Archives for posts with tag: 1897

Em 7 de Dezembro de 1836, o Governo Português, pela pasta de Marinha e Ultramar, decretou que nas províncias ultramarinas se imprimisse um Boletim, cuja redacção ficasse a cargo do secretário do governo. Dois anos mais tarde, cumpria-se em Macau esta determinação, aparecendo em 5 de Setembro de 1838 o Boletim do Governo da Província de Macau, Timor e Solor, sendo impresso na Tipografia Macaense, oficina do Dr. Samuel Wells Williams (1). Segundo o mesmo Decreto de 7 de Dezembro de 1836, art. 13.º, o Boletim destinava-se ao aparecimento das ordens, peças oficiais e de tudo o mais que fosse de interesse público; a portaria circular de 14 de Fevereiro de 1855 determinava que nesse se publicassem os documentos mais importantes existentes nos respectivos arquivos. (2) Suspendeu-se a publicação após cinco números, reaparecendo no ano seguinte em 8 de Janeiro de 1840, e continuando (com algumas interrupções) até hoje, assumindo posteriormente diversos outros nomes similares:
O Boletim do Governo da Província de Macau, Timor e Solor (5 de Setembro de 1838);
Boletim do Governo de Macau;
Boletim do Governo da Província de Macau e Timor;
Boletim do Governo de Macau e Timor;
Boletim da Província de Macau e Timor;
Boletim Oficial do Governo da Província de Macau e Timor;
Boletim Oficial do Governo da Província de Macau (2 de Janeiro de 1897)
Boletim Oficial da Colónia de Macau (7 de Janeiro de 1928)
Boletim Oficial de Macau. (7 de Julho de 1951)
(1) Esta tipografia pertencia ao Dr. Samuel Wells Williams, mas figurava como gerente Manuel Maria Dias Pegado para cumprir as formalidades da lei.
O Dr. Samuel Wells Williams (1812-1884) missionário protestante, linguista e sinologista americano (autor de livros e dicionários inglês- chinês e chinês-inglês e um dos primeiros dedicados ao dialecto cantonense em 1856; primeiro professor nos Estados Unidos da literatura e língua chinesa em 1877) (3)  foi editor de 1848 a 1851, da excelente revista «Chinese Repository» que principiou a publicar-se em Cantão e depois de 1842 até 1844, a revista (volumes XI e XII) foi editada em Macau, com excepção do número correspondente a Dezembro de 1844, por esta revista ter passado a ser impressa em Hong Kong. (4)
Manuel Maria Dias Pegado (1805 – ? ) fundou três jornais em Macau: o semanário «Gazeta de Macao» cujo primeiro número saiu a 17 de Janeiro de 1839 e terminou a 29 de Agosto de 1839, após 32 números; «O Portuguez na China» em 2-09-1839 (durou até 04-05-1843); o «Procurador dos Macaistas» em 06-03-1844 (até 22-09-1845) . É irmão de Guilherme José António Dias Pegado, (1803-1885) professor de Matemática na  Universidade de Coimbra, professor de Física da Escola Politécnica e deputado às Cortes em sucessivas legislatura a começar em 1834,  pelo círculo de Macau)
(2) Retirado de «Breve História do Boletim Oficial» em:
http://bo.io.gov.mo/galeria/pt/histio/boletim.asp
(3) Dois dos livros publicados em Macau
WIILIAMS, S. Wells – Easy lessons in Chinese: or progressive exercises to facilitate the study of that language specially adapted to the Canton Dialect . Macau, printed at the office of The Chinese Repository, 1842, 282 p.
Disponível para leitura em
https://books.google.pt/books?id=djnPbjYGHFIC&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false
WIILIAMS, S. Wells – An English and Chinese Vocabulary in the Court Dialect.  Macau, printed at the office of The Chinese Repository, 1844, 440 p.
Disponível para leitura em:
https://books.google.pt/books?id=RQOSGIumLUQC&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false
(4) Ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/the-chinese-repository/

Hoje, dia 23 de Agosto celebra-se a festa litúrgica de Santa Rosa de Lima. Amanhã dia 24, do ano de 1617, (precisamente 400 anos ) assinala a morte de Isabel Flores y Oliva, que ficou conhecida como Santa Rosa de Lima, mística da Ordem Terceira Dominicana,canonizada pelo Papa Clemente X em 1671 e a primeira santa nativa da América e padroeira do Peru. (1)

Painel numa coluna á entrada da Catedral Metropolitana de Buenos Aires, tirada em 2016

