Archives for posts with tag: 1957

“Macau, era, quando lá estive, entre 1949 e 1961, uma cidade cheia de encanto – pelo menos para mim que lá vivi 12 anos, numa idade em que se é excecionalmente receptivo à novidade e ao exotismo. (…)
Vivi 12 anos em Macau. Fui como médico militar, na sequência de uma conversa, na Bijou, com um meu amigo que, sabendo da necessidade que eu tinha de começar a ganhar a minha vida e cortar o cordão umbilical familiar, em falou, sem grandes pormenores, do exotismo daquelas paragens. Num dos repentes que às vezes me dão, fui aos Restauradores e ofereci-me como voluntário. (…)
Foi um desilusão geral:  (aquando da visita a Macau em 1972, integrado na romagem da saudade, organizado pela Casa de Macau de Lisboa) cheia de arranha-céus de arquitectura pelintra , com tráfico intenso, suja e desordenada – Macau pagava o preço do progresso, como me disse a presidente do leal Senado de então. Esta questão do chamado «progresso» é, nos nossos dias, um grave problema que degrada o meio ambiente e constantemente nos agride em todas as latitudes. (1)

Ao centro (de óculos) o Director dos Serviços de Saúde, Dr. Paiva Martins (3) por inerência, Director do Hospital Central Conde de S. Januário (o autor no livro regista-o erradamente como Dr. Costa Martins).
À direita em primeiro plano o Delegado da Saúde de Macau e Ilhas, médico de 1.ª classe do quadro médico comum do Ultramar, Dr. João Albino Ribeiro Cabral.
Muito possivelmente a fotografia é de 1957, ano em que o Dr. José Marcos Batalha, (à direita, em segundo plano) foi nomeado médico oftalmologista do Hospital (embora já trabalhasse desde 1949, no Hospital S. Rafael).
No fundo à direita, o então jovem enfermeiro António Fernandes (um grande abraço para este amigo e parente).
(1) MORAES, Álvaro de – Macau Memórias Década de 50. Livros do Oriente , 1994, 187 p. ISBN 972.9418-26-8, 19cm x 12,5 cm.
(2) Álvaro Ferrão Antunes de Moraes, médico cirurgião, veio para Macau, em 1949, como médico voluntário da guarnição militar de Macau. Foi nomeado em 1951 cirurgião militar. Em 1955, concorreu ao lugar cirurgião dos Serviços de Saúde de Macau. Durante os 12 anos que viveu em Macau (1949-1961), além da sua clínica privada (consultório de clínica geral na Travessa do Paralelo, n.º1 – 1.ª; n.º telefone: 3513), foi também cirurgião do Hospital de S. Rafael (1956-57) e trabalhou na clinica Anticancerosa Lara Reis, que mais tarde dirigiu. Foi também director do Serviço de Radiologia e Agentes Físicos (1956-1957).
(3) – José de Paiva Martins  – médico chefe do quadro médico comum do Ultramar e  Director dos Serviços de Saúde de  15-10-1955 até 26-06-1963 (data da portaria ministerial da sua nomeação de inspetor provincial dos Serviços de Saúde de Moçambique.

Extraído de «BGC» XXVI-307, Janeiro de 1951.

António de Magalhães Coutinho foi nomeado Presidente do Leal Senado a 19 de Outubro de 1950 (B O n.º 42 de 21 de Outubro de 1950.) e terminou a 16 de Maio de 1957 (BO n.º 20 de 18 de Maio de 1957.)

Boletim Oficial de Macau, n.º 42 de 21 de Outubro de 1950.
Boletim Oficial de Macau, n.º 20 de 18 de Maio de 1957.

Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-de-magalhaes-coutinho/  

Jorge Grave Leite foi nomeado Presidente da Comissão Administrativa a 26 de Fevereiro de 1948 (BO n.º 10 de 6 de Março de 1948) e terminou a 21 de Outubro de 1950 (B O n.º 42 de 21 de Outubro de 1950)

Boletim Oficial de Macau n.º 10 de 6 de Março de 1948.
Boletim Oficial de Macau n.º 42 de 21 de Outubro de 1950.

Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jorge-grave-leite/er

A começar em 29 de Agosto de 1957“, no Teatro Capitol, o “excitante filme “, espectáculo para maiores de 13 anos,

GUNG HO!

