Archives for posts with tag: 1956
Extraído de «MBI», IV-75 de 15 de Setembro de 1956, p. 13-14
O Comandante do «João de Lisboa» e o Bispo de Macau trocando amistosos brindes
Aviso de 2.ª classe “João de Lisboa” – Desenho publicado no “Blogue dos navios e do marhttp://lmcshipsandthesea.blogspot.com/2016/03/nrp-joao-de-lisboa.html

Anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/aviso-joao-lisboa/

Extraído de «MBI», IV-75 de 15 de Setembro de 1956, p. 13-14

O Encarregado do Governo durante o jantar oferecido ao Comandante e oficiais do «João de Lisboa»

Anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/aviso-joao-lisboa/

Estreia no Teatro Vitória, no dia 13 de Setembro de 1956, do filme musical “Rock Around the Clock”, o primeiro filme abordando o então fenómeno musical “rock and roll”.

Rock Around the Clock”, filme musical de 1956, produzido por Sam Katzman (produtor de muitos filmes de Elvis Presley na década de 60) e dirigido por Fred F. Sears, aproveitando o sucesso e popularidade do conjunto “Bill Haley and His Comets”, nomeadamento do disco “Rock Around the Clock” gravado em 1954 e popularizado em 1955.

Outros conjuntos musicais populares nessa época participam no filme: “Freddie Bell and His Bellboys” e “Tony Martinez and His Mambo“ e “The Platters,”

https://en.wikipedia.org/wiki/Rock_Around_the_Clock_(film

Bill Haley and His Comets” on DECCA Records, , 1955. https://en.wikipedia.org/wiki/Rock_Around_the_Clock

Trailers do filme em: https://www.youtube.com/watch?v=-eJOJhwgluE https://www.facebook.com/watch/?v=1811168742237246

Ver outros filmes com este tema: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/12/30/noticia-de-30-de-dezembro-de-1956-folheto-de-cinema-teatro-vitoria-xvii-boas-festas-e-feliz-ano-novo/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/06/09/noticia-de-9-de-junho-de-1957-folheto-de-cinema-teatro-capitol-xl-rock-pretty-baby/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/01/11/noticia-de-11-de-janeiro-de-1957-folheto-de-cinema-teatro-vitoria-xxxii-rock-rock-rock/

De interessante a chamada de ATENÇÃO, no verso do folheto, da apresentação do filme inglês (distribuído pela “Columbia Pictures”): “April in Portugal”, de 20 minutos de duração, filmado em 1954, e distribuído em 1956. Filme (tipo documentário turístico) narrado pelo actor Trevor Howard com a actriz Jocelyn Lane (no papel da guia turística, Jackie Lane). Dirigido por Euan Lloyd, argumento de O. Henry. Música de George Melachrino que participa com a sua orquestra. Além da Amália Rodrigues, participa também o toureiro António dos Santos (primo do toureiro Manuel dos Santos, morto em fevereiro de 1973 em acidente de viação),

A Direcção do «Clube Militar» promoveu um baile de despedida ao Comandante e oficiais do «João de Lisboa», o qual se realizou no dia 8 de Setembro de 1956, nos salões daquele Clube. Além dos homenageados, estiveram presentes quase todos os sócios do clube acompanhados de suas respectivas famílias e muito convidados. O edifício do Clube encontrava-se artisticamente ornamentado e toda a fachada iluminada por dezenas de lâmpadas. Decorreu o baile num ambiente de alegria e camaradagem, notando-se a elegância das toilettes femininas e a distinção dos cavalheiros nas suas fardas ou trajes civis.” (1)

(1) Extraído de «MBI», IV-75 de 15 de Setembro de 1956, p. 13

Anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/aviso-joao-lisboa/

No dia de 23 de Agosto celebra-se a festa litúrgica de Santa Rosa de Lima (1).

Recordo o papel missionário ligado ao ensino do Colégio de Santa Rosa de Lima, em Macau, nomeadamente a acção educativa das Franciscanas Missionárias de Maria transcrevendo parte dum artigo (com fotos) não assinado, publicado no Boletim de Macau (2)

As alunas numa aula prática de Físico-Química

“O Colégio de Santa Rosa de Lima ficou debaixo da direcção das Franciscanas Missionárias de Maria (F.M.M.) (3) a partir de 1903. Foi no dia de 17 de Novembro de 1903, que as Franciscanas chegaram a Macau, tendo assistido ao seu embarque a própria fundadora do seu Instituto, a Reverenda Madre Maria da Paixão. Anos antes havia ela visitado Portugal por ocasião do sétimo centenário de Santo António de Lisboa, pelo qual ela tinha grande devoção, e daí levou gratas recordações do país.