Em Macau, desde cedo o nome de Santa Rosa de Lima ficou ligada à educação principalmente para órfãs e meninas.
1.º Havia o Recolhimento de Santa Casa da Misericórdia cuja primeira referência aparece num termo do Senado de 26 de Dezembro de 1718 em que atribuía a este Recolhimento a sustentação das Meninas orphaans filhas de Portuguezes , q com o beneplácito do Procurador e mais Irmãons da casa, se fará nella hum recolhimento co mais huma S.ª grave p.r Mestra das Orphaans”
O Recolhimento foi fundado em 1726 sendo provedor de Santa Casa António Carneiro de Alcáçova; foi aprovado por João de Saldanha da Gama, vice-rei da Índia, “com a clausula de que haverá no d.º Recolhimento uma Mestra, que possa ensinar às Orfas as artes de que necessita uma mulher para governar a casa.”
Em 1737, a Santa Casa fechou o Recolhimento por falta de dinheiro. Em 1792, foi fundado por D. Marcelino José da Silva, bispo de Macau (1789-1808) um Recolhimento ou casa de educação para meninas órfãs”. Mais tarde esta Casa tomou o nome de Recolhimento de Santa Rosa de Lima. Em 1848, foi instalado na Casa das 16 colunas (posteriormente Instituto Salesiano) sob a direcção das filhas da Caridade de S. Vicente de Paulo, que no ano seguinte o transferiram para o extinto Convento de S. Agostinho; dali passou para o Mosteiro de S. Clara em 1857; mas em 1865, essas Irmãs saíram de Macau.
Em 1875 o governador José Maria Lobo d´Avila (portaria n.º 23 de 18-02-1875) determinou o seguinte: “ Tendo sua Majestade por decreto de 2 de Outubro de 1856 anexado o recolhimento de Santa Casa Rosa de Lima ao Mosteiro de Santa Clara, a fim de poder ali crear-se uma casa d´educação para o sexo feminino…(…)… Attendendo  a que é de toda a conveniência o acabar o estado excepcional em que ficou o recolhimento de Santa Rosa de Lima depois da extinção de mosteiro de Santa Clara, devendo segundo a letra do supracitado decreto crearse ali uma casa d´educação para o sexo feminino. “

Colégio de Santa Rosa de Lima anexo ao antigo Convento de Santa Clara em 1956

A direcção e administração directa do Colégio era exercida por uma comissão, mas a inspecção ficava a cargo do governo. O presidente era um prelado diocesano, sendo vice-presidente o juiz de direito, e os restantes membros: dois cidadãos nomeados pelo governador (sendo um deles tesoureiro) e um capelão que servia de secretário.
O ensino ministrado nesse colégio era o elementar, ou instrução secundária que compreendia: línguas, portuguesa, francesa e inglesa; história sagrada; desenho; música de canto e piano; educação física; higiene e economia doméstica.
A pedido do bispo D. António Joaquim de Medeiros ( bispo de 1884-1897),  as Irmãs Canossianas (Filhas Canossianas da Caridade) tomaram conta desse Colégio em 1889, dirigindo-o até 1903.
Em 17 de Novembro de 1903, as Irmãs Franciscanas Missionárias de Maria que haviam instalados em Macau, no Mosteiro de Santa Clara, em 1903 e começaram a desenvolver trabalho missionário ligado ao ensino passaram também a dirigir o Colégio por ordem do bispo D. João Paulino de Azevedo e Castro (bispo de 1902-1918). Ambos os edifícios lhes foram cedidos pelo Governo juntamente com os bens do antigo Mosteiro e do antigo Recolhimento de Santa Rosa de Lima.
As Irmãs que chegaram a 27-1-1903 eram as seguintes:
Benedicta de S. Joaquim, Superiora (moreu em Tsingtao, 15-11-1921)
Leona du Sacre Coeur (moreu em Macau, 16-03-1956)
Antoine de Brive (moreu em Chefoo)
Edeltrud (morreu  em Macau)
Ambrosina (morreu em Macau, Fevereiro de 1953)
Zélia (morreu  em França)
Mais tarde chegaram as Irmãs Clotilde, M. da Apresentação, M. Chiara, M. Leónia e M. Dismas.
A 30 de Novembro de 1910, (I República Portuguesa) o Governo ordenou a saída das Franciscanas (o Colégio, nesse ano, tinha 130 alunas de diferentes nacionalidades, sendo muitas delas internas) e a escola foi confiada a pessoal leigo a 7 de Janeiro de 1911, ficando reduzida a 40 alunas.(2)
As Franciscanas só voltaram a dirigir o Colégio em 1932.

