Archives for posts with tag: 1929

Extraído de «BGC», VIII- 86/87 AGO/SET 1932 p.187

NOTAS: I – José Pedro Braga nasceu em Hong Kong em 3-8-1871  e faleceu em Macau (como refugiado de guerra de Hong Kong,  vivia com o filho José Maria Braga) em 12-02-1944 Era o 8.º filho de Vicente Emílio Rosa Braga (Macau 2-12-1834- Kobe 1900) e  de Carolina Maria de Noronha. Em 1927 foi o primeiro membro da comunidade portuguesa de Hong Kong a ser eleito para o «Sanitary Board» (hoje «Urban Council») e em 1929 foi convidado pelo Governador, Sir Cecil Clementi, para membro do «Legislative Council». Era cavaleiro da Ordem de Cristo, por decreto de 16-03-1919. Era também membro da Ordem do Império Britânico (O.B.E.) (FORJAZ, Jorge – Famílias Macaenses, Volume III, 1996, p.325) + https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jack-m-braga-jose-maria-braga/

II – «A Voz de Macau», periódico republicano, impresso na tipografia do mesmo nome, e publicado às terças, quinta e sábados, começou a 1 de Setembro de 1931, do director Henrique Nolasco da Silva, proprietário e redactor principal Domingos Gregório da Rosa Duque, assumindo este em 18 de Dezembro de 1932 a direcção do jornal de que era fundador e director de facto. Em 1 de Outubro de 1931, passou «A Voz de Macau» a ser diário, que manteve durante 16 anos (o primeiro a manter um jornal tanto tempo em Macau) até à sua morte em 16 de Agosto de 1947. (TEIXEIRA, Pe. Manuel – Imprensa Periódica Portuguesa no Extremo Oriente, ICM, 1999, pp. 144-148)

Ver também em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/a-voz-de-macau/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/domingos-g-da-rosa-duque/   

III – Sobre a Companhia de Cimento da Ilha Verde ver em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fabrica-de-cimento-ilha-verde/ .

Era véspera de Natal de 1929 e muitas pessoas abandonavam a cidade na espectativa de os revoltosos cumprirem as suas ameaças de bombardeamento indiscriminado de ruas e casas. (1)

Foi rapidamente sufocada a tresloucada insubordinação dumas 50 praças de artilharia recentemente chegadas que, chefiadas pelo 2.º sargento Manuel dos Santos Guerra, exigiram um aumento de vencimentos a que se julgavam com direito e que o Governo não podia conceder, por falta de disposição legal. Os tresloucados que se insubordinaram na Fortaleza do Monte, onde se encontrava o Quartel de Artilharia de Guarnição, ameaçaram bombardear a cidade. Esgotados todos os meios suasórios e, após um cerco de 26 horas, pela polícia e outros elementos da guarnição desta província e de os subordinados terem sido intimados a renderem-se por intermédio de ordem lançadas pelos aviões da Aviação Naval, (2) dentro de 10 minutos, foram disparados uns tiros de peça, acompanhados de algumas rajadas de metralhadoras, (3) o que bastou para obrigar os insubordinados a entregarem-se às autoridades. (4) |Respeitada a linguagem da época no resumo apresentado|. (5) (6)

(1) , Luís Andrade de – Aviação em Macau, um século de aventuras, 1990, pp. 59-60

(2) “1-05-1928 – Foi criado o Centro de Aviação Naval, dependente dos Serviços de Marinha (DL 22 de 14Jun28) CAÇÃO, Armando António Azenha – Unidades Militares de Macau. 1999, p. 24. Ver anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/aviacao-naval/

(3) “O tenente José Cabral, comandante da Aviação Naval de Macau, sugeriu que o ataque fosse feito com metralhadoras por não existirem bombas próprias contra tropas mas apenas destinadas a destruir fortificações e navios de guerra. Os chefes militares decidiram intervir e ficou assente que a Aviação Naval despejaria não bombas nem balas mas sim panfletos sobre o Monte e a Guia. Às 8 horas e 45 minutos dessa manhã, o “Farey 20”, tripulado pelo tenente Cabral e pelo sargento mecânico Francisco José Júnior, voou sobre as duas fortalezas à altura de 1000 a 1200 metros, fora do alcance de tiro. Com o ruído do motor foi impossível ouvir o fogo de terra, mas um tal major Andrade, das forças fiéis, garantiria mais tarde que foram disparados tiros contra o avião. Horas depois o sargento Guerra ordenaria aos seus homens que se rendessem incondicionalmente.” (1)

