Archives for posts with tag: 1839

A “Gazeta de Macau” (2.ª fase) (1) que se iniciou em 17-01-1839 terminou a 29-08-1839 (2) após a publicação do nº 32. Era um semanário impresso na Tipografia Macaense e tonha como redactor Manuel Maria Dias Pegado. (3)
No início da publicação apresentava-se como jornal oficial, (após a suspensão da publicação do «Boletim do Governo da Província de Macau, Timor, e Solor»), (4) passando depois a jornal de oposição, lutando pela liberdade de imprensa. Foi sujeito à censura.
Alguns “Avizos” curiosos/interessantes, extraídos deste semanário
(1) “Gazeta de Macau” (1.ª fase) foi publicada de 03-01-1824 a 30-12-1826 tendo saído 52 números. O redactor era António José da Rocha mas segundo algumas fontes, o redactor verdadeiro era um frade agostiniano.
(2) “29-08-1839 – Terminou, após 32 números, a publicação do semanário «Gazeta de Macau», editado por Manuel Maria Dias Pegado, irmão do célebre deputado e lente da Universidade de Coimbra e da Escola Politécnica, o doutor Guilherme José António Dias Pegado.” (GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954)
(3) Manuel Maria Dias Pegado (1805 – ? ) fundou três jornais em Macau: o semanário «Gazeta de Macao» cujo primeiro número saiu a 17 de Janeiro de 1839 e terminou a 29 de Agosto de 1839, após 32 números; «O Portuguez na China» em 2-09-1839 (durou até até 04-05-1843); o «Procurador dos Macaistas» em 06-03-1844 (até 22-09-1845).
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/manuel-maria-dias-pegado/
(4) “09-01-1839 – Suspendeu-se a publicação do Boletim do Governo da Província de Macau, Timor e Solor, que era impresso, na Tipografia Macaense, oficina de S. Wells Williams, após cinco números, reaparecendo só no ano seguinte, com o mesmo título a 08-01-1840. (GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954)

183912-09-1839- Em consequência da guerra entre a China e a Inglaterra, um navio mercante espanhol, o brigue mercante espanhol Bilbaino foi queimado pelos chineses no porto da Taipa por mandado do comissário imperial chinês Lin, que julgava ser esse navio inglês. O segundo piloto, encontrado a bordo, foi dali levado pelos chinas para Cantão, onde o expuseram de canga ao pescoço. O Senado de Macau publicou por essa ocasião um edital, ordenando uma ronda armada no Porto Exterior e na Taipa, e ao mesmo tempo proibindo a aproximação de navios com ópio. (TEIXEIRA, Padre Manuel – Taipa e Coloane, pp 1-2.)

PEREIRA, A. Marques – Ephemerides Commemorativas da história de Macau e das relações com a China, 1865.

Em 7 de Dezembro de 1836, o Governo Português, pela pasta de Marinha e Ultramar, decretou que nas províncias ultramarinas se imprimisse um Boletim, cuja redacção ficasse a cargo do secretário do governo. Dois anos mais tarde, cumpria-se em Macau esta determinação, aparecendo em 5 de Setembro de 1838 o Boletim do Governo da Província de Macau, Timor e Solor, sendo impresso na Tipografia Macaense, oficina do Dr. Samuel Wells Williams (1). Segundo o mesmo Decreto de 7 de Dezembro de 1836, art. 13.º, o Boletim destinava-se ao aparecimento das ordens, peças oficiais e de tudo o mais que fosse de interesse público; a portaria circular de 14 de Fevereiro de 1855 determinava que nesse se publicassem os documentos mais importantes existentes nos respectivos arquivos. (2) Suspendeu-se a publicação após cinco números, reaparecendo no ano seguinte em 8 de Janeiro de 1840, e continuando (com algumas interrupções) até hoje, assumindo posteriormente diversos outros nomes similares:
O Boletim do Governo da Província de Macau, Timor e Solor (5 de Setembro de 1838);
Boletim do Governo de Macau;
Boletim do Governo da Província de Macau e Timor;
Boletim do Governo de Macau e Timor;
Boletim da Província de Macau e Timor;
Boletim Oficial do Governo da Província de Macau e Timor;
Boletim Oficial do Governo da Província de Macau (2 de Janeiro de 1897)
Boletim Oficial da Colónia de Macau (7 de Janeiro de 1928)
Boletim Oficial de Macau. (7 de Julho de 1951)
(1) Esta tipografia pertencia ao Dr. Samuel Wells Williams, mas figurava como gerente Manuel Maria Dias Pegado para cumprir as formalidades da lei.
O Dr. Samuel Wells Williams (1812-1884) missionário protestante, linguista e sinologista americano (autor de livros e dicionários inglês- chinês e chinês-inglês e um dos primeiros dedicados ao dialecto cantonense em 1856; primeiro professor nos Estados Unidos da literatura e língua chinesa em 1877) (3)  foi editor de 1848 a 1851, da excelente revista «Chinese Repository» que principiou a publicar-se em Cantão e depois de 1842 até 1844, a revista (volumes XI e XII) foi editada em Macau, com excepção do número correspondente a Dezembro de 1844, por esta revista ter passado a ser impressa em Hong Kong. (4)
Manuel Maria Dias Pegado (1805 – ? ) fundou três jornais em Macau: o semanário «Gazeta de Macao» cujo primeiro número saiu a 17 de Janeiro de 1839 e terminou a 29 de Agosto de 1839, após 32 números; «O Portuguez na China» em 2-09-1839 (durou até 04-05-1843); o «Procurador dos Macaistas» em 06-03-1844 (até 22-09-1845) . É irmão de Guilherme José António Dias Pegado, (1803-1885) professor de Matemática na  Universidade de Coimbra, professor de Física da Escola Politécnica e deputado às Cortes em sucessivas legislatura a começar em 1834,  pelo círculo de Macau)
(2) Retirado de «Breve História do Boletim Oficial» em:
http://bo.io.gov.mo/galeria/pt/histio/boletim.asp
(3) Dois dos livros publicados em Macau
WIILIAMS, S. Wells – Easy lessons in Chinese: or progressive exercises to facilitate the study of that language specially adapted to the Canton Dialect . Macau, printed at the office of The Chinese Repository, 1842, 282 p.
Disponível para leitura em
https://books.google.pt/books?id=djnPbjYGHFIC&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false
WIILIAMS, S. Wells – An English and Chinese Vocabulary in the Court Dialect.  Macau, printed at the office of The Chinese Repository, 1844, 440 p.
Disponível para leitura em:
https://books.google.pt/books?id=RQOSGIumLUQC&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false
(4) Ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/the-chinese-repository/