Pormenor do mesmo painel (2016)

(1) Rosa de Lima (1586 – 1617), nome de baptismo: Isabel Flores y Oliva, beatificada a 15 de abril de 1668 por Papa Clemente IX e canonizada a 2 de abril de 1671, por Papa Clemente X. A Festa litúrgica é no dia 23 de agosto (Calendário Romano) embora seja comemorada a 30 de agosto em Peru. É também padroeira das Filipinas.
Santa Rosa de Lima era muita devota de Santa Catarina de Sena, um dos padroeiros de Macau (declarado pela Vereação do Senado a 2 de Maio de 1646)  e venerada na Igreja de S. Domingos.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Rosa_de_Lima
(2) TEIXEIRA, Padre Manuel – A Educação em Macau, 1982.
Ver mais informações sobre o Recolhimento e Colégio de Santa Rosa de Lima em anteriores postagens:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/colegio-de-santa-rosa-de-lima/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/casas-de-recolhimento-de-santa-rosa-de-lima/

No dia 5 de Maio de 1865, um grande incêndio na povoação da Horta da Mitra, em que 200 barracas de chineses foram devoradas pelas chamas. Provavelmente acidente provocado por panchões do Ano Novo Chinês (1) (2)
O bairro da Horta da Mitra ou do Bispo estava mais ou menos limitado pela Rua do Noronha e por parte das Ruas de Henrique Macedo, de Tomás da Rosa, de Horta e Costa, da Colina e Nova à Guia.
Ficavam situadas dentro deste bairro as Ruas da Cal, da Mitra, (3) da Surpresa, de Dezoito de Dezembro, parte das Ruas de Tomás da Rosa e de Henrique Macedo, as Travessas do Mercado Municipal e de S. João, bem como o largo do Mercado Municipal e o Mercado da Horta da Mitra. (2)
O bairro de Horta da Mitra (4) contígua ao bairro de Volong eram os locais mais salubres do território e devido aos problemas de higiene pública sofreram posteriormente alterações com o saneamento. No Bairro de Volong onde teve início o foco de infecção nas epidemias da peste e da cólera, foi expropriada por utilidade pública em 1894 e saneada. Tinha uma área de 200 hectares, limitado ao norte pela Estrada do Cemitério, ao sul pela Ferreira do Amaral, a leste pela Estrada da Flora e a oeste pela Rua de S. Lázaro. Em 1897 a área foi entregue ao Leal Senado e depois à Repartição de Obras Públicas para se proceder a obras de abertura das ruas, construção de canalização de esgoto e alicerces das casas particulares. O bairro de S. Lázaro também contíguo e um dos focos da epidemia da peste de 1896, seria saneado em 1900 (2)
(1) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995.
(2) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I, p. 468.
(3) Rua da Mitra: começa na R. da Colina, em frente da R. da Vitória e termina na R. do Noronha , entre a Travessa do Mercado Municipal e a Rua da Cal (2)
(4) Sobre Horta da Mitra, ver anteriores referências:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/11/11/postal-de-1940-mercado-municipal-da-horta-da-mitra/+
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/horta-da-mitra/n

anuario-de-1927-liceu-central-de-macau-iO Liceu Central de Macau (1927)

No dia 11 de Dezembro de 1923 foi nomeada Amália Alda Jorge para reger, interinamente, as disciplinas do 2.º grupo Português/Francês -do Liceu Central. Terá sido, ao que sabemos, a primeira professora do sexo feminino, no Liceu Central. (1) (2) (3)
Nesse ano de 1923, o Liceu de Macau estava instalado no edifício do antigo “Hotel Boa Vista”. Só a 12 de Julho de 1924, mudaria a instalação para o prédio n.º 89 da Rua Conselheiro Ferreira – as fotos do Liceu no ano de 1927.

anuario-de-1927-liceu-central-de-macau-ii-escadasA entrada do Liceu Central de Macau (1927)

Amália Alda Pacheco Jorge, é a filha mais velha de José Vicente Jorge, nascida em S. Lourenço a 30-08-1898 e faleceu em Lisboa a 17.03.1977. Foi professora primária e em 1923/1924 nomeada professora do 2.º grupo do Liceu. Estudou medicina (1924/1925) em Lisboa cujo curso frequentou até ao 2.º ano tendo regressado a Macau após falecimento da mãe, em 30 de Dezembro de 1926, porque, como irmã mais velha, sentiu-se responsável pelos irmãos (11), alguns deles ainda muito novos. (4)

anuario-de-1927-liceu-central-de-macau-iii-varandaA varanda do Liceu Central de Macau (1927)

(1) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 4, 1997.
(2) O Liceu de Macau que foi criado pela Carta de lei de 27 de Julho de 1893, regulamentada pela Portaria Provincial de 14 de Agosto de 1894, foi elevado a Central em 8 de Outubro de 1917 pelo Decreto n.º 3.432. Quando foi criado, o Liceu de Macau ministrava em três cursos: o curso geral (4 anos), o de letras (3 anos) e o de sciências (3 anos). Era condição essencial para a matrícula ao Curso de Letra ou de Sciências, possuir os 3 primeiros anos do Curso Geral. Este regime foi alterado pala Portaria Provincial de 16 de Setembro de 1897, que mandou pôr em vigor a organização dos Liceus Nacionais da Metrópole, terminando desde então, os cursos de letras e de sciências, e ficando o Liceu apenas com o Curso Geral, que passou a ser de 5 anos.
(3) Consta no «Anuário de 1924» como professora interina do 2.º grupo (Português e Francês) D. Amália Aldo Jorge. Nomeada secretária da 1.ª e 5.º classe, e regente das seguintes disciplinas: francês 1.ª, 2.ª e 5.ª classe e Matemática da 1.ª classe. O seu pai José Vicente Jorge era professor provisório do 3.º grupo (Inglês); secretário de 6.ª e 7.ª classe e regente das seguintes disciplinas: inglês 2.ª, 3.ª, 4.ª 5.ª 6.ª e 7.ª classe
(4) FORJAZ, Jorge – Famílias Macaenses, Vol. II.

Depois de uma certa inactividade no campo cultural (1) desde o início do século XX por vários motivos entre eles, a diminuição constante do número de sócios por causa da má situação financeira e da tragédia em 1914 (suicídio de João Canavarro, presidente da direcção dos Proprietários do Teatro D. Pedro V, por desfalque), o «Club de Macau», (2) arrendatário do Teatro D. Pedro V, retomou as actividades culturais nomeadamente as representações teatrais, operetas e óperas, muitas vezes aproveitando a passagem de Companhias estrangeiras por Hong Kong e China.
Assim neste dia de 19 de Junho de 1921, a companhia de Ópera Ligeira e Opereta de Daroff e Shtern iniciou a sua temporada em Macau, com «A Viúva Alegre» de Lehar. Os melhores artistas desta Companhia eram os sopranos Glória Charskaia e Rootkowskaia, o tenor Crugloff e os barítonos Daroff e Elin. Tão boa era esta Companhia que, além da «Viúva Alegre», teve de apresentar ainda, nas noites seguintes, no Teatro D. Pedro V, as seguintes operetas: «Os Mistérios de um Harém» de Valentinoff, «Amor de Cigana» de Lehar, «O Conde de Luxemburgo», também de Lehar, «O Rei dos Violinistas » de Kalmann, «Sílvia» de Delibes» «A Princesa dos Dólares» de Leo Fall, o «Pot-Pourri» de Sidney Jones «O Rei Diverte-se», «A Vestal do Deus do Fogo» e «Hadji- Murat». (3) (4)

D. Pedro V - Salão década de 70 (XX)Salão do Teatro D. Pedro V, na década de 70 (Século XX) (5)

(1) Excepto num período muito curto em 1915 em que se passava filmes mesmo sem equipamento adequado, fruto dum contrato entre o Clube de Macau e uma empresa cinematográfica. O «Club de Macau», no dia 05-05-1914, subarrendou o Teatro  à Empresa Cinematográfica representada por Chan Ham Che e Júlio Eugénio da Silva, por um ano, pela quantia de $ 200,00 mensais. Era presidente do «Club de Macau»,  Fernando de Meneses. Este contrato foi desastroso, pois as bancadas ficaram danificadas e o Teatro sujo, vendo-se o clube obrigado a rescindir o contrato antes de findar o prazo (5). Ver anterior referência em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/02/15/anuncio-de-1922-animato-grafo-macau/
(2) Após a aprovação dos Estatutos da Sociedade Teatro D. Pedro V, em 1887, fundou-se o «Club União»  que arrendou à sociedade o edifício do Teatro para o fim de aí estabelecer o clube do mesmo nome, obrigando-se a dita sociedade a pagar a esta associação 15% dos rendimentos brutos do clube e do Teatro». Em 17 de Dezembro de 1896, o presidente dos proprietários, General Garcia, reuniu-se com Pedro Nolasco da Silva, presidente da Comissão directora do «Club União», e acordaram ambos no contrato de arrendamento do edifício do Teatro ao clube pelo tempo de 10 anos, a contar de 1-1-1897. Porém em 1903, o oficial de marinha, tenente Marta, membro do «Club União», trouxe a desunião e a morte ao seu clube, pois portou-se incorrectamente com a sra. Saturnina Canavarro num baile do clube e foi tal a celeuma que se levantou que o clube teve de fechar. Assim surgiu o «Club de Macau» cujo presidente Henrique Hyndman pediu o arrendamento, nas mesma condições (período de 10 anos) com pequenas modificações cujo contrato foi assinado a 23 de Junho de 1903. Contrato que foi renovado a 5 de Maio de 1913. Esse arrendamento foi prolongado por dez anos em 23-06-1903 e em 05-05-23 renovado nas mesmas condições que o contrato anterior (5)
(3) GOMES, Luís Gonzaga – Efemérides da História  de Macau, 1954
(4) Não consegui qualquer referência dos artistas referidos, excepto uma pequena nota do barítono (segundo a crítica, excelente) russo Vladimir A. Elin (1888-1958), estudante de música em S. Petersburgo, que numa digressão ao Oriente, depois das Filipinas foi para Austrália em 1927 onde se radicou por vários anos. Depois seguiu para Inglaterra (1932) e por fim emigrou para os EUA (1938) onde além de actuar foi professor de voz.
Um anúncio publicado num jornal australiano “The Register Adelaide, July 24, 1928 ” dum programa radiofónico com este barítono.

