Archives for posts with tag: 1821

Continuação da leitura da conferência realizada na Sociedade de Geografia de Lisboa, em 5 de Junho de 1946, pelo tenente-coronel de engenharia Sanches da Gama e publicada no Boletim Geral das Colónias de 1946. (1) (2)
………………………………………………………………………………..continua
(1) Ver anterior postagem em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/06/05/noticia-de-5-de-junho-de-1946-leitura-macau-e-o-seu-porto-i/
(2)  «BGC» XXII -253, 1946.

“Por Provisão de El-Rei D. João VI de 19 de Dezembro de 1821, se faz saber ao Governador do Estado da Índia que as Cortes Gerais e Extraordinárias da nação ordenam que os Governadores das Províncias Ultramarinos se não chamem mais Capitães-gerais mas usem somente o título de Governadores.”
Macau conheceu sucessiva, alternada ou concomitantemente os seguintes agentes de Governo: Chefe Ocasional, (1) Capitão de Terra, (2) Capitão-mor da Viagem ao Japão, (3) Capitão da cidade, (4) Capitão de Guerra, (5) Capitão-mor da cidade, (6), Conselho do Governo ou Junta governativa, (7) Governador e Capitão-Geral, (7) (8), Capitão-Geral (9) e Governador-Geral (10) 

MACAO – António Mariz Carneiro
1639

Alguns exemplos dos titulares do governo de Macau:
(1) 1557-1558 – Governo ocasional de Leonel de Sousa.
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/leonel-de-sousa/
(2) Nos primeiros tempos de Macau havia um Senado, cujos membros eram eleitos a intervalos regulares. Um capitão-mor, nomeado pelo vice-rei da Índia, que seguia anualmente para o Japão, aguardava em Macau a monção favorável para a viagem e, durante este tempo era-lhe confiada a presidência do Senado.
1558-1587 – Governo de Diogo Pereira – capitão de terra nomeado pela população, governado com 2 homens-bons, sem prejuízo para o capitão da viagem ao Japão que sobrepõe enquanto permanecia em Macau, e sempre na dependência do Vice-Rei da Índia.
(3) 1558-1559 – Rui Barreto – Capitão-Mor da Viagem ao Japão.
(4) 1600 – D. Paulo de Portugal – Capitão da Cidade.
(5) 1616 – Francisco Lopes Carrasco foi nomeado governador permanente de Macau, mas não chegou a tomar posse efectiva do cargo. Deveria encarregar-se das fortalezas. Viria no entanto mais tarde, como Capitão de Guerra, independente do Capitão-Mor da Viagem ao Japão.
Ver anterior referência em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/08/31/noticia-de-31-de-agosto-de-1616-governador-francisco-lopes-carrasco/
(6) 1616-1617 – Lopo Sarmento de Carvalho – Capitão-Mor da Cidade. Cargo que repetiu em 1621-1622. 1632 e 1634.
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/lopo-sarmento-de-carvalho/
(7) 1622 – 1623 – Um conselho de Governo de quatro membros, presidido por frei António do Rosário, tomou conta do governo, até à chegada, nesse ano, do primeiro governador e capitão-geral, D. Francisco Mascarenhas.
(8) 7 de Julho de 1623 – Posse de D. Francisco Mascarenhas (cercou de muralha a cidade). Governou então, a chamada Primeira Capitania Geral de Macau,  até 18 de Julho de 1626.
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/francisco-mascarenhas/
(9) 1628 – D. Jerónimo da Silveira – Capitão-Geral
(10) Nessa data de 18 de Dezembro de 1821 estava no governo de Macau, José Osório de Castro de Albuquerque que foi substituído em 23 de Setembro de 1823, por uma comissão absolutista chefiada pelo Major Paulino da Silva Barbosa. O primeiro governador com regalias legais de Governador, depois do liberalismo (1822), foi Bernardo José de Sousa Soares Andrea.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/bernardo-jose-de-s-s-de-andrea/
Informações retiradas de:
SILVA, Beatriz Basto da – Elementos de História de Macau, Volume 1, 1986 e Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1998;
Anuário de Macau de 1980.

“30-06-1822 – Primeira carta enviada pelo Correio Marítimo de Macau Endereçada «Ao Sr./ António Esteves Costa/ Negociante da Praça do Comércio/Lisboa, seguiu no brigue Temeroso (ou Temerário)” (1)

Brigue Temerário IA Administração do Correio Geral, de Portugal, anunciando saídas dos navios (com correio);  no dia 28 de Abril de 1829,  o Brigue «Temerario» para Calcutá (2)
Brigue Temerário II 1815Notícia do Brigue  «Temerário”, de 1815, na Bahia (3)
Brigue Temerário III 1821Outra notícia do Brigue «Temerário», de 1821 (4)

Brigue

José Nunes da Silveira 1754-1833Jozé Nunes da Silveira (Ilha do Pico, Açores 1754 – Lisboa 1833) – marinheiro, piloto, capitão de navios e depois mercador, armador de navios de carreira e comerciante.  Fez uma fortuna notável, co-proprietário (com José Inácio de Andrade) de uma linha de barcos para a Ásia particularmente Macau – Lisboa. No período de 1786 a 1832 conseguiu deter uma frota de 20 navios (brigues, galeras escunas e navios), treze deles afectos a viagens ao Oriente entre eles o «Temerário» e «Correio d’Azia» (5) ).
Chegou a Macau em 1780. Voltou a Lisboa como capitão  do navio «Santa Cruz» em  1785. Volta a Macau em 1786 (o filho Joaquim Nunes da Silveira nasce em Macau nesse ano).
Em 1818 adquiriu os navios Delfim e Golfinho S. Filipe de Nery para comércio de escravatura (África – Brasil),  mas desistiu do intento, porque um tratado com a Inglaterra proibiu tal negócio. Quando se deu a revolução liberal do Porto de 24 de Agosto de 1820, Jozé Nunes da Silveira integrou a Junta Provisional do Governo Supremo do Reino. Depois nomeado  Governador do Reino Fez ainda parte da Junta Preparatória das Cortes, mas não foi eleito deputado, possivelmente devido a um ataque apoplético que o deixou meio paralítico. Morreu nas vésperas da tomada de Lisboa pelo Exército Libertador, solteiro, mas com filhos reconhecidos e testamento.(6)
(1) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. 3, 1995.
(2) «Gazeta de Lisboa» n.º 94 de 22 de Abril de 1829.
(3) ” O Investigador portuguez em Inglaterra: ou Jornal literário, Político, Etc. “,  Março, 1816 (N.º 1, Vol. XV) -periódico publicado em Londres mensal patrocinado pela Coroa Portuguesa, então no Rio de Janeiro de 1811 a 1819.
(4) Diário da Regência (do Governo): n.º 141 de 15 de Junho de 1821, Edições 1-153
(5) «Correio  d´Azia» naufragou no dia 25 de Novembro de 1816, nas costas da nova Holanda (Austrália) – aconselho leitura de MONTEIRO, Alexandre José Nunes da Silveira, negociante de grosso trato, capitão de longo curso, armador do Correio d’ Ázia, disponível em
http://www.academia.edu/464296/_Jos%C3%A9_Nunes_da_Silveira_negociante_de_grosso_trato_capit%C3%A3o_de_longo_curso_armador_do_Correio_d_%C3%81zia_
6) http://marprof.univ-paris1.fr/fileadmin/MARPROF/colloque2011/Alves.pdf
https://www.geni.com/people/Jos%C3%A9-Nunes-da-Silveira/6000000018166005317
http://www.culturacores.azores.gov.pt/ea/pesquisa/default.aspx?id=10126

«N´uma representação, escripta em 1821, para ser apresentada ao rei constitucional D. João, affirma-se que em 1583 havia em Macau 900 portuguezes, além de mulheres, escravos, e muitas centenas de meninas chinas que tinham sido compradas como tambem muita gente que tinha vindo dos portos portuguezes da Asia; e affirma-se  mais que no fim do século décimo sétimo a população de Macau subia a 19 300 almas; mas em 1821 estava essa população reduzida a 4 600 consistindo de homens livres, escravos e gente de todas as nações incluindo convertidos chinas, que se vestiam á europeia; a saber, subditos livres acima de quinze annos de idade, 604 indivíduos; abaixo de quinze annos 473; escravos 537 e mulheres 2 692, fazendo um total de 4 307. N´este numero não estavam comprehendidos 186 homens pertencentes ao batalhão, nem 19 frades e 45 freiras. Em 1830 calculava-se a população de Macau com exclusão dos militares e do clero, em 4 682, a saber, em 1n 202 homens brancos, 2 146 mulheres de differentes castas. Os portuguezes nascidos em Portugal e seus dominios, que 1 834 residiam em Macau, não excediam 90 pessoas. Nem elles, nem qualquer outro subdito podiam sahir de Macau sem previo consent´mento do governo» (1)

Macau 1830Macau, “Vista das duas baías”, c. 1830 (2)

 (1) LJUNGSTEDT, Andrew – Esboço Histórico dos Estabelecimentos Portugueses na China. Citado por TEIXEIRA, P.e Manuel – Os Macaenses. Centro de Informação e Turismo, 1965, 99 p.
(2) http://ocw.mit.edu/ans7870/21f/21f.027/rise_fall_canton_04/cw_gal_01_thumb.html