james-b-sword-1839-1915-winter-afternoon-1874A Winter’s Afternoon, 1874
JAMES BRADE SWORD (1839 – 1915)
Oil on canvas

Neste dia, 11 de Outubro de 1839 nasceu em Filadélfia (E. U. A.) o pintor americano James Brade Sword (1839-1915) (1).
Qual a sua ligação com Macau ? Simplesmente porque entre 1840 e 1849, passou a sua infância com a família em Macau. O pai, John D. Sword, era um comerciante de chá e seda em Cantão, com residência em Macau. (2)
(1) “James Brade Sword was born in Philadelphia, Pennsylvania on October 11, 1839.-1915) Born into a merchant family, Sword spent much of his childhood in Macao, China, from about 1840 to 1849.
He returned to the United States to attend Central High School in Philadelphia graduating in 1855. After graduating, he began work as a civil engineer, took up civil engineering on the enlargement of the Union Canal from Lebanon to Beading, After completion of the canal was connected with the United States Coast Survey in 1857, and served on the steamer Walker in the making of the survey of Atchafalaya Bay. After his return in 1858 was engaged in building the railroad tunnel through Broad Mountain to the Mahanoy Valley.
Sword always sketched as a child and in about 1863 decided to focus his energy on painting. He took up studies at the Pennsylvania Academy of Fine Arts under William Trost Richards. He was also a student of George Washington Nicholson and the influences of both painters can often be seen in Sword’s works. Sword is known for his landscape, portrait, and genre paintings and often depicts outdoor sports and children in his works. Sword was a prominent figure in Philadelphia art circles and was a founder of the Art Club of Philadelphia. He also served as president of the Philadelphia Society of Artists and the Artists’ Fund Society. Sword won various awards over the course of his career and his works have been exhibited at prominent institutions such as the Brooklyn Art Academy and the National Academy in New York. He died on November 30, 1915.”  (1) (3)
O quadro que apresento, retirado de (4):
A Winter’s Afternoon is a typical example of Sword’s landscape style and his interest in depicting snippets of everyday life. Sword’s use of delicate brush strokes and a keen attention to atmosphere are combined in this scene with images of children playing and a horse and carriage in action. These elements demonstrate Sword’s penchant for complex scenes and A Winter’s Afternoon is executed in a similar manner to Sword’s other winter landscapes. Sword commonly traveled to and painted scenes of the mid-Atlantic, New England, and the Adirondacks and though it is unclear where exactly A Winter’s Afternoon was painted, this painting is most likely of the Northeastern United States.” (1)
(1) http://www.hawthornefineart.com/data/web/info_sheets/SWORD_JAMES_BRADE_Winter_s_Afternoon.pdf
(2) “The Sword family was a merchant family of Philadelphia and New Castle, Del., prominent in the China trade. John D. Sword was a supercargo to the West Indies, South America, and China. Mary Sword accompanied him to South America, 1837-1838, and to China, 1841-1845, where she lived at Macao while he did business at Canton.” (http://www2.hsp.org/collections/manuscripts/1800.htm)
(3) https://archive.org/stream/worksofartinunit00fair/worksofartinunit00fair_djvu.txt
(4) http://www.artnet.com/artists/james-brade-sword/a-winters-afternoon-jWQLIAVAuv2RcPakgcWyag2
Vários quadros deste artista poderão ser observados em
https://americangallery.wordpress.com/2012/10/05/james-brade-sword-1839-1915/
https://br.pinterest.com/tamalyn_gerbich/james-brade-sword/