(4) Julgamento em Abril de 1930, no hangar da Taipa: “No ano de 1930 não começara da melhor maneira para a Aviação Naval de Macau cujo hangar servia em Abril de 1930, de sala de julgamento de militares implicados numa rebelião armada. Os réus eram vinte e sete praças de artilharia e um sargento Manuel dos Santos Guerra, que, no Natal de 1929, tinham posto Macau em estado de sítio” (1)

(5) Extraído de SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p. 222

(6) Embora as fontes citadas apontam o acontecimento na véspera de Natal de 1929 (dia 24), uma notícia do dia 23 do correspondente da “Reuter”,  foi publicada num jornal de Singapura no dia 24 com o título de “INSUBORDINATE MACAO GARRISON. Exaggerated Report of Mutiny. (Reuter´s Far Eastern Service). Macao, Dec. 23.

“An exaggerated report is being circulated of a mutiny of the garrison here. The facts are that between 60 and 70 artillerymen, headed by a sergeant, stationed at Monte Fort, became insubordinate, demanding higher pay. The resto of the garrison was loyal, and the Government compelled the disaffected men to surrender without a shot being fired. All is quiet in the city and business is as usual”. The Singapore Free Press and Mercantile Advertiser, 24 December 1929, p. 11. ” https://eresources.nlb.gov.sg/newspapers/digitised/issue/singfreepressb19291224-1

Das crónicas de Henrique de Senna Fernandes: “O Cinema em Macau – II, 1930-31,  A Emoção do Sonoro”, relativo ao desporto em Macau, no mês de Novembro de 1929.

 “No capítulo de desporto, havia uma actividade intensa. No campal começava, ainda incipiente, a preparar-se a grande geração dos hoquistas que tanto honrariam Macau. O futebol era marcado pelo “Argonauta”, pelo “Tenebroso” e pelo “team” da Sociedade União Recreativa. Mas foi o ténis que se impôs, com os campeonatos do Ténis Civil e do Ténis Militar e o Grande Torneio de Ténis Xangai-Macau.

Este torneio de ténis, entre Xangai e Macau, realizado em fins de Novembro de 1929, não foi propriamente um despique entre as duas cidades, pois os tenistas visitantes emparceiraram com os nossos em quase todas as partidas. Os tenistas de Xangai eram Mlle. Telma Colaço, Raúl Canavarro (campeão de Xangai), Gordon Lum e Paul Kong, tendo estes dois representado a China no “Davis Cup”. Os tenistas de Macau que participaram nos jogos do Ténis Civil foram Mlle. Emília Figueiredo, D. João de Vila Franca (campeão de Portugal), José Maria de Senna Fernandes, António Melo, Raúl Xavier e Alberto Jorge. Os desafios marcaram, não só pelo vigor empenhado, como também pela elegância desportiva manifestada. A mais impressionante partida que delirou a assistência, foi o despique Portugal-China; dum lado, Raúl Canavarro e D. João de Vila Franca, e doutro, os chineses do “Davis Cup”. Ganhou a China, após luta brava.

Os visitantes conheceram o melhor da hospitalidade macaense. Começou o programa com uma recepção no Clube de Ténis da Areia Preta, onde se realizaram alguns encontros amigáveis. Houve no dia seguinte um passeio a Tong Ká (China), um porto piscatório, a 50 quilómetros, a nordeste de Macau. Os desafios propriamente ditos, tiveram lugar, durante dois dias, no Ténis Civil, terminando o programa com um jantar muito elegante no Hotel Riviera. Os visitantes ainda se demoraram mais alguns dias, a convite doutros clubes de ténis, como o Ténis Militar, o Ténis Naval, etc.. Por último, houve a desforra Portugal-China, com os mesmos parceiros, terminando com a vitória da China, que não foi fácil.”

