Archives for posts with tag: 1932

Morre em Roma a 29 de Novembro de 1976, depois de receber a visita e bênção de Paulo VI. D. José da Costa Nunes. (1) As Exéquias foram na Basílica de S. Pedro e o seu túmulo está na Igreja de Santo António dos Portugueses em Roma. (2)
Recordo-o, neste dia, apresentando um postal de 1964.

Creio tratar-se de uma foto da missa campal repleta de fiéis celebrada pelo Cardeal D. José da Costa Nunes e co-celebrada pelo Bispo de Macau, D. Paulo José Tavares (bispo de Macau: 1961-1973) em frente às Ruínas de São Paulo, no ano de 1964.
Em 10 de Novembro de 1964, o Cardeal D. José da Costa Nunes foi nomeado pelo Papa Paulo VI, legado papal para as comemorações do IV Centenário das Missões da Companhia de Jesus em Macau e IV centenário da chegada dos primeiros missionários católicos a Macau. (3)
Nesse mesmo mês e durante a sua estadia, no dia 23 de Novembro de 1964, o Leal Senado, em sessão ordinária desta data, proclamou o Cardeal D. José da Costa Nunes (Bispo de Macau de 1920 a 1940) como Cidadão Benemérito de Macau.
(1) Antes de completar o curso teológico, acompanhou para Macau, como secretário particular de Bispo D. João Paulino, tendo chegado a Macau em 1903 e ficou a estudar no Seminário de S. José. Foi ordenado sacerdote e, em 1920, foi nomeado Bispo de Macau, Restaurou o Colégio de Sta. Rosa de Lima, confiando em 1932 a direcção do estabelecimento às Franciscanas Missionárias de Maria; inaugurou a nova igreja de Santa Clara; fundou as escolas chinesas “Pui Cheng”, “Mong Tak”, “Kung Chon” e o Colégio de S José; melhorou a Escola Portuguesa, ambas anexas à Casa de Beneficência; inaugurou em 13 de Outubro de 1935 a nova Igreja de Nossa Senhora da Penha; restaurou o Paço Episcopal; confiou o Seminário de S. José aos jesuítas; foi professor do Liceu de Macau.
(SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 5, 1998).
NOTA 1: Há muita informação sobre a vida e a obra do Cardeal D. José da Costa Nunes acessível através da net:
Sugiro entre outros:
http://www.eccn.edu.pt/index.phpoption=com_content&view=article&id=3&Itemid=268
https://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_da_Costa_Nunes
COSTA, Susana Goulart – D. José da Costa Nunes (1880-1976); Um Cardeal no Oriente
http://repositorio.ucp.pt/bitstream/10400.14/4523/1/LS_S2_19-20_SusanaGCosta.pdf
Nos «Arquivos da RTP: Chegada do Cardeal José da Costa Nunes, Vice-camarlengo da Santa Sé. a Lisboa, em 1964.»
https://arquivos.rtp.pt/conteudos/chegada-do-cardeal-jose-da-costa-nunes/#sthash.TfvpHSEE.dpbs
(2) No dia 27 de Junho de 1997, os seus restos mortais foram solenemente trasladados para a Igreja Paroquial de Nossa Senhora das Candeias, freguesia da Candelária, concelho da Madalena.
(3) A Companhia de Jesus desempenhou papel preponderante na fundação e de Macau. Embora as notícias dos primeiros Jesuítas em Macau datam de 1555, (chegada do padre Belchior Nunes Barreto, o Irmão Fernão Mendes Pinto e o padre Gaspar Vilela (conforme carta escrita pelo padre Belchior Nunes Barreto) os Jesuítas só se estabeleceram definitivamente em Macau em 1563, com a vinda dos padres Francisco Peres e Manuel Teixeira e do Irmão André Pinto:
O padre Francisco Peres, em 1565, fundou em Macau, junto à ermida de Santo António, a primeira residência da Companhia de Jesus.
SEABRA, Leonor Dias de – Macau e os jesuítas (séculos XVI e XVII) . História Unisinos 15(3):417-424, Setembro/Dezembro 2011.
Acessível em
http://revistas.unisinos.br/index.php/historia/article/viewFile/htu.2011.153.09/609
NOTA 2: Circula na net outro postal (mesma imagem) deste evento com a seguinte legenda:

Sam Ba Sing Tzik St. Paul’s Cathedral Macau 1964

Pequeno opúsculo de 24 páginas (23cm x 16 cm) escrito por Hugo C. de Lacerda Castelo Branco (na altura, Vice-Almirante da reserva engenheiro hidrógrafo) e publicado pela Imprensa da Armada (Lisboa) em 1932.
O autor (então como capitão dos portos) traça o historial do “projecto porto de Macau” (que defendeu desde 1912  em favor do Porto Interior), desde finais do século 19:
Fôra um muito considerado oficial da marinha, o Comandante Cinatti, então capitão dos portos de Macau, que, no último quartel do passado século, levantára o grito de alarme contra a crescente envasamento que cada vez mais entulhava o pôrto e bloqueava aquela colónia…
Parte do conteúdo foi apresentado pelo autor no Congresso Colonial da Sociedade de Geografia realizado em 1921 com a tese: “A Valorização do novo pôrto de Macau como base de maior ressurgimento da Colónia
O autor viria mais tarde após ter sido director das Obras dos Portos de Macau, a defender o porto em favor do Porto Exterior justificando que as circunstâncias iniciais eram totalmente diferentes entre as duas épocas (considerações políticas e económicas). Apresenta as razões de não ter tido maior afluência da navegação ao Porto Interior apesar das melhorias para a navegação.Na nota final , apresenta um recorte duma carta do autor escrita ao « Diário de Notícias» de 17 de Junho de 1933, a propósito das afirmações do Governador de Macau (António José Bernardes de Miranda nomeado em 21 de Junho de 1932) numa a entrevista desse jornal.
BRANCO, Hugo C. de Lacerda Castelo – Considerações sôbre o pôrto para navios em Macau. Separata dos “Anais do Club Militar Naval”. Imprensa da Armada, Lisboa, 1932, 24 p.
Anteriores referências a Hugo C. de Lacerda Castelo Branco em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/hugo-lacerda-castelo-branco/