Gravura de B. Bradshaw dum desenho de Auguste Borget (1)  incluída na colecção de cinco quadros de “19TH CENTURY MACAU PRINTS” (2),

Auguste Borget 1830 Fachada do Templo de A-MAFacade of A-Ma Temple
Macau, circa 1835
From skecht by Auguste Borget, engraved by B. Bradshaw

Auguste Borget 1808-1877(1) Auguste Borget (1808-1877), pintor francês, conhecido pelos seus esboços e aguarelas da China sobretudo depois da publicação do famoso livro “Sketches of China and the Chinese / from drawings by Auguste Borget, Includes extracts from letters by the artist. London : Tilt and Bogue ; Paris : Goupil and Vibert, 1842″. (3)
Um outro livro “La Chine ouverte“, publicado em 1845, contém ilustrações com xilogravuras excelentes.
Em 1936 viajou do Norte ao Sul da América e depois Honolulu. Embarca em 1838 a bordo do navio “Psyche” numa volta ao mundo que durou quatro anos. Em Setembro de 1838 estava em Cantão e esteve por lá durante 10 meses. Terá encontrado em Cantão, George Chinnery.
Amigo de Balzac, que lhe dedicou o romance : “La Messe de l’Athée“.
Escreve  Balzac num artigo de 1842:
«Borget pourrait être le Jacquemont de la Chine. Ce ne serait pas une faute au gouvernement français que de lui confier la mission d’aller y achever son œuvre (…) Il a dans le style un peu de cette douce malice qui assaisonne le récit et le fait digérer»
https://fr.wikipedia.org/wiki/Auguste_Borget
Segundo catálogo “Carnet de voyage Auguste Borget“, que esboça o itinerário do pintor pelos seus desenhos e escritos, a estadia em Macau (seguindo os desenhos datados) foi nos seguintes períodos:

1938:    3 de Julho e 11 de Julho
“3 juillet : Maison européenne Macao
11 juillet : Macao”
12 de Julho partida para Cantão /Hong Kong) até 3 de Setembro
“3 septembre : Macao, la ville
Macao, Mère portant son enfant
6 septembre : Porte du grand temple à Macao”
               9 de Setembro:  estava em Cantão até Outubro
“21 octobre : En route vers Macao
24 octobre : Macao
6 novembre : Porte du grand temple à Macao
21 novembre : Entrée d’une rue par la place……Macao
22 novembre : Macao. Habitations de pécheurs.
7 décembre : Embarcadère. Bateaux de Tanka.”
1839:     “1er janvier : Macao
4 janvier : Macao
10 janvier : Macao
14 janvier : Macao – Au Lapa en face du grand temple
24 janvier : Au Lapa en face du grand temple près de Macao
20 février : Chiffonnier chinois
22 février : Macao
29 février : Marchand de fruits et restaurant à Macao, port Intérieur (erro da datação do desenho pois 1839 não foi ano bissexto)
Março e Abril em Hong Kong ?  – “22 avril : Baie de Kowloon”
Maio em Macau
“2 mai : Macao
9 mai : Macao
12 mai : Macao
21 mai : Macao
22 mai : Camp chinois près de la porte barrière de Macao.
20 juin : Macao”

Em 27 de Julho de 1839 estava em Manila seguindo depois para  Singapura e Calcutá. Em 1840 estava na Índia voltando a Paris  no Verão desse ano.
En 1842 Auguste Borget dédie à Louis Philippe un recueil de lithographies intitulé La Chine et les Chinois avec 26 pages de texte e 32 planches lithographiées à deux teintes, que suivra en 1845 un second album, Fragments d’un voyage autour du monde.
En 1845 il illustre de 215 vignettes La Chine ouverte de Émile Daurand-Forgues et produit de nombreux récits illustrés de son voyage dans L’Art en province. Ildonne également beaucoup de ses dessins aux revues L’Illustration et Le Chrétien illustré.”
http://mediatheque.ville-chateauroux.fr/medias/medias.aspx?INSTANCE=EXPLOITATION&PORTAL_ID=portal_model_instance__portrait___auguste_borget.xml
Outro desenho relacionado com o  templo da Barra, do mesmo autor:

Auguste Borget A Market in MacaoA Market in Macao
(oil on canvas), Borget, Auguste
Musee du Berry, Bourges, France / Giraudon / The Bridgeman Art Library

(1) Anterior referência a Auguste Borget em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/august-borget/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/02/27/pinturas-19th-century-macau-prints-i-pasta-envelope-e-a-praia-grande-de-thomas-allom/
(3) Sketches of China and the Chinese / from drawings by Auguste Borget; Includes extracts from letters by the artist. London : Tilt and Bogue ; Paris : Goupil and Vibert, 1842.
http://libmma.contentdm.oclc.org/cdm/fullbrowser/collection/p16028coll4/id/9050/rv/compoundobject/cpd/9118

No dia 8 de Março de 1828, faleceu na sua casa na Rua do Hospital, Marta da Silva Merop (Mierop) , (1) fazendo-lhe o enterro o Cura da Sé, Cónego António José Victor, que registou o seu assento de óbito no respectivo livro da Sé: «aos oito do mês de Março de 1828, nesta cidade, faleceu Martha da Silva Merop com todos os sacramentos, fez testamento e Codicilo »(2) (3) Foi sepultada na capela-mor da Igreja do Convento de S. Francisco.
“O seu marido era o inglês Tomas Merop, com quem casou religiosamente em Macau, (4) o qual no seu testamento declara: «A minha querida esposa, Marta da Silva , deixo a soma de dez mil libras e a minha casa da Rua do hospital e toda a mobília. Se ela mudar de ideias de passar toda a vida em Macau e vier para a Europa, deve receber mais três mil libras. É meu desejo que ela case após a minha morte, com uma condição: se ela casar com um português, receberá apenas cinco mil libras, quer venha para a Europa ou não. Se casar com um indivíduo doutra raça, receberá dez mil libras, e mais três mil libras se vier para Europa. Quer se conforme ou não com os meus desejos no respeitante ao casamento, deixo-lhes os meus livros e a mobília, a minha placa, relógio, anel, roupas, impressos, vinhos, instrumentos músicos e artigos curiosos, juntamente com a minha casa»
Marta não foi para Europa nem casou pela segunda vez; passou toda a vida em Macau” (1)
No  testamento que deixou, feito a 3 de Março de 1828, diz:
«Eu Martha da Silva Merop, viuva de Thomaz Merop, moradora n´esta cidade de Macau (…)  natural d´esta Cidade do santo Nome de Deus na China, filha de Pae e mai gentios (…) fui casada com Thomas Merop ora defundo in facie Ecclesiae segundo manda a  Santa Madre Igreja (…)  deste Matrimónio não tive filho algum (…) não tenho herdeiros descendentes nem ascendentes. (…) deixo por ora… (5)
Deixou o seguinte:
$ 1 000 para 1 000 missas por sua alma
$ 400 para ofícios solenes
$ 1 400 para pobres recolhidos
$ 400 para pobres de porta
$ 900 para fazer um depósito e com os juros celebrar festas anuais na Sé
$ 20 000 à Santa Casa de Misericórdia
$ 5 000 ao Mosteiro de Santa Clara
$ 5 000 ao Convento de S. Francisco
$ 20 000 às educandas do Recolhimento de S. Rosa de Lima devendo casa uma receber ainda $ 200 quando se casar
Deixou ainda várias somas às suas numerosas afilhadas e escravas que deveriam ficar livres após a sua morte. (1)
Marta MeropO seu retrato (6) em corpo inteiro pintado por volta de 1815, ocupa lugar de honra na galeria de benfeitores da Santa Casa de Misericórdia, na sala de Actos.
(1) Marta da Silva Van Mierop (1766 -1828), foi abandonada à nascença e recolhida pela Santa Casa da Misericórdia em meados do século XVIII. Casa com o inglês Thomas Kuyck Vam Mierop, sobrecarga da Companhia das Índias inglesa que lhe deixa em testamento parte da sua fortuna. Torna-se assim a mulher mais rica de Macau, famosa armadora e benfeitora da cidade.
(2) TEIXEIRA, Padre Manuel – Vultos Marcantes em Macau, 1982, pp. 103-104.
(3) Codicilo – alteração ou aditamento de um testamento (FIGUEIREDO, Cândido – Dicionário da Língua Portuguesa, Volume I, 1986.
(4) Afirmação do Padre Manuel Teixeira mas que não se encontra registo do casamento em Macau. Outros referem concubinato. (5)
(5) Para uma melhor compreensão da história de vida desta benfeitora , aconselho a leitura, disponível na net, de
PUGA, Rogério Miguel – A Vida e o Legado de Marta da Silva Van Mierop in Women, Marruiage and Family in Macao
http://www.academia.edu/3785773/A_Vida_e_o_Legado_de_Marta_da_Silva_Van_Mierop
(6) José Tomás de Aquino, (7) em carta endereçada à Santa Casa pedia desculpas «quanto à demora dos retratos de Francisco Xavier Roquete que legou $ 62 000 a essa Instituição e de Maria da Silva Merop; os quais foram executados pelo retratista china VÓ Qua, mas sob o meu contorno e direcção» (2)
(7) José Tomás de Aquino ( 1804-1852), educado no Real Colégio de S. José de Macau, partiu para Lisboa em 1819, por indicação do pai, para estudar  Medicina.  Estudou no Colégio Luso-Britânico e formou-se em »Matemática, Desenho e Comércio». Regressou a Macau em 1825. Além de proprietário de navios e negociante era também «arquitecto».  Dirigiu a construção de muitas residências e edifícios em Macau, reedificou, modificou, alterou muitos outro edifícios oficiais. Saliento a construção do Teatro Luso-Britânico (1839); reconstrução da Sé Catedral (concluída em 1850); reconstrução da igreja de S. Lourenço em 1847 (reedificada em 1898); construção do Palácio do Barão de Cercal na Praia Grande (posterior Palácio do Governo); construção do Palacete da Flora e a construção da casa do Barão de Cercal na Rua da  Prata n.º 4.
TEIXEIRA, P. Manuel – Galeria de Macaenses Ilustres do Século XIX, 1952.
NOTA : também Patrícia Lemos abordou este assunto na «Revista Macau», em 2014 : “De Marta a macaense”, disponível em:
http://www.revistamacau.com/2014/03/05/de-marta-a-macaense/

