeira vez, se fechou parte de uma rua pública em Macau e se apresentou uma prova de corridas de automóveis. Ninguém, então estamos certos, poderia imaginar que aqueles humildes inícios nos levariam ao que é agora, em 1984, a primeira prova automobilística realizada na Ásia. Aquilo que era um troço de estrada fechada com setas, que assinalavam aos condutores a o caminho a seguir, evoluiu de forma a tornar-se no competitivo circuito da Guia, com3,8 milhas. Durante dois dias de treinos e dois de competição, o circuito da Guia, irá trazer-nos, mais uma vez, os melhores condutores de Fórmula 3 e de motas. Como espectáculo, drama, barulho e atmosfera, não há nada que se lhe compare em toda a Ásia. A recente abertura de alguns novos hóteis de primeira classe, permite que mais espectadores que anteriormente assistam à corrida deste ano. No hóteis, as dicotecas, clubes nocturnos e restaurantes aumentam grandemente a diversidade de divertimentos nocturnos. A maior parte dos hóteis apresentam cozinha e vinhos portugueses durante toda a semana. Além do mais, estão planeadas algumas diversões excitantes: concertos de música pop/jazz e espectáculos culturais, a realizar nas escadarias das Ruínas da Catedral de São Paulo, passagem de modelos, fogo de artifício e como mais uma novidade este ano, haverá uma corrida de triciclos que combinará a beleza das bailarinas do Crazy Paris com a «pedalada» dos representantes dos principais hotéis do território. Benvindos pois, não só ao Grande Prémio, mas também à semana de «fiera» em Macau … e DIVIRTAM-SE!”

CONTRACAPA

Neste ano as provas em competição foram:

MC Senior / MC Senior Race (12 voltas)

MCGP (15 +15 voltas)

Corrida Carros Iniciados / Novice Car Race (12 voltas)

Carros Clássicos /East Asia Classic Cars Race (6 voltas)

Corrida ACP / ACP Trophy Race (12 voltas)

Corrida Mitsubishi Colt-Jackie Chan / Mitsubishi Colt- Jackie Chan Race (6 + 6 voltas)

Corrida MC Iniciados / MC Novice Race (12 voltas)

Competição Super Carros Cassini / Cassini Super Car Challenge (10 voltas)

Corrida da Guia / Guia Race (25 voltas)

31.º Grande Prémio de Macau / 31 st Macau G.P. (15 + 15 voltas)

O “Programa” apresenta ainda além dos múltiplos anúncios de publicidade, alguns artigos sem referência aos autores dos mesmos, nomeadamente: “Macau: a capital asiática do automobilismo” (pp. 26-46); “O grande prémio de Macau” (pp.48-66; “Os jardins (e museus) de Macau” (pp.75-86); “As fortalezas de Macau”  (pp. 87-95) e “Comida exótica e deliciosa” (pp. 98-103)

RESTAURANTES PORTUGUESES E MACAENSES

No concurso de cartaz,logotipo e fotografia , forram vencedores – Cartaz: 1.º Tong Wai Hang;  2.º Ng Wai Kin ; 3.º Tsui Tak Meng – Logotipo: 1.º Luk Kong; 2.º Ko Pou Sang – Fotografia: 1.º Peter Chang ; 2.º Hong Kong; 3.º Romeo; Menção Honrosa: Wong Jak Yip

(1) Comissão Organizadora:

Presidente: Carlos José de Amorim Algeós Ayres;

Director Executivo: Joaquim José Mesquita da Silva Pereira;

M.A.M. de Carvalho, J. A. Lobo, A. Silva Moura, J.M.S.R. Tomé, D.M.E.S. Guilherme, J.F.S.A. Reis.

Delegado do A. C. P. – F. M. G. C. Marques

Delegado da F. P. M. – H. Senna Fernandes

Cartão (no interior do Programa”) (11,4 cm x 8,3 cm) “Com os cumprimentos da Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau

No dia 22 de Agosto de 1984, os «Correios e Telecomunicações de Macau / CTT MACAU» emitiram e puseram em circulação os primeiros selos postais alusivos ao tema “Meios de Transportes”, com a emissão de “Barcos de Pesca”, 1984. (1) Posteriormente com o mesma tema, foram emitidos em emissão anual, nos cinco anos seguintes, terminando em 1989 com os  “Hidroaviões” (já publicados em anteriores postagens) (2)

Os quatros selos desta emissão são nos valores de 20 avos (HOK LOU T´ENG); 60 avos (TAI TÓNG); 2 patacas (TAI MEI CHAI);  e 5 patacas (CH´AT PONG T´Ó). Os desenhos são de Ng Wai Kin

Os selos apresentam o logotipo da exibição mundial filatélica que decorreu em Seul (Coreia do Sul) de 22 a 31 de Outubro de 1984 (“Phila Korea 1984 World Philatelic Exhibition, Seoul”, com o patrocínio da FIP  – Fédération Internationale de Philatélie

HOK LOU T´ENG

TAI TÓNG ou Tai-Tó – Uma das maiores embarcações de pesca com cerca de 60 e 70 Côvados de comprido, 17 de largo, 9 de pontal e 5 a 6 de calado, de proa direita, popa redonda com castelos floreados e de 2 mastros. Pesca em parelha, deitando a rede de manhã e só a levantando ao escurecer. Pesca no lato em 40, 50 e mais braças de fundo, correndo todo o Sul do mar da China. (3).

TAI MEI CHAI – Proa afilada e popa de painel com dois mastros. Pesca à linha, pescando em parelha. (3)

CH´AT P´ONG T´Ó – (Arrastão grande de Oceano) – Pesca no alto como o «Tai-T´ó cujas dimensões, mesmo excede. Cerca de 70 côvados de comprido, 16 de boca, 8 de pontal e 5 a 6 de calado. A proa é direita e a popa de painel ou redonda, com 3 mastros bastante espaçados e divergentes, destacando-se pela elevação e do tambadilho e por ter a quase todo o comprimento a mesma boca. O corte do pano é também diferente com a valuma muito mais arqueada. São barcos delgados de formas e que correm muito bem. (3)

 (1) Portaria n.º 148/84/M: Emite e põe em circulação neste território selos postais alusivos a “Meios de Transporte – Barcos de Pesca” (emissão extraordinária).  

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/08/28/noticia-de-28-de-agosto-de-1986-filatelia-1-o-dia-de-circulacao-meios-de-transporte-barcos-de-passageiros/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/10/09/noticia-de-9-de-outubro-de-1989-1-o-dia-de-circulacao-meios-de-transpor-tes-tradiconais-hidroavioes-ii/   https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/10/09/noticia-de-9-de-outubro-de-1989-1-o-dia-de-circulacao-meios-de-transpor-tes-tradiconais-hidroavioes/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/07/15/noticia-de-15-de-julho-de-1988-filatelia-meios-de-transportes-tradicionais-2o-grupo/

(3) CARMONA. Artur Leonel Barbosa – Lorchas, Juncos e outros barcos usados no Sul da China, 1985. 77 p. (in pp. 15-18)

CAPA
Programa (27,5 cm x 14,5 cm) foi impresso na Tipografia Welfare Co. – Macau

Actuou em Macau de 4 a 8 de Maio de 1984, o Grupo Acrobático de Guangdong (Cantão) – 中國廣東 雜技團,(1) fundada em 1951, a convite do Sr. Chiu Iu. Creio que os espectáculos foram no Teatro Alegria. Era a 3.ª vez que o Grupo se deslocava a Macau sendo as anteriores actuações nos anos de 1959 e 1960

(1) 中國廣東 雜技團mandarim pīnyīn: zhōng guó guǎng dōng zá jì tuán; cantonense jyutping: zung1 gwok3 qwong2 dung1 zaap6 gei6 tyun4

