Archives for posts with tag: 1962

Estreia em Macau no dia 15 de Junho de 1962, no Teatro Apollo, o filme “On The Double”, para maiores de 12 anos

Filme americano de 1961, comédia, em Macau com o título  “Sob Disfarce” (em Portugal: “Um General e Meio”) , foi produzido por Jack Rose para a «Paramount Pictures» e dirigido por Melville Shavelson, com os actores: Danny Kaye (duplo papel: soldado americano e general britânico, ambientado na II grande Guerra, em 1944),   Dana Wynter, Wilfrid Hyde-White, Margaret Rutherforde e Diana Dors. Argumento de Jack Rose e Melville Shavelson. https://en.wikipedia.org/wiki/On_the_Double_(film)

PRÓXIMA MUDANÇA:The Couch” é um filme americano da “Warner Bros” de 1962, do género terror psicológico/policial. Consta no cartaz do folheto como “ filme dirigido e produzido por Robert Bloch com argumento de Owen Crump” mas segundo «IMDb» (1), o filme é dirigido por Owen Crump com argumento de Robert Bloch (2) baseado numa história de Blake Edwards e de Owen. Crump. Actores: Grant Williams, Shirley Knight e  Onslow Stevens.

1) https://www.imdb.com/title/tt0055870/

(2) Robert Albert Bloch (1917 — 1994), foi um conceituado escritor norte-americano, que escreveu vários géneros de romances: sobrenatural, policial, terror , ficção científica. Em 1953 foi viver para Hollywood, para trabalhar como argumentista. Nesse ano escreveu o famoso romance de horror “Psicho”, que foi adaptado para cinema pelo  realizador Alfred Hitchcock em 1959. Posteriormente completou-o numa trilogia com Psycho II (1982) e Psycho House.

No dia 19 de Março de 1962, D. José da Costa Nunes (1) que foi bispo de Macau de 1920 a 1940 (ano em que foi nomeado Patriarca das Índias), foi elevado a Cardeal. Faleceu em Roma com 96 anos.
A propósito deste acontecimento, o «Boletim Geral do Ultramar» (2) publicou uma nota biográfica,

(1) Anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/d-jose-da-costa-nunes/
(2) Extraído de «BGU»  XXXVIII – 441, Março de 1962.

“The George Raft Story”, filme de 1961, dirigido por Joseph M. Newman e produzido por Bem Schwalb com os actores Ray Danton, Jayne Mansfield, Julie London e Barrie Chase.
É um filme biográfico dramatizado, ficcional da vida e carreira turbulenta (principalmente o seu relacionamento com os “gangsters” AL Capone, Mack Gray e  Benjamin ‘Bugsy’ Siegel ) do actor e dançarino George Raft, (1) que no cinema interpretou muitos papeis de “gangster”.
https://en.wikipedia.org/wiki/The_George_Raft_Story

Ray Danton (no papel de George Raft)

NOTA: este folheto, no verso, apresenta o mesmo filme como “BREVEMENTE”. Certamente um lapso e/ou má revisão na impressão
Trailers do filme:
https://www.youtube.com/watch?v=WWdX0S2OoZg
https://www.dailymotion.com/video/x6gww1t

(1) George Raft (1901 – 1980), antes de ser actor foi pugilista, electricista, jogador de beisebol e dançarino de cabaré, tornando-se uma estrela de cinema após o sucesso do filme “Scarface”, em 1932 (ao lado de Paul Muni). Chegou a ser considerado nos anos 30 do século XX como um dos três “gansgters” mais populares do cinema: os outros dois eram Edward G. Robinson e James Cagney. Nas décadas de 1930 e 1940 foi um dos astros mais bem pagos do cinema. Na vida real perdeu boa parte do seu dinheiro com o jogo.Por duas vezes ele foi condenado por um júri federal norte-americano, no final da década de 1960: por fuga de impostos e por transações financeiras realizadas no submundo do crime.
https://pt.wikipedia.org/wiki/George_Raft

Extraído de «BGU» XXXIX 456/457, JUN/JUL 1963.