No dia 23-02-1837, tomou posse do cargo de Governador e Capitão-Geral de Macau,  o major de infantaria, Adrião Acácio da Silveira Pinto, nomeado em 4 de Março de 1836 (1) (2)
O Governador e Capitão-Geral Adrião Acácio da Silveira Pinto que governou Macau até 1843 (3) teve uma governação atribulada e difícil pois durante o seu governo, teve de lidar com o problema do ópio na China que já vinha desde 1932, com a proibição do ópio em Cantão (4), a proibição da importação e tráfico do ópio  pela China  em 1934 (5), a queima de ópio publicamente em Cantão em 1835 (6), a proibição do comércio do ópio pela China em 1938 (7), terminando com a chamada “I Guerra do Ópio”, em 1839.  (8)

Barrier Wall Macao 1844“Barrier Wall, Macao” (1844)
The barrier on the land bridge separating Macao from China is viewed here from a British encampment in Macao, with British warships to the left and Chinese war junks close to the barrier on the right.”
http://ocw.mit.edu/ans7870/21f/21f.027/opium_wars_01/ow1_essay03.html

A sua governação foi um constante equilíbrio diplomático entre a ingerência e imposição pela força dos ingleses em Macau (9), expulsão dos súbditos britânicos da China (10) e a necessidade de manter a neutralidade neste conflito com os mandarins de Cantão. (11) Em 1838, assiste-se em Macau ao enforcamento por ordem dos mandarins, do chinês Kuo Si Peng por ter sido apanhado em flagrante delito a vender ópio. (12)
Foi deste Governador a ideia de demolir o Convento e Igreja de S. Francisco, para edificar um palacete residencial para si, tendo o Leal Senado pronunciado contra essa ideia. (13)
Adrião Acácio da Silveira Pinto, após sido substituído por José Gregório Pegado foi por este indicado e depois nomeado em 10 de Outubro de 1843,  embaixador de Portugal para tratar com os plenipotenciários chineses sobre o estabelecimento de Macau. (14)
Faleceu em Lisboa a 23 de Março de 1868, no posto de marechal de campo. (1)

1840Macau vista de Praia Grande Museu PeabodyMacau, vista da Praia Grande, ca. 1840, guache em papel
Museu Peabody Essex  Foto de Jeffrey R. Dykes 2007
http://ocw.mit.edu/ans7870/21f/21f.027/rise_fall_canton_04/cw_gal_01_thumb.html

