Archives for posts with tag: 1935

Encontrei num alfarrabista esta fotografia colada a um pequeno papelão com a seguinte inscrição

N, R. P. GONÇALVES ZARCO
HONG KONG
20-12-1959

Pelo posicionamento da tripulação e enquadramento da fotografia, lembrei-me de uma outra foto publicada na revista “MacaU” (1) que foi tirada no mesmo barco em Junho de 1963, também na altura estacionada em Hong Kong.

Ao centro (na foto) vemos o comandante, capitão-de-fragata Malheiro do Vale, tendo à sua esquerda o imediato, capitão-tenente Rosa Coutinho, e, à sua direita, o 1.º tenente Cristóvão Moreira, o oficial mais antigo do aviso português na altura. (1)

O N. R. P. Gonçalves Zarco (2) foi o primeiro aviso a entrar em Macau em 1935, e o último navio da Armada Portuguesa que esteve em comissão de soberania em Macau e Timor.
A última missão de nove anos em Macau foi de 14 de Outubro de 1956 (3) a 28 de Março de 1964. A sua partida após ter cumprido a sua gloriosa missão de nove anos consecutivos, no Oriente, teve honras de fogo de artifício (4) e “na véspera, em jeito de despedida, os marinheiros organizaram um cortejo em riquexós, pelas ruas da cidade, cantando e queimando panchões”. (1) A chegada a Lisboa foi a 16 de Maio de 1964, “a aguardar a tripulação no cais estavam apenas os familiares, nada de entidades oficiais, nem mesmo da marinha, tão pouco a imprensa. Restava-lhes a consolação do dever cumprido e o feito de terem conseguido trazer para Portugal aquela relíquia naval, que, com galhardia, desempenhou durante nove anos consecutivos a última missão de soberania de um navio da Armada Portuguesa, nas águas de Macau e Timor“(1)

https://arquivohistorico.marinha.pt/viewer?id=14925&FileID=4116

(1) TOMÉ, EDUARDO – A Última Missão Naval de Soberania no Oriente. MacaU, II série, n.º 58, Fevereiro de 97, pp.6-22.
(2) O aviso «Gonçalves Zarco» (igual ao aviso «Gonçalo Velho») foi uma classe de avisos coloniais de 2ª classe ao serviço de Marinha de Guerra Portuguesa. Os dois navios da classe, foram construídos nos estaleiros Hawthom-Leslie (Inglaterra) em 1933, encomendados ao abrigo do Programa Naval Português da década de 1930. Como avisos coloniais, os navios foram projetados com o objetivo reforçar e manter a capacidade de presença naval nos vários territórios do Império Colonial Português, assegurando aí, a soberania de Portugal.
Os navios da classe foram baptizados com os nomes de dois dos navegadores portugueses envolvidos na descoberta das ilhas do Atlântico: Gonçalo Velho Cabral e João Gonçalves Zarco.
Depois da Segunda Guerra Mundial, em 1946, os navios foram equiparados a fragatas, recebendo o prefixo F nos seus números de amura, pintado no costado.

Aviso de 2ª classe «Gonçalves Zarco» – por volta de 1940

Classe GONÇALO VELHO:
GONÇALO VELHO – F 475 (1933 – 1961) – efectuou quatro comissões de serviço em Macau entre 1937 e 1954
GONÇALVES ZARCO – F 476 (1933 – 1964) – efectuou três comissões de serviço em Macau, em 1934, 1939 e a última de 1955 a 1964, (durante os quais passou 17 meses na Índuia Portuguesa, 20 meses em Timor)
Os avisos foram alvo de grandes modificações durante os anos cinquenta. Em 1959 foram substancialmente modernizados, sendo equipados com armamento e sensores para guerra anti-submarina.
Ambos os navios deixaram de ser empregues como unidades combatentes em 1961. O Gonçalo Velho foi, imediatamente, abatido ao serviço, mas o Gonçalves Zarco foi transformado em navio hidrográfico, alterando a referência da amura para A 5200 e mantendo-se em serviço até 1964, ano em que foi activo (seria então o navio de guerra mais velho em serviço, em todo o mundo).
Apanhou, em Macau, dois violentos tufões, o «Glória», em 1957 e em 1962 quando estava em Hong Kong o «Wanda»

O NRP Gonçalves Zarco em Macau, 1950
http://jcsnavy.weebly.com/marine-naval-and-military-posts/nrp-goncalves-zarco-1950

