Archives for posts with tag: 1709

O navio Jesus Maria José que, em 2 de Janeiro de 1637, seguia de Macau para Manila com grande quantidade de oiro, drogas, etc, foi capturado no Estreito de Singapura pelos navios holandeses que andavam a cruzar nessas paragens. De entre as cartas que caíram nas mãos do «inimigo da Europa» havia uma de Luís de Pacheco, antigo vereador de Macau, em que declarava que o comércio português em Nagasáqui, no ano de 1636, fora tão grande que, só para os direitos de el-rei, em Macau, couberam 204 000 taéis. (1) (2)
T. Volker, no seu livro (3), pp. 197-198, descreve a carga do navio “Jesus Maria Joseph” que foi saqueada e vendida em Malaca (onde terá chegado a 14 de Janeiro de 1637)
(1) Está também, referenciado com o mesmo nome, a fragata, barco ou navio Jesus, Maria, José ou J. M. J. em 1705, pertencente a Francisco L. de Carvalho. Foi neste barco que viajaram, em 1705, para Batávia alguns mercadores chineses, com conhecimento do Senado e também o transporte de 3500 picos de sândalo, altos e baixos para Timor, em 10 de Outubro de 1706. Em Dezembro de 1709 (registo de 21-12-1709) era proprietário do barco Francisco Xavier Doutel, já referenciado em anterior postagem (4) (PIRES, Benjamim Videira – A Vida Marítima de Macau no Século XVIII, 1993, p. 19)
(2) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.
(3) VOLKER, T – Porcelain and the Dutch East India Company: As Recorded in the Dagh –registers of Batavia Castle those of Hirado and Deshima and other contemporary papers 1602-1682. Leiden, E. J. Bril, 1971
Disponível para leitura (algumas páginas omitidas)  na net
(4) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/francisco-xavier-doutel/

Extraído de «Ephemerides da semana» de A. Marques Pereira  in Bol. do Gov. de Macau XII-36, 1866.
NOTAS:
1 – O governador era Diogo de Pinho Teixeira (tomou posse em 5 de Agosto de 1706 e governou até 28-07- 1710). Teve um mandato muito complicado com as constantes desavenças com o Senado de Macau e com o Bispado (por causa das contendas entre partidários do Patriarca de Antioquia e os do Padroado Real)
Anteriores referências neste blogue em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/diogo-de-pinho-teixeira/
2 – O Patriaca de Antioquia desde 1701, era o legado apostólico Carlos Tomás Maillard de Tournon