Archives for posts with tag: 1953

Pequeno opúsculo (16 cm x 21 cm) de 35 páginas do “MÉTODO DE PORTUGUÊS PARA USO DAS ESCOLAS CHINESAS” (1.º) do Cónego António André Ngan / Ngam Im Ieoc (na altura da publicação Vice-Reitor do Seminário de S. José) (1), impresso em Macau pela Imprensa Nacional, em 1953.
Este exemplar é da 6.ª edição.
Trata-se de 30 lições em que o autor apresenta a tradução para chinês, desde as vogais (1.ª lição) até exemplos de palavras com a sílaba “Nh” (30.ª lição).
Apresenta as duas últimas folhas dois Apêndices: o I- sobre a ortografia oficial dalgumas palavras que anteriormente se escreviam de modo diferente (página 34) e o II – a numeração de 1 a 101. (página 35)

(1) Não os tenho mas sei que foram publicados 6 fascículos deste “Método de Português para uso nas Escolas Chinesas”. Todos eles tiveram várias edições. Por exemplo este n.º 1 publicado em 1984 era 14.ª edição. Creio também que esteve anunciado a publicação do mesmo, em volume único em 1996.

 

 

(2) Ver anteriores referências a este cónego em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/padre-antonio-andre-ngan-im-ieoc/

“ Com a presença do Governador e família, e com os artistas portugueses Vasco Barbosa, (1) violinista, Loureiro Dinis, cantor de «lied» e Grazi Barbosa, (2) pianista, realizou-se no teatro D. Pedro V, em 22 de Novembro de 1953, o I Concerto da temporada promovido pelo Circulo de Cultura Musical (3) e integrado nos festejos do 2.º aniversário de posse do Governador. (Almirante Joaquim Marques Esparteiro)

Vasco Barbosa e sua irmã Grazi Barbosa numa das suas interpretações.

Os irmãos Grazi e Vasco Barbosa, artistas de nome feito em Portugal e no estrangeiro, constituem um apreciável conjunto que o tempo e a sua vontade de triunfar transformarão em Artistas de excepcional categoria. Vasco Barbosa  é um violinista de apurada técnica, rara sensibilidade artística e conscienciosa interpretação das obras que executa, sempre com brilho, segurança e nitidez musical. Estas qualidades de virtuoso do violino pô-las ele à prova sobretudo na terceira parte do programa, onde o Rondó Caprichosos de Saint-Saens, a Campanella de Paganini, e o Sapateado de Sarasate saíram das cordas do violino com a grandiosidade com que foram imaginadas e compostas. Perante os entusiásticos aplausos do público, Vasco Barbosa, sempre acompanhado por sus irmã, tocou extra-programa a Dança Ritual do Fogo de Falla e o Voo de Moscardo de Rimsky –Korsakov.

Francisco Loureiro Dinis concedendo autógrafos às “fans” de Macau

Francisco Loureiro Dinis é um artista de vincada personalidade, possuidor de uma voz agradável  e bem timbrada e de uma dicção  perfeita em todas as línguas em que canta.
Preencheu esta Artista a segunda parte do programa com deliciosas canções dos melhores compositores estrangeiros e nacionais, e em todas se houve com perfeito domínio do bel-canto emprestando, ora a umas ora a outras, graciosidade poética, apaixonada emoção, vigor e arrogância, simplicidade e elegância. Loureiro Dinis é um cantor romântico que tanto interpreta com emotiva sensibilidade os cantares simples da gente do povo, como põe nas obras dos inspirados compositores todo o fogo ardente da suaalma de verdadeiro artista A Jota de Falla, a Canção da Índia de Rimsky-Korsakov e a canção portuguesa Macelada são peças que, pela maneira como foram cantadas, jamais o público de Macau esquecerá. “ (4)
(1) Vasco Luís Coimbra Barbosa (1930-2016), filho do violinista Luiz Barbosa (considerado o mais importante violinista português da sua geração e fundador do Quarteto de Cordas da Emissora Nacional),  foi um dos mais importantes violinistas portugueses do século XX e “concertino honorário” da Orquestra Sinfónica Portuguesa.
Como concertino (violino solista) de várias orquestras portuguesas e como solista percorreu o mundo em numerosos concertos em Portugal e no estrangeiro, com orquestra ou acompanhado de sua irmã Grazi Barbosa, em Espanha, Itália, Suiça, França, Áustria, Alemanha, Roménia, Grécia, Estados Unidos, África e Hong-Kong/Macau.
 https://pt.wikipedia.org/wiki/Vasco_Barbosa
(2) Grazi Barbosa, (1922-) irmã de Vasco Barbosa, foi uma consagrada pianista que acompanhou o irmão em inúmeras digressões artísticas e professora de piano no Instituto Gregoriano de Lisboa.
(3) A delegação de Macau do Círculo de Cultura Musical (com sede na Avenida da República s/n) foi inaugurada no dia 24 de Junho de 1952, por ocasião da visita do Ministro do Ultramar, Comandante Sarmento Rodrigues a Macau. Nesse dia, foi promovido o primeiro concerto com a apresentação de dois artistas portugueses de destacado valor e conhecido relevo no meio musical: o jovem (com 16 anos de idade) pianista Sérgio Varela Cid e o Director de Orquestra e violinista Silva Pereira.
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/circulo-de-cultura-musical/
(4) Extraído da reportagem inserida no «Macau Boletim Informativo» Ano I-8,  1953.

Extraído de “A Visitor´s Handbook. Publicity Office, Macao” e publicado no “The Statesman’s Year-Book: Statistical and Historical Annual of the States of the World for the year 1953”, com edição de S. H. Steinberg.

O Esquadrão Motorizado foi criado em 22 de Setembro de 1951, por transformação da Companhia de Metralhadoras tendo nesse mesmo dia chegado o pessoal para o esquadrão sob o comando do Capitão Cavalaria José Carlos Sirgado Maia. Em Janeiro de 1953 passou a designar-se Esquadrão de Cavalaria Motorizado e estava sediado no Quartel de S, Francisco. (1)
No Anuário de Macau 1953-1955 consta como comandante ,o Capitão de Cavalaria Luís Maria Coelho Casquilho e  no Anuário de Macau de 1956-1957, o capitão Mário Abrantes da Silva.
Extraído de «BGU»  XXIX – 344 Fevereiro de 1954.
(1) CAÇÃO, Armando António Azenha – Unidades Militares de Macau,1999.

Notícias do “Diário de Notícias” reproduzidas no Boletim Geral do Ultramar (1) referente ao Natal de 1953, nomeadamente ao bodo dos pobres e instituições de caridade.

D. Laurinda Marques Esparteiro distribuindo brinquedos aos filhos do pessoal dos C. T. T.
O Campo Escolar de «Tap Seac» durante a festa do Natal promovida pela Assistência

Extraído de «BGU» XXIX – 344 Fev 1954.

Rua do Auto Novo (Teatro Chinês)

Extraído do “Anuário de Macau 1921”.
A foto vem legendada com indicação de Rua do Auto Novo (Teatro Chinês)
Trata-se no entanto da Travessa do Auto Novo.
Começa entre as Ruas da Caldeira e da Felicidade e termina na Travessa das Virtudes. Foi-lhe dado este nome por se representarem ali os autos chinas. Em chinês cama-se Cheng Peng Hong ou Ch´eng Sán Kai ou Ch´eng P´eng Chek Kai; tem este nome por lá existir o Cineteatro Cheng Peng que é o prédio n.º 23 dessa Travessa, construído um pouco antes de 1907. (1)
O Padre Teixeira, parece não ter razão quanto à data de início (“um pouco antes de 1907”) pois há indicações do Teatro/Auto China ter iniciado em 1875, construído por Vong Lok, um destacado comerciante de Macau (um dos fundadores do Hospital Kiang Wu) (2) e ainda uma outra referência a este teatro, de 1872, aquando da visita do Príncipe Alexis a Macau (3) pois embora não venha mencionado o nome do teatro, a menção do empresário “Eloc” muito possivelmente será o mesmo do apelido “Lok”
O Cine-Teatro Cheng Peng, no início, a maior parte dos espectáculos eram sessões de ópera chinesa (cantonense e de Beijing) mas a partir da década de 20 do século XX, com a popularidade do cinema, passava já filmes (4) predominantemente filmes chineses embora continuasse a apresentar ópera chinesa e outros tipos de espectáculos: circenses, musicais como por exemplo a do artista Xavier Cugat em 1953 (5), o “Trio Odemira” na década de 60, os chamados “pop concert” com artistas e agrupamentos de Hong Kong na década de 60s, etc. Recordo neste cine-teatro, os dois festivais de música de 1963 e 1964, concurso para eleger o melhor conjunto “ié ié” de Macau. Renovado em 1970 voltou a passar filmes (mais chineses) mas reposições e os chamados filmes “B”. Fechou no dia 21 de Agosto de 1992 quando o sistema de ar condicionado se avariou.
Foi o Cineteatro que mais tempo esteve em actividade em Macau 1875 a 1992 (117 anos).
(1) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau Volume 1,1997, p. 493
(2) https://macaostreets.iacm.gov.mo/p/route/detail.aspx?gid=4&id=0bc7aeda-ee3d-47b8-95f7-493cdc1fc971
Anteriores referências a este Cine Teatro
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/cine-teatro-oriental/
(3) “29-09-1872 – No domingo, dia 29 de Setembro, após o almoço, a que assistiram também vários funcionários, o Príncipe Alexis visitou o Leal Senado e a Gruta de Camões. De tarde recebeu cumprimentos dos funcionários e, à noite, novo jantar de gala, após o qual assistiu num teatro a um auto-china. Não se esqueceu de galardoar o empresário do teatro, chamado Eloc, com um alfinete cravejado dum pérola e brilhantes…. “ (TEIXEIRA, Padre Manuel – Residência dos Governadores do Macau, p. 13)
(4) Em 1925, projectou-se neste teatro o célebre filme de Lilian Gish “The White Sister” –  filme mudo americano (drama; filmado em Itália) de 1923 com Lillian Gish e Ronald Colman, dirigido por Henry King para a “Metro Pictures”.
https://www.youtube.com/watch?v=0Hh3ZcAEHPY
(5) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/11/29/noticia-de-29-de-novembro-de-1953-xavier-cugat-em-macau/

Artigo publicado no Boletim Geral das Colónias, em 1953 (1)

O sr. Governador Joaquim Marques Esparteiro chegando às Escolas Primárias Oficiais sendo recebido pelos Directores da Escola Primária Oficial “Pedro Nolasco da Silva” do sexo masculino, Dr. António Maria da Conceição,  e do sexo feminino, Áurea Maria Salvado.
Ouvindo a leitura de um trecho de português
O sr. Governador interrogando uma aluna
O sr. Governador presenciando a resolução de um problema de aritmética

(1) «BGC» XXIX – 341/342, Nov/Dez 1953.