Archives for posts with tag: 1852

“A Praia Grande” s/ d 1825-1852
George Chinnery (em Macau de 1825-1852)
A baía da Praia Grande com o Fortim de S. Pedro à direita e ao longe, a colina da Penha com a ermida.
“A Praia Grande vista do norte c. 1830
Litografia dum quadro de George Chinnery (em Macau de 1825-1852)
A baía da Praia Grande vista do norte, com o Fortim de S. Pedro à direita e ao longe, a colina da Penha com a ermida.
“A Praia Grande vista do sul” c. 1830
Litografia dum quadro de George Chinnery (em Macau de 1825-1852)
A baía da Praia Grande vista a sul, com o Forte do Monte (ao longe a esquerda), a Igreja e a fortaleza de S. Francisco (à direita)

NOTA: George Chinnery (1774-1852) – nasceu em 1774 em Tipperay, Londres, e faleceu em Macau em 1852. Célebre como pintor de retratos, viveu cerca de 50 anos na Ásia -Índia e Macau (1825-1852). Trabalhou em redor da região do rio da Pérola entre Macau e Cantão (Guangzhou). Até morrer manteve um atelier com muitos aprendizes. Foi mestre do grande retratista chinês Lam Qua. (1) A maior parte dos seus trabalhos eram encomendas destinadas a satisfazer ricos comerciantes. .Foi em Macau que executou um grande número de esboços, desenhos e aguarelas relativos à paisagem e vida quotidiana naquele território.
Anteriores referências:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/george-chinnery/
Quadros/desenhos com este tema “Praia Grande” do pintor George Chinnery já postados anteriormente:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/11/25/noticia-25-de-novembro-de-1974-1-o-dia-de-circulacao-bi-centenario-do-nascimento-de-george-chinnery-1774-1974/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/11/25/noticia-25-de-novembro-de-1974-1-o-dia-de-circulacao-bi-centenario-do-nascimento-de-george-chinnery-1774-1974/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/01/03/noticia-de-2-de-janeiro-de-1851-translada-cao-dos-restos-mortais-do-conselhei-ro-amaral/
(1) Sobre Lam Qua-林官; (1801-c. 1860) (Guan Qiaochang ou Kwan Kiu Cheong 關 喬 昌),ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/lam-qua-%E6%9E%97%E5%AE%98-guan-qiaochang-1801-c-1860/

Portaria n.º 103, de 15 de Novembro de 1952, publicado no BGPMTS (1) sobre a classificação das embarcações miúdas que faziam o serviço do mar, tanto no Rio de Macau , como na Praia Grande, bem como ao pagamento das licenças a partir de 1 de Janeiro de 1853.
(1) Extraído de «BGPMTS», VII – 17 de 7 de Dezembro de 1852.

Publicação no «BGPMTS» (VII-15 de 11 de Outubro de 1852) do plano para distribuição da Força do Batalhão Provisório de Macau nos casos de incendio ou rebate,

08-07-1859 – Os vapores “Fernandes“(“Shamrock” ?) (1) e “Invejado”, sob o comando do Comandante do Quartel de Força de Polícia (2) major Bernardino Sena Fernandes, (3) largaram para Colan, para resgatarem um junco mercante, o que conseguiram, após grande resistência, por parte dos piratas, travando-se vivo tiroteio, no sítio defronte de Coulan, chamado Ho-Pan” (4 )
(1) “PIRATES – From Macao we hear that the Portuguese steamers Shamrock and Invejado, destroyed four piratical junki. It is reported by the Portuguese, that a British ship, supposed to be the Jeremiah Garntlt, has been taken outside of Macao by pirates.” (Daily Alta Califórnia, Vol. XI, n.º 217, 7 August 1859)
https://cdnc.ucr.edu/cgi-bin/cdnc?a=d&d=DAC18590807.2.7