Henrique de Senna Fernandes deixou estes apontamentos da inauguração do balneário – restaurante «Costa de Jade» bem como o ambiente de Macau de 1929: (1)

“Nesse ano, há um notável empreendimento do incipiente turismo macaense. A inauguração, em 21 de Setembro, do Balneário-Restaurante “Costa de Jade”, na baía de Pac On, na Taipa, hoje desaparecida com o aterro da praceta que se abre no termo da Ponte Macau-Taipa. Foi uma inauguração com a presença de centenas de pessoas transportadas pela lancha-motor “Jade”, de propósito construída para esse fim, nas Oficinas Navais. O embarque em Macau fazia-se pelo cais de pedra que havia na curva de S. Francisco. O local do Balneário era aprazível, a água do mar muito limpa e ainda não contaminada pelo lodo, e a mata exuberante dos Sete Tanques ficava-lhe mesmo em cima, com o suave ruído das suas águas a correr.

Naquele Outono esplendoroso de 1929, dizem os coevos, foi moda ir à “Costa de Jade“. Organizaram-se festas, jantares à americana, animados pela orquestra de jazz de João Franco. E quanto casamento dali não surgiu, aos acordes inspirados de “I’ll See You in My Dreams” (2) e à voz de tenor da “Ora Sorriento“, (3) em noites de luar, a toalha de prata chispando ao largo, os juncos de velas todas abertas, deslizando em silêncio, embebidos nas incansáveis fainas da pesca!

Como sabiam divertir-se os nossos maiores! O optimismo reinante, a boa disposição e a vida fácil e barata desviavam as atenções de trágicas realidades. Os acontecimentos internacionais não pareciam tocar naquele mundo. A guerra civil na China, entre o Governo Central e os senhores da guerra (warlords) era encarada como coisa de somenos. Todos estavam habituados, desde pequenos, àquelas questiúnculas internas, a esse sangrento extravasar de ódios e ambições que depauperavam e enxovalhavam um grande país.

Por mais espantoso que isso possa parecer, não há nos jornais da época uma notícia acerca da Terça-Feira Negra de Outubro, (4) onde se deu o “crash” da Bolsa de Nova Iorque. Nem há notícia dos suicídios e da crise que este facto gerou, dando origem à Depressão. Hong Kong e Macau estavam muito longe, a prosperidade era uma coisa certa e não havia motivos para alarme.”

(1) FERNANDES, Henrique de Senna – Cinema em Macau III (1932-1936). Revista de Cultura, N.º 23 (II Série), Abril/ Junho 1995. Instituto Cultural de Macau, pp. 133-170. http://www.icm.gov.mo/rc/viewer/30018/1706

(2) “I’ll See You in My Dreams” canção de 1924 de Isham Jones, e letras de Gus Kahn, Originalmente gravada por Isham Jones com a orquestra de Ray Miller Orchestra. Tornou- se muito popular com muitas versões. Foi título de filme, em 1951, “I’ll See You in My Dreams”, musical biográfico de Gus Kahn.

Uma das versões por DORIS DAY em:

(3) Creio tratar-se de “Torna a Surriento”, canção popular napolitana gravada por muitos cantores tenores e não só (ouvir a versão inglesa por Elvis Presley “Surrender”, de 1961)

Versão de Luciano Pavarotti:

Versão de Elvis Presley:

(4) A Quinta-feira Negra (Black Thursday) refere-se ao dia 24 de outubro de 1929, quando ocorreu o «crash» da Bolsa de Valores de Nova Iorque. O «crash» desencadeou a uma crise econômica da história dos Estados Unidos, alastrando para outros países ocidentais, para uma Grande Depressão, que durou 12 anos.

Capa: no canto superior direito: oferta em nome do autor, assinatura (?) de oferta – posterior tentativa de apagamento.

“A Aclamação del Rei D. João IV em Goa e em Macau” (1) – Relações Contemporaneas Reeditadas e Anotadas” por C. R. Boxer, (2) publicado em Lisboa em 1934, (23,5 cm x 15,5 cm x 0,6 cm), 74 páginas.