O livro «Atlas Missionário Português», publicado em Lisboa, 1962, pela Junta de Investigação do Ultramar foi elaborado pela Missão para o Estudo da Missionologia Africana (1959-1962) do Centro de Estudos Políticos e Sociais

Em Português e francês
32,5 cm x 24 cm x 1,3 cm 175 p. + índice

A capa é de Vasco Braga Reis

No prefácio, António da Silva Rego (Chefe da Missão para o Estudo da Missionologia Africana) salienta que “ este Atlas Missionário Português destina-se a informar o publico sobre alguns aspectos particulares da problemática missionária portuguesa…(…) . Trata-se de um atlas de estudo, de fim específico. Visou-se a utilidade, não a munificência da edição.”
Profusamente ilustrado com mapas geográficos e demográficos desdobráveis, apresentando a distribuição dos agrupamentos étnicos, linguísticos e religiosos das regiões em que se estabeleceram missionários portugueses.
SUMÁRIO: Guiné (pp 13-34); S. Tomé e Príncipe (pp. 35-46); Angola (pp. 47-88); Moçambique (pp. 89-134); Estado Português da Índia (pp. 135-152); Macau (pp. 153-162) e Timor (pp. 163-175).

No dia 25 de Agosto de 1952, celebrando o quinto aniversário do “Notícias de Macau”, (1) o proprietário deste diário local, Hermann Machado Monteiro, (2) ofereceu, no restaurante “Fat Siu Lau”, um almoço a todo o pessoal do seu jornal (3)

O pessoal do “Notícias de Macau” confraternizando-se à mesa do almoço
O grupo formado pelo numeroso pessoal do “ Notícias de Macau”

(1) “25-08-1947 – O diário «Notícias de Macau» segue desde esta data até 20-02-1960, com 3 710 números.” (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol 4, 1997)
“25- 08-1953 – «Notícias de Macau» completou seis anos de existência, no dia 25. Único diário português que se publica em todo o Extremo Oriente. Proprietário: Hermann Machado Monteiro (director: Dr. Cassiano de Castro Fonseca.” ( «Macau Boletim Informativo»  I – 2, 1953.).
O Dr. Cassiano de Castro Fonseca, natural de Macau, médico municipal, foi director do “Notícias de Macau» até 1955 (16-03-1955 foi a festa de despedida no edifício daquele jornal; partiu para Portugal a 18-03-1955; faleceu em Lisboa no dia 07-08-1955).
Em 10-08-1955, foi nomeado director do “Notícias de Macau” o Dr. António Alberto de Barros Lopes ( «Macau  Boletim Informativo» III- 49, 1956)
“08-03-1960 – O periódico «Notícias de Macau» segue como diário desde esta data até 14-02-1962, com 577 números.” (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol 5, 1998)
(2) Herman Machado Monteiro (1899 – ?), republicano que após o golpe de 28 de Maio de 1926, em Portugal, se auto-exilou em Macau (segundo outras fontes, por ordem do Estado Novo por ser maçónico), esteve ligado ao comércio do ouro e foi o fundador, proprietário, editor e jornalista (polémico) do “Notícias de Macau” (25-08-1947 até 20-02-1960). Antes em 1927, Herman Machado Monteiro sucedeu a Rosa Duque na direção do periódico, “O Combate” (semanário de Macau de 06-01-1927 a  24-07-1927  Foi um dos fundadores do Rotary Club de Macau.
Em 14-10-1940, foi fixada, por 2 anos, residência em Coloane (deportado) ao cidadão Herman Machado Monteiro ( B.O. n.º 41 – S)
Anteriores referências ao jornal e a Herman Monteiro
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/noticias-de-macau/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/herman-machado-monteiro/
(3) Extraído de «Mosaico», V- 25/26 de SET/OUT 1952, p. 62.