MÚSICA- Anúncio Vladimir Elin barítonohttp://trove.nla.gov.au/newspaper/article/57054882

(5) TEIXEIRA, Pe. Manuel – O Teatro D. Pedro V, 1971
Anteriores referências:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/teatro-d-pedro-v/

Pedido do Conservador do Registo Predial, Bacharel Camilo d´Almeida Pessanha, no dia 13 de Agosto de 1915, para que seu filho, João Manuel d´Almeida Pessanha, fosse admitido a exame de admissão à terceira classe do Liceu Nacional desta Província.” (1)
João Manuel d´Almeida Pessanha é filho de Camilo Pessanha e da sua companheira, Lei Ngoi Long (2) e  nasceu a 21 de Novembro de 1896.
A 13 de Dezembro de 1897, João Manuel de Almeida Pessanha é baptizado como filho de pais incógnitos, na igreja paroquial de Santo António. Foi seu padrinho Alfredo Augusto Ferreira de Almeida, funcionário público, natural de Lamego, e «madrinha, por devoção, Nossa Senhora da Conceição». (3)
A 24 de Agosto de 1900,  João Manuel de Almeida Pessanha é perfilhado, de acordo com escritura notarial feita na residência de Camilo Pessanha, no Largo de Santo Agostinho, n.º 1, em Macau. Foram testemunhas os seus colegas do Liceu, João Pereira Vasco e Mateus António de Lima. (4) No respectivo registo, afirma-se que «a criança está a ser criada em casa do china Kuoc-va-vai, casado, que vive nesta cidade dos seus rendimentos». (3)
A 17 de Janeiro de 1929, João Manuel de Almeida Pessanha requer o pagamento dos vencimentos de seu pai. (4)
João Manuel de Almeida Pessanha faleceu a 30 de Julho de 1941 de tuberculose pulmonar.  Teve de Francisca Xavier de Sousa do Espírito Santo Rosário (Aquita) uma filha, chamada Maria Rosa dos Remédios do Espírito Santo, (Manhão)  nascida em 1915 (ainda em vida do poeta, portanto) (5) e um filho “Nasce Camilo João de Almeida Pessanha, neto do poeta, no n.º 75 da Rua da Praia Grande. Era filho de João Manuel de Almeida Pessanha, «oficial da marinha mercante, e de mãe gentia», segundo a sua certidão de nascimento” (4)

Camilo Pessanha Campa S. Miguel IFoto tirada em 1988

Camilo Pessanha Campa S. Miguel IIA campa do poeta e da sua companheira (depois também aí enterrado o filho, João Manuel) foi construída a mando de João Manuel de Almeida Pessanha. A laje tumular tem gravada “as armas” da família “Pessanhas”  de que Camilo Pessanha, pelo lado paterno, pertencia. (6)