SHAMROCK

“The steamship, the “Shamrock,” 294 gross tons, 201 net. Lbd: 147’5″ x 19’4″ x 11’9″was iron paddle steamer, 3 masts, schooner rigged. Built 1841 by Bush and Beddoe at Bristol, England. Arriving Sydney 15 October 1841 under Captain George Gilmore and commenced regular coastal services from October 28th 1841. As a passenger-cargo vessel, she worked the Sydney – Morpeth trade, and in February 1842 she opened the trade to the fledgling ‘Moreton Bay’ area. 1943 saw her moved to the Sydney – Melbourne where she became most familiar. She also completed runs to Launceston and smaller ports along the New South Wales coast as Twofold Bay and Eden. In December 1857 sent to Shanghai and sold to Chinese interests. Lost in the China Sea, 23rd March 1860.”
https://www.flotilla-australia.com/hrsn.htm
(2) Por Portaria Régia de 3 de Março de 1841, foi aprovado o Regulamento Policial da Cidade e Porto de Macau. A partir daí, criou-se um departamento da polícia, composta por cidadãos que foram dispensados do “Batalhão Provisório”. O negociante chinês Aiong-Pong no intuito de proteger as suas propriedades que tinha no mercado, particularmente recrutou em 1857 europeus, formando uma pequena guarda com 50 homens.
Bernardino de Senna Fernandes e alguns chineses principais uniram-se para aumentar essa guarda, para um efectivo de 100 homens de maneira a poder vigiar e guardar também os seus bens, guarda esta, intitulada Guarda de Polícia do Bazar, que foi reconhecida pelo governo com a publicação da Portaria de 14 de Outubro de 1857. Bernardino Senna Fernandes, negociante rico da praça de Macau que armou a Guarda da Polícia à sua custa, com o armamento mandado vir propositadamente da Inglaterra, foi nomeado Comandante desta guarda, com honras de Capitão. E mais tarde, foi-lhe concedido honras de Major, por ministérios da Marinha e Ultramar e Major honorário em 18-07-1861.
Também havia uma Polícia do Bazar, criado a 29 de Setembro de 1857, um grupo civil sustentado por subscrição dos chineses interessados (4)
(3) Bernardino de Senna Fernandes nascido a 20 de Maio de 1815 e falecido em 2 de Maio de 1893, foi comandante da Guarda da Polícia, (1857- 1865) superintendente da Emigração Chinesa, inspector de Incêndios (1866-1872) presidente da Comissão Administrativa da Santa Casa da Misericórdia e sócio fundador da Associação Promotora da Instrução dos Macaenses) (APIM). Foi distinguido com os títulos de Barão em 31-01-1889, de Visconde (18-04-1890) e de conde, em duas vidas (31-03-1893). Negociante da praça de Macau rico, um dos 40 maiores contribuintes de Macau durante vários anos.
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/bernardino-de-senna-fernandes/
(4) GOMES, L.G.- Efemérides da História de Macau, 1954.

Celebra-se, hoje, quinta-feira, o dia do Corpo de Deus, feriado nacional religioso em Portugal.
Aqui relembro a Procissão do Corpo de Deus realizado no dia 10 de Junho de 1852, cujo programa foi publicado no Boletim de Macau (1)
(1)  «BGPMTS» VII- 12 de 3 de Junho de 1852, pp.45-46
NOTA: as duas fotos foram tiradas hoje, em Castelo de Paiva, antes da Procissão do Corpo de Deus. O percurso estava “atapetado” por pétalas de flores formando desenhos.

Uma nota inserida no «The Canton Register», Vol 8, DEC 8th, 1835, n-º 49, p. 195, (assinada com o nome de “Cícero”), acerca dos pintores chineses da escola de Lam Qua.
Lam Qua 林官  (1), foi um pintor chinês da província de Cantão, que com os seus retratos de estilo ocidental (muitos são retratos de mercadores estrangeiros e chineses de Cantão e Macau) criou uma “ fábrica /escola” de desenho e pinturas (onde se fazia também cópias de pinturas e depois quadros a partir de fotografia) na sua oficina em Cantão (na zona dos grandes armazéns estrangeiros) grande parte destinados a clientes ocidentais.
Foi o primeiro pintor chinês a ter uma exposição dos seus quadros no Ocidente

“View of Foreign Factories, Canton, 1825–1835” atribuído a Lam Qua
Lam Qua trabalhando num estúdio em Hong Kong c. 1850
Fotografia de John Thomson (2) (3)

Auto-retrato de Lam Qua cerca de 1840

 