(1) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.
(2) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995).
(3) 03-10-1843 ou 04-10-1843 (autores consultados): “tomou posse do governo o Chefe da Divisão da Armada José Gregório Pegado, que foi nomeado, em 14 de Dezembro de 1843. Durante o seu governo, iniciou-se a ocupação da ilha da Taipa, depois de uma memorável visita de cortesia ao vice-rei Ki-Yin, alto comissário de Cantão que prometeu «fechar os olhos» ao nosso estabelecimento na mencionada ilha”. José Gregório Pegado faleceu em Aden no seu regresso a Portugal em 1846 tendo embarcado em Macau em 28 de Maio desse ano.” (1) (2)
(4) 09-02-1832 – Proibição de importação de ópio em Cantão.(2)
(5) 07-11-1834 – O Imperador Tou-Kuóng decretou a proibição do tráfico do ópio.(1)
(6) “1835- Queima de ópio, publicamente, em Cantão, em frente à feitoria europeia, como prova de desagrado da China. Mais tarde (1838-1839) são também ali executados contrabandistas de ópio chineses...”(2)
(7) 1938 – A China proíbe o comércio dom ópio.(1)
(8) 03-11-1839 – Data geralmente apontada para o início da I Guerra do Ópio (1839-1842).(2)
(9) “12-07-1838Chegou a Macau num navio de guerra o Almirante Maitland com instruções para proteger o comércio inglês”. (2)
“28-04-1839 – Governador Silveira Pinto escreve ao Comandante Blake, agradecendo mas recusando a oferta inglesa de ajuda para defesa da cidade, proposta por ofício da véspera“. (2)
01-09-1839 – O capitão Charles Elliot que chega a Macau em 26-05-1839, propõe que os ingleses regressem a Macau, pondo à disposição do Governador Silveira Pinto o navio de guerra inglês «Volage» e mais de 800 homens para cooperarem na defesa da Cidade”.(2)
(10) “22-03-1839 o Capitão Elliot pede ao Governador de Macau protecção para os súbditos britânicos: o Governador Silveira Pinto consentiu mas exceptuou todos os que estivessem envolvidos no tráfico do ópio.”(2)
“13-04-1839 – O Superintendente do Comércio Britânico na China, Charles Elliot, perante a ordem de expulsão que recebeu, avisou os súbditos britânicos, em nome de Sua Majestade a Rainha de Inglaterra para, encontrando-se em águas chineses, se porem «imediatamente sob o comando de S. S.ª o Governador de Macau para a defesa dos Direitos de Sua Majestade Fidelíssima, e para a geral protecção das vidas, propriedades e liberdades de todos os súbditos dos Governos Cristãos que frequentam aquele Estabelecimento.”(2)
12-09-1839 – Elliot pede licença ao Governador Silveira Pinto para que os negociantes ingleses se refugiassem em Macau e propõe-lhe que este porto se tornasse no centro do comércio inglês, mas Pinto recusa.“(2)
23-01-1840 – Os súbitos britânicos expulsos da China desembarcam e passam a  viver em Macau, o que desencadeou a reacção das autoridades chinesas, que se apresentaram, na pessoa do Tou T´oi a 31 do mesmo mês, na cidade portuguesa, dando um prazo de 5 dias para a limpar dos ingleses. O Governador Adrião Acácio da Silveira Pinto reuniu com o Senado e, na sequência da correspondência trocada com o Comandante H. Smith, da corveta «Hyacinth», este acabou por retirar, o mesmo fazendo as forças chinesas estacionadas junto do Templo da Barra. Macau procurou, como em tantas outras vezes estribar-se na neutralidade ... “(2)

LAM QUA 1843 Praia Grande vista da Varanda de KinsmanA Praia Grande vista da varanda, residência do mercador  Nathan Kinsman
Quadro de Lamqua (1843)
Rise & Fall of the Canton Trade System Gallery: PLACES  http://ocw.mit.edu/ans7870/21f/21f.027/rise_fall_canton_04/cw_gal_01_thumb.html

(11) “09-03-1839 – Sessão do Leal Senado em que se publica um Edital suspendendo a introdução do ópio em Macau por depósito ou para consumo. Esse Edital determina que nenhum nacional ou estrangeiro dê asilo em suas casas a chineses que, de alguma forma, estejam envolvidos no tráfico do ópio.”(2)
“10-03-1839 – Violenta crise (sentida em Macau profundamente) do comércio do ópio com a China. Por trás o Delegado Imperial, Comissário  Lin, chegado a Cantão nesta data. No periódico «O Portuguez na China», publicado por Manuel Maria Dias Pegado, em Macau, iria verificar-se o claro elogio à defesa da China que Lin faria, na perspectiva evidente de se demarcar em relação aos ingleses.”(2)
“01-04-1839 – O Mandarim da Casa envia um ofício ao Procurador de Macau, José Baptista de Miranda e Lima, comunicando a ordem do delegado imperial para se entregar todo o ópio existente em Macau.”(2)
“27-04-1839 – O Mandarim da Casa Branca envia um ofício ao Procurador dando um prazo de três dias para lhe ser entregue o ópio existente nas casas dos Portugueses em Macau, pois, caso contrário o porto seria fechado” (2)
(12) “05-04-1838 – Foi enforcado em Macau por ordem dos mandarins o chinês Kuo Si Peng por ter sido apanhado em flagrante delito a vender ópio“(1)
(13)  “05-02-1842 – O Leal Senado reunido em sessão, pronuncia-se contra a ideia de demolir o Convento e Igreja de S. Francisco, que tem contígua a ela um «Campo Santo de Pública devoção. A demolição veio a fazer-se, mas não para edificar um palacete residencial para o Governador Adrião Acácio da Silveira Pinto, que andava desde 1839 a diligenciar nesse sentido.“(2)
(14) “27-10-1843 – O ex Governador Adrião Acácio da Silveira Pinto, que fora nomeado pelo Governador José Gregório Pegado, em sessão do Senado de 10 de Outubro, para tratar com os comissários chineses, no sentido de se melhorarem as condições da existência política deste estabelecimento, seguiu para Cantão no brigue de guerra Tejo, do comando do Capitão-Tenente Domingos Fortunato de Vale. Agregaram-se a esta missão o Procurador da Cidade João Damasceno Coelho dos Santos e o interprete interino José Martinho Marques.”(1)

