Archives for posts with tag: 1959

A começar em 18 de Outubro de 1959, no Teatro Vitória, com as sessões diárias habituais, o filme “The Restless Years”:

Slogan: The story of a town with a dirty mind!

O folheto está rasurado: carimbo datado “19OCT1959

“The Restless Years” é um filme americano de 1958, drama/crime/”film noir”, (1) dirigido por Helmut Käutner, argumento de Edward Anhalt (baseado numa peça teatral de Patricia Joudry,  “Teach Me to  Cry”) e produzido por Ross Hunter para a “Universal Pictures“ https://en.wikipedia.org/wiki/The_Restless_Years_(film)

PRÓXIMA MUDANÇA: “The Hanging Tree”, filme americano de 1959, um western dirigido por Delmer Daves, baseado na novela “The Hanging Tree” de Dorothy M. Johnson publicada em 1957. Actores: Gary Cooper, Maria Schell, George C. Scott e Karl Malden. O filme é conhecido pela canção título “The Hanging Tree” uma balada cantada por Marty Robbins  e escrita por Mack David e Jerry Livingston, que foi nomeada  para melhor canção na 32.ª sessão da Academia – Óscar de 1960. https://en.wikipedia.org/wiki/The_Hanging_Tree https://kxrb.com/country-music-legend-marty-robbins-sang-the-theme-song-for-the-1959-classic-film-the-hanging-tree/

(1) “Film noir” (‘filme negro’) – um subgênero de filme policial, derivado do romance de suspense influenciada pelo expressionismo alemão, o qual teve o seu ápice nos Estados Unidos entre os anos 1939 e 1950. https://pt.wikipedia.org/wiki/Film_noir

Após 35 meses de estadia nesta Província Ultramarina o aviso de 2,ª classe «Gonçalo Velho» (1) partiu de Macau no dia 29 de Setembro de 1954. No dia 27, o Comandante José Aguiar Bastos e os oficiais convidaram o Governador, sua esposa e filha e o pessoal do seu Gabinete, assim como muitos amigos, para um Porto de despedida.
Na noite desse dia, o navio apresentava um magnífico aspecto pela brilhante iluminação e bandeiras multicolores de que se ornamentou. Já no dia 23, O Governador, Almirante Joaquim Marques Esparteiro, havia convidado o comandante do «Gonçalo Velho» e os seus oficiais para um almoço no Palácio de Santa Sancha, a que assistiram também os oficiais da marinha privativa e o Chefe do Gabinete.
Os sargentos da Guarnição Militar de Macau e os seus camaradas do Aviso «Gonçalo Velho» já se tinham reunidos num almoço de confraternização em Março de 1954.
O navio de guerra seguiu viagem primeiro para a Índia Portuguesa e depois regresso a Portugal. (2)

O aviso «Gonçalo Velho» em final da década de 40 (século XX).

(1) O aviso de 2.ª classe «Gonçalo Velho», (3) sob comando do capitão-de-fragata José Coutinho Garrido (4) esteve em Hong Kong em Agosto de  1953 para receber beneficiações e já sob o comando do capitão de fragata José Aguiar Basto, na mesma doca da colónia de Hong Kong,  em Julho de 1954 esteve em reparações. Regressou a Macau em 23-07-1954 («M. B. I.». I – 2, 1953).
(2) «M. B. I.»  I-16 ; II-28 e 29, 1954.
(3) O aviso colonial de 2.ª classe «Gonçalo Velho» lançado em 1933 esteve em serviço desde esta data até 1961, quando foi abatido ao serviço.
Deslocamento de 1500t (1959) com uma velocidade de 16,5 nós. Tinha um comprimento de 81,5 m, boca de 10,8 m e calado de 3,5 m. Possuía um armamento composto de 3 peças de 120 mm e 5 peças de 20 mm, 4 morteiros, 2 calhas para cargas de profundidade (1959). Tripulação/Equipagem: 142.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Classe_Gon%C3%A7alo_Velho
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/aviso-goncalo-velho/
(4) Capitão-de-fragata (desde 1951) José Coutinho Garrido foi comandante do aviso «Gonçalo Velho» de Janeiro de 1952 a Março de 1954; fez depois nova comissão em Macau como Capitão dos Portos e comandante da Defesa Marítima de Macau de Setembro de 1955 a Setembro de 1959. (TEIXEIRA, Mons. Manuel – Marinheiros Ilustres Relacionados com Macau, 1988).

