Archives for posts with tag: 1974

Continuação do artigo publicado em (1) e por mim postado em 29/09/2015, (2) sobre o antigo costume entre a classe dos pescadores de pendurar nas crianças de poucos anos de idade uma espécie de cabaça (soi pou 水抱, no dizer dos chineses) (3), feita de madeira maciça.

“O barco, mesmo oscilando nas ondas suaves, ao sopro da brisa, não a assusta. Sempre irrequieta, é natural que os pais temam pela sua segurança podendo perder-se dum momento para o outro, pelo impulso da sua vivacidade imoderada. Para que assim não venha a suceder, os pais tomam as necessárias precauções. Atam-lhe a pesada cabaça, de modo que os movimentos se tornem menos traquinas, evitando assim que caia pela borda fora sem darem por isso.

Esta é a versão para este costume. Mas ainda se conta outra que não foge ao carácter tradicional de certas crenças entre o povo chinês. Explicam que os pais prendem às crianças a cabaça para descobrirem facilmente a sua localização, caso venha a cair ao mar, pois a grande preocupação, é dar sepultura ao cadáver, de outro modo o acontecimento pode trazer para a família uma grande desgraça.

Agora não nos admira que assim procedam com tantas cautelas, porque se torna imperioso proteger a família contra qualquer desventura, mesmo que o causador seja um inocente.”

 (1) Artigo não assinado retirados de “MACAU Boletim de Informação e Turismo”, X, n.ºs 1 e 2, de Março/Abril de 1974, p. 11.

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/09/29/tipos-e-costumes-a-crianca-e-a-cabaca/

(3)  mandarim pīnyīn: shuǐ  bào; cantonense jyutping:seoi2 pou5

Hoje dia 5 de Abril de 2022, celebra-se o culto aos mortos «Cheng Meng».

Retiro parte dum artigo, não assinado da revista “Macau Boletim de Informação e Turismo», Vol. X, n.ºs 1 e 2 de Março/Abril de 1974, pp. 36-39”, acerca deste culto que, em 1974, recaiu também no dia 5 de Abril

“O culto dos mortos integra-se, anualmente, em duas festividades, das mais concorridas entre as que estabelece o calendário o calendário religioso.

Um delas realizou-se, no corrente ano (1974) no dia 5 de Abril, denominada «Cheng Meng». Para a sua celebração, desembarcaram em Macau alguns milhares de residentes de Hong Kong, que têm os seus mortos sepultados em território português, principalmente nas ilhas da Taipa e Coloane. Outros passaram por Macau a caminho da China, onde se encontram as sepulturas dos seus familiares, para além da Porta do Cerco, para onde seguiam noutros tempos os enterros, Hoje não se permite tal prática, mas respeitam-se as sepulturas. Mudaram-se os tempos e as gentes acomodam-se.

Presentemente é pelas encostas das colinas da Taipa e Coloane que se procura o campo para enterrar os mortos, sem haver qualquer área limitada, sendo aa escolha do local indicada pelo critério dos bonzos budistas, de acordo com determinadas características que só eles conhecem, porque a natureza da terra liga-se intimamente com a sorte do morto, uma primeira condição a ter em mente para garantir a felicidade dos que passaram a outras regiões.

Muitos estão já a ser enterrados nos cemitérios de Macau, alheando-se as famílias das recomendações dos calendários budista, modernizando-se neste particular, mas a veneração e o culto continuam a processar-se mais ou menos dentro do mesmo ritualismo tradicional.

Quem se deslocar nestes dias do «Cheng Meng» às ilhas da Taipa e Coloane deparará com um espectáculo inédito para os ocidentais. Pelas colinas, estendem-se as sepulturas, umas mais aparatosamente construídas – outras mais modestamente, assinaladas apenas por uma pedra com a correspondente inscrição, uma terra batida, a testemunhar a modéstia da família. (…)

Transportam com eles os mais variados géneros comestíveis que são consumidos mesmo sobre a sepultura pelos membros da família presentes. Compreendem galinhas, porco assado, arroz, frutas variadas. O porquinho assado evidencia certo nível de bem-estar do agregado familiar.

Espiritualmente, os mortos estão ali presente e participam do ágape, para marcar a convivência íntima que deve unir as gerações vivas àquelas que passaram, mas cujos rastos ainda iluminam as vias dos que pisam a terra. É esta função do culto aos mortos, função profundamente humana, se humanismo dinama das relações que prendem os homens uns aos outros, num encadeamento contínuo”. (…)

Sobre as sepulturas acendam-se os «pivetes» – velas de culto características – e queimam-se os «cai chin», (dinheiro para os mortos) e ainda outros artigos de papel para que aos mortos nada falte no outro mundo, onde continuam a ser felizes na medida em que os vivos se mostrarem generosos para com eles e as suas necessidades forem satisfeitas.