Gung Ho! (título completo: “Gung Ho!: The Story of Carlson’s Makin Island Raiders”) filme de guerra, americano, de 1943 dirigido por Ray Enright com os actores Randolph Scott (como Coronel Coronel Carlson), J. Carrol Naish (como tenente Cristoforos) e como um dos soldados, Robert Mitchum (inicio da carreira; nesse ano participou em 19 filmes). Argumento baseado num episódio verídico da II Guerra Mundial, desembarque na Ilha Makin, comandado pelo Tenente Coronel Evans Carlson. (1896-1947) (1)
(1) Gung Ho foi um termo usado como lema pelo coronel Carlson para incitar/entusiasmar os seus soldados/marinheiros para o combate. Terá aprendido este termo do seu amigo neozelandês (de origem chinesa)- inglesado de “ Gônghé –   – trabalho conjunto
https://en.wikipedia.org/wiki/Gung-ho
Trailers do filme:
https://www.youtube.com/watch?v=8tzThSweGwY
https://www.youtube.com/watch?v=KTO4I5snzC4
BREVEMENTE: Um filme chinês de Hong Kong falado em cantonense (pouco habitual no Teatro Capitol, nessa altura), talvez por se tratar de um filme luxuoso para a época (grande orçamento para o estúdio de Hong Kong “Yulin Film Co”) e em colorido (raro na década de 50, em Hong Kong)
The Hidden Dagger”- 魚腸劍, filme de 1957, dirigido por Chiu Shu-sun e Wong Hok-sing, baseado num argumento dos dois), com produção de Wong Yuk-Lun. Circulava à venda na net, há algum tempo atrás uma cópia em DVD “dublado” em mandarim.

Os actores: Kwan Tak-hing -關德興 (Kuan Tak Heng) como Wong Fei Hung (1)
Leung Sing-Bor –  梁醒波 (Leung Sing-po), Tang Bik-wan -鄧碧雲 (Tang Pek Van)  e Shih Kien  石堅 (Sek Kin)
http://hkmdb.com/db/movies/view.mhtml?id=2502&display_set=eng
Baseado na história de Zhuan Zhu, assassino de Liao 吳王僚,( também chamado Zhouyu) rei do Estado de Wu,no ano de 515 aC), no Período de Primavera e Outono da História da China.
Kwan Tak-hing -關德興 (Kuan Tak Heng) (1905-1996) (1)
Leung Sing-Bor –  梁醒波 Leung Sing-po (1908-1981)
Shih Kien 石堅 (Sek Kin) (1913-2009) (1)
Tang Bik Wan, 鄧碧雲 (Tang Pek Van) (1926-1991), em 1957, noutro filme “Tiger Wong Seizes the Bride

http://hkmdb.com/db/people/image_detail.mhtml?id=1767&image_id=89706&display_set=eng
(1) Ver anterior referência em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/wong-fei-hung/
Filme de 1957, comédia musical, dirigido por Robert Z. Leonard. Música de Henry Mancini.
Trailers em:
https://www.youtube.com/watch?v=rWZ6RIAln5A
https://vimeo.com/223844699

Só para os dias 9 e 10 de Junho de 1957, no Teatro Capitol, o filme Rock Pretty Baby (Música Alucinante) (1)
Para os apreciadores da «Dança do Histerismo» há neste filme 16 sensacionais melodias tocadas pelos conjuntos instrumentais. É um filme dedicado aos fans do «Rock Around the Clock» (2), «Rock, Rock, Rock» (3) e «Don´t Knock the Rock» (4)….
Portanto mais um filme da época (1956) sobre “teenagers”, rock- n´- roll, comédia com músicas de Henri Mancini e  «Jimmy Daley and the Dingalings». A música “Rock, Pretty Baby” é de Sonny Burke (I) (1914 – 1980). Das melodias presentes, o que teve maior êxito foi “”Young Love” (5)
Dirigido por Richard Bartlett com Sal Mineo, (6) John Saxon, Luana Patten e Shelley Fabares (7)
Ver trailers em:
https://www.youtube.com/watch?v=StKqUE9yxmg
(1) Originalmente com o nome de «Crazy Love», depois alterado para “The Living End,” e por fim ficou «Rock, Pretty Baby».
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/11/29/noticia-de-29-de-novembro-de-1956-folheto-de-cinema-teatro-vitoria-xxxi-moby-dick/
(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/01/11/noticia-de-11-de-janeiro-de-1957-folheto-de-cinema-teatro-vitoria-xxxii-rock-rock-rock/
(4) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/12/30/noticia-de-30-de-dezembro-de-1956-folheto-de-cinema-teatro-vitoria-xvii-boas-festas-e-feliz-ano-novo/
(5) “Young Love” música de Ric Cartey e Carole Joyner
https://www.youtube.com/watch?v=pU_8D5jBqd0
(6) SAL MINEO (1939-1976)
Estreou.de aos 11 anos de idade, na «Broadway», na peça de Tennessee Williams “The Rose Tattoo”. Aclamado pelo seu papel de «Plato” no filme de 1955, “Rebel Without a Cause”, com James Dean. Também cantor muito popular entre a juventude na década de 50. (século XX) : “Start Movin’ (In My Direction)” and “Lasting Love.” Morreu assassinado em 1976 aos 37 anos de idade.
https://www.youtube.com/watch?v=qZlI_owyaLk
https://www.youtube.com/watch?v=m_HzqaZsVo8
(7) Shelley Fabares (1944 – ) umas da «teen queen» na década de 60 que conseguiu manter-se em actividade depois em papéis dramáticos (mais na televisão) e como cantora.. Estreou-se aos 12 anos de idade num filme como filha de Rock Hudson e Cornell Borchers: «Never say Goodbye»