Embora sempre referenciado como discípulo em 1820 de George Chinnery, (4) este terá negado que fosse um seu aluno. Chinnery ensinou muitos estudantes chineses e provavelmente por intermédio destes e dos próprios quadros de Chinnery, exerceram uma grande influência na pintura de estilo ocidental de Lam Qua.
Lam Qua é também conhecido por ter colaborado com o médico Peter Parker, (5) pintando os retratos dos doentes com patologia pré operatória, a maioria com  tumores  e deformidades (3)

 

Auto-retrato de Lam Qua c.1853-1854

 

Um dos quadros atribuídos a Lam Qua é o retrato do macaense Miguel António de Cortela
Miguel António Cortela, (1783 – 1844), 5.º filho de Inácio Baptista Cortela de Sousa e Albuquerque e de Mariana da Silva Faria, casou em casa, em 8 de Abril de 1829, com Ana Maria dos Remédios, (fal. a 1860) que corria perigo de vida , sendo ela viúva de Eduardo Organ e filha de  António Bernardino dos Remédios e de Maria Rita dos Remédios. Tendo-se ela restabelecido, receberam ambos as bênçãos nupciais em 12 de Novembro de 1829.
Miguel sucedeu a seu pai, cerca de 1820, nos cargos de Depositário Geral dos Cofres de Macau e tesoureiro dos Defuntos e Ausentes. Foi proprietário da barca «Tranquilidade» que naufragou na viagem de Macau para Solor em 1843 com 48 homens a bordo, que todos se salvaram. Tinha 1 das 82 acções da «Casa de Seguros» de Macau fundada em 1810
TEIXEIRA, P. Manuel – Galeria dos Macaenses Ilustres do Século XIX, 1942.
FORJAZ, Jorge – Família Macaenses, I Volume
(1) Guan Qiaochang (1801 – c.1860) (Lam Qua 林官; ou Kwan Kiu Cheong 關 喬 昌), é neto do famoso artista de Cantão, Spoilum (Guan Zuolin, activo entre 785 and 1810) e filho de Lamqua (com o mesmo nome) que terá herdado o estúdio familiar de pinturas. Com a colaboração de muitos dos seus alunos, produzia-se um grande número de quadros de pintura para exportação. Seu irmão Tinqua (Guan Lianchang- ca. 1809-1870) refinou o método de trabalho com produção em massa dos quadros quer a óleo quer de aguarelas.
https://visualizingcultures.mit.edu/rise_fall_canton_01/cw_essay04.html
林官 mandarim pīnyīn: lín guān; cantonense jyutping: lam4 gun1
(2) Sobre este fotógrafo, ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/john-thomson/
(3) https://en.wikipedia.org/wiki/Lam_Qua
(4) George Chinnery (1774 – 1852) que deixou a Inglaterra aos 28 anos de idade em 1802, e passou 23 anos na Índia e depois 27 na China, chegou a Macau em 1825 tendo aí falecido em 1852.
Ver anteriores referências em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/george-chinnery/
(5) De 1836 a 1855, Lam Qua produziu uma série de quadros de pacientes em tratamento com Peter Parker, médico missionário dos Estados Unidos. Parker que estabeleceu o primeiro hospital americano Guangzhou em 1835, introduzindo técnicas cirúrgicas novas (introdução de anestesia) como amputações e cirurgias reconstrutivas, contratou Lam Qua para pintar os retratos pré-operatórios dos pacientes que tiveram tumores grandes ou outras grandes deformidades. Algumas das pinturas agora fazem parte de uma coleção do trabalho de Lam Qua, realizado pela Universidade de Yale, na Coleção Peter Parker, na Biblioteca Médica Harvey Cushing / John Hay Whitney; outras estão no Museu Gordon, no Guy’s Hospital, em Londres.
http://whitney.med.yale.edu/gsdl/collect/ppdcdot/
https://library.medicine.yale.edu/find/peter-parker 
NOTA: Outro quadro de Lam Qua,de 1843, é : “A Praia Grande vista da varanda, residência do mercador Nathan Kinsman, já postado em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/02/23/noticia-de-23-de-fevereiro-de-1837-tomada-de-posse-do-governador-adriao-silveira-pinto/