Capa e Contracapa
Frontispício
Fac-simile do opúsculo

Relaçam do que socedeo na Cidade de Goa, e em todas as mais cidades & fortalezas do estado da India, na felice aclamação del Rey Do João IIII de Portugal Nosso Senhor. (…)”. Por Manoel Jacome de Misquita morador na Cidade de Goa (Armas do Reino). Impresso no Collegio de S. Paulo Novo (Goa) Anno de 1643

Opúsculo onde “além de contar miudamente o modo de proceder do Vice-rei, o Conde de Aveiras, ao proclamar el Rei D. João IV em Goa, faculta-nos valiosos subsídios para a historia da aclamação do mesmo Rei em Macau … (…) e contém, valiosos extractos das cartas do Conde de Aveiras e do Capitão-Geral de Macau, além duma valiosa referencia a uma embaixada ao Japão… (…). Do citado estudo do Sr. Frazão de Vasconcelos ficaram bem claros os grandes serviços que António Fialho Ferreira (3) tinha prestado ao seu Rei e à sua Pátria, em conseguir que os cidadãos da Cidade do Santo nome de Deus seguissem o nobre exemplo do povo de Lisboa e Goa.” (BOXER– preambulo, pp. 5-10)

Página 40
Página 41
Contracapa

(1) Com o título “A ACLAMAÇÃO DEL REI D. JOÃO IV EM MACAU (SUBSÍDIOS HISTÓRICOS E BIOGRÁFICOS) ”, ver trabalho de Frazão de Vasconcelos publicado na separata do n.º 53 do «Boletim da Agência Geral das Colónias», de 1929, já referido neste blogue em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-frazao-de-vasconcelos/

(2) Anteriores referências a este autor em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/charles-r-boxer/

(3) António Fialho Ferreira, cavaleiro da Ordem de Cristo, natural de Macau, Capitão-mor dos mares da Índia, prestou elevados serviços nos mares das Ilhas Filipinas e na Embaixada destinada ao Japão em 1644-47. Estava em Portugal, aquando da restauração da independência em 1 de Dezembro de 1640. Foi o portador das cartas e alvarás do Reino, de D. João IV e do vice-rei da India, Conde de Oeiras, para os moradores de Macau, endereçados ao Capitão-Geral e Senado, que receberam em Maio de 1642. É dele o livro “Relaçam da viagem, que por ordem de S. Mgde. fez Antonio Fialho Ferreira, deste Reyno à Cidade de Macao na China: e felicissima acclamaçam de S. M. ElRey Nosso Senhor Dom Ioaõ o IV. que Deos guarde, na mesma cidade, & partes do Sul. – [Lisboa] : na officina de Domingos Lopes Rosa, 1643. – [6] f. ; 4º (19 cm)” disponível para leitura em: https://purl.pt/26194/4/968110_PDF/968110_PDF_24-C-R0150/968110_0000_1-12_t24-C-R0150.pdf

Livro do Dr. J. António Filippe de Moraes Palha, (1) de 1929, “De Portugal a Macau Através da Historia”  (2) que segundo o autor é:
Ensaio de uma narração historica por factos concatenados e raciocinados na sucessão dos tempos e nas suas relações com os factos gerais, mais particularmente os que se referem à China