A esposa do Sr. Governador cortando a fita

Extraído de BGC XXVI-304, OUTUBRO de 1950.

O Governador José Maria da Ponte e Horta, pela Portaria de 2-02-1867, proibiu a Roda dos expostos da Santa Casa de Misericórdia de Macau, (desde 1726 que a Santa Casa Misericórdia tinha um Recolhimento para orfãs e Viúvas) a partir de 8 do mesmo mês e ano, devendo no entanto a Santa Casa continuar a tratar dos enjeitados que tinha a seu cargo nessa data . No entanto a ordem não foi cumprida pois embora a Roda não existisse, as crianças continuaram a ser abandonadas (e recebidas) à porta da Santa Casa.
A Santa Casa confiou os Expostos (crianças abandonadas aos nascer) às Filhas de Caridade Canossianas estabelecidas em Macau em 1874) (1) que tomaram conta deles, a princípio no próprio edifício dos Expostos e, mais tarde, no Asilo da Santa Infância, em Santo António, fundada em 1885, pelo Bispo D. António Joaquim de Medeiros. (2)

Um grupo de crianças abandonadas e recolhidas no Asilo da Santa Infância em 1934

O novo Edifício da Santa Infância na Rua Francisco Xavier Pereira inaugurado em 1950, foi mandado construir pelas irmãs Canossianas. A Santa Infância em 1950, foi transferida para o rés do chão do novo edifício em Mong Há continuando no antigo edifício as crianças mais pequenas mas em 1959 sessenta crianças foram transferidas para a Casa Canossiana de S. Coração de Maria em Coloane.
Informações recolhidas de TEIXEIRA, Padre Manuel – A Educação em Macau, 1982
Anteriores referências a este Asilo em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/asilo-de-santa-infancia/
(1) Em fins de 1873 e inícios de 1874, chegou a Macau a irmandade canossiana cujo lema era “caridade na humildade e humildade na caridade”, passou a se fazer presente em Macau.
Mas antes já a irmã Madre Teresa Lucian chegara a Macau, tendo fixado residência no bairro chinês próximo à igreja de Santo Antônio e ali foi construindo a sua obra, abrindo uma escola chinesa para crianças pobres, perto da Fortaleza do Monte.
Em 1885 foi construído o Asilo da St.ḁ Infância, para crianças abandonadas, posteriormente demolido para dar lugar à Escola Canossa.
No Asilo da Santa Infância, anexo à igreja de Santo Antônio, as irmãs fizeram um belo trabalho e ganharam a confiança e o respeito dos chineses. Por volta de 1895, uma grande epidemia de peste bubônica atingiu Macau. A irmã Madre Teresa Lucian foi para esse front social em 1898, e ali viu serem abatidos aproximadamente 1200 chineses.
Para se ter uma ideia do volume de trabalho assistencial que faziam as irmãs, somente no período de 1885 a 1951, foram recebidas 65.000 crianças, ou seja, em cada um dos 66 anos de atuação receberam em média 985 crianças por ano. A partir de 1952 até 1972, o número de crianças hospitalizadas é de 16.725, e um número dramático de abandonados é de 1.123 crianças chinesas ou mestiças, em sua maioria meninas.
Anjos de Macau na primeira década do século XX
LIMA-HERNANDES, Maria Célia; SILVA, Roberval Teixeira e – Anjos de Macau na primeira década do século XX in fragmentum, N. 35, parte I. Laboratório Corpus: UFSM, Out./ Dez. 2012 15 p.
file:///C:/Users/ASUS/Downloads/7860-35024-1-PB.pdf
(2) O Padre António Joaquim Medeiros (1846-1897) veio para Macau em 1872 tendo ocupado os cargos de Reitor do Seminário, Vigário Geral e Visitador das Missões de Timor e em 1884, foi nomeado Bispo de Macau. Faleceu de morte natural durante a visita às Missões de Timor em 1897.