Aviso de 2ª classe «Gonçalves Zarco»
Deslocamento: 1 784 tons (outras fontes: 1174 tons) (1933); 1 500 tons (1959)
Comprimento: 81,5 m; Boca: 10,8 m; Calado: 3,5 m; Sensores: radar de navegação e ASDIC (1959); Propulsão: 2 turbinas a vapor de 2 000 SHP, servidas por dois eixos permitiam atingir os 16,5 nós, de velocidade máxima.
Armamento: 3 peças de 120 mm e 2 peças de 40 mm (1933); 3 peças de 120 mm, 5 peças de 40 mm, 4 morteiros lança bombas, 2 calhas lança-bombas de profundidade (1959)
Tripulação/Equipagem: 142 homens
Informações e referências de:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Classe_Gon%C3%A7alo_Velho#/media/File:Portuguese_sloop_Gon%C3%A7alves_Zarco_in_the_1940s.jpg
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/goncalves-zarco/
(3) “ 14-10-1956 – Vindo do estado da Índia Portuguesa chegou ontem dia 14 o Aviso de 2.ª classe «Gonçalves Zarco» da nossa Marinha de Guerra.” (MBI IV-77, 1956)
“20-10-1956 – A fim de receber beneficiações, partiu para Hong Kong no passado dia 20 o Aviso «Gonçalves Zarco» do comando do capitão-tenente António Garcia Braga.”  (MBI IV-78, 1956)
Regressaria a Macau no dia 8 de Março de 1957 trazendo a bordo para o Porto Interior o novo governador, Capitão-tenente Pedro Correia de Barros.
“15-07-1963 – Após reparações seguiu para Timor. Chegados a Timor, não havia condições de reabastecer o navio de combustível pelo que a 9 de Setembro deram um pulo atè Darwin. O governador de Timor era Alberty Correia. O Gonçalves Zarco saiu de Timor a 2 de Janeiro de 1964. Chegou a Hong Kong a 12 de janeiro de 1964 – atracou ao cais da Royal Navy onde estiveram 4 dias.
Partida 10 de Março de 1964, para Hong Kong com objectivo de efectuar  uma inspecção geral, rasparem e pintarem o fundo” (1)
(4) “Its departure was heralded with fireworks and a large turnout odf the people of Macau who saw it as the end of an  era.”
GARRETT, Richard J. – The Defences of Macau, Forts, Ships and Weapons over 450 Years!.Hong Kong University Press, 2010.

Este livro de poesia – sonetos “Aleluias de Alma”, (1) de José Machado Lourenço (2) acabou de se imprimir ao dois de Fevereiro, festa da Purificação de Nossa Senhora, do ano do Senhor de mil novecentos e trinta e sete na tipografia do orfanato da Imaculada Conceição» em Macau.
Exemplar com assinatura de posse: “J e T. Cabaço-Janeiro de 1950”
Dedicado ao Dr. Armando Côrtes-Rodrigues «eminente Poeta açoreano, Irmão em Cristo»
São 41 sonetos de diversas temáticas de vertente religiosa.
(1) LOURENÇO, José Machado. Aleluias de Alma. Macau, 1937, 110 p. (21 cm x 14 cm)MONSENHOR JOSÉ MACHADO LOURENÇO
Presidente da Direcção do Instituto Açoriano de Cultura entre 1956 a 1978 (3)(2) O

Padre José Machado Lourenço (1908 -1984) – sacerdote católico, professor, etnógrafo e historiador – nasceu na ilha da Terceira, e com apenas 10 anos de idade, partiu com um grupo de 11 crianças para Macau na companhia do padre João Machado de Lima, com o objectivo de ali frequentar estudos que lhe permitissem ingressar na via sacerdotal como missionário católico no Extremo Oriente. Estudou no Seminário de São José de Macau, (4) onde fez um curso brilhante, distinguindo-se pelos seus dotes literários, especialmente os poéticos. Foi ordenado padre a 16 de Agosto de 1931 e celebrou a sua Missa Nova a 20 de Agosto, dia de São Bernardo daquele ano. Foi colocado nas paróquias de São José (em Singapura) e de São Pedro (em Malaca), onde missionou até 1935, ano em que foi escolhido para secretário particular do bispo D. José da Costa Nunes, então bispo de Macau, também açoriano e futuro cardeal. Voltou para Singapura, cidade onde trabalhou no período de 1939 a 1941. Em 18-01-1942, quando o arcebispo de Goa, Patriarca D. José da Costa Nunes foi transferido para a arquidiocese de Goa e Damão, acompanhou-o para Goa, novamente nas funções de secretário particular, permanecendo naquelas funções até 1946. Em 1947 regressou à ilha Terceira, sendo nomeado professor do Seminário Diocesano de Angra onde ensinava Inglês, Português, Latim e História da Igreja no período de 1948 a 1973. Foi também professor do Liceu Nacional de Angra do Heroísmo, onde ensinou Inglês e Francês.
Naquele mesmo ano, por proposta de D. José da Costa Nunes, o Papa Pio XII, em 22 de Abril de 1947, elevou-o à dignidade de seu prelado doméstico, com o título de Monsenhor. Deixou uma extensa obra publicada, (5) incluindo larga colaboração em periódicos, com destaque para o jornal A União, de que foi director. Foi um dos fundadores, e o primeiro presidente da direcção, do Instituto Açoriano de Cultura.» (3)
(3) http://www.iac-azores.org/iac/galeria-presidentes.html
(4) Durante mais de dois séculos, o Seminário de S. José formou sucessivas gerações de pessoas que se destacaram em Macau e no mundo, nomeadamente José Machado Lourenço,
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/05/04/leitura-o-seminario-de-s-jose-em-1955/
(5) Os dois primeiros livros deste autor “A Mãe do Amor” (versos) e “Aleluias de Alma” (sonetos) foram publicados em Macau,  na tipografia do Orfanato da Imaculada Conceição.