CAPA: 20,5 cm x 13,5 cm
LOMBADA (gasta): 1.5 cm

As primeiras páginas com o título “A Propósito” datado de 3 de Janeiro de 1930, refere o autor:
Não é um trabalho histórico, no sentido rigoroso da palavra, o que apresentamos aqui; apenas uma compilação de factos históricos correntes, sobre alguns dos quais se vem discreteando aqui e ali, nas cavaqueiras amenas, e, por vezes, em apaixonadas discussões, que se sucedem interminavelmente desde quando esses factos como tais surgiram. Outros há que, por sua natureza, são tão claros, evidentes e incontroversos que em si encerram um poder mágico de convicção imediata; não se prestam sequer a que possam ser alterados ou adulterados na sua essência e quando o fossem, apenas de tudo, provocariam pelo menos o silêncio de quem presenciasse a um tal propósito, para não contrariar por cortesia a quem a isso se dispusesse….
Índice dos temas:
Fundação de Portugal, continental e colonial – pp. 3 –32
Macau através dos tempos – pp. 33-111
A guerra de opio – pp- 111-120
A China e o ópio – pp. 120-123
A China abatida no seu secular prestígio que vem opondo – pp. 123-166
O Clima de Macau – pp. 166 – 172
Sanidade em Macau – pp 172 – 212
Situação económica de Macau – pp. 212-223
O documento – em fac-simile – apresentado pelo autor (pp.187-188) – um ofício do Cartório da Santa Casa de 20 de Janeiro de 1902 (assinado: Albino António Pedruco) de reconhecimento e manifestação do alto apreço que a meza da Santa Casa lhi tributa. Foi aprovada por unanimidade esta moção”.
Este documento foi apresentado face à insinuação e acusação infamante que então lhe foi assacada aproveitando-se da circunstância de o autor se encontrar em Timor em cumprimento da sua missão, e somente tendo conhecimento posterior quando estava em Portugal. Então promoveu à sua conta o apuramento da verdade (já que não encontrou o devido apoio oficial) tendo: “ levou o sumisso o autor ou os autores da acusação, como sucede sempre em casos tais com os da sua laia que só nas trevas se acoitam”
(1) PALHA, J. António Filippe de Moraes – De Portugal a Macau Através da Historia, 1929, Impresso naTyp: – Mercantil de N.T.Fernandes e Filhos. 223 p., 20,5 cm x 13,5 cm x 1.5 cm
NOTA: Este meu exemplar tem algumas folhas mal paginadas: pp. 151-154 “metidas” entre pp.146 -147 e depois da p.150 segue a p.159 em diante.
Ver a biografia do Dr. J. António Filippe de Moraes Palha em anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-a-f-de-moraes-palha/

Uma exposição levada a efeito pelo Círculo Cultural de Macau, foi apresentado o pintor macaense Luís Demée (1) (então com 22 anos de idade)  e os seus trabalhos, durante os dias 24, 25 e 26 de Março de 1951, no Átrio do Liceu Nacional Infante D. Henrique em Macau.
“P. B.” (2) na revista «Mosaico» comentou  assim o evento: (3)
Decorada a sala de Exposições segundo os moldes estéticos modernos viam-se, a destacar duma cortina verde que cobriu todas as paredes, 60 aguarelas e óleos que pelo seu real valor prendiam a atenção dos visitantes que não regateavam os elogios ao Autor que a todos recebia com afabilidade.
O Governador da Colónia inaugurou a Exposição, às 4 horas da tarde, tendo, depois de uma demorada visita, adquirido vários quadros, no que foi secundado por várias pessoas da sua comitiva.
Com efeito, o interesse do público não foi atraiçoado mas, pelo contrário constitui para a maior parte uma surpresa o elevado nível artístico alcançado por um pintor tão novo, que, de mais a mais, não havia saído ainda destas paragens.
Do agrado que despertaram nos visitantes os trabalhos expostos pode-se avaliar pelo facto de todos os quadros terem sido vendidos ao fim do segundo dia da Exposição. … (…)
Resta-nos insistir no ponto frisado no primeiro artigo que escrevemos sobre Luís Demée trata-se de um artista de talento que não pode nem deve ficar esquecido, a estiolar.se nas ocupações comezinhas de quem tem de ganhar a vida fora da sua verdadeira tendência. É indispensável que este esperançoso moço, de que Macau deve orgulhar-se, seja protegido e acarinhado de forma a poder ir continuar nas Belas Artes os seus estudos que lhe abrirá novos horizontes e o levará talvez a ser um nome de vulto dentro do nosso campo artístico.
Ou por meio de uma bolsa de estudo ou por iniciativa da Caixa Escolar de Macau, prestimosa instituição que tão brilhantes frutos tem dado à sua terra, é absolutamente necessário que Luís Demée venha a ser a realização duma promessa das mais auspiciosas que temos visto. Aos nossos leitores de Portugal e do Império apontamos este nome para que o não esqueçam e venham em breves dias dar-nos razão: Luís Demée. O jovem pintor de Macau, que o Círculo Cultural apresentou e há-devir a ser um valor na Arte Nacional
(1) Anteriores referências a este pintor, Luís Luciano Demée (1929-2014), em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/luis-demee/
(2) “P. B.”, muito provável, o Capitão Manuel Maria Pimentel Bastos, vice-presidente do Círculo Cultural de Macau e um activo colaborador da revista «Mosaico». (3) «MOSAICO», II-8, 1951, p.110-111.