No dia 20 de Junho de 1959, no 4.º e último concerto da temporada de 1958/59 promovido pela Delegação de Macau do Círculo de Cultura Musical, apresentou-se no Teatro D. Pedro V,  o afamado pianista austríaco Walter Hautzing.  Nesse ano o pianista fez uma digressão ao Oriente tendo actuado nos seguintes países: Japão, Formosa, Hong Kong, Macau, Filipinas Tailândia e Índia.
Walter Hautzing (1921-2017) pianista americano de origem austríaca (formada na Academia de Musica de Viena) deixou Áustria após a subida do poder do Nazismo na Alemanha, foi para Jerusalém e estudou na Conservatória de Música. Em 1939 foi para os E.U.A. para continuar seus estudos musicais no Instituto de Música Curtis em Filadélfia. Iniciou a sua apresentação pública no «Town Hall de Nova Iorque em 1943.
Leitura da sua biografia em:
https://en.wikipedia.org/wiki/Walter_Hautzig
https://www.lib.umd.edu/ipam/collections/walter-hautzig
Alguns vídeos disponíveis:
https://www.youtube.com/watch?v=TWiMmIV5Mjo
https://www.youtube.com/watch?v=o0AUzSUBbU0
https://www.youtube.com/watch?v=rb7ultg1Lko

Encontrei num alfarrabista esta fotografia colada a um pequeno papelão com a seguinte inscrição

N, R. P. GONÇALVES ZARCO
HONG KONG
20-12-1959

Pelo posicionamento da tripulação e enquadramento da fotografia, lembrei-me de uma outra foto publicada na revista “MacaU” (1) que foi tirada no mesmo barco em Junho de 1963, também na altura estacionada em Hong Kong.

Ao centro (na foto) vemos o comandante, capitão-de-fragata Malheiro do Vale, tendo à sua esquerda o imediato, capitão-tenente Rosa Coutinho, e, à sua direita, o 1.º tenente Cristóvão Moreira, o oficial mais antigo do aviso português na altura. (1)

O N. R. P. Gonçalves Zarco (2) foi o primeiro aviso a entrar em Macau em 1935, e o último navio da Armada Portuguesa que esteve em comissão de soberania em Macau e Timor.
A última missão de nove anos em Macau foi de 14 de Outubro de 1956 (3) a 28 de Março de 1964. A sua partida após ter cumprido a sua gloriosa missão de nove anos consecutivos, no Oriente, teve honras de fogo de artifício (4) e “na véspera, em jeito de despedida, os marinheiros organizaram um cortejo em riquexós, pelas ruas da cidade, cantando e queimando panchões”. (1) A chegada a Lisboa foi a 16 de Maio de 1964, “a aguardar a tripulação no cais estavam apenas os familiares, nada de entidades oficiais, nem mesmo da marinha, tão pouco a imprensa. Restava-lhes a consolação do dever cumprido e o feito de terem conseguido trazer para Portugal aquela relíquia naval, que, com galhardia, desempenhou durante nove anos consecutivos a última missão de soberania de um navio da Armada Portuguesa, nas águas de Macau e Timor“(1)

