Archives for posts with tag: 1961

Dois anúncios inseridos no jornal “Diário Popular” de 20 de Outubro de 1961, número especial dedicado ao Ultramar Português.
A  SOCIEDADE ORIENTAL DE FOMENTO LDA. com sede em Macau na Rua da Praia Grande n.º 63 tinha duas agências no exterior: em Dili (Timor) na Rua da Praya e em Hong Kong no “Mercantile Bank Building
 A “H. NOLASCO & CIA, LDA” tinha no exterior, agências em Lisboa (João Nolasco Lda. na Praça do Município n. 19-40), em Hong Kong (H. Nolasco & Co. Ltd. no “Ice House Street, n.º 10” e em Dili ( Sth Fl. Lif  Kin Joe, Ltd., Timor).


Extraído da «Revista Colonial», Anno IX- 2, 1921.

Extraído de BGU, XL, 471/472, 1964.
NOTA: AlexanderMessing-Miezejewski, foi posteriormente, Director da Divisão de Drogas e  Narcóticos e depois, “chief of the representation and liaison unit of the Office for Inter-Agency Affairs and Co-Ordination of the UN”, entre 1969 -1977.
Da leitura do livro “ O Centro de Recuperação Social da Ilha da Taipa em Macau“ (1) do Major Sigismundo Revés, comandante da Polícia de Segurança Pública de Macau e do médico neuropsiquiatra dos Serviços de Saúde e Higiene que trabalhou em Macau de 1957 a 1966, Dr. Alberto Cotta Guerra, recolho as seguintes informações.

A assistência aos toxicómanos em Macau foi oficialmente iniciada em Dezembro de 1946 após publicação da Portaria n.º 4075, deste mês e ano do Encarregado do Governo Samuel da Conceição Vieira.
Até essa data, os doentes eram tratados nos hospitais da cidade – em maior número no Hospital do Governo – sempre que voluntariamente procuravam os serviços médicos ou que, em regime prisional, a iniciativa da assistência dispensada partia das autoridades.
Com a regulamentação estabelecida pela citada portaria, visando já um programa de saneamento social, foram criados dois Centros de Tratamento para Toxicómanos: um no Hospital Conde S. Januário (Hospital do Governo) e outro na Cadeia Pública.

A entrada para o Centro de Recuperação Social.

No primeiro eram assistidos os voluntários e no segundo os doentes cumprindo penas por delitos vários.
Neste regime – entre Janeiro de 1947 e Dezembro de 1960, foram tratados em Macau 6075 toxicómanos, sendo 2326 no Hospital do Governo e 3749 na Cadeia Pública.
A Portaria n.º 4075 foi revogada pela Portaria n.º 6594 de 19 de Novembro de 1960, por S. Ex.ª o Governador de Macau, tenente- coronel do C. E.M. Jaime Silvério Marques, que , por despacho de 17 de Janeiro de 1961, criou uma Comissão destinada a estudar e propor todos os meios de acção necessários à luta  contra o uso ilícito de estupefacientes, tratamento de doentes e sua recuperação social.
Esta Comissão mais tarde deu lugar à criação dum organismo, que foi designado por Centro de Combate à Toxicomania, pelo Despacho n.º 19/61, de 28 de Agosto de 1961, publicado no Boletim Oficial de Macau, n.º 36, de 9 de Setembro de 1961.
Neste despacho faz referência (n.º 2, alínea c, n.º 2: Orientar a acção do Centro de Recuperação Social no combate à toxicomania) ao Centro de Recuperação Social, que substitui o Abrigo de Mendigos e Vadios (2) existente na ilha da Taipa, que fora criado pela Portaria n.º 5529, de 20 de Fevereiro de 1954.

O edifício onde estava instalado o Centro de Recuperação, na Ilha da Taipa.

(1) REVÉS, Major Sigismundo; GUERRA, Dr. Alberto Cotta – O Centro de Recuperação Social da Ilha da Taipa em Macau, Agência-Geral do Ultramar, Lisboa, 1962, 45 p., 22.5 cm x 16 cm.
(2) A criação de um centro de apoio e abrigo de vadios e mendigos, a título experimental, na Ilha da Taipa foi em 08 de Setembro de 1951 (Boletim Oficial n.º36, Portaria n.º 4:998)
A Portaria n.º 5529, de 20 de Fevereiro de 1954, cria o Abrigo de Mendigos e Vadios, com sede na Ilha da Taipa, destinado a albergar todos os indivíduos maiores de 16 anos, sem meios de subsistências, que não tenham modo de vida ou residência na província e se entreguem à prática de mendicidade ou à vadiagem nas vias e lugares públicos.
Este este mesmo «Abrigo de Mendigos e Vadios» passa a ser, em 20 de Maio de 1961, o «Centro de Recuperação Social» (1) sob a responsabilidade do Corpo de Policia de Segurança Pública de Macau (Boletim Oficial n.º 20).
Ver anteriores referências ao Centro
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/centro-de-recuperacao-social-da-taipa/

Extraído de BGU XXXVII- 432-433, 1961.
Fotos de BGU XXXVII- 434-435, 1961.