Esteve três dias em exibição no Teatro Capitol, a começar em 22 de Maio de 1957, o filme “Four Girls In Town” (Quatro beldades na cidade).
Filme (drama) de 1957,em “CinemaScope Technicolor”, argumento e direcção de Jack Sher.
As quatro beldades de diferentes nacionalidades candidatas a actriz são : Julie Adams, Marianne Cook, Elsa Martinelli e Gia Scala.
Julie Adams (1926 -) – americana
Marianne Koch (1931-) – alemã
Elsa Martinelli (1935-2017) – italiana
Gia Scala (1934-1972) – britânica (1)
Os actores mais conhecidos são: George Nader, Sidney Chaplin e John Gavin.

Duas músicas conhecidas do filme: “Rhapsody for Four Girls” de Alex North.e “Cha Cha Cha for Gia” de Henry Mancini,
PRÓXIMA MUDANÇA: O filme “The Brave One” estreou no dia 25 de Maio de 1957. Filme norte-americano de 1956, dirigido por Irving Rapper, rodado no México.
(1) Gia Scala (1934-1972) –  actriz e modelo;  faleceu aos 38 anos, vítima de overdose de drogas e álcool.

Livro de Artur Levy Gomes, “Esboço da História de Macau 1511-1849”, editado pela Repartição Provincial dos Serviços de Economia e Estatística Geral (Secção da Propaganda e Turismo) de Macau, em 1975. Foi composto e impresso na Tipografia “Soi Sang Printing Press
Conforme o título sugere é um esboço cronológico da história de Macau, por anos desde 1511 a 1849. Este último, 1849, ano do assassinato do Governador Ferreira do Amaral e o episódio da tomada do forte de Passaleão.
No prólogo, o autor alerta “Ao leitor”:
O título que escolhemos para este pequeno trabalho, pobre de literatura e despido de erudição, mostra bem que não pretendemos fazer a História de Macau, para que não nos achamos com fôlego, mas simplesmente divulgar alguns dos episódios da acidentada vida desta nossa tão longínqua, quão encantadora província ultramarina.
Não espere, portanto, o leitor encontrar aqui um trabalho completo, mas queira resignar-se a ver nele apenas um sintético esboço dessa História, desculpando-nos, benevolamente, as lacunas que encontrar
GOMES, Artur Levy – Esboço da História de Macau 1511-1849. Repartição Provincial dos Serviços de Economia e Estatística Geral (Secção da Propaganda e Turismo), 1957, 409 p. |10| p. , 22 cm x 16 cm.

A começar nesta data, 17 de Abril de 1957 o Teatro Capitol,  “o grandioso filme”

O MÉDICO E O MONSTRO
DR. JEKYLL AND MR. HYDE

É uma versão (1) de 1941 (portanto não seria uma estreia em Macau, mas uma reposição para os dias 17 e 18 de Abril de 1957) dirigida por Victor Fleming para a “MGM” do célebre livro de Robert Louis Stevenson, a sua obra-prima – “The Strange Case of. Jekyll e Mr. Hyde” (tradução em português – O Médico e o Monstro), publicado em 1886.
Esta versão tem como protagonistas Spencer Tracy, Ingrid Bergman, Lana Turner e Donald Crisp.
Indicado para o Oscar 1942 em 3 categorias, não ganhou nenhum: melhor montagem ( para o filme “Sergeant York”), melhor trilha sonora – drama (para o filme “All the Money Can Buy”  e melhor fotografia – preto e branco (para o filme ” Rebecca”).
(1) Ao longo da história do cinema, esta novela deu origem a um maior número de adaptações desde as mais fiéis até às mais livres. (muitas delas adaptações medíocres).
Logo após ter sido editada, em 1886, no ano seguinte aparece uma adaptação teatral da mesma e a carreira cinematográfica deste famoso livro inicia-se mal o cinema é inventado. Terá sido em 1908 a primeira versão por Sidney Olcott nos EUA e nesse mesmo ano aparece outro com a realização de Ottis Turner.
Esta versão de 1941 é uma das melhores adaptações juntamente com a versão anterior de 1920 com o actor John Barrymore (uma interpretação esplêndida) e uma outra de 1931 dirigida por Rouben Mamoulian com actor Frederic March (melhor actor no Óscar de 1932)
Trailers do filme:
https://www.youtube.com/watch?v=X5RS6eIlYlU
https://www.youtube.com/watch?v=XXJZwfutNl4
http://www.tcm.com/mediaroom/video/236850/Dr-Jekyll-and-Mr-Hyde-Movie-Clip-The-Moment-Is-Mine-.html