https://arquivohistorico.marinha.pt/viewer?id=14925&FileID=4116

(1) TOMÉ, EDUARDO – A Última Missão Naval de Soberania no Oriente. MacaU, II série, n.º 58, Fevereiro de 97, pp.6-22.
(2) O aviso «Gonçalves Zarco» (igual ao aviso «Gonçalo Velho») foi uma classe de avisos coloniais de 2ª classe ao serviço de Marinha de Guerra Portuguesa. Os dois navios da classe, foram construídos nos estaleiros Hawthom-Leslie (Inglaterra) em 1933, encomendados ao abrigo do Programa Naval Português da década de 1930. Como avisos coloniais, os navios foram projetados com o objetivo reforçar e manter a capacidade de presença naval nos vários territórios do Império Colonial Português, assegurando aí, a soberania de Portugal.
Os navios da classe foram baptizados com os nomes de dois dos navegadores portugueses envolvidos na descoberta das ilhas do Atlântico: Gonçalo Velho Cabral e João Gonçalves Zarco.
Depois da Segunda Guerra Mundial, em 1946, os navios foram equiparados a fragatas, recebendo o prefixo F nos seus números de amura, pintado no costado.

Aviso de 2ª classe «Gonçalves Zarco» – por volta de 1940

Classe GONÇALO VELHO:
GONÇALO VELHO – F 475 (1933 – 1961) – efectuou quatro comissões de serviço em Macau entre 1937 e 1954
GONÇALVES ZARCO – F 476 (1933 – 1964) – efectuou três comissões de serviço em Macau, em 1935, 1939 e a última de 1955 a 1964, (durante os quais passou 17 meses na Índuia Portuguesa, 20 meses em Timor)
Os avisos foram alvo de grandes modificações durante os anos cinquenta. Em 1959 foram substancialmente modernizados, sendo equipados com armamento e sensores para guerra anti-submarina.
Ambos os navios deixaram de ser empregues como unidades combatentes em 1961. O Gonçalo Velho foi, imediatamente, abatido ao serviço, mas o Gonçalves Zarco foi transformado em navio hidrográfico, alterando a referência da amura para A 5200 e mantendo-se em serviço até 1964, ano em que foi activo (seria então o navio de guerra mais velho em serviço, em todo o mundo).
Apanhou, em Macau, dois violentos tufões, o «Glória», em 1957 e em 1962 quando estava em Hong Kong o «Wanda»

O NRP Gonçalves Zarco em Macau, 1950
http://jcsnavy.weebly.com/marine-naval-and-military-posts/nrp-goncalves-zarco-1950

Aviso de 2ª classe «Gonçalves Zarco»
Deslocamento: 1 784 tons (outras fontes: 1174 tons) (1933); 1 500 tons (1959)
Comprimento: 81,5 m; Boca: 10,8 m; Calado: 3,5 m; Sensores: radar de navegação e ASDIC (1959); Propulsão: 2 turbinas a vapor de 2 000 SHP, servidas por dois eixos permitiam atingir os 16,5 nós, de velocidade máxima.
Armamento: 3 peças de 120 mm e 2 peças de 40 mm (1933); 3 peças de 120 mm, 5 peças de 40 mm, 4 morteiros lança bombas, 2 calhas lança-bombas de profundidade (1959)
Tripulação/Equipagem: 142 homens
Informações e referências de:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Classe_Gon%C3%A7alo_Velho#/media/File:Portuguese_sloop_Gon%C3%A7alves_Zarco_in_the_1940s.jpg
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/goncalves-zarco/
(3) “ 14-10-1956 – Vindo do estado da Índia Portuguesa chegou ontem dia 14 o Aviso de 2.ª classe «Gonçalves Zarco» da nossa Marinha de Guerra.” (MBI IV-77, 1956)
“20-10-1956 – A fim de receber beneficiações, partiu para Hong Kong no passado dia 20 o Aviso «Gonçalves Zarco» do comando do capitão-tenente António Garcia Braga.”  (MBI IV-78, 1956)
Regressaria a Macau no dia 8 de Março de 1957 trazendo a bordo para o Porto Interior o novo governador, Capitão-tenente Pedro Correia de Barros.
“15-07-1963 – Após reparações seguiu para Timor. Chegados a Timor, não havia condições de reabastecer o navio de combustível pelo que a 9 de Setembro deram um pulo atè Darwin. O governador de Timor era Alberty Correia. O Gonçalves Zarco saiu de Timor a 2 de Janeiro de 1964. Chegou a Hong Kong a 12 de janeiro de 1964 – atracou ao cais da Royal Navy onde estiveram 4 dias.
Partida 10 de Março de 1964, para Hong Kong com objectivo de efectuar  uma inspecção geral, rasparem e pintarem o fundo” (1)
(4) “Its departure was heralded with fireworks and a large turnout odf the people of Macau who saw it as the end of an  era.”
GARRETT, Richard J. – The Defences of Macau, Forts, Ships and Weapons over 450 Years!.Hong Kong University Press, 2010.