Livro escrito por Aires Carlos de Sá Nogueira, (1) de 1933, reeditado pelos Serviços Florestais e Agrícolas de Macau em 1984. (2)
Tem nesta edição uma “Apresentação” de António Júlio E. Estácio (p. 3):
Tem sido a flora do Território referida em alguns trabalhos, de que é justo destacar o presente, cujo original veio ao público, em Macau há cinquenta e um anos.
Hoje, dada a sua raridade e considerando-se a informação nele contido, entendeu-se como de interesse proceder-se à reedição da presente obra no intuito de que o seu reaparecimento continua valioso apoio a quantos se dedicam a estudos botânicos…
O autor Aires de Sá Nogueira esteve em trabalho, em Macau, nos meses de Setembro de 1932 a Março de 1933, e durante cerca de seis meses “manuseei alguns milhares de exemplares botânicos, para apenas catalogar 380 espécies…” (Advertência, p. 5)
A arrumação sistemática seguida no Catálogo é a mesma seguida na “Flora of Kwangtung and Hong Kong” de S. T. Dunn (3) e W. J. Tutcher,(4) edição de 1912 e por enumerar cerca de 255 espécies com a indicação de existir em Macau.

Recibo original dos “Serviços Florestais e Agrícolas de Macau, n.º 106 de 17 de Outubro de 1984, data da adquisição deste livro por vinte patacas.
Pág 82, referente ao Crisântemo bravo, branco – Pac Cok Fá (白菊花)

Interessante anotação: em 1933 ainda se encontrava 白菊花 – Pak Cok Fá nos muros da Estrada de Cacilhas.
白菊花mandarim pīnyīn: bái jú huā; cantonense jyutping: baak6 guk1 faa1
(2) NOGUEIRA, A. C. de Sá – Catálogo descritivo de 380 espécies botânicas da Colónia de Macau. 2.ª edição. Serviços Florestais e Agrícolas de Macau, 1984, 181 p.; 21 cm-x 14,8 cm.
(3) Stephen Troyte Dunn (1868,-1938), famoso botânico britânico que descreveu e sistematizou numerosas plantas em todo o mundo principalmente na taxonomia da flora da China. Foi o primeiro a descrever cientificamente a “Bauhinia blakeana”, a flor que hoje é o símbolo de Hong Kong.
(4) William James Tutcher (1867-1920) – Botanista que trabalhou desde 1891 no Departamento Botânico de Hong Kong. Regressou a Inglaterra em 1904.

Artigo do Capitão-Tenente Jayme do Inso, de Lisboa, Abril de 1932, publicado no n.º 2 do Boletim da Sociedade Luso-Africana do Rio de Janeiro, Maio de 1932.

Desenho de autor desconhecido publicado no Boletim da “S. L. A. do Rio de Janeiro” de 1932.
Sobre a Avenida Almeida Ribeiro ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/avenida-almeida-ribeiro/

Anúncio na imprensa do Rio de Janeiro de 1932, do livro de Jaime do Inso. “O Caminho do Oriente!” (1)

“Obra patriotica e de ressurgimento nacional pelo regresso ao Oriente de cujo comercio ha tanto nos afastamos”
“A viagem e as cenas vividas nesse Oriente maravilhoso , onde ainda tanto perdura a tradição portuguesa, tornam este livro de uma leitura agradavel, em que o romance e a descrição se aliam numa linguagem que prende sem cansar”

(1) Ver em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/02/17/leitura-o-caminho-do-oriente/

Mais duas formas de brasões de Macau ao longo da história (1) recolhidos da imprensa escrita.
Brasão de armas de Macau “Colónia Portuguesa de Macau” que vigorou de 8 de Maio de 1935 a 11 de Junho de 1951. Em 1951, o listel branco passou a ser: “Província Portuguesa de Macau” e em 1975 “Governo de Macau“.
Ordenação simbólica das Províncias do Império Português de Além-Mar (Macau) segundo o parecer que a pedido da Agência das Colónias, e por incumbência do Instituto Português de Heráldica, o Senhor Afonso Dornelas elaborou em Junho de 1932.
(1) Brasão de armas ou, simplesmente, brasão, na tradição europeia medieval, é um desenho especificamente criado – obedecendo às leis da heráldica – com a finalidade de identificar indivíduos, famílias, clãs, corporações, cidades, regiões e nações.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Bras%C3%A3o
VER anteriores referências a Brasões/Insígnias de Macau em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/category/insignias-brasoes/