Morre em Roma a 29 de Novembro de 1976, depois de receber a visita e bênção de Paulo VI. D. José da Costa Nunes. (1) As Exéquias foram na Basílica de S. Pedro e o seu túmulo está na Igreja de Santo António dos Portugueses em Roma. (2)
Recordo-o, neste dia, apresentando um postal de 1964.

Creio tratar-se de uma foto da missa campal repleta de fiéis celebrada pelo Cardeal D. José da Costa Nunes e co-celebrada pelo Bispo de Macau, D. Paulo José Tavares (bispo de Macau: 1961-1973) em frente às Ruínas de São Paulo, no ano de 1964.
Em 10 de Novembro de 1964, o Cardeal D. José da Costa Nunes foi nomeado pelo Papa Paulo VI, legado papal para as comemorações do IV Centenário das Missões da Companhia de Jesus em Macau e IV centenário da chegada dos primeiros missionários católicos a Macau. (3)
Nesse mesmo mês e durante a sua estadia, no dia 23 de Novembro de 1964, o Leal Senado, em sessão ordinária desta data, proclamou o Cardeal D. José da Costa Nunes (Bispo de Macau de 1920 a 1940) como Cidadão Benemérito de Macau.
(1) Antes de completar o curso teológico, acompanhou para Macau, como secretário particular de Bispo D. João Paulino, tendo chegado a Macau em 1903 e ficou a estudar no Seminário de S. José. Foi ordenado sacerdote e, em 1920, foi nomeado Bispo de Macau, Restaurou o Colégio de Sta. Rosa de Lima, confiando em 1932 a direcção do estabelecimento às Franciscanas Missionárias de Maria; inaugurou a nova igreja de Santa Clara; fundou as escolas chinesas “Pui Cheng”, “Mong Tak”, “Kung Chon” e o Colégio de S José; melhorou a Escola Portuguesa, ambas anexas à Casa de Beneficência; inaugurou em 13 de Outubro de 1935 a nova Igreja de Nossa Senhora da Penha; restaurou o Paço Episcopal; confiou o Seminário de S. José aos jesuítas; foi professor do Liceu de Macau.
(SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 5, 1998).
NOTA 1: Há muita informação sobre a vida e a obra do Cardeal D. José da Costa Nunes acessível através da net:
Sugiro entre outros:
http://www.eccn.edu.pt/index.phpoption=com_content&view=article&id=3&Itemid=268
https://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_da_Costa_Nunes
COSTA, Susana Goulart – D. José da Costa Nunes (1880-1976); Um Cardeal no Oriente
http://repositorio.ucp.pt/bitstream/10400.14/4523/1/LS_S2_19-20_SusanaGCosta.pdf
Nos «Arquivos da RTP: Chegada do Cardeal José da Costa Nunes, Vice-camarlengo da Santa Sé. a Lisboa, em 1964.»
https://arquivos.rtp.pt/conteudos/chegada-do-cardeal-jose-da-costa-nunes/#sthash.TfvpHSEE.dpbs
(2) No dia 27 de Junho de 1997, os seus restos mortais foram solenemente trasladados para a Igreja Paroquial de Nossa Senhora das Candeias, freguesia da Candelária, concelho da Madalena.
(3) A Companhia de Jesus desempenhou papel preponderante na fundação e de Macau. Embora as notícias dos primeiros Jesuítas em Macau datam de 1555, (chegada do padre Belchior Nunes Barreto, o Irmão Fernão Mendes Pinto e o padre Gaspar Vilela (conforme carta escrita pelo padre Belchior Nunes Barreto) os Jesuítas só se estabeleceram definitivamente em Macau em 1563, com a vinda dos padres Francisco Peres e Manuel Teixeira e do Irmão André Pinto:
O padre Francisco Peres, em 1565, fundou em Macau, junto à ermida de Santo António, a primeira residência da Companhia de Jesus.
SEABRA, Leonor Dias de – Macau e os jesuítas (séculos XVI e XVII) . História Unisinos 15(3):417-424, Setembro/Dezembro 2011.
Acessível em
http://revistas.unisinos.br/index.php/historia/article/viewFile/htu.2011.153.09/609
NOTA 2: Circula na net outro postal (mesma imagem) deste evento com a seguinte legenda:

Sam Ba Sing Tzik St. Paul’s Cathedral Macau 1964

No dia 31 de Outubro de 1935, exibiram-se, no Ténis Civil, o campeão de ténis do mundo Henri Cochet e o campeão das Filipinas Francisco Árgon (1)
Henri Jean Cochet (1901 – 1987) (apelidado “Le Magicien”) foi um famoso tenista francês da década de 1920 e do início da década de 1930. Considerado como um dos quatro “Mosqueteiros” franceses (com Jean Borotra, René Lacoste e Jacques Brugnon) que dominaram o ténis mundial nas décadas de 20 e 30 (século XX) (2)
Henri Cochet venceu oito torneios do Grand Slam em simples em Roland-Garros, US Open e Wimbledon e foi número um mundial em 1928 e tornou-se profissional em 1933 (3)

Henri Cochet em 1922
https://pt.wikipedia.org/wiki/Henri_Cochet

Francisco Aragon foi um tenista filipino (bem como seu irmão Guilhermo Aragon) com o apogeu na década de 20. Os irmãos foram indicados para representar as Filipinas na «Taça Davis» (na altura, denominada «International Lawn Tennis Challenge») de 1921 a 1923, mas o país não participou nessas edições. As Filipinas participaria pela primeira vez na «Taça Davis» em 1926, com os dois irmãos, (4) sendo o primeiro país do sudoeste asiático a participar nesta prova. (5)

Francisco Aragon (à direita)
Revista «Life», Vol 15 n.º8, 1943.

NOTA: Henrique de Senna Fernandes nas suas ”memórias” do cinema em Macau e outros acontecimentos, menciona:
“Henri Cochet apresenta-se no Ténis Civil, no dia 31 de Outubro, perante uma compacta assistência. A sua exibição é memorável. Para os entendidos, não deu o máximo das suas possibilidades, mas a impressão é boa. “A Voz de Macau” classifica-o de mestre. Joga contra os tenistas locais, entre eles Raul Canavarro, figura de renome entre os tenistas do Extremo Oriente e várias vezes campeão de Xangai, o qual perde com galhardia. O chá, que depois foi servido, revelou ao francês a fina elegância da sociedade macaense de então.”:

(1) GOMES, Luís G. Efemérides da História de Macau, 1954.
(2) Conquistaram a “Taça Davis” para a França seis vezes consecutivamente. (1927 a 1932).
(3) Informações recolhidas de
https://pt.wikipedia.org/wiki/Henri_Cochet
(4) As Filipinas chegaram às semifinais, perdendo com o Japão por 5-0 (torneio realizado em S. Francisco (E.U.A.) de 25 a 27 de Junho de 1926.
(5) Informações retiradas de:
https://www.philstar.com/sports/2006/07/23/348849/rp-advances-davis-cup-group-2#rCjmwSTbyXrhq70F.99https://en.wikipedia.org/wiki/1926_International_Lawn_Tennis_Challenge

Duas fotos de Macau, com legendas, publicadas na imprensa estrangeira em 1935.

Embarcações de Pesca no Porto Interior
Macau – Casa Chinesa, iluminada em dia de procissão.
Infelizmente, dado ter sido tirada à noite, a foto não é bem perceptível,.

Extraído do «B. G. C.»  XI-122-123, 1935.

NOTA: «Excelsior» foi um jornal ilustrado francês que se publicou de 1910 a 1940.
https://fr.wikipedia.org/wiki/Excelsior_(journal)
Edmund Demaitre (1906-1991) jornalista, escritor e analista político, conhecido por ter coberto como jornalista a ocupação da Áustria e Checoslováquia pelos alemães e invasão da China pelos japoneses. Depois correspondente para o “Daily Express” de Londres (1940) e ingressou no “Voice of America” em 1949 até se reformar em 1976.
https://www.nytimes.com/1991/05/27/obituaries/edmund-demaitre-retired-journalist-85.html
Henry Sazenac de Forge (1874-1943) escritor francês com vários livros publicados, o mais conhecido “Ah ! la Belle France ! (Impressions du Front)” (1916); colaborador do jornal “La Dépêche coloniale ilustrée”, que se publicou durante 19 anos.
https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/cb327559237/date

Vista aérea da cidade de Macau desde a Praia Grande até ao Porto Interior vendo-se ao centro a Avenida Almeida Ribeiro.

Fotografia publicada no número do «Boletim da Sociedade Luso-Africana do Rio Janeiro» de 1935, dedicado à  promoção da “Mostra de Turismo” realizado no Rio de Janeiro em 20 de Abril de 1935. (1)
(1) Do diário “Correio da Manhã” do Rio de Janeiro de 21 de Abril de 1935