A sagração episcopal de D. Arquimínio da Costa realizou-se a 25 de Março de 1976.
A nomeação do novo bispo de Macau, na pessoa do Padre Arquimínio Rodrigues da Costa (1) pelo Papa Pauli VI, veio preencher a vaga deixada pelo falecimento de D. Paulo José Tavares. A notícia do acontecimento, foi transmitida em 21 de Janeiro de 1976, pela Rádio Vaticano e foi recebida pela população católica de Macau com manifesto regozijo, dada a simpatia que o nomeado desfrutava em Macau.

O novo prelado dá entrada na Sé Catedral

A Sé Catedral vestiu as suas melhores galas pera receber o seu novo Antístite, e os Revs. Prelados que vieram presidir à cerimónia litúrgica da sagração. Dísticos em português e chinês engalanavam o frontispício do templo e saudavam o novo prelado com o dizer evangélico: «BENDITO O QUE VEM EM NOME DO SENHOR».

Arquimínio da Costa dirige, pela primeira vez, como Bispo de Diocese, a palavra aos fiéis

A assistência à cerimónia da sagração episcopal, vendo-se no primeiro plano o Governador, coronel Garcia Leandro e Sua esposa.

Nas primeiras bancadas destacava-se a presença do Governador, Coronel Garcia Leandro e esposa, Madre Maria Clemência da Costa (irmã de D. Arquimínio), os Secretários-adjuntos, o Meritíssimo Juiz da Comarca, o Cônsul-Geral da França e muitos Chefes de Serviços e suas esposas. Em lugar especial da capela-mor, via-se o Bispo Anglicano de Hong Kong, Dr. John Gilbert Baker, o Rev. Frank Lin, pastor anglicano da Igreja de S. Marcos, em Macau e esposa.

Outro aspecto da assistência, estando na primeira bancada, destacadas autoridades oficiais.

D. Arquimínio da Costa entrou na Catedral na companhia do Bispo Sagrante, D. João Baptista Wu, de Hong Kong e dos Bispos consagrantes, D Carlos Lemaire, Bispo titular de Otrus, e D. Júlio X. Labayen, Bispo da Prelatura de Infanta, Filipinas.

O Governador de Macau apresenta os seus cumprimentos de felicitações a D. Arquimínio Rodrigues da Costa