A loja comercial, “ Casa Brunswick” estava localizada na Avenida Almeida Ribeiro, n.º 14 (Telefone n.º 293) e vendia discos e grafonolas que na altura (1929) era uma novidade.
A única informação que consegui recolher desta casa comercial, foi a indicação do registo, em 1932 da «Brunswick (sub-Agência)» na mesma Avenida mas com o n.º 8 (Directório de Macau, 1932). No entanto a casa já não figurava no item “Agência de Companhias Estrangeiras” no Directório de 1933, pelo que suponho não ter durado muito a actividade desta casa comercial.

Anúncio publicado no «Jornal de Macau», de 1929.

A «Brunswick Records» foi uma das três grandes gravadoras dos Estados Unidos, juntamente com «Victor» e «Columbia Records», nas décadas de 30 a 70, do século XX.
A companhia começou primeiramente produzir fonógrafos em 1916, no Canadá e com a fidelidade de áudio dos primeiros anos de 1920, os discos Brunswick, acusticamente gravados, estavam acima da média para a época.
Em 1930 a «Brunswick-Balke-Collender» vendeu a patente para a «Warner Brothers», que no ano seguinte o passou para a «American Record Corporation». Em 1932 a filial britânica da «Brunswick» foi vendida à «Decca Records». Em 1973, todas as empresas que pertenciam à «Music Corporation Of America» – inclusive a «Decca», a «Uni Records» e a «Kapp Records» – foram transformadas na «MCA Records». (1)
É de notar que a maioria dos discos referidos no anúncio estão associados a canções-temas dos filmes que na altura eram ainda mudos.
Das canções enumeradas no anúncio, o n.º 40432 – “Ramona (cantado)” , o n.º 40476 – “Gallito e o n.º 403 74 –“Juventuded que vás” estão referidas na lista das gravações elaborada por Ross Laird – Brunswick-Balke-Collender Company e  Brunswick Radio Corporation.
Brunswick Records New York sessions, 1916-1931” (disponível na net)
A melodia n.º 40476 – “Gallito” é um “paso doble flamenco. (2)
A canção n.º 40432 – “Ramona” foi cantada por GENE AUSTIN (1900 -1972), compositor e cantor, um dos primeiros chamados “crooners”, muito popular nas décadas de 20-30 (século X). As suas composições “How Come You Do me Like You Do?” (1924) ; “When My Sugar Walks Down the Street” (1924)  “The Lonesome Road” (1929) e “Ridin Around in the Raian “ (1934) foram êxitos na rádio e nos discos. (3)
A canção “Ramona” é de 1928 e foi composta por Mabel Wayne com letra de L. Wolfe Gilbert .(4) É canção-tema do filme “Ramona” de 1928, dirigido por Edwin Carewe (5)
A canção ”Juventud que te vás” um “charleston foi muito popular na voz duma das    melhores mezzo-sopranos de Cuba (zarzuela, ópera e concertos), Tomasita Nunez (1901-1980). (6)