O cemitério de S. Miguel foi inaugurado no Dia de Finados, a 2 de Novembro de 1854. Anteriormente a esta data, os mortos eram sepultados no cemitério de S. Paulo. Como este estivesse muito arruinado e as paredes ameaçassem desmoronar-se, em 14 de Outubro de 1852, o governador Isidoro Francisco Guimarães por portaria, ordenou um empréstimo sem juros, por subscrição pública (que chegou a 720 patacas oferecidas por nove cidadãos, concorrendo o governo com 230 patacas) para construção dum novo cemitério a ser construído fora da porta da cidade.
O sítio escolhido foi num pequeno outeiro, o actual Cemitério de S. Miguel.
Excerto do relatório do Padre Francisco Anacleto da Silva, administrador do cemitério de S. Miguel, (1) nomeado presidente duma comissão em 1867, pelo governador José Maria da Ponte e Horta, para avaliar o estado do cemitério de S. Miguel e propor os melhoramentos necessários.
“Antigamente se enterrava nas igrejas e os rendimentos ficavam para a fabrica das mesmas, porem por decreto de 21 de setembro de 1835 foi prohibido esses enterramentos, e mandou se estabelecer cemitérios muralhados em todas as povoações e fora dos limites dellas, passando a sua administração ao municipio.
Em Macau, ao que parece, foi em 1836 que se observou esse decreto aproveitando-se para esse fim, as ruínas da igreja de S. Paulo, incendiada em 1835. Este cemitério foi construído pela Santa Casa de Misericordia, e depois reclamado pela autoridade ecclesiastica, indemnizando-a das despezas que nelle fizeram…” (2)
Do mesmo relatório, na conclusão, a Comissão propunha o seguinte:
A capela de maiores dimensões e com melhor ventilação”, proposta pela comissão só foi construída e inaugurada em 5 de Junho de 1875 pelo Governador do Bispado António Luís de Carvalho tendo a planta desse edifício sido desenhada pelo Barão do Cercal. (3)

A capela do cemitério de S. Miguel Arcanjo, um dos poucos edifícios de Macau em estilo manuelino, no ano de 1956 (4)

(1) A Administração do Cemitério de S. Miguel Arcanjo até 27 de Novembro de 1868 estava a cargo da Diocese; a partir desta data, a administração e a manutenção do cemitério foi transferida para o Leal Senado.
(2) «Boletim do Governo de Macau e Timor», Vol. XIV, n.º 14 de 6 de Abril de 1868.
(3) Ver anterior postagem em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/06/05/noticia-de-5-de-junho-de-1875-inaugura-cao-da-capela-do-cemiterio-s-miguel/
(4) «MBI» IV-79, 15NOV1956.

Faleceu a 14 de Julho de 1870, dum ataque repentino que o privou dos sentidos, o padre Jorge António Lopes da Silva, nascido em Macau, em 8 de Maio de 1817. Foi muito estimado por toda a população, tendo recebido, em Manila, aos 24 anos de idade a sagrada ordem de presbítero. Na volta a Macau, regeu a cadeira de Português, no Colégio de S. José e abriu, em sua casa, uma escola, donde saíram alguns padres e muitos guarda-livros. Foi depois convidado, pela Câmara Municipal para exercer a cadeira de professor de liceu, que fora então aberto, em Macau (1)
Não foi professor de liceu pois não havia ainda liceu em Macau. O Senado de Macau convidou a 14 de Abril de 1847 o Padre Jorge António Lopes da Silva para ser um dos primeiros mestres da futura Escola Principal de Instrução Primária. (2) O Padre respondeu a 27 do mesmo mês que aceitava ser um dos mestres das primeiras letras com o ordenado de 350 patacas anuais, pondo no entanto as seguintes condições: 1) levar consigo os meninos que estudavam em sua casa; 2) os requerimentos para admissão deveriam ser dirigidos não a ele, mas ao Senado; 3) que se alterasse o horário de inverno, pois o tempo do meio-dia às 2 horas lhe parecia curto para descanso de professores e alunos”, O Senado concordou e o Padre Jorge foi nomeado director e mestre da Escola Principal de Instrução Primária que foi inaugurada a 16 de Junho de 1847. A Escola ficou instalada em metade das casas do Recolhimento de S. Rosa de Lima. (3) (4)
A 14 de Junho de 1847, dois pretendentes oficiaram ao Senado: José Vicente Pereira oferecendo-se para mestre de inglês e francês dessa escola e John Hamilton pedindo-lhe um lugar de professor; a 22 de Novembro de 1847, o Senado comunicou ao Padre Jorge a nomeação de José Pereira e perguntando-lhe se carecia de mais outro professor. A Escola compreendia 3 cadeiras: uma de ensino primário, a cargo de Joaquim Gil Pereira, outra de português a cargo do Padre Jorge Lopes da Silva e outra de inglês e francês a cargo de José Vicente Pereira (3)
Apesar do seu limitado pessoal chegou a ter mais de 300 alunos.
Em fim de 1853, o Padre Jorge António Lopes da Silva pediu a demissão de director e mestre da escola. (5) Para a direcção da Escola foi nomeado o Padre Vitorino José de Sousa Almeida (6) que ficou só um ano pois o Senado teve de o despedir, ou por ter achado nele inaptidão ou por sua severidade pois que no cabo de um ano, estava deserta a aula das línguas portuguesas e latina.