(1) D. Arquimínio Rodrigues da Costa (1924 – 2016)  高秉常, natural da Ilha do Pico (Açores), veio para Macau na companhia de Monsenhor José Machado Lourenço, com mais três companheiros, em 1938, dando ingresso no Seminário de S. José a 8 de Dezembro desse ano. Foi sempre um aluno modelar, tanto no comportamento como nos estudos, pelo que foi durante anos subprefeito da disciplina dos seminaristas (1949-1953). Terminado o Curso Teológico, foi ordenado sacerdote por D. João de Deus Ramalho, S. J., no dia 6 de Outubro de 1949, celebrando a sua missa nova três dias depois. Foi professor de várias disciplinas, entre as quais Filosofia tanto para alunos internos como externos. Ficou reitor interino do Seminário de Fevereiro a Maio de 1955, na ausência do então reitor Cónego Juvenal Alberto Garcia (gozo de licença graciosa). Em 1957 seguiu para Roma a fim de cursar Direito Canónico na Universidade Gregoriana onde se licenciou em 1959. Regressou a Macau no dia 15 de Outubro de 1960, sendo novamente nomeado prefeito da disciplina e professor do Seminário. Em 1 de Agosto de 1961, foi nomeado reitor interino e, em 30 de Novembro, reitor efectivo daquele estabelecimento. Nomeado governador do Bispado nas ausências, em Roma, de D. Paulo José Tavares, em 1963 e 1965, durante o Concílio Vaticano II. Com a transferência do curso filosófico para o Seminário do espírito Santo de Aberdeen, Hong Kong, foi nomeado professor daquele estabelecimento de ensino, a partir do ano lectivo de 1968-69, onde lecionou Filosofia e Latim e foi prefeito de estudos do Curso Filosófico.
A 14 de Junho de 1973, foi eleito pelo Cabido vigário capitular da Diocese, cargo que exerceu até ser eleito Bispo de Macau. Bispo de Macau entre 1976 e 1988. Foi o último bispo de etnia portuguesa da Diocese de Macau. Eleito Bispo emérito de Macau, em 06-10-1988, regressou à sua terra natal nos Açores.
D. Arquimínio da Costa foi o terceiro Bispo de Macau, natural da Ilha do Pico, os outros dois foram D. João Paulino de Azevedo e Castro e o Cardeal D. José da Costa Nunes. É o quinto bispo natural dos Açores, sendo os outros, o Bispo D. Manuel Bernardo de Sousa Enes, da Ilha de S. Jorge, e o falecido Bispo D. Paulo José Tavares, da Ilha de S. Miguel.
Extraído de «MBIT» N.º 1-2, 1976.

24 de Janeiro de 1959 – Inauguração a sétima temporada de concertos, da Delegação de Macau do Círculo de Cultural Musical com a apresentação do jovem e exímio filipino Redentor Romero, acompanhado pelo pianista da mesma nacionalidade, professor Regalado José, no Teatro D. Pedro I (1)
Quer Redentor Romero quer Regalado José foram artistas filipinos distintos e aclamados internacionalmente.
Redentor Romero (1930-2001) exímio violinista e maestro, foi o primeiro filipino a reger a Orquestra Sinfónica de Moscovo, a Royal Filarmónica, a Filarmónica Inglesa e a Filarmónica Chinesa de Beijing. Fundou a Orquestra Filarmónica Nacional Filipina em 1961 e dirigiu-a durante 40 anos. Fez muitas digressões acompanhando solistas internacionais.
Pode ouvi-lo por exemplo em:
“Hating Gabi (Antonio Molina) Redentor Romero violin Rey Paguio piano Divina Bautista piano”
https://www.youtube.com/watch?v=GK6WrC4jSoI
“Redentor Romero & Moscow Philharmonic Orchestra – Walay Angay”
https://www.youtube.com/watch?v=H1kcoXh3PQM
“My tribute to Red Romero.mp4. The Greatest Conductor and Violist of the Philippines.
Moscow Philharmonic Orchestra”
https://www.youtube.com/watch?v=QMvM_I-Ku-s

“Regalado José conducts an orchestra in an outreach performance”
https://lifestyle.inquirer.net/47961/the-legacy-of-regalado-jose/#ixzz5d4twqlxK

Regalado José (1927-2009) foi pianista, maestro (“Manila Symphony Orchestra”) e professor de piano. Graduado em Baltimore (Maryland) com o diploma de “Bachelor of Music” em 1952 e depois Mestrado em Música em 1953.
Ensinou piano cerca de seis décadas na “ UP College of Music” onde foi presidente e Professor Emeritus.
https://lifestyle.inquirer.net/47961/the-legacy-of-regalado-jose/
(1) «Anuário Estatístico de Macau», 1959 p. 73.