Situado na zona norte da cidade, junto ao antigo istmo da Ilha Verde, no cruzamento da Avenida Almirante Lacerda com a Avenida Conselheiro Borja, mesmo em frente do edifício da Esquadra Policial n.º 4, este pagode ou templo budista é um doa mais antigos, vastos e cuidados de Macau.
Segundo rezam velhos pergaminhos chineses, em tempos remotos, aquele local – sopé duma colina (a que mais tarde se chamou de Mong Há) – era banhado pelas águas lodosas do delta e abrigava uma pequena povoação, habitada por humilde gente do mar.
Os seus habitantes construíram, primitivamente, um santuàriozinho que, a pouco e pouco, com o rolar dos anos e o desenvolvimento progressivo do lugarejo, se transformou no actual templo, conhecido entre os chineses por «Lin-Fông-Miu» (Templo de Lotus).

ANO III-52 1955 Templo Lin Fong

O Templo Lin Fong em 1955

Donde lhe veio esse nome, tão cheio de poesia oriental?
Segundo o sinólogo e historiador Luís G. Gomes, veio do próprio local.
«Primitivamente as águas do delta acercavam-se da entrada do templo e os raios do Sol, reflectindo-se na sua superfície, transformavam-nas num grande espelho de prata. A babugem das suas ondas vinha desfazer-se de encontro às lajes da balaustrada que forma a cerca da entrada, e nos pântanos adjacentes desenvolviam-se os lotos, perfumando todo o ambiente com o delicado aroma das suas hieráticas flores. Ao, era exactamente pelo facto deste local se encontrar reverdecido pelas enormes folhas dessa planta tão estimada, que os chineses denominaram este templo de Lin-Fông-Miu  (蓮峯廟) isto é o «Templo de Lotus.» (1)
Neste templo, residia uma comunidade de bonzos, chefiada por um bispo. A parte residencial tinha, além das celas, uma vasta sala de recepções, onde se realizavam reuniões familiares de estranhos e … se jogava o popular «má-tcheok»
Havia famílias chinesas que se serviam do recinto aprazível, para piqueniques, prevenindo previamente o encarregado do templo para mandar preparar a comida na cozinha dos bonzos – o apreciado «tchái», saborosa comida vegetariana dos budistas, cujo preço variava consoante o número e qualidade dos pratos. Ali se celebravam as quinze principais festividades religiosas do ano lunar que se revestiam de extraordinária pompa litúrgica e eram muito concorridas.
Durante anos o tempo foi ficando ao abandono sendo pouco frequentado, vivendo ali poucos bonzos. Serviu depois de asilo provisório de vítimas de incêndio e inundações.” (2)

Templo Lin Fong 2015Foi construído em 1592, no 20.º ano do reinado do imperador Wan Li, dinastia Ming e é um dos três templos mais antigos de Macau. Ao longo dos anos foi regularmente renovado, restaurado e aumentado (principais obras em 1801 e 1876).
Estátua Lin Zexu -Templo Lin FongHistoricamente famoso por ser local de permanência dos Mandarins Chineses da Província de Guangdong quando vinham a Macau. O mais famoso foi o Comissário Imperial, Lin Zexu que após iniciada a Guerra do Ópio, residiu aí e nesse templo, com o Governador das Províncias de Kuong Tong (Guangdong) e Kuong Sai (Guangxi) , Deng Tingzhen, receberam os oficiais portugueses para negociações diplomáticas (Setembro de 1839) Actualmente tem a sua estátua e um museu no templo.

O Templo de Lin Fong foi classificado como edifício de interesse histórico a preservar em 1976 (Decreto-Lei n. 34/76/M de 7 de Agosto. Actualmente está classificado como monumento – Património Cultural de Macau.