A canção N.º 40485 – “Angela Mia” é um “foxtrot”, gravado em 21 de Abril de 1928 (“Victor” 21338), música de Erno Rapée, letra de Lew Pollack. (7)
Foi a canção-tema do filme “Street Angel” de 1928 (produção de William Fox) com os actores Janet Gaynor (1906-1984) (8) e Charles Farrell (1902-1990).
A canção n.º 3129 – “Napolitan Nights”, de 1928, é cantado por James Melton. (9)
Canção-tema do filme “Fazil” de Howard Hawks, de 1928. (10)
(1) https://en.wikipedia.org/wiki/Brunswick_Records
(2) Gallito, Paso Doble Flamenco de Santiago Lope interpretado ao piano  por H. Asborno
https://www.youtube.com/watch?v=V57n6NP8Mnw
Gallito, Paso Doble Flamenco de Santiago Lope interpretado pela Banda de Almenara
https://www.youtube.com/watch?v=xB7ux-ONLUM
(3) https://www.google.pt/search?q=Gene+Austin&oq=Gene+Austin&aqs=chrome..69i57j0l5.13143j0j8&sourceid=chrome&ie=UTF-8
Gene Austin – My Blue Heaven (1927)
https://www.youtube.com/watch?v=5w-_xbBmXJ4
Gene Austin – Forgive Me (1927)
https://www.youtube.com/watch?v=APn30l293wA
(4) Disco gravado em 2 de Abril de 1928. O lado B. do disco “Girl of My Drams” foi também muito popular.
“Ramona” (1928) pela orquestra “Brunswick Hour Orchestra”
https://www.youtube.com/watch?v=gpZF0QDRkfA
Ramona” foi n.º 1 do ano de 1928 – a canção gravada mais popular (a 2.º mais popular foi a célebre canção “Sonny Boy” de Al Jolson). Foi canção-tema do filme “Ramona” protagonizada por Dolores del Rio. Existem várias versões desta canção.
https://en.wikipedia.org/wiki/Gene_Austin#/media/File:Gene_Austin_01.jpg
(5) “Ramona”, filme de 1928, mudo, drama dirigido por Edwin Carewe com os actores Dolores del Rio e Warner Baxter
https://en.wikipedia.org/wiki/Ramona_(1928_film)
(6) Tomasita Nunez –Sin Encontrarte

Tomasita Nunez –Por Eso Te Quiero

(7) Versões disponíveis na net:
“Angela Mia”, cantado por James Melton
https://www.youtube.com/watch?v=HXTkmu6wpOo
Ângela mia (My Angel), com Francisco Alves acompanhado por Simão Nacional Orquestra.
https://www.youtube.com/watch?v=Fj7yUSACJsQ
Paul Whiteman – My Angel (Angela Mia) (1928)
https://www.youtube.com/watch?v=fJLFukGTVgE
“Angela Mia” cantdo por Harold Scrappy Lambert
https://www.youtube.com/watch?v=Tf6kxC3avTM
(8) Janet Gaynor foi a primeira actriz a receber o Óscar de melhor actriz principal em 1928, por três filmes: “7th Heaven” (1927), “Sunrise: A Song of Two Humans” (1927), e “Street Angel”l (1928) (foi a única vez que uma actriz recebeu este galardão por múltiplas participações)
(9) “Napolitan Nights”, cantado por James Melton
https://www.youtube.com/watch?v=7YtsHahgXzk
(10) “Fazil”, de 1928, filme mudo, drama, dirigido por Howard Hawks, Com os actores Charles Farrell (1902-1990). e Greta Nissen

A Igreja de Nossa Senhora de Fátima no bairro Tamagnini Barbosa (Rua de Lei Pou Ch’ôn, n.º 23) foi construída em 1929. Depois de se criada a Paróquia de Nossa Senhora de Fátima em 1965, a Igreja foi reconstruída em 1967, aumentando a capacidade para 800 fiéis.
Por detrás dos portões de ferro forjado, num arco  tipo pórtico, está uma escadaria larga  que conduz à igreja espaçosa e de estilo moderno. Possui uma grande torre quadrada de 2 sinos. As paredes laterais são decorados por painéis de vitral. No altar-mor, de cor vermelha, encontra-se uma grande cruz de madeira.
É a igreja matriz da Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, uma das 6 paróquias da Diocese de Macau e serve a comunidade católica do Bairro Tamagnini Barbosa e todo o Norte da Cidade, a zona mais populosa de Macau, caracterizada também pela sua multiculturalidade, com incidência para os chineses, vietnamitas e falantes de língua inglesa. O pároco actual é José Ángel Hernández. (Informações colhida do jornal “O Clarim” de 23 de Junho de 2017)
(1) «BGU» XLIV 521/522, Nov/Dez, 1968.
花地瑪聖母堂mandarim pīnyīn: huā dì mǎ shèng mǔ táng; cantonense jyutping: faa1 dei6 maa5 sing3 mou5 tong4

Crónica do Capitão-tenente Jaime do Inso, publicado no jornal «O Comércio do Porto» e republicado no «Boletim Geral das Colónias» (1)

(1)Boletim Geral das Colónias, 1929.