O termo «Cheng Meng», do vocabulário chinês, significa «erguer-se de manhã cedo», porque é logo ao despontar do dia que todos procuram dirigir-se para as campas, para terem tempo suficiente ao cumprimento da grande obrigação para com os mortos.

Continuação da notícia da visita dos jornalistas ao aquartelamento de Coloane, postado em (1) (2)

“O major Rocha Vieira (futuro Governador de Macau 1991-1999) em nome do Comandante Militar, agradeceu aos jornalistas a gentileza da visita, salientando que a mesma se lhe afigurava útil pela oportunidade que a todos se oferecia de observar os trabalhos a que se dedicam as forças armadas, particularmente na preparação dos jovens que são os futuros homens de amanhã e cuja passagem pelas fileiras militares tem para todos eles reconhecida importância. (…)

Na messe dos oficiais, os jornalistas confraternizaram com os oficiais e outras individualidades presentes

Os jornalistas incumbiram o Sr. Alberto Alecrim de, em nome de todos, agradecer ao Senhor Comandante Militar através do Senhor Chefe do Estado Maior, major Rocha Vieira, as cativantes atenções recebidas nesta visita, onde todos encontraram gente franca e acolhedora, num ambiente de agradável convívio que desfez todos os eventuais acanhamentos, pois cada um pôde fazer as preguntas que mais lhe interessavam e observar como a vida decorria neste departamento dos serviços militares. (…)

Um aspecto flagrante do exercício dos «slides»

Na sequência do programa delineado, seguiram os homens da imprensa para um determinado local, na ilha de Coloane, onde os recrutas do curso de sargentos milicianos se preparavam para um exercício de «slides» que consistiu em transpor um obstáculo natural que se lhes deparou no seu avanço através dum cabo de aço, por onde se lançaram para o lado oposto. No termo desta operação, foram surpreendidos por uma força inimiga emboscada, contra a qual reagiram, imediatamente, podo-a em debandada. (…)

Local onde se realizou o exercício denominado «Golpe de Força»

Assistiram também ao desenvolvimento doutra operação militar integrada no conjunto da instrução, executada pelos recrutas do contingente geral, denominada, militarmente, «golpe de mão». Uma força encontrava-se estacionada, algures, quando se viu surpreendida pelo fogo do inimigo, reagindo, acto contínuo, contra a sua presença, num contra-ataque decidido, obrigando-o a retirar-se.

Um ousado exercício dos recrutas lançando-se duma trave abaixo

Fotos e reportagem extraídas de «MACAU Boletim de Informação e Turismo», Vol X, N.ºs 1 e 2 Mar/Abr, 1974, pp. 12- 17.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/03/07/noticia-de-marco-de-1974-visita-dos-jornalistas-ao-aquartelamento-de-coloane-i/

 (2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/03/28/noticia-de-marco-de-1974-visita-dos-jornalistas-ao-aquartelamento-de-coloane-ii/

Continuação da notícia da visita dos jornalistas ao aquartelamento de Coloane, postado em (1).

Aspecto da instrução ministrada aos recrutas – armamento
Aspecto da instrução ministrada aos recrutas – exercícios físicos

“Entretanto na parada, decorria a instrução de armamento destinada ao contingente geral, constituído por 48 jovens recrutas da incorporação do corrente ano, convergindo a atenção de todos os presentes sobre um lança-granadas e um morteiro, cuja manobra estava a ser ensinada pelo oficial instrutor, alferes Rodrigues de Carvalho, coadjugado pelo furriel Chan Fu Hai , de etnia chinesa, e natural de Moçambique. … (…)

Conjunto fotográfico dos jornalistas visitantes com os oficiais que os acompanharam

No continuação da visita, os jornalistas demoraram-se a observar o exercício de instrução de ginástica de aplicação militar executado pelos recrutas do curso de sargentos milicianos, integrado por 25 jovens, estando a sua direcção confiada ao alferes Ribeiro de Carvalho. Aqui se experimenta e se revigora a constituição física dos instruendos, que se encontravam já na 9.ª e última semana de instrução, apresentando agora um aspecto muito mais enérgico e uma vontade mais decidida contrastar com a fraca compleição física que apresentavam nas primeiras semanas da Escola…(…)

Almoço dos soldados da Companhia de Caçadores e dos recrutas

O almoço aos jornalistas foi servido na referida messe. Decorreu um ambiente de comunicativa confraternização, falando-se, indistintamente, o português e o chinês, sem reservas nem reticências, tudo sublinhado com expressões de alegria isenta de formalidades e expressiva do bom-humor que reinava em todos. Além dos representantes dos órgãos de informação, estavam presentes os oficiais que os acompanharam na visita, os oficiais instrutores, e ainda os srs. Administrador Gastão Barros e o regente agrícola Victor Reynaud.

Fotos e reportagem, extraídas de «MACAU Boletim de Informação e Turismo», Vol X, N.ºs 1 e 2 Mar/Abr, 1974, pp. 12- 17.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/03/07/noticia-de-marco-de-1974-visita-dos-jornalistas-ao-aquartelamento-de-coloane-i/

Continuação da publicação da reportagem e das fotografias da Procissão do Senhor dos Passos de 1974, já postadas em (1) (2)

“A Procissão do Senhor dos Passos marca a entrada da Quaresma, o tempo da penitência, de introspeção consciente e do ajustamento do viver à doutrina “ (3)

A Verónica – uma das figuras centrais da Procissão do Senhor dos Passos que polariza as atenções e resume na sua voz dorida o drama implacável da Paixão.

“Nesta estação dolorosa (esta em frente do antigo Hospital de S. Rafael), parou a banda, fez-se silêncio, silêncio pesado, enquanto o Padre reza uns versículos que sublinham os passos dolorosos que vão avançando, vagarosamente, a caminho do fim, do Calvário.

À Verónica repete o seu canto, mostrando o Santo Sudário aos fiéis, uma face  coberta de sangue, que nos parece palpitar de fresco realismo, como se nesse momento tivesse borbulhado da face austera da vítima. Ao cântico atribulado da Verónica responde o povo, no mesmo acento; «parce, domine, parce populo tuo, ne in eternum irascaris nobis», com o rosto inclinado para terra, essa terra que bebeu o sangue do Mestre, porque Ele era coerente com a doutrina que pregava.” (3)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/03/04/noticias-de-4-e-5-de-marco-de-2017-tradicoes-que-se-continuam-a-procissao-do-senhor-dos-passos-i-fotos-de-1974/

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/03/25/noticia-de-25-de-marco-de-1708-tradicoes-que-se-continuam-ii-a-procissao-dos-senhor-dos-passos-ou-senhor-da-cruz-as-costas/

(3) Texto não assinado e fotos publicados em «MACAU Bol. Inf. e Tur.», Vol. X Nos. 1 e 2 Março/Abril , 1974, pp.30-35.

Em Março de 1974, realizou-se mais uma visita dos jornalista de Macau ao Aquartelamento de Coloane, a convite do Comando Militar, (na altura) sob a responsabilidade do Coronel Manuel de Mesquita Borges. Acompanharam os jornalistas, o Chefe do Estado Maior, major Rocha Vieira (futuro governador de Macau, de 23 de Abril de 1991 a 19 de Dezembro de 1999), e os majores Helder de Oliveira, director do Centro de Instrução e Elísio Bandeira, da 2.ª Repartição do Quartel General, estando também presente a apresentar-lhes cumprimentos de boas-vindas no cais da Taipa, onde se fez o desembarque, o capitão Ribeiro Dias, comandante da Companhia de Caçadores, estacionada no aquartelamento de Coloane.(…)

No início da visita no terreno onde vai ser implantada a futura Carreira de Tiro

A visita começou, em primeiro lugar sobre o local onde se projecta a construção da nova Carreira de Tiro, obra que se encontrava, em concurso público, prevendo-se que os trabalhos se iniciassem dentro de dois meses e a sua conclusão se verificasse dentro de um período de cerca de um ano. O custo estimado ultrapassa um milhão de patacas. (…). O Major Rocha Vieira informou que podem também utilizar a Carreira de Tiro as forças militarizadas e mesmo os civis. (…)

Os homens da imprensa junto ao aquartelamento de Coloane

Seguiu-se, depois, a visita ao Aquartelamento de Coloane. As instalações que a integram melhoram de ano para ano, não só quanto às comodidades que oferecem aos seus utentes, como também quanto ao aspecto geral do edifício que o abandono de muitos anos deixara cair num estado precário de notória decrepitude que confrangia a quem assim o via. (…)

No aquartelamento encontra-se instalada uma Companhia de Caçadores, sob o comando do capitão Ribeiro Dias, formada por elementos da Madeira que chegaram à Província em Janeiro de 1973. (…)

Na sala de aulas do Curso Preparatório do Ensino Secundário

Os representantes dos órgãos de informação estiveram na sala de aulas, destinada ao ensino das matérias do Curso Preparatório do Ensino Secundário frequentado por 9 alunos sendo informados que este curso funciona nas diversas unidades do Comando Militar e dele se podem aproveitar todos os que estiverem em condições de o seguir, contando-se ctualmente em uma frequência de 28 praças.