(1) Anterior referência a este templo 蓮峯廟 (mandarim pinyin: liǎn fēng miào; cantonense jyutping: lin4 fung1 miu6) em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/02/04/lugares-de-outrora-rochedo-da-estrada-do-arco/
(2) Macau Boletim Informativo, 1955

Reuniram-se em assembleia vários moradores de Macau que elegeram uma comissão, composta de João Damasceno Coelho dos Santos, coronel João Ferreira Mendes, José Bernardo Goularte, José Maria da Fonseca, Francisco Justiniano de Sousa Alvim, Pedro Marques e José Joaquim Rodrigues Ferreira, para organizar uma sociedade de subscritores para a construção de um teatro. Até então todos os espectáculos de realizavam em «vistosos teatrinhos» (1) que se armavam na encosta de Mato-Mofino, que deita  sobre a Rua da Praínha; na porção do terreno da Praia do Manduco, depois ocupada pelo jardim do Barão de S. José de Portalegre; na Assembleia Filarmónica, (2)  que existia no largo de Santo António; no edifício do Hospital da Misericórdia; na residência do Juiz de Direito Sequeira Pinto; no «retiro campestre» de Santa Sancha, etc. teatrinhos esses que eram desarmados, uma vez dissolvidos os grupos de amadores que os animavam. Pensou-se, primeiramente, em instalar o teatro no edifício do Hospital S. Rafael. Tal ideia foi logo abandonada, pedindo a comissão ao governo o terreno do campo de S. Francisco, junto da rampa que conduz à entrada do quartel, pretensão esta que foi indeferida, sendo oferecida a cerca do extinto convento de S. Domingos. A Comissão, não gostando do local, requereu e obteve a 2 de Abril, o terreno do largo de S.º Agostinho (3). Correndo imediatamente a subscrição, em Macau e Hong Kong, o edifício do Clube e do Teatro D. Pedro V ficou quase concluído em Março de 1858, devido aos esforços do Cirurgião-Mor da Província, António Luís Pereira Crespo, Pedro Marques e Francisco Justiniano de Sousa Alvim. O risco e a direcção das obras foram da autoria do macaense Pedro Germano Marques (4) (5).

Teatro D. Pedro V 1907Fachada do Teatro D. Pedro V em 1907  (Foto de Man Fook)

Ao edifício delineado por Pedro Marques foi dado o nome de Teatro D. Pedro V, soberano então reinante; mas a actual fachada foi delineada pelo Barão de Cercal em 1873  (6) e restaurada em 1918 por José Francisco da Silva.
Situado no Largo de Santo Agostinho, em Macau, é um dos primeiros teatros de estilo ocidental na China.
Os Estatutos da Sociedade do Teatro D. Pedro V, foram aprovados a 20 de Abril de 1859 pelo Governador Isidoro Francisco Guimarães (o projecto de Estatuto apresentado pelo Secretário da Comissão Directora, Francisco Justiniano de Sousa Alvim tinha já sido publicado no Boletim Oficial de 6 de Novembro de 1858 ) (7) 
Em 2005, o teatro tornou-se um dos locais do Centro Histórico de Macau a figurar na Lista do Patrimônio da Humanidade da UNESCO.

Teatro D. Pedro V 1999Teatro D. Pedro V (伯多祿五世劇院) em 1999 (8)

(1) Em 1839, foi construído o teatro luso-britânico pelo arquitecto macaense José Tomás de Aquino.
(2) A 30 de Junho de 1853, deu-se uma récita nas casas da Filarmónica, em favor dos Expostos deste cidade.
(3) “26-11-1860 – Por Portaria Régia desta  data foi confirmada a concessão feita pelo governo provincial do terreno onde se edificou o Teatro D. Pedro  V. ” (7)
(4) Nasceu em 1799, exerceu o cargo de escrivão da Câmara (não era arquitecto nem engenheiro, mas tinha engenho e arte) e faleceu viúvo, a 15 de Dezembro de 1874, com 75 anos. Está  sepultado na Igreja de S. Agostinho (7)
(5) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau. Notícias de Macau, 1954, 267 p.
(6) “17-03-1865 – Incendiou-se, pela madrugada, o Teatro D. Pedro V, mas o fogo foi rapidamente extinto, tendo apenas ardido parte duma janela. ” (5)
30-09-1873 – Reabriu, restaurado, o Teatro D. Pedro V, com Estatutos aprovados por Portaria de 10 de Fevereiro deste ano”  (7)
(7) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau Século XIX, Volume 3. Direcção dos Serviços de Educação e Juventude, Macau, 1995, 467 p (ISBN 972-8091-10-9)
(8) http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/8/8d/Dom_Pedro_V_Theatre_in_Macau.jpg