Mais uma caixa de fósforo (5,5 cm x3,5 cm x0,8 cm) do restaurante “Macau Palace Restaurant” (1) em que uma das faces apresenta uma foto do junco adaptado que serviu como casino e restaurante e  igual à foto da caixa de fósforo do «Macau Palace Casino» (2) mas com o anúncio de

MACAU PALACE RESTAURANT
PONTE N0. 12B TEL 4480
Macau

O Restaurante “MACAU PALACE” que ficava no rés do chão do “barco” (junco adaptado) conhecido como o Casino/Restaurante Flutuante, começou a funcionar no ano de 1962, no Porto Interior, atracado à Ponte Cais n.º 12/B até 2006. Depois transferido para o então Terminal Marítimo do Porto Exterior e finalmente desactivado em 2007 (abandonado na zona de Fai Chi Kei).
Do lado oposto, uma imitação gráfica de um envelope de correio aéreo com o endereço em chinês:

澳門皇大酒家 (3)
Fósforos com a “cabeça” vermelha
Lateral com indicação de “BUSINESS HOUR: 24 HOURS SERVICE

(1) Referências anteriores ao “Macau Palace” quer o restaurante quer o casino em https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/restaurante-macau-palace/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/03/16/caixa-de-fosforos-macau-palace-casino/
(3) 澳門皇大酒家mandarim pīnyīn: ào mén huáng gōng dà, jiǔ jiā; cantonense jyutping: ou3 mun4 wong4 gung1 daai6 zau2 gaa1 – tradução literal: (Macau) restaurante grande palácio imperial

Estreou-se no dia 29 de Dezembro de 1962, no Teatro Vitória, o filme “The Alamo”, baseado no facto histórico americano da “Batalha de Alamo”, em 1836, em Santo António (Texas) entre tropas mexicanas e um grupo de voluntários americanos, liderados por Davy Crockett.
The Alamo” é um filme americano de 1960, do gênero faroeste, produzido, dirigido e protagonizado por John Wayne, com o argumento de James Edward Grant. [1]
Outros protagonistas: Richard Widmark, Laurence Harvey, Frankie Avalon, Patrick Wayne, Linda Cristal e Richard Boone.
BREVEMENTE: “Crime Wave”, filme de 1954, “film noir”, um subgénero de filme policial (muito em voga entre os anos 1939 e 1950) dirigido por Andre De Toth, com os actores Sterling Hayden, Gene Nelson e Phyllis Kirk.
(1) Candidato ao “Oscar 1961” (EUA), venceu na categoria de melhor som
Foi indicado para: melhor filme, melhor ator coadjuvante (Chill Wills), melhor fotografia colorida, melhor canção original, melhor trilha sonora de filme dramático ou comédia e melhor montagem.
Nos “Globos de Ouro” de 1961, venceu na categoria de melhor trilha sonora original.
Trailers em:
https://www.youtube.com/watch?v=vLux126OJbY
https://www.youtube.com/watch?v=VgBwE8zAJ3Y
https://www.youtube.com/watch?v=j5nNKv2zd7Q

 Dois anúncios, de 1962 e 1964, publicados na imprensa desses anos, pela empresa distribuidora/engarrafadora da bebida, autorizada para o território “MACAU INDUSTRIAL LIMITADA”, (1) publicitando a “Coca-Cola –可口可com a frase em chinês:

怡 神 你 今

1962
DISTRIBUIDORA AUTORIZADA
MACAU INDUSTRIAL LIMITADA
Telefones 3505 ou 3588
1964
ENGARRAFADORA AUTORIZADA
MACAU INDUSTRIAL LIMITADA
Telefones 3505 ou 3588