Uma zona belamente arborizada que se integra na área do aquartelamento

Fotos e reportagem extraídos de «MACAU Boletim de Informação e Turismo», Vol X, N.ºs 1 e 2 Mar/Abr, 1974, pp. 12- 17

Em 3 de Agosto de 1974 é concedido à Câmara Municipal das Ilhas o privilégio de usar escudo de armas e bandeira própria. (1) A Portaria n.º 468/74, de 10 de Julho, da Presidência da República concede ao Concelho das Ilhas – Macau – o privilégio de usar brasão de armas e bandeira próprios:

Armas – um escudo com o fundo em faixas onduladas de verde e azul-marinho, dois peixes prateados em posição vertical, colocados simetricamente, tendo ao meio e na parte superior dois triângulos isósceles de cor de ouro; em sobreposição e por detrás dos triângulos, colocada em segundo plano, uma meia bola a vermelho. Listel dourado contendo em caracteres negros a inscrição – Câmara Municipal das Ilhas.

Bandeira – laranja forte com cordões e borlas de azul ferrete e verde-garrafa

Selo– dentro de listel circular contendo as palavras Câmara Municipal das Ilhas, o mesmo ordenamento do brasão sem a indicação dos esmaltes” (2)

(1)

Boletim Oficial n.º 31 de 1 de Agosto de 1974 , p. 974

(2) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p. 390

No dia 1 de Junho de 1982, iniciou a sua actividade, o «Cineteatro Macau» com 3 ecrans, remodelação do antigo Teatro/Auditório Diocesano, (1) junto ao Colégio de Santa Rosa de Lima, com a exibição do filme «Somewhere in time», (2) de produção britânica. Na sessão inaugural teve a presença do governador Almeida e Costa e de numerosos convidados.  

O« Cineteatro Macau» passou a ter três sessões diárias, com mais uma sessão aos sábados e domingos, dedicada aos estudantes e com preços reduzidos. Teve, ainda, sessões gratuitas no primeiro domingo de cada mês, com exibição de filmes do grupo «A», para todos, dedicadas aos estudantes. (3)   

(1) 1974 – Macau possui um teatro (D. Pedro V) com 360 lugares; 8 Cineteatros com um total de 8 934 luares e uma sala de espectáculos recente, o Auditório diocesano com 1200 lugares.

O Auditório Diocesano junto ao Colégio de Santa Rosa de Lima foi inaugurada a 1 de Novembro de 1972, tendo a lápide inaugural do Auditório Diocesano sido descerrada pelo Adjunto Particular do Secretário das Nações Unidas para os assuntos de emigração, Sr. Francis Kellog, A Diocese de Macau dispôs para o efeito de um subsídio de US $ 6 000 da «Catholic Relief Services» (3)

 (2) «Somewhere in time», filme romântico, de 1980, dirigido por Jeannot Szwarc com argumento de Richard Matheson (baseado no seu romance de 1975,“Bid Time Return”) e com os actores: Christopher Reeve, Jane Seymour, e Christopher Plummer. O filme é conhecido pela partitura musical composta por John Barry, (4) tocada pelo pianista Roger Williams. (https://en.wikipedia.org/wiki/Somewhere_in_Time)

(3) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, pp. 383, 388 e 432) e «Macau82 Jornal do ano primeiro semestre». GCS, 1982, P. 129

(4) John Barry (1933 – 2011), compositor britânico e director de orquestra (maestro). Compôs para mais de 100 películas e programas televisivos e mais conhecido pelos 11 filmes da série de James Bond: «Dr. No»,« From Russia with Love», «Goldfinger», «Thunderball», «You Only Live Twice», «On Her Majesty’s Secret Service», «Diamonds Are Forever», «The Man with the Golden Gun», «Moonraker», «Octopussy», «A View to a Kill«, e «The Living Daylights».

Trailers: https://www.youtube.com/watch?v=o36EXzADXWc https://www.youtube.com/watch?v=egsrQ_ZkqRg

Esteve exposta, no período de 30 de Março a 2 de Abril de 1974, no átrio da Escola Comercial (hoje, Escola Portuguesa de Macau – 澳門葡文學校), “Uma Exposição de Pintura, Arte e Beneficência”, em que estiveram representados vários artistas chineses que vivem em Macau, entre os quais Tsang Ping Chow, Tsang Hon Fok, Cheang Wing Sin e Cheang Chi Lon.

Inaugurou o acontecimento a Sra. D. Julieta Nobre de Carvalho, dados os fins assistenciais a que se destinava o produto da venda dos quadros que se viesse a realizar. Um gesto de nobreza que só nobilita o artista pelo empenho de estender o resultado da sua actividade aos necessitados que são todos os que não tem pão suficiente para sobreviver nem uma casa condigna para habitar.

A esposa do Governador, Da. Julieta Nobre de Carvalho corta a fita da inauguração

A exposição compreendia mais de uma centena de obras, com uma considerável abundância de motivos, coma predominância de temas paisagísticos buscados em várias regiões do mundo, incluindo a própria China que os forneceu na região de Guilin , 桂林 onde avultam os mais belos trechos naturais. (1)

Um aspecto geral da Exposição no átrio da então Escola Comercial «Pedro Nolasco»

Alguns dos quadros da exposição com os comentários do autor do artigo (1)

«O Fumador de cachimbo»

O velho despreocupado, a fumar o seu cachimbo de bambú, repetindo a cena que nos habituámos a ver nas ruas de Macau, hoje a desaparecer, é outro texto da arte posta ao serviço do homem” (1)

«O menino ao colo»

Uma criança ao colo” deu-nos toda uma gama de sentimentos como os que despertam cenas simples, naturais, quando o centro de convergência é a pessoa humana, com tudo o que a dota e que irrompe dum interior onde vive um mundo de sentimentos que procuramos descobrir através dos sinais que transparecem à flor da expressão plásticas” (1)

«Inocência e o bruto»

“O «Menino Nu e o Porco», um quadro inocente como inocente é todo este conjunto, em que a ferocidade ou brutalidade do animal parece quebrar-se à beira da inocência do rapazinho na posição naturalíssima do seu corpo, donde se arredou toda a somra de maldade” (1)

«Juncos ao luar»

As cenas do mar não falam em qualquer exposição que tenha coo artistas homens que viviam em Macau, ou mais largamente, nestas terras do Oriente banhadas pelas águas do grande Oceano: os barcos de pesca, na faina, atracados ou varados nas praias inspiram pelo idílico aspecto que mostram, porque muitas vezes ou quase sempre os pescadores servem de instrumento de trabalho e de habitação, ali nascendo e ali passando a existência, entre os quatro pedaços de madeira e o mar inconstante, mas pródigo em bens.. (…) E as noites de luar, a claridade nostálgica da luz no seu disco fulvo e melancólico, dá saliência aos barcos que singram as águas ou descansam junto à terra.” (1)

«Velho»

“O retrato dum velho em cujas rugas se sente o extinguir das ilusões, enrugado e pensativo, que vê a vida pelo lado melancólico da saudade ou da sombra da desilusão.“ (1)

(1) Artigo não assinado e fotos extraídos de «MBIT», X-1/2 de Março/Abril. 1974, pp. 19-22

Envelope simples de 17 cm x 10 cm, com carimbo comemorativo do “DIA DO SELO” (1) (canto inferior esquerdo) emitido pelos “Correios, Telégrafos e Telefones” / C. T. T.”, (2) em 1 de Dezembro de 1974. No canto superior direito, sobre o selo de 50 avos com a figura do Bispo D. Belchior Carneiro emitido no “IV Centenário da Santa Casa da Misericórdia 1569-1969” (3)

ENVELOPE – verso

(1) Em Portugal, o primeiro “Dia do Selo” comemorou-se a 17 de Janeiro de 1955, no ano seguinte ao da fundação da Federação Portuguesa de Filatelia. Desde 1957, o “Dia do Selo” é comemorado em Portugal, a 1 de dezembro apesar de, em alguns anos, ter sido assinalados noutras datas.

(2) Ver anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/correios-de-macau-c-t-t/

(3) Emitido em 16 de Outubro de 1969: 1.º Dia de circulação do selo comemorativo do IV Centenário da Fundação da Santa Casa da Misericórdia de Macau 1569-1969, com carimbo e envelope comemorativo. Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/10/16/noticia-de-16-de-outubro-de-1969-1-o-dia-de-circulacao-iv-centenario-da-fundacao-da-santa-casa-da-misericordi-a-de-macau/