Anúncio do ano de 1952

O navio «TAI LOY» “The only up-to-date passenger and freight vesselof the line, equipped with RADAR, DEPTH-SOUNDER; also air-conditied and confortable accommodations” iniciou a carreira Hong Kong-Macau em 1951, ano da inauguração da ponte-cais n.º 16 (Tel: 3759), no Porto Interior (1). Propriedade da empresa “Tak Kee Shipping & Trading Co. Ltd”, que era do capitalista dirigente da comunidade sinófona alinhado com Pequim, e então concessionário exclusivo dos jogos de fortuna e azar em Macau (de 1933 a 1961) Fu Tak Iam (Fu Laorong). O navio partia diariamente de Macau às 3H00 da manhã (demorava cerca e três horas a viagem) para a Ponte cais TAK KEE de Hong Kong e regressava no mesmo dia às 15H00.

Anúncio do ano de 1955

Este anúncio é igual ao que publiquei em 17-06-2015, referente a um anúncio do mesmo navio, publicado na imprensa local em 1956.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/06/17/anuncio-navio-tai-loy-%E5%A4%A7%E4%BE%86/
(1) Anteriores referências ao navio «Tai Loy»
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/tai-loy/

Do “Boletim Oficial” de 20 de Fevereiro de 1954:
Foi substituída a Portaria n.º 4:998, de 8 de Setembro de 1951 que criou o Abrigo de Mendigos e Vadios, com sede na Ilha da Taipa, destinado a albergar todos os indivíduos maiores de 16 anos, sem meios de subsistências, que não tenham modo de vida ou residência na província e se entreguem à prática de mendicidade ou à vadiagem nas vias e lugares públicos.
A criação de um centro de apoio e abrigo de vadios e mendigos, a título experimental, na Ilha da Taipa foi em 08 de Setembro de 1951 (Boletim Oficial n. 36)
Este mesmo «Abrigo de Mendigos e Vadios» passa a ser, em 20 de Maio de 1961, o «Centro de Recuperação Social» (1) sob a responsabilidade do Corpo de Policia de Segurança Pública de Macau (Boletim Oficial n.º 20)
FONTE: «MACAU B. I. 1954 » + SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 5, 1998.
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/centro-de-recuperacao-social-da-taipa/

Espectáculo para maiores de 17 anos, este filme estreado no dia 9 de Junho de 1961,  no Teatro Apollo, é um dos clássicos filmes de horror dos Estúdios da “Hammer Film Productions”, de 1960.

APOLLO 9JUN1961 - Two Faces of Dr. JekyllTHE TWO FACES OF DR. JEKYLL
SINISTER! SAVAGE!
Every woman his prey !
He committed every sin in the book

CARTAZ 1960 The two faces of Dr. JekyllDirigido por Terence Fisher e argumento de Wolf Mankowitz baseado na obra-prima de Robert Louis Stevenson (1) publicado em 1886: “O Estranho Caso de Dr. Jekyll e Sr. Hyde“, (2), tem no papel de Dr. Jekyll, o actor Paul Massie. De salientar a presença de Christopher Lee no papel do batoteiro Paul Allen.(3)
Esta versão de Terence Fisher segue nitidamente a obra de Stevenson: o problema da dupla personalidade que vive dentro de nós próprios.
Trailers:
https://www.youtube.com/watch?v=zL8F4eHOOvM
https://www.youtube.com/watch?v=BmcgKQrwxrA

APOLLO 9JUN1961 - Two Faces of Dr. Jekyll- versoCARTAZ 1958 Beautiful but badPRÓXIMA MUDANÇA: um filme de Mylene Demongeot, (1935) actriz francesa que começou a carreira em 1955, mais conhecida a partir de 1958 com o filme “Bonjour tristesse” de Otto Preminger. Nesse ano fez também, este filme francês, título original: “Sois Belle et tais-toi” , de Marc Allégret. Traduzida e distribuída para o público inglês como “Be Beautiful But Shut Up” ou  “Beautiful But Bad“. Participam ainda os actores, então jovens no início das carreiras,  Jean-Paul Belmondo , com 25 anos e Alain Delon com 23 anos.
(1) Não esquecer que Robert Louis Stevenson é um dos grandes criadores da novela de aventuras; publicou antes, em 1883, o livro : “A Ilha do tesouro” (Treasure Island)
(2) A carreira cinematográfica de “Jekyll e Hyde” inicia-se mal o cinema foi inventado. Assim a 1.º versão terá sido em 1908. A partir daí mais de 50 adaptações conhecidas , mais ou menos fiéis ao livro, umas mais terríficas-fantásticas, outras mais psicológicas, outras ainda do género cómico, ou  satírico (como a a versão de Jerry Lewis de 1963). Dentro das adaptações livres está  uma muito elogiada pela crítica de então, em 1920, do alemão  F. W. Burnau (“Der Januskopf”), infelizmente cópia desaparecida.
Das adaptações mais afamadas: a de  1920 de John Stuart Robertson com o actor John Barrymore (uma das melhores interpretações deste actor, atendendo à época em que foi filmada quase sem usar maquilhagens ou máscaras.); a de 1941 (mas não a melhor) dirigida por Victor Fleming com Spencer Tracy, Ingrid Bergman e Lana Turner, para a MGM. e a de 1931 (talvez a melhor) de Rouben Mamoulian, para a Paramount com o actor Frederic March (obteve o Oscar de 1932 para melhor actor)
Uma adaptação também bem conseguida a de Jean Renoir em 1959.
(3) https://en.wikipedia.org/w/index.php?curid=39241672