(1)  Apesar de haver algumas referências (não confirmadas) relativas à fundação da empresa “Coca-Cola” em Macau, só em 1951 foi criada a “Macau Coca Cola Beverage Company Limited”, no mesmo sítio onde hoje está a “Macau Industrial Ltd (Coca Cola)
Estrada Marginal da Ilha Verde, n.º 780, Ed Indl Man Seng 3°
澳門青洲河邊馬路780號萬成工業大廈3樓
可 口 可 mandarim pīnyīn: kě kǒu kě lè; cantonense jyutping: ho2 hau2 ho2 lok6
怡 神 你 今mandarim pīnyīn yí shén nǐ jīn xù; cantonense jyutping: ji4 san1 nei5 gam1 huk1 – tradução literal (autoria):  Goze/Desfrute (tu/você) hoje, prazer sobrenatural

Anúncios, em português, dos três barcos que faziam a ligação diária entre Macau e Hong Kong, em 1962. Exceptuando os barcos da «Companhia Nacional de Navegação», todas as ligações de Macau com o exterior eram feitas através de Hong Kong por estes três barcos. O preço era sensivelmente igual nos três barcos. O custo das passagens:
Cabines de 1.ª classe (singular) …  $ 20,00
Cabines de 1.ª classe (duplas) …… $ 15,00 (por pessoa)
Salão de 1.ª classe ………………… $ 8,00
Cabines de 2.ª classe (duplas) ……. $ 10,00 (por pessoa)
Salão de 2.ª classe ………………… $ 6,00

M. V. TAI LOY -大來 

Concluído em 16 de Setembro de 1948. Lançado à água em 20 de Outubro de 1949.
Navegou de 1950 a 1968, ano em que alterou o nome para “Chung Shan” e depois até 1978, com o nome de “Hong Xing 801” na China Continental.
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/tai-loy/

S. S. TAKSHING – 徳星

Construído na Doca de Taikoo (Hong Kong) em 1924, já efectuava a carreira nos finais de década de 40. Tinha o nome de “S.S.Sai On” (西安) e fazia a carreira Macau-Hong Kong antes da guerra. Foi atacado e rebocado para Hong Kong pelos japoneses em 19 de Agosto de 1943 (episódio relatado anteriormente com o nome de “Sean Maru”). Em 1945, voltou a denominar-se “Sai On” até 1950, quando a Companhia “Tai Hip Shipping C.º“, de Hong Kong, o comprou e lhe pôs o nome de “ S.S. Tak Shing”. Era um vapor de 1949 toneladas com dois (três ?) conveses, 225 pés de comprimento e 42 pés de boca. Em 1968, mudou de nome para “Tung Shan” e até ser desmantelado em Janeiro 1974.
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/takshing/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/08/19/noticia-de-19-de-agosto-de-1943-episodio-relatado-por-um-militar-no-quartel-da-guia-aquando-do-assalto-ao-vapor-sai-on-ii/
NOTA: O “S.S. Takshing” foi também notícia em 1952, no dia 25 de Setembro, quando foi “capturado” pelos chineses comunistas perto da Ilha de Lafsami tendo os navios “HMS Mounts Bay” e “HMS Consort” da Marinha Inglesa aberto fogo e conseguido rebocar o navio para as águas territoriais inglesas.
Outra referência a este navio está no diário de Ian Fleming (1908-1964 ) autor dos livros de “James Bond”) que anotou o seguinte aquando da sua passagem por Macau em 1959:
“Richard Hughes and I took the S.S. Takshing, one of the three famous ferries that do the Macao run every day, These ferries are not the broken down, smokebillowing rattletraps engineered by whisky-sodden Scotsmen we see on the films, but commodious three-decker steamers run with workmanlike precision. The three hour trip through the islands anda cross Deep Bay, brown with the waters of Pearl River that more or less marks the boundary between the leased territories and Communist China, was beautiful and uneventful…. “

S. S. FAT SHAN – 佛山

Perdido (virou e afundou) no dia 17 de Agosto de 1971, aquando da passagem do Tufão Rose por Hong Kong (perdeu 88 dos 92 passageiros e tripulantes).
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fat-shan-%E5%BD%BF%E5%B1%B1/