Professoras dão aulas de costura

Assim não recusou o pedido (insistente) de D. João Paulino de Azevedo e Castro, para a vinda de um grupo de Religiosas para Macau. Foram instaladas na primitiva habitação das monjas de Santa Clara (4) (5) e, transformado o mosteiro em colégio de educação feminina, com o nome de Santa Rosa de Lima. Assim decorreram anos, quando em 1910, as Religiosas se viram obrigadas a tomar outro rumo, deixando atrás de si uma obra.

Preparando-se para a vida, aprendem também dactilografia

Retomaram esse lugar, quando D. José da Costa Nunes desejando haver uma casa de educação onde fossem instruídas meninas de origem portuguesa, resolveu fazer de Santa Rosa de Lima, um centro intelectual e religioso, admitindo alunas de todas as nacionalidades, qualquer que fosse a crença que professassem. Assim em 1932 era entregue a direcção às F.M.M. este estabelecimento, que, pouco a pouco, vai ampliando e remodelando surgindo do antigo edifício, um novo que foi inaugurado no dia de 24 de Março de 1934. Posteriormente, foi construída a igreja de Santa Clara que liga o Convento com o Colégio, benzida e inaugurada no dia 25 de Outubro de 1936, festa de Cristo Rei.

As alunas escuteiras numa aula de sinalização

No ano lectivo de 1955/1956 estavam inscritas um total de 929 alunas inscritas nas três sessões de ensino, (6) respectivamente: secção portuguesa com 220; secção chinesa com 355 e secção inglesa com 354. Os Cursos Secundários das Sessões Chinesa e Inglesa estavam oficialmente reconhecidos, dando o primeiro ingresso às Universidades da Ilha Formosa e o segundo à Universidade Católica de Washington.

Os desportos fazem parte das actividades diárias das alunas

Há ainda uma escola gratuita primária, para meninas pobres, chinesas, cujas aulas eram diários das 5 h às 7h da tarde. Essas aulas eram frequentadas por 158 crianças. Ministrava-se no Colégio o ensino de línguas estrangeiras, assim como o da música, tendo muitas alunas feito os exames do «Trinity College of Music» em Hong Kong.”

Na Igreja,durante uma festa religiosa no mês de Maio

(1) Rosa de Lima (Lima, 20 de abril de 1586 – Lima, 30 de agosto de 1617), nome de baptismo de Isabel Flores y Oliva, foi uma mística da Ordem Terceira Dominicana, beatificada em15 de Abril de 1668 por Papa Clemente IX e canonizada em 2 de Abril de 1671, Roma por Papa Clemente X. Santa Rosa é a primeira santa nativa da América e padroeira do Peru.

(2) Macau, Boletim Informativo da Repartição Provincial dos Serviços de Economia e Estatística Geral, Ano III, n.º 60, de 31 de Janeiro de 1956, pp. 8-9.

(3) 4-10-1903 – Partiram para Macau, vindas da Europa, (chegaram a 17-11-1903), as religiosas Missionárias Franciscanas de Maria, para dirigirem o Colégio de Sta. Rosa de Lima (iniciativa de D. João Paulino de Azevedo e Castro (1902-1918) para educação de pensionistas, e órfãs, esta gratuitamente). Acolhia, como internas, raparigas de vários pontos do Extremo Oriente – incluindo Tailândia. Depois de um interregno (1916-1932), voltaram, já em tempo de D. José da Costa Nunes. Em 1933 abriu a secção chinesa. Em 1936 é inaugurado o novo Colégio-Sede, resultante de ampliação. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p. 17)

 (4) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/convento-de-santa-clara/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/igreja-de-santa-clara/

 (5) Até 1903, era dirigido pelas Filhas Canossianas da Caridade desde 1889. Antes das canossianas, o colégio, naquela altura chamado de recolhimento, albergou as clarissas, cujo convento foi destruído por um incêndio em 1824. As irmãs foram albergadas no Recolhimento de Santa Rosa de Lima. Com o falecimento da última clarissa em 1875, o recolhimento passou a chamar-se de Colégio de Santa Rosa de Lima.

(6) As línguas de ensino do colégio foram o português, o Inglês e o cantonense. O ano lectivo 1992-1993 foi o último ano do ensino em português do Colégio Santa Rosa Lima. 

A comunidade Católica Chinesa celebrou no dia 8 de Julho de 1956, a tradicional festa de S. Roque. Constou a mesma de várias cerimónias religiosas, realizadas na Igreja de S. Lázaro, paroquial daquela comunidade, e de uma concorrida procissão que percorreu o itinerário dos anos anteriores. (1)

Nesta igreja existe uma estátua do santo protector das epidemias – São Roque – cuja festa, é celebrada anualmente no segundo Domingo de Julho.

São Roque é um santo da Igreja Católica Romana, protetor contra a peste e padroeiro dos inválidos, cirurgiões, e dos cães. Nasceu em Montpellier cerca de 1295, falecendo em 1327. Seu pai era o Governador dessa cidade. Diz-se que nasceu com uma cruz vermelha gravada no peito. Ficou sem pais quando tinha 20 anos de idade, distribuiu a sua fortuna pelos pobres e renunciou ao governo da cidade em favor do seu tio. Disfarçado de peregrino mendicante, partiu para a Itália, mas ao passar por Aguapendente, vendo a sua cidade atacada de peste, aí ficou ao serviço dos doentes curando muitos com o sinal da cruz, entre eles o cardeal. Seguiu para outras cidades até Roma, grassando em todas elas esse flagelo, que ficou conhecido pelo «Mal de S. Roque»; ele curava por toda a parte os empestados. Ele próprio ficou atacado do mal, em Piacenza. Sendo expulso  do hospital, retirou.se para uma cabana na floresta, onde apareceu um cão que lhe lambia as chagas. Uma vez curado, regressou a Montpellier, mas foi tomado por espião disfarçado em peregrino e preso por ordem do Governador, seu próprio tio, segundo alguns escritores. Morreu na cadeia cinco ano depois e só então foi reconhecido pela cruz vermelha no peito (2)

NOTA: Macau tem na sua toponímia, uma rua com o nome deste santo. A Rua de S. Roque começa entre a Calçada do Poço e a Rua de S. Miguel, em frente do beco da Boa Vista, e termina na Calçada da Igreja de S. Lázaro, entre a Rua Nova de S. Lázaro e a Rua de S. Miguel.

(1) «MACAU B.I.», Ano III, n.º 71, 15 JUL 1956 p. 14

(2) Segundo o Padre Teixeira, e outras fontes consultadas, a festa de S. Roque celebra-se a 16 de Agosto, data em que o Papa Urbano VIII aprovou os ofícios eclesiásticos para serem recitados no dia da sua festa. TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau; Vol. II, pp. 15-16

Anteriores referências à Igreja de S. Lázaro e a S. Roque https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/igreja-de-s-lazaro-n-sra-da-esperanca/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/07/08/noticia-de-8-de-julho-de-2018-festa-de-s-roque/

Folheto de cinema (18 cm x 13 cm; letras vermelhas; 500 exemplares), do Teatro Império, do filme “Cavaleiro Desconhecido” (“Stranger on Horseback”), que começou a 26 de Maio de 1956.

 “Stranger on Horseback” é um filme tecnicolorido, de 1955 da “American Anscocolor”, uma “cowboiada”/Western, dirigido por Jacques Tourneur, (1) produzido por Robert Goldstein, com os actores Joel McCrea, Miroslava (2) e John Carradine. O argumento é de Herb Meadow e Don Martin, baseado numa história de Louis L’Amour.

Verso do folheto

Próxima Mudança:

I – “Marty”, filme de 1955, dirigido por de Delbert Mann com o actor Ernest Borgnine (1917-2012) cuja interpretação lhe valeu o óscar de melhor actor principal. O filme obteve 4 “Óscar”, em 7 nomeações: melhor filme, realizador, argumento, actor principal e actor secundário). https://www.imdb.com/title/tt0048666/ https://en.wikipedia.org/wiki/Marty_(film) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/07/11/folhetos-de-cinema-teatro-vitoria-iv/

II – “An Alligator Named Daisy” filme britânico, comédia de 1955, dirigido por J. Lee Thompson com os actores: Donald Sinden, Jeannie Carson, James Robertson Justice, Diana Dors, Roland Culver e Stanley Holloway. https://en.wikipedia.org/wiki/An_Alligator_Named_Daisy

(1) Jacques Tourner (1904 – 1977), realizador franco-americano, conhecido pelo filme clássico noir “Out of the Past” e pelas séries de filmes de terror de baixo orçamento que fez para a RKO (os mais conhecidos “Cat People”, “I Walked with a Zombie” e “The Leopard Man”), dirigiu dois bons “westerns” em 1955: “Wichita” e “Stranger on Horseback”, ambos com o actor Joel McCrea. “Wichita” (Joel McCrea no papel de Wyatt Earp”, obteve o “Globo de Ouro” para o Melhor filme dramático.

Miroslava, em 1947

(2) Miroslava Šternová (1925 – 1955), nascida na antiga Checoslováquia, cresceu no México (onde morreu), mais conhecida com o nome de Miroslava nos filmes mexicanos (total: 28), e americanos (três filmes) https://en.wikipedia.org/wiki/Miroslava_(actress)

Trailers do filme “Stranger on horseback” em: https://www.youtube.com/watch?v=S_2-g9rEBMQ

A noite do primeiro dia do ano novo lunar (continuação da postaem anterior) (1) foi assinalada com um deslumbrante festival de fogo de artifício, fornecido pelos conhecidos pirotécnicos de Lanhelas (em Caminha) «António Fernandes e Filhos» (2) e «Libório Joaquim Fernandes Sucessores, Lda» (ainda em actividade) (3) tendo para esse fim vindo especialmente da metrópole os pirotécnicos Rolando José Fiuza e Manuel Barreiro, que procederam à queima, auxiliados por alguns conhecedores do ofício, aqui residentes. Calcula-se que tenham presenciado o grandioso espectáculo, inédito para muitos habitantes desta Província, algumas dezenas de milhar de pessoas.

Junto da estátua de Ferreira do Amaral foi construído um palanque e ao longo da Avenida Dr. Oliveira Salazar foram colocados suportes para foguetes de girândola. O festival foi dividido em duas sessões, sendo uma de fogo e outro de fogo aquático, sendo este último lançado dum batelão fundeado na Baía da Praia Grande, em frente do Palácio do Governo. Na primeira sessão foram queimados 3.500 foguetes de «bouquet», 380 foguetões de fantasia e 60 balonas de cauda, de variadas cores. (…). Foi sobremaneira impressionante o desfecho desta sessão com grandioso e deslumbrante «bouquet» final, que dava impressão de que o céu caiam torrentes de luz em forma de estrelas estonteantes.

Na sessão de fogo aquático, que devido à acentuada ondulação das vagas, foi menos espectaculosa, queimaram-se 1.300 peças de fogo. Não obstante as más condições que o mar oferecia, o público pôde apreciar constelações de estrelas de cores bizarras e cintilantes saindo da água em cachões.

«Macau B. I.» da R.P.S.E.E.G. ano III-61 de 15 de Fevereiro de 1956, p. 7.

(1) «Macau B. I.» da R.P.S.E.E.G. ano III-61 de 15 de Fevereiro de 1956, p. 7.

(2) “Das 3 fábricas que ali existiam já todas fecharam portas. O que existe são empresas a laborar no setor, como é o caso da «Pirolanhelas», propriedade de Bernardo Fernandes, filho e bisneto de dois dos maiores fogueteiros que existiram na freguesia de Lanhelas. O bisavô era António J. Fernandes que em 1853 fundou a primeira pirotecnia em Lanhelas e o pai, falecido no ano passado, era Benjamim Fernandes que, com o irmão Gaspar Fernandes fundou nos anos 60 a “Gaspar Fernandes e Irmão Ldª , empresa que ao longo de mais de meio século conquistou inúmeros prémios nacionais e internacionais na arte da pirotecnia.” A empresa por diversas vezes esteve em Macau nos concursos de fogo de artifício, salientando-se nos anos de 1989 (2º lugar); 1990 (2º lugar), 2004 (3º lugar) e  2011 (4º lugar). (ALDEIA, Cidália, 19Maio2016) in https://jornalc.pt/pirotecnia-arte-milenar/?v=35357b9c8fe4

(3) ”Nove feridos, um deles em estado grave, quatro casas destruídas e dezenas de habitações danificadas – eis o resultado da violenta explosão que, ao princípio da tarde de ontem, destruiu a Fábrica de Fogos de Artificio Libório Joaquim Fernandes, localizada em Lanhelas, concelho de Caminha. As quatro casas destruídas encontravam-se a pouco mais de 50 metros da fábrica e não resistiram à força da deslocação de ar provocada pelo rebentamento”. (Jornal «Público», 3Junho2000) in https://www.publico.pt/2000/06/03/jornal/explosao-arrasa-fabrica-pirotecnica-144754

恭喜發財 – Kong Hei Fat Choi – Gōng Xǐ Fā Cái

Hoje festeja-se a entrada do novo ano chinês, ano do Búfalo  牛, de Metal  金 O elemento Metal na sua forma Yin , será o elemento principal deste ano, a principal fonte de energia.

Precisamente há 65 anos atrás, este dia 12 de Fevereiro, do ano de 1956, festejou- se a entrada do ano do Macaco /Fogo. Do «Macau Boletim Informativo» (1) retiro parte do artigo (não assinado) sobre as festividades do ano novo chinês desse ano.

“ … Houve feriados nas escolas e dispensas de serviço nas repartições pública s, desde a véspera do primeiro dia até ao terceiro da primeira Lua. A passagem do ano foi, desta vez, assinalada não só com os tradicionais festejos, como também com grandioso espectáculo de arte e folclore chinês e deslumbrante festival de fogo de artifício português. Desde os derradeiros dias da última Lua do ano findo, notava-se já, principalmente nos bairros chineses, extraordinário movimento de transeuntes, uns recém-chegados de Hong Kong e dos vizinhos portos chineses e outros aqui residentes, azafamados nos preparativos que precedem sempre esta festiva data, sem dúvida a mais importante do velho calendário chinês.

Segundo noticiou a imprensa desta cidade subiu a mais de 12.000 o número dos forasteiros vindos da colónia britânica, nesses dias, sendo de calcular que tenha também atingido cifra igual ou maior o número das vizinhas regiões chinesas que aqui vieram passar os feriados da quadra, dadas as recentes facilidades concedidas pelas respectivas autoridades.

Nos três últimos dias que imediatamente antecederam o dealbar do ano novo, realizou-se no Largo do Senado, em barracas construídas ad hoc, a tradicional venda de flores, que foi notavelmente concorrida, não obstante a crise que, presentemente, atravessa esta cidade.- É que, arreigado aos seus velhos usos e costumes, não há chinês, por mais pobre que seja, que não compre, nesta data, ou um ramo de pessegueiro ou um ramo de «tiu chong» (árvore de flores de campainha) ou ainda, um ramalhete de jacintos, crisântemos ou outras flores da estação. A venda prolongou-se até alta madrugada do primeiro dia do ano novo Desde o amanhecer do primeiro dia e durante os dias seguintes, ouviu-se, por toda a cidade, um incessante estralejar de panchões, número obrigatório nas grandes e pequenas demonstrações quer de alegria quer de tristeza, entre os chineses. Nunca nas ruas da cidade, em todo o ano, estiveram tão movimentadas.

Os salões de divertimentos do Hotel Central, os restaurantes e casas de pasto, os salões de dança, os cinemas e teatros e outros recintos de diversão ou de reuniões ou de reuniões sociais apresentavam o mesmo aspecto festivo e animadíssimo. Nos lares, nos pagodes e nos clubes, notava-se igualmente desusado movimento de gente. Já a afluência de forasteiros, já com o abandono das habituais fainas dos marítimos, dir-se-ia que a população citadina triplicara nesses dias. Por toda a parte se ouvia o permutar da clássica saudação «Kong Hei Fat Choi» (Parabéns, boa sorte), geralmente acompanhada do tradicional «lai si» (dinheiro envolto em papel encarnado)

No primeiro dia do novo ano, houve festiva recepção na sede da Associação Comercial de Macau, tendo, segundo uma velha praxe, na véspera a Companhia «Tai Heng», proprietária do Hotel Central, oferecido, no Restaurante «Golden City» do mesmo Hotel, um banquete chinês em honra do Governador da Província, assistindo também diversos funcionários e suas esposas..

(1) «Macau B. I.», III-61 de 15 de Fevereiro de 1956, p. 6.

A quadra festiva do carnaval, que nesse ano de 1956, coincidiu com o Ano Novo Chinês (12 de Fevereiro-Ano do Macaco/Fogo), decorreu animada em todos os centros de diversões, sobretudo nos três principais clubes da Província, Clube de Macau, Clube Militar e Clube Recreativo 1.º de Junho.

À festa do Clube de Macau, que se realizou no dia 11 assistiu o Governador Marques Esparteiro e Esposa.

A tarde infantil para os filhos dos sócios do Clube de Macau, no domingo, dia 12 esteve igualmente muito animas e concorrida, para isso contribuindo muito os interessantes e originais trajos com que algumas crianças se apresentaram. A todas foi servido um delicado e abundante chá que dispôs bem a pequenada.

O baile do Clube Militar realizou-se no dia 12, domingo, com grande afluência de sócios e suas famílias e de muitos convidados. Num ambiente elegante e distinto, dançou-se amimadamente até altas horas da noite. (1)

 (1) «MBI», III- 61, de 15 de Fevereiro de 1956, p. 16.