Planta da Colónia Portuguesa de Macau
1870
Desenhada  por M. Azevedo Coutinho (7)

(1) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954
(2) A 27 de Janeiro de 1847, o Senado de Macau oficiou a José Vicente Jorge, Francisco António Pereira da Silveira, Francisco João Marques e Padre António José Victor, comunicando-lhes que haviam sido nomeados para fazer parte duma comissão a fim de elaborar um plano de educação para a mocidade deste estabelecimento. A Escola Principal de Instrução Primária foi fundada pelo Senado de Macau por meio de uma subscrição pública. O  Senado comunicou a João Maria Ferreira do Amaral, governador de Macau entre 1846 e 1849, a 17 de Fevereiro de 1847 que
deliberou com os eleitos das freguesias  solicitar dentre os moradores abastados desta Cidade
Huma subscrição, cujo produto incorporado ao Capital agora existente de $ 5 000 (doado pelo inglês James Matheson feita a Adrião Acácio da Silveira Pinto, governador de Macau de 1837 a 1843), constitua hum fundo capaz de produzir hum rendimento, que junto  ao que este Senado agora despende com a sua escola de primeiras letras seja sufficiente para cubrir as despezas de huma Escola Principal de Instrução Primária: e na qual … se ensine também as línguas Ingleza e Franceza, cujo conhecimento he hoje reconhecidamente de suma utilidade, senão indispensável neste pais”. (3)
(3) TEIXEIRA, Padre Manuel – A Educação em Macau, 1982
(4) Em Abril de 1849, a escola foi transferida para o Convento de S. Francisco; mas a 28 do mesmo ano, o Conselho de Governo comunicou ao Senado que, tendo de aquartelar nesse convento a força auxiliar vinda de Goa, a escola devia ser mudada para outro lugar; regressou então ao Recolhimento. (3)
(5) Segundo artigo publicado no «Echo do Povo» n.º 68 de 15-07-1960, o Padre Jorge Lopes da Silva rdeixou a direcção que ocupava porque obrigaram-no a aceitar o vicariato de S. Lourenço. Foi portanto, nomeado pároco de S. Lourenço e a 5 de Fevereiro de 1866, foi nomeado Governador do Bispado. O Padre Jorge Lopes da Silva foi nomeado em 1867 presidente duma comissão encarregada de estudar as necessidades da Santa Casa de Misericórdia, nomeadamente do recolhimento das raparigas abandonas à porta da Santa Casa, que levou posteriormente ao decreto do Governador José Maria da Ponte e Horta à abolição da Roda dos Expostos da Santa Casa, a 2 de Fevereiro de 1867.
(6) Padre Vitorino José de Sousa Almeida chegou a Macau a 2 de Janeiro de 1832 no Novo Paquete. Foi pároco de S. Lourenço de 1842 a 1852. (3)
(7) Ver referência a este Capitão em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/08/22/noticia-de-agosto-de-1952-clube-militar/

 Em 31 de Maio de 1832, iniciou-se a publicação periódica, em Cantão (Guangzhou), da excelente revista «The Chinese Repository», contendo valiosos estudos sobre os assuntos chineses, entre outros, sendo editor o missionário protestante (norte-americano) Dr. Elijah Coleman Bridgman (1) (até 1847 quando deixou Shanghai, no entanto continuou a ser colaborador, com os seus artigos). Sucedeu-lhe como editor James Granger Bridgman até Setembro de 1848, data em que Samuel Wells Williams passou a ser editor. A colecção desta revista constitui um valioso repositório de artigos sobre a história, literatura e costumes chineses O último número data de Agosto de 1852. Entre os anos de 1842 e 1844 (volumes XI e XII), a revista foi editada em Macau, com excepção do número correspondente a Dezembro de 1844, por esta revista ter passado a ser impressa em Hong Kong. Depois de Hong Kong, passou novamente a ser impresso em Cantão. Ao todo com XX volumes, o «The Chinese Repository» foi uma das primeiras revistas publicadas por estrangeiros, na China e considerado o primeiro maior jornal de Sinologia.
Era mais dirigido aos missionários protestantes que trabalhavam na China elucidando-os da história e cultura chineses, assuntos correntes e documentação de relevo para os seus trabalhos. Foi reimpressa por Maruzen Co Ltd., em Tóquio (2)
(1) Elijah Coleman Bridgman (1801-1861) foi o primeiro missionário americano na China tendo chegado a Cantão em 19 de Fevereiro de 1830 (aí recebido por Robert Morrison). Foi autor da primeira história dos Estados Unidos em língua chinesa. Foi o intérprete/tradutor do primeiro tratado entre os Estados Unidos e o Governo chinês na Dinastia Qing.
https://en.wikipedia.org/wiki/Elijah_Coleman_Bridgman

(2) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.

https://en.wikipedia.org/wiki/The_Chinese_Repository

https://ia801407.us.archive.org/28/items/chinesereposito10unkngoog/chinesereposito10unkngoog/ 

Logo no primeiro volume (Volume I – de Maio de 1832 a Abril de 1833) contém várias referências a Macau:
Macao settlement ……………………………………………………….400
Macao, actual state of its commerce, public buildings & c … 403
Macao,   population of, &c………………………………………….. 404
Portuguese in Siam ………………………………………………………22
Portuguese in China …………………………………………………….398
Spanish trade at Macao ………………………………………………….403
St. Joseph´s college, at Macao ………………………………………… 406
Xavier, Francis ……………………………………………………265, 427
Review of an historical sketch of Portuguese……………….398, 425
Poderá consultar os XX volumes em
http://fig.lib.harvard.edu/fig/?bib=000129070
https://ia801407.us.archive.org/28/items/chinesereposito10unkngoog/chinesereposito10unkngoog/

Para ilustrar os locais de interesse turístico de Macau, no folheto turístico de 1928 (1) o autor apresenta a fotografia do túmulo do Dr. Robert Morrison (2) no antigo cemitério dos protestantes, (3) com a seguinte nota:
a-vistors-handbook-to-romantic-macao-protestant-cemeteryTHE PROTESTANT CEMETERY – There are two Protestant Cemeteries in Macao. One is situated opposite Montanha Russa, on the way to Porta do Cerco, the other is close to Camoens´s Gradens. In this latter cemetery are interred, amongst others, the remains of:
GEORGE CHINNERY – Celebrated painter, whose pictures hang in the National Gallery , London – 1852.
Lord HENRY JOHN SPENCER CHURCHILL, R. N. – Commander of H. M. S. Druid – 1836.
EDMUND ROBERTS – U. S. A. Diplomatic Agent who concluded various friendly and comercial treaties for his country – 1843.
SIR HUMPHREY S. FLEMING SENHOUSE – Commander of the Brotish feleets in the China Seas – 1841.
The tiny chapel in the grounds is the Protestant place of Sunday worship and was recently built to replace na older one which had fallen into ruin.”
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/01/24/leitura-folheto-turistico-de-1928-a-visitors-handbook-to-romantic-macao/
(2) Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/robert-morrison/