Filme a começar no dia 24 de Julho de 1959, no Teatro Vitória (sessões às 14.30, 20.00 e 22.00 horas) com apresentação prévia dos documentários “News of the Day” e outro de “Variedades”.
Filme inglês de 1959, de acção e adventura no império colonial inglês- Índia, no século XIX, “THE BANDIT OF ZHOLE” (em Portugal: “Kasim, o Bandido”), é dirigido por John Gilling com os actores: Victor Mature (no papel de Kasim Khan), Anne Aubrey e Anthony Newley. Filme de baixo orçamento produzido por Albert Broccoli no início da sua carreira em Inglaterra e que viria depois a produzir muito dos filmes de James Bond (de grande orçamento).

https://en.wikipedia.org/wiki/The_Bandit_of_Zhobe#/media/ 

Trailer do filme em
https://www.youtube.com/watch?v=JybAMVdMwBs
Mais interessante é o filme de “terror” apresentado como “Próxima Mudança” de Albert Band (director de afamados filmes de baixo orçamento)  com os actores Richard Boone e Theodore Biket, de 1958 “Eu Enterro os Vivos
https://www.imdb.com/title/tt0051755/”

Trailers deste filme:
https://www.youtube.com/watch?v=5rU_a67fJr4
https://www.youtube.com/watch?v=_5NAMZwcHIE”
https://www.dailymotion.com/video/x298wtf”

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas premiou neste ano de  2018, o filme “The Shape of Water” – “A Forma da Água” como o melhor filme do ano. Neste filme, supostamente passado nos primeiros anos da década de 60 (século XX), os protagonistas Elisa Esposito (Sally Hawkins) e Giles (Richard Jenkins) moravam em apartamentos situados em cima de um cinema que tinha em exibição dois filmes, “The Story of Ruth” de 1960“ (1) e o musical  “Mardi Gras”de 1958.
É precisamente deste último filme “MARDI GRAS”, (2) o folheto de cinema que apresento hoje, estreado no Teatro Apollo no dia 6 de Março de 1959.
Há um erro na parte inicial do “Argumento”: na apresentação dos nomes dos cadetes do Instituto Militar da Virgínia, há uma repetição “Tommy Sands”. O correcto será: Pat Boone (Paul Neweell) Tommy Sands (Barry Denton), Gary Crosby – filho de Bing Crosby (Tony Collins) e Dick Sargent (Dick Sagion).
Filme norte-americano de 1958, do género musical, dirigido por Edmund Goulding (0 último filme deste director) com os actores Pat Boone, Christine Carère, Tommy Sands e Sheree North.
É um filme “promocional” do cantor Pat Boone (3), mas quem sobressai do filme é a actriz (e cantora ) Sheree North. (4).
O compositor Lionel Newman foi indicado para o Óscar de melhor trilha sonora por este filme musical, no entanto quem ganhou foi André Previn pelo filme “Gigi”.
“ Trailers” do filme:
http://www.dailymotion.com/video/x6dxe8y 
https://www.youtube.com/watch?v=8c0qDV6vmqs
https://www.youtube.com/watch?v=-yHANo_axSs
(1) “The Story of Ruth”  é um filme americano de 1960, dirigido por Henry Koster, com os actores: Stuart Whitman e Elana Eden. O filme relata a história bíblica de Rute, a bisavó do rei David.
(2) Mardi Gras – terça feira Gorda ou terceira feira de Entrudo – último dia de carnaval.
O mais famoso “Mardi Gras”  é o Carnaval de Nova Orleães. No folheto

“It´s New Orleans favorite festival of fun! “

(3) Os estúdios americanos nessa época (década de 50-séc. XX) “criaram” uma rivalidade entre Elvis Presley e Pat Boone (1934), cantores muitos apreciados pelos fãs, tornando-os actores. Enquanto Elvis era citado como um rebelde, “rockqueiro”, Pat Boone era apresentado “bem comportado”, com canções de estilo romântico, como neste filme. Outros filmes musicais populares deste actor “Bernardine” de 1957; e“April Love” de 1957.
Em Macau, também havia torcedores pelos dois artistas, os mais “novos” adolescentes eram mais adeptos de Elvis e mais “velhos” e os “trintões” apreciavam o Pat Boone. Lembro-me vagamente ter visto este fllme nessa altura embora não tovesse ainda 12 anos ( o espectáculo era para maiores de 12 anos).
(4)  Sheree North (1932-2005),  dançarina, cantora e actriz em 29 filmes  É dela a melhor canção do filme “That man” (uma das oito canções que a dupla -Sammy Fain e Paul Franscis Webster  – compôs para o filme)
BREVEMENTE: “LAW and DISORDER” – filme de 1958, uma comédia britânica  inicialmente dirigida por Henry Cornelus que morreu nas primeiras filmagens e portanto substituído por  Charles Crichton (director de várias comédias bem sucedidas entre elas a comédia “ A Fish Called Wanda” de 1988) com os actores Michael Redgrave e Robert Morley.

Faleceu no dia 9 de Fevereiro mais um dos actores da minha geração, um galã na década de 60 (séc. XX) que fez uma curta carreira cinematográfica (cerca de vinte filmes), depois em séries televisivas e mais tarde enveredando pela vida diplomática.
John Gavin (1931-2018), nome artístico de Juan Vincent Apablasa, actor, presidente da “Screen Actors Guild” de 1971 a 1973 e diplomata norte-americano (embaixador dos Estados Unidos no México de 1981 a 1986). Conhecido pelas suas participações nos filmes “Imitation of Life” (1959), “Spartacus” (1960), “Psycho” (1960) e  “Thoroughly Modern Millie”(1967), e outros papéis principais numa série de filmes para o produtor Ross Hunter.
Em sua homenagem, apresento hoje o folheto de cinema do Teatro Apollo do filme “Imitation of Life” (“Imitação da Vida” ), um dos melhores filmes do ano de 1959,e talvez melhor interpretação deste actor no cinema.
Filme que se estreou em Macau no dia 4 de Setembro de 1959, “Imitação da Vida” (“Imitation of Life”) é um filme (“eastmancolor”) de 1959, (1)  do género melodrama, dirigido pelo talentoso Douglas Sirk (último filme deste realizador) e produzido por Ross Hunter para a Universal International
Actores: Lana Turner, John Gavin, Sandra Dee, Dan O’Herlihy, Susan Kohner, Robert Alda, Troy Donahue e Juanita Moore. (2)

Lana Turner no papel de Lora Meredith

O filme conta a história de Lora Meredith (Lana Turner), actriz famosa e consagrada que tinha uma filha e acolhe em sua casa uma mulher negra — Annie Johnson (Juanita Moore) — junto com sua filha para trabalhar como doméstica. Com o passar dos anos, as duas mulheres compartilham suas vidas e os problemas das respectivas filhas.
(1) Segunda versão cinematográfica do livro de Fannie Hurst; a primeira adaptação foi em 1934, realizado por John M. Stahl com a actriz Claudette Colbert.
(2) Susan Kohner e Juanita Moore foram indicadas para o Óscar de 1959 na categoria de para Melhor Atriz Secundária e Susan Kohner ganhou o globo de Ouro nesta categoria.

NOTA: A famosa cantora “Gospel” Mahalia Jackson(1911-1972)  aparece no filme como solista do coro da igreja.

Imagens retiradas de
https://en.wikipedia.org/wiki/Imitation_of_Life_(1959_film)
https://pt.wikipedia.org/wiki/John_Gavin
Trailers do filme em:
http://www.imdb.com/title/tt0052918/vi