O Ano Novo Chinês ANO LUNAR DO RATO / ÁGUA / MASCULINO / BRANCO (1) começa hoje, 25 de Janeiro de 2020, e foi precisamente neste dia , há 36 anos, a 25 de Janeiro de 1984, o CTT emitiu e pôs  em circulação 450 000 selos postais da taxa de $ 0,60, alusivos ao signo chinês do Ano Novo Lunar do Rato, que se, iniciou, em 1984, a 2 de Fevereiro.
Em anterior postagem de 25 de Janeiro de 25/01/2018 (1), apresentei a pagela n.º 8 referente a essa emissão extraordinária com um sobrescrito de 1.º dia de circulação, selo e obliteração de 1.º dia.
Hoje apresento, desse ano, 16 selos iguais sem obliteração e um “marcador” de 21 cm x 5 cm (dobrável ao meio) em que um dos lados tem escrito em português:

Correios e telecomunicações de MACAU
República Portuguesa
ANO LUNAR DO RATO
emitidos em 25.1.1984
CTT – MACAU
Divisão de Filatelia.

No verso apresenta

5 selos de 60 avos
3.00 patacas

(1) 鼠年 – mandarim pīnyīn; shǔ nián; cantonense jyutping: syu2 nin4
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/01/25/noticia-de-25-de-janeiro-de-1984-filatelia-1-o-dia-de-circulacao-ano-lunar-do-rato-i/

Esferográfica de carga azul, como lembrança do Instituto de Estudos Europeus de Macau (14 cm de comprimento x 1 cm diâmetro) (1)

Institute of European Studies of Macau
澳門歐洲研究學會 (2)

(1) Instituto de Estudos Europeus de Macau
Calçada do Gaio, n°. 6, Macau
東望洋斜巷
Telefone: +853 2835 4326
Edifício classificado de interesse Arquitectónico cuja construção foi concluída em 1 de Abril de 1930. O edifício teve vários proprietários (proprietários (durante a Guerra do Pacífico serviu de residência ao coronel japonês Sawa, chefe da polícia secreta nipónica em Guangdong, – mandou matar o cônsul japonês em Macau, Yasumitsu Fukui em 2-2- 1945, na Calçada do Paiol) até ser vendido ao Governo em 1964. Serviu depois como serviços da Administração local nomeadamente Serviços de Administração Civil (onde a minha pessoa requereu o seu  1º passaporte em 1969 – data da 1.ª  saída de Macau)
Na década de 80 passou para os Serviços de Saúde, em 1986 serviu de dormitório feminino da Escola Técnica dos Serviços de Saúde e depois foi aí instalados os serviços técnicos da Saúde nomeadamente da autoridade de saúde. Em 1995, passou a ser a sede do Instituto de Estudos Europeus de Macau cdfnbhh7 cdfnbhh76un6j
http://www.culturalheritage.mo/contentfiles/attachment/201811/07/091441_4_Edif%C3%ADcio%20na%20Cal%C3%A7ada%20do%20Gaio%20no%206.pdf
NOTA: Em 1984, o edifício de cor verde à esquerda (na foto) pertencia ao 1.º sargento Augusto Coutinho, que o adquiriu em meados de 60 (século XX)  à família Nolasco da Silva. O 1.º sargento Augusto Pereira Coutinho em Dezembro de1975 sendo o militar ao serviço de Macau mais antígo nas fileiras do Comando Territorial Independente de Macau (C.T.I.M) foi escolhido para descerrar a placa comemorativa de mármore que ficou fixada no lado direito do portão de entrada do quartel General, como lembrança da cerimónia da extinção do C.T.I.M., no dia 31 de dezembro de 1975. Após a sua morte, o edifício foi vendido e demolido e posteriormente edificado um novo prédio de vários andares.
(2) 澳門歐洲研究學會 – mandarim pīnyīn: ào mén ōu zhōu yán jiū xué huì; cantonense jyutping: Ou3 Mun4 au1 zhau1 jin4 gau3 hok6 wui2