Camilo Pessanha Campa S. Miguel III

Que razões terão influído na escolha de João Manuel? Para responder, talvez seja necessário voltar um pouco atrás, até ao enquadramento familiar do sepultado…(…)
A relação existente entre pai e filho estava longe de ser boa. Alguns biógrafos dão a entender que Camilo não confiava no comportamento da mãe de João Manuel e que nutria sérias dúvidas acerca da paternidade deste…(…)
A presença das armas na campa de Camilo Pessanha, mantém-se contudo uma questão subjacente: qual terá sido a relação do poeta com a heráldica? João Manuel recorreu para a figuração destas armas. A resposta é fácil: as armas da campa são diretamente copiadas da capa ou folha de rosto da Noticia Historica dos Almirantes Pessanhas e Sua Descendencia Dada no Anno de 1900, da autoria de José Benedito de Almeida Pessanha, primo coirmão de Camilo… ” (7)
(1) Arquivo histórico de Macau – F. A. C. P. n.º 141 – S- E in SILVA,  Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. 4,1997.
(2) Segundo Danilo Barreiros, em 1895, Camilo Pessanha  compra uma concubina a um corrector, de quem vem a ter, um ano mais tarde, o filho João Manuel. http://purl.pt/14369/1/cronologia1894.html
(3) http://purl.pt/14369/1/cronologia1894.html
(4) O poeta Camilo Pessanha apresentou-se, em Agosto de 1893,  ao concurso para provimento dos cargos de docentes no recém-criado Liceu de Macau. Aprovado na Metrópole, juntamente com Horácio Poiares, Mateus de Lima e João Pereira Vasco.
Camilo Pessanha, morre em Macau, a 1 de Março de 1926, após prolongado sofrimento, na sua residência na Rua da Praia Grande n.º 75, às oito horas da manhã, vítima de tuberculose pulmonar. (SILVA,  Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. 4,1997.)
(5) http://www.geni.com/people/Jo%C3%A3o-Manuel-de-Almeida-Pessanha/6000000002371365132
(6) Camilo de Almeida Pessanha nasceu como filho ilegítimo de Francisco António de Almeida Pessanha, um estudante de direito de aristocracia, e Maria Espírito Santo Duarte Nunes Pereira, sua empregada, em 7 de Setembro de 1867, às 11.00 horas, na Sé Nova de Coimbra. O casal teria mais quatro filhos.
(7) SEIXAS, Miguel Metelo de – Intersecções Analógicas: Poesia e Heráldica em Camilo Pessanha
http://www.insightinteligencia.com.br/65/PDFs/pdf10.pdf

Hoje é dia de S. Lourenço , comemorando a data da sua morte no dia 10 de Agosto de 258.  Complementando anteriores referências à Igreja de S. Lourenço, (1) recorro-me mais uma vez ao Padre Teixeira: (2)
Frei José de Jesus Maria diz que a Igreja de S. Lourenço foi erecta entre 1558 e 1560, isto é, logo após a fundação de Macau.: «Em o seguinte anno de 1558 até o de 60, achando-se já aqui alguns Padres da Sagrada Companhia de Jesus, como nos Memoriaes se acha escrito, com sua boa assistencia e idea entrarão a formar duas ou tres pequenas Igrejas de S. Lourenço e S. Antonio».

POSTAL J Victor Rosário 1983 Igreja S. LourençoPOSTAL – IGREJA DE S. LOURENÇO
Edição J. Victor do Rosário Jr. JV 014(1983)

A 18 de Novembro de 1576, o Padre Cristóvão da Costa, S. J. escrevia ao Padre Everardo Mercuriano, Geral das Companhia, acerca do ministério dos jesuítas em Macau: « três sacerdotes pregam na nossa igreja e na matriz, e tãbe hum dos irmãos a requerimento do Sôr bispo (D.Melchior Carneiro S. J.) vai declarar os artigos da fee a huma igreja curada aonde ha tãbem cõcurso aos domingos a tarde; chamão os nossos cõ cãpainha pola cidade, e faz a doutrina christãa, se fazem alguas exortações, isto assi na nossa igreja como na outra q. he de S. Lço. matir, cõcorre mta. gente principalmente da terra pera quem  se faz, temos tãbem huma escolha de ler, escrever de que hum irmão tem cuidado, de tudo polla bõdade de da (Deus) se tira fruito.» (2)
A Igreja foi reconstruída por quatro vezes: 1801 a 1803; 1844-1846 (sob a orientação do arquitecto macaense José Tomás d´Aquino); 1897-1898 (orientação do engenheiro Abreu Nunes, director das Obras Públicas) e em 1954.

Igreja S. Lourenço panfleto turístico DSTIGREJA DE S. LOURENÇO
Folheto Turístico da D. S. T. (princípios do século XXI)

A torre da igreja de S. Lourenço serviu nos primórdios do século XVII de prisão eclesiástica; ali esteve preso o subdiácono Paulo Teixeira, mas conseguiu evadir-se e refugiar-se no Colégio de S. Paulo. Frei Bento de Cristo (governador do bispado desde 4 de Agosto de 1640) a 2 de Janeiro de 1642, mandou o P. Gaspar Luís, S. J. que lho entregasse. Paulo Teixeira tentou evadir-se para Macáçar, mas foi apanhado e encarcerado numa cela do Convento de S. Francisco.” (2)
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/igreja-de-s-lourenco/
(2) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau. Volume I, 1997

Continuação da publicação das fotografias deste pequeno álbum (1)

“SOUVENIR DE MACAU” 
Souvenir de Macau 1910 Estrada da Av Vasco da GamaESTRADA DA AVENIDA VASCO DA GAMA

A área do T´ap Seac (que significa Torre de Pedra a qual deve ter existido nesse local) era uma extensa várzea, que foi saneada quando se abriu a ampla Avenida de Vasco da Gama de 65 m de largura e 500 m de extensão. Esta avenida desapareceu para nela ser construídos o monumento de Vasco da Gama, a Escola Luso-Chinesa Sir Robert Ho Tung, o Hotel Estoril, as Escolas Primárias Municipais, a Escola Infantil e o Comando a Polícia de Segurança Pública.” (2)

Souvenir de Macau 1910 Estrada da FloraESTRADA DA FLORA

Nos Bairros de T´ap Seac, de Sá Kong e de Mong Há, entre a Estrada da Flora, a Estrada Adolfo Loureiro, a Estrada Coelho do Amaral e a povoação, existiam extensas várzeas de 300 mil metros quadrados de área, as quais pelas águas das chuvas represadas pelos agricultores e pelo adubo que nelas se empregava – fezes humanas – constituíam um grande foco de infecção e de paludismo. O governador, José Maria de Sousa Horta e Costa (1894-1897), que era capitão de engenharia, a quem Macau muito deve no campo de sanidade, dedicou-se ao saneamento desses bairros começando pelo de T´ap Seac.” (2)
(1)  https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/04/29/macau-de-1910-souvenir-de-macau-i/ 
(2) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Vol I, 1997.

História das Colónias Portuguesas  CAPAROCHA MARTINS
da Academia das Ciências de Lisboa
HISTÓRIA DAS COLÓNIAS PORTUGUESAS
OBRA PATRIÓTICA
SOB O PATROCÍNIO DO “DIÁRIO DE NOTÍCIAS”

História das Colónias Portuguesas  1.ª PáginaO livro (1) foi composto e impresso em 1933 embora na última página esteja impresso “acabou de se compor o original deste livro, aos 16 de Março de 1934”
História das Colónias Portuguesas  ENCO meu exemplar está encadernado com capas da brochura
Este livro é um das mais apreciados da longa bibliografia do autor (2), ilustrado com numerosas vinhetas ao longo do texto, estampas em folhas à parte e 9 mapas desdobráveis (um deles de Macau).
No prefácio
…A «História das Colónias Portuguesas», que escrevi sob este desígnio, é o pequeno varinel, obra de um artífice humilde, singrando a caminho da alma popular, tripulado por sombras, duendes, fantasmas heróicos a vizinharem com algumas evocações de vivos que ajudaram a cimentar o Império Colonial Português.”
História das Colónias Portuguesas  MAPA 1933“A colónia de Macau é constituída pela cidade do Santo Nome de Deus de Macau, com uns 78.000 habitantes em 10 quilómetros quadrados. Seu principal comércio é o do charão, ópio e sêdas, mas a maior riqueza do encantador domínio é o seu magnífico pôrto. Em construção, embora tardia, aumentar-lhe-á os réditos e a importância. Constitui um governo, um bispado e uma comarca.”
Os capítulos referentes a Macau estão nas páginas 349 a 382 e na terceira parte, dedicado ao Macau do ano 1886 a 1919, nas páginas 647 a 650.
CAPÍTULO XXVII – DA ENTRADA DOS PORTUGUESES EM MACAU ATÉ AO FIM DO DOMÍNIO CASTELHANO.
A acção portugueza contra um pirata chinês- Povoação do Porto de Santo Nome de Deus – Vexames de mandarins e de governadores. (pp. 351- 356)
CAPÍTULO XXVIII – A VIDA DE SUJEIÇÂO DA COLÓNIA
Indiferença da metrópole-Conflitos civis e religiosos – oriente contra os «bárbaros do ocidente». (pp. 357-362)
História das Colónias Portuguesas  MACAU 1897CAPÍTULO XXIX – MACAU E A CELESTIAL DINASTIA
Como continuaram os vexames – Vistas dos ingleses sobre Macau – Uma vitória portuguesa sobre os piratas. (pp. 363-369)
História das Colónias Portuguesas  Palácio do GovernoCAPÍTULO XXX – A LIBERTAÇÃO DE MACAU
A Inglaterra e a posse de Hong Kong – Influência deste acontecimento na vida da cidade de Santo Nome de Deus – O governador João Ferreira do Amaral e os chineses. (pp. 370 – 377)
História das Colónias Portuguesas  Porto de MacauCAPÍTULO XXXI – MACAU E O RECONHECIMENTO DA SUA INDEPENDÊNCIA
Trabalhos diplomáticos – As dificuldades com a China – Os estudos para as obras do pôrto. (pp. 378 – 382)
CAPÍTULO LV – A GRANDE NECESSIDADE DA CONSTRUÇÂO DO PÔRTO DE MACAU
Diligencias para realizar as obras do pôrto – Acção dos governadores – Os religiosos e a instrução nas colónias. (pp.647 -650)
(1) MARTINS, Rocha – História das Colónias Portuguesas. Diário de Notícias, Lisboa Tipografia da Emprêsa Nacional de Publicidade, Lisboa 1933, 698 p. : il. Mapas, quadros. Dimensões: 20 cm x 13,5 cm x 3,5 cm.
Rocha Martins(2) Francisco José da Rocha Martins, mais conhecido por Rocha Martins (Lisboa, 1879 — Sintra, 1952), foi um jornalista, historiador e activista político português (monárquico convicto mas liberal, colaborador nos primeiros momentos do Estado Novo, tornar-se-ia um activo oposicionista do salazarismo), um dos mais prolíficos escritores da primeira metade do século XX, publicando uma vasta obra de divulgação histórica para além de ter publicado diversas biografias e muitas novelas e romances históricos de grande sucesso. Jornalista profissional, trabalhou em diversos jornais e revistas de Lisboa, entre as quais as revistas Serões (1901-1911) (3) e Illustração portugueza  (1903-1923) (4).
http://pedroalmeidavieira.com/indexbh.asp?p/785/1089//R/1723/
Colaborou no argumento do filme «Bocage», longa metragem de ficção portuguesa, musicado, realizada por Leitão de Barros no ano de 1936.(5)
(3) http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/Periodicos/Seroes/Seroes.htm
(4) http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/IlustracaoPort/IlustracaoPortuguesa.htm
(5) Ver cenas do filme em  https://www.youtube.com/watch?v=3gGSdGiRcRM

EXP. Plantas de Edifícios Históricos CARTAZContinuação da minha colecção de marcadores de livro referentes à Exposição de Plantas de Edifícios Históricos”, realizada entre 22 de Agosto e 22 de Outubro de 2005  e organizada pelo Instituto Cultural do Governo da R. A. E. de Macau no Arquivo Histórico. (1) (2)

EXP. Plantas de Edifícios Históricos Bairro de S. LázaroMarcador: Bairro de São Lázaro

“Na sequência da sua demolição em finais do século XIX devido às deficientes condições higiénicas, surgiu um novo bairro de malha regular que albergou a vivência urbana e peculiar de Macau dos anos 20 do século passado.”

EXP. Plantas de Edifícios Históricos Bairro de S. Lázaro versoNOTA: “Em 10 de Setembro de 1808 o Pe. Agostinho espanhol, José Segui requereu ao Senado um terreno baldio, defronte uma povoação que estava fora das portas de S. Lázaro onde estavam 300 a 400 novos cristãos chineses. Estes foram perseguidos por ordem dos Mandarins mas muitos deles voltaram, registando-se em 1818, nada menos de 98 casas de cristãos chineses. O jornal “Echo Macaense”, de 21.02-1897 dizia: «Até 1871 as freguesias da Sé, S. Lourenço, e Santo António eram as únicas onde estavam estabelecidas as residências de portuguezes: em 1878, estenderam-se elas já para S. Lázaro, e em 1896 disseminaram-se pelos bairros chinas: ora sendo em geral os rendimentos dos prédios das três primeiras freguesias, pela natureza da construção e pela sua situação, superior ao dos prédios da freguesia de S. Lázaro e dos bairros, a dispersão encontra natural explicação no presente estado financeiro dos filhos desta terra, como também a este estado se pode atribuir a sucessiva diminuição d´esta parte da comunidade portugueza, e, como consequência, a sua emigração»” (3)

EXP. Plantas de Edifícios Históricos Igreja N.S.CarmoMarcador: Igreja de Nossa Senhora do Carmo

“A construção desta igreja foi proposta em 1882 e concluído em 1885, sob o motivo de promover a missão católica junto dos três mil habitantes da Taipa”

EXP. Plantas de Edifícios Históricos Igreja N.S.Carmo versoNOTA: “Dado o constante aumento da população que se entregava à pesca, construiu-se em 1876 na Taipa para atender às suas necessidades espirituais uma ermida  e com tão bom sucesso que em breve foi necessário um edifício mais vasto, levantando-se em 1883 uma igreja; a actual igreja dedicada a Nossa Senhora do Carmo foi levantada em 1885, ficando ali como pároco o P. José V. da Costa, antigo missionário e superior de Hainan”. (4)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/02/17/marcadores-de-livro-i-exposicao-de-plantas-de-edificios-historicos/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/02/28/marcadores-de-livro-ii-exposicao-de-plantas-de-edificios-historicos/
(3) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I.
(4) TEIXEIRA, P. Manuel – Macau e a sua Diocese I, 1940