Archives for posts with tag: 1957

Foi inaugurada no dia 8 de Maio de 1957, o novo infantário do Menino Jesus, junto ao Canídromo, na Avenida Almirante Lacerda, no sopé da Colina de Mong Há. A planta era da autoria do eng. José Maria Paulo Rodrigues e a construção importou em 43.000 patacas pagas pela Catholic Welfare. Tinha capacidade para 100 crianças, ficando a cargo das Madres Canossianas. O Infantário era dotado dum magnífico parque para recreio das crianças.

O Bispo de diocese, D. Policarpo da Costa Vaz benzendo as instalações do novo infantário do Menino Jesus (1)

Segundo Padre Teixeira (2), estava anexa à “Escola Infantil do Menino Jesus” (3) também dirigida pelas Irmâs Canossianas. As Canossianas mantinham além do infantário do Menino Jesus em Macau, o infantário da Beata Madalena de Canossa em Coloane; acolhiam todos os dias 70 a 30 crianças respectivamente de 1 a 5 anos. Eram-lhes fornecidas refeições gratuitas.  As Madres substituíam as mães durante o dia, em que estas eram obrigadas a procurar no trabalho os meios de subsistência. (2)

Aspecto da inauguração do Infantário (3)

Em 1975,  o local do infantário foi transformada em Casa Mortuária.

(1) Extraído de «BGU» XXXIII- 304, Junho de 1957, pp. 301-305

(2) TEIXEIRA, Padre Manuel – A Educação em Macau, 1982, pp. 342 e 347.

(3) A “Escola Infantil do Menino Jesus”, em 1981, era frequentada por 185 crianças, ensinadas por quatro professoras. As aulas de catequese eram ministradas por três legionárias.

“A Kiss Before Dying”, filme/drama de 1956 dirigido por Gerd Oswald (estreia como director). Argumento de Lawrence Roman, baseado no livro de Ira Levin de 1953 com o mesmo título. O livro foi galardoado em 1954 com o prémio “Edgar Award”, melhor primeira novela. Os principais actores são: Robert Wagner, Jeffrey Hunter, Virginia Leith, Joanne Woodward, e Mary Astor.(1) Posteriormente em 1991, baseado no mesmo livro seria realizado novo filme com o mesmo título. (2) https://en.wikipedia.org/wiki/A_Kiss_Before_Dying_(1956_film)

Verso do folheto

BREVEMENTE: “The Spanish Gardener” é um filme colorido “ VistaVision and Technicolor”, de 1956, baseado na novela de 1950, com o mesmo título, de A. J. Cronin. Dirigido por Philip Leacock, e  tem como actores: Dirk Bogarde, Jon Whiteley e Michael Hordern. https://en.wikipedia.org/wiki/The_Spanish_Gardener_(film)

(1) Trailers do filme: https://www.youtube.com/watch?v=95IWP5U_cmw https://www.youtube.com/watch?v=chlwxs2dfVA

(2) “A Kiss Before Dying” de 1991 é  dirigido por James Dearden, com os actores: Matt Dillon, Sean Young, Max von Sydow, e Diane Ladd.

Extraído de «BGU», XXXIV-393, Março de 1958, pp. 200-207

A começar no dia 6 de Fevereiro de 1957, no Teatro Capitol, o “grandioso filme tecnicolorido” (para maiores de 18 anos), um “western” : “Raw Edge

Raw Edge”, filme de 1956 dirigido por John Sherwood com os actores Rory Calhoun, Yvonne De Carlo. Filme de estreia do actor John Gilmore, mais tarde mudaria o nome para John Gavin. https://en.wikipedia.org/wiki/Raw_Edge

A “PRÓXIMA MUDANÇA” e “BREVEMENTE”,  outros dois filmes americanos,  o “western” “Winchester 73” (que começou a 9 de Fevereiro) (1)  e “Walk the Proud Land” (Honra de Selvagens), o filme pacifista, baseado na biografia do índio apache John Clum (Audie Murphy)

Walk the Pround Land”, foi filmado em 1956, em “cinemascope” e tecnocolorido, da “M.G.M.” , e dirigido por Jesse Hibbs com os actores Audie Murphy e Anne Bancroft. https://en.wikipedia.org/wiki/Walk_the_Proud_Land

 (1) Ver em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/02/09/noticia-de-9-de-fevereiro-de-1957-folheto-de-cinema-teatro-capitol-lvi-winchester-73/

Mais um “emocionante filme” da «M.G.M» (com prejuízo financeiro) estreado em Macau, no dia 2 de Novembro de 1957, “The Vintage” (“A Vindima”; “Vindima Trágica” em Portugal, 29 de Outubro de 1957),

Filme de 1957, drama/crime, dirigido por Jeffrey Hayden com os actores Pier Angeli, Mel Ferrer, John Kerr, Michèle Morgan e Theodore Bikel. Argumento de Michael Blankfort, baseado numa novela de Ursula Keir. Música composta e dirigida por David Raksin. O solo de guitarra é do actor e cantor Theodore Bikel

Interessante os lemas anunciados no cartaz:

“First love can be the most dangerous! “

“The man she flirted with was a killer”

“Was this wife too friendly with strange under his roof?”

Trailer do filme;

BREVEMENTE  — “This Could Be the Night” é também um filme comédia/drama, de 1957, da «MGM» (prejuízo comercial e financeiro) dirigido por Robert Wise com os actores Jean Simmons, Paul Douglas. E Anthony Franciosa (estreia deste actor), baseado nos contos de Cornelia Baird Gross.

Com sessões às 14,30, 19,45 e 22.00 horas, estreou-se no dia 17 de Outubro de 1957, no Teatro Apollo, o “engraçado filme em cinemascópio colorido”  – “An Affair to Remember”     

“Um Caso Para Lembrar — Candidato ao Prémio Óscar de 1957”

Folheto impresso a vermelho, com uma correcção a preto na 2.ª sessão às 19.45

Espectáculo para maiores de 13 anos de idade, “An Affair to Remember” (1) é um filme (drama,  romance, musical) de 1957,dirigido por Leo McCarey com os actores Cary Grant e Deborah Kerr. Filmado em «CinemaScope», e distribuído pela “20th Century Fox” é considerado pelo “American Film Institute”, um dos filmes mais românticos de todos os tempos,. O filme é um «remake» do filme “Love Affair”, (com os actores Irene Dunne e Charles Boyer), de 1939, dirigido pelo mesmo, Leo McCarey,, tendo este usado o mesmo argumento original seu e de Donald Ogden Stewart, de 1939, com ligeiras adaptações de Delmer Daves em 1957. https://en.wikipedia.org/wiki/An_Affair_to_Remember

O tema canção do filme “An Affair to Remember (Our Love Affair)”, composto por Harry Warren com letra de Leo McCarey and Harold Adamson, é cantado por Vic Damone na apresentação e depois por Deborah Kerr durante o filme (2). O filme foi nomeado para a 30ª Academia dos Óscares (1958) para quatro estatuetas: , não obtendo nenhuma em Melhor cinematografia, Melhor Canção Original, Melhor banda sonora e melhor guarda roupa.

(1) Trailers em:

(2) https://www.youtube.com/watch?v=J1bGO5T6JFY

Os folhetos dos filmes da PRÓXIMA MUDANÇA – “Fears Strikes Out”  (nos dias 23 e 24 de Outubro) e de  BREVEMENTE- “Bernardine”, com estreia marcada em 25 de Outubro, serão em devido tempo, reproduzidos .

Estreia a 8 de Agosto de 1957, no Teatro Capitol, do filme “Designing Woman” com as três sessões diárias habituais, com uma correção no folheto: início da 2.ª sessão,  alteração para as 19.45. (devido à extensão do filme: 118 minutos)

“Um Amor em Duas Beldades” (em Portugal: “A mulher modelo”)  filme da “M.G.M.”, de 1957, uma comédia romântica, em “CinemaScope” dirigido por Vincent Minnelli, com os actores Gregory Peck, Lauren Bacall (2) e Dolores Gray. Venceu um Óscar, na categoria de melhor argumento original, em 1958. https://en.wikipedia.org/wiki/Designing_Woman

BREVEMENTE:  “HOLD BACK TOMORROW” – Filme de 1955 da “Universal-International” do realizador Hugo Haas (argumento do próprio) com os actores John Agar e Cleo Moore (dupla que, em 1954, contracenou em “Bait” do mesmo realizador) https://en.wikipedia.org/wiki/Hold_Back_Tomorrow

(2) Lauren Bacall, que substituiu a actriz Grace Kelly (primeira escolha) participou neste filme no período em que o seu marido o actor Humphrey Bogart já se encontrava doente (doença cancerosa), falecendo este em 14 de Janeiro de 1957, quatro meses antes da estreia do filme nos Estados Unidos. https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/08/14/folheto-de-cinema-teatro-capitol-xiii-lauren-bacall/

Trailers do filme:

A começar a 6 de Julho de 1957, no Teatro Capitol o “emocionante filme em Cinemascópio e tecnicolorido”, espectáculo para maiores de 18 anos: “O Céu em teu Amor” (em Portugal “As Virgens de Wimpole Street) “The Barrets of Wimpole Street

O filme de 1957, da “Metrocolor CinemaScope”,  “remake” da versão anterior de 1934 (1) do mesmo diretor, Sidney Franklin (seu último filme). Ambos os filmes são baseados na peça inglesa de sucesso de 1930, “As Barretts de Wimpole Street” de Rudolf Besier (uma história do romance real entre os poetas Robert Browning e Elizabeth Barrett). O argumento do filme de 1957 é creditada a John Dighton, embora Sidney Franklin tenha usado exatamente o mesmo argumento do seu primeiro filme. O filme, ambientado no início do século 19, tem como actores principais, Jennifer Jones, John Gielgud  e Bill Travers (2) https://pt.qwe.wiki/wiki/The_Barretts_of_Wimpole_Street_(1957_film)

BREVEMENTE: O filme “Ten Thousand Bedrooms”, já está publicado neste blogue. Ver em (3)

(1) A anterior versão deste filme, é de 1934, do mesmo realizador, Sidney Franklin com os actores Norma Shearer como Elizabeth Barrett, Frederic March como poeta Robert Browning e Charles Laughton como  pai de Elizabeth, Edward Moulton-Barrett. O filme foi indicado para o Oscar de Melhor Filme e Norma Shearer foi nomeada para o Oscar de Melhor Actriz. https://pt.qwe.wiki/wiki/The_Barretts_of_Wimpole_Street_(1934_film)

(2) Trailers do filme de 1957

(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/07/12/noticia-de-12-de-julho-de-1957-folheto-de-cinema-teatro-capitol-l-ten-thousand-bedrooms/

Folheto de cinema do Teatro Capitol (composto e impresso na Tipografia “San Chong Trading & Co”; 1000 exemplares) do dia 19 de Abril de 1957, do “espectaculoso filme tecnicolorido” “Friendly Persuasion” (“Persuação Amigável”; em Portugal: ”Sublime Tentação”). Preços: $ 0.60, $ 0.80, $ 1.10, $1.50, $ 1.80.

Um filme de 1956, do gênero faroeste/drama, durante a guerra civil americana, ambientado em 1862 na família Birdweel, uma família de quakers (pacifistas) , no estado de Indiana.

 Um filme de ““Allied Artists Pictures Corporation”, dirigido por William Wyler, (1) com os actores Gary Cooper  (Jess Birdwell), Dorothy McGuire (Eliza Birdwell) e a estreia no cinema de Anthony Perkins (Josh Birdwell) (2) (3)

https://pt.wikipedia.org/wiki/Friendly_Persuasion

O filme é uma adaptação de um romance de 1945, de Jessamyn West que colaborou no argumento de Michael Wilson. (4)

O filme “O Belo Sexo” (The Oposite Sex)”, estrearia neste cinema a 1 de Junho de 1957

(1) O produtor e diretor William Wyler ao fim de oito anos conseguiu que o seu projeto fosse aprovado, tendo a  “Allied Artists Pictures Corporation” (anteriormente conhecido como Monogram Pictures Corporation) concordado para um orçamento de US $ 1,5 milhões. Foi o primeiro filme de William Wyler na cor para um estúdio comercial, custando no final mais de US $ 3 milhões, pelo que “Allied” vendeu os direitos de distribuição estrangeira para MGM para levantar mais fundos. O filme arrecadou US $ 4 milhões nas bilheterias norte-americanas em 1956.

 (2) Foi o segundo filme de Anthony Perkins (19321992) (imortalizado por seu papel como Norman Bates no filme Psycho (1960) de Alfred Hitchcock) depois de sua estréia no filme de 1953, “The Actress”. Anthony Perkins ganhou um Globo do Ouro (1957)  por este filme, como melhor actor promissor

NOTA: O compositor e orquestrador Dimitri Tiomkin compôs as músicas para o filmecom letras de Paul Francis Webster. A canção título “Friendly Persuasion (Thee I Love)” foi gravado por Pat Boone e tornou-se a canção mais comercial desse ano (1956.)  

(3) Na 29ª edição do oscar (1957) o filme foi nomeado para 6 Oscar: Melhor Filme, Melhor Diretor (William Wyler), Melhor Ator Secundário (Anthony Perkins), Melhor Música – Canção (Dimitri Tiomkin e Paul Francis Webster), Melhor Argumento adaptado (sem nome) (4), e Melhor Gravação de Som ( Gordon R. Glennan e Gordon E. Sawyer ). O filme ganhou o “Palme d’Or” (Palma de Ouro) no Festival de Cannes, 1957 .

(4) Michael Wilson (1914-1978) não aparece nos créditos do filme pois nessa época o argumentista fazia parte da lista negra de personalidades de Hollywood, consideradas comunistas. Somente na década de 1990 (1996) é que o nome de Michael Wilson foi acrescentado nos créditos da película. Uma semana antes de indicações ao Oscar do ano, a AMPAS Conselho de Governadores introduziu uma regra negando um Oscar para quem se recusou a falar com um comitê do Congresso dos Estados Unidos, tendo a “Writers Guild of America” protestado contra a nova regra sem sucesso. Eles deram a Michael Wilson um “Writers Guild of America Award” para “Melhor Drama Escrito americano”. Michael Wilson, entre muitos argumentos seus ou colaborando com outros, escreveu “The Bridge on the River Kwai” (1957), “Lawrence of Arabia” (1962), “The Sandpiper” (1965), “Planet of the Apes” (1968), e “Che!” (1969).

Trailers do filme:

Não terá sido uma estreia pois o filme é de 1936, por isso, uma reposição no Teatro Capitol para o dia 10 de Abril de 1957, um espectáculo para maiores de 18 anos de idade. Sessões às 14.30, 20.00 e 22.00 horas com a apresentação prévia dos habituais documentários (este da M.G.M.) e reclamos de próximos filmes.

Folheto de cor esverdeada, composto e impresso na Tipografia”San Chong Trading & Co” – 10 de Abril de 1957 – 1000 EX.

“San Francisco” é uma drama – musical de 1936, da M- G-M., dirigido por Woody S. van Dyke (com uma colaboração do director D. W. Griffith) e argumento de Robert E. Hopkins e Anita Loos (e ainda a colaboração de Eric von Stroheim), baseado no terramoto da cidade de S. Francisco em 18 de Abril de 1906. O êxito financeiro do filme (2) baseou-se na trilogia dos actores contratados, Clark Gable, Jeanette MacDonald, (3) e  Spencer Tracy e as canções popularizadas (4) por  Jeanette MacDonald,  

(1) Durante 2 semanas entre 27 de Março e 11 de Abril de 1957, o Teatro Capitol apresentou, ás quartas e quintas-feiras,  reposições de filmes  por isso os folhetos de cinema desse período apresentam na frente e no verso, o argumento de dois filmes.

No verso deste folheto, anunciava a próxima reposição em 17 de Abril de 1957 do filme “O Médico e o Monstro” (“Dr. Jekyll and Mr. Hyde” versão de 194) que apresentei na  postagem de 17-04-2018. https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/04/17/noticia-de-17-de-abril-de-1957-folheto-de-cinema-teatro-capitol-xxxviii-o-medico-e-o-monstro/

 (2) As últimas imagens do filme, as ruínas fumegantes após o terramoto, são uma montagem da cidade de S. Francisco mas da década de 30. Nomeado para 5 “Óscar” – somente obteve um: “Melhor Gravação de Som” para Douglas Shearer.

Jeanette Anna MacDonald (1903 – 1965), em 1934

(3) Jeanette MacDonald teve outro grande filme nesse mesmo ano de 1936 “Rose Marie”, também, dirigido pelo mesmo realizador W.S. van Dyke, contracenando com o actor/cantor Nelson Eddy

(4) A canção título do filme “San Francisco” (música de Bronisław Kaper e Walter Jurmann, letras de Gus Kahn) que é cantada no filme seis vezes por Jeanette MacDonald, tornou-se um dos hinos da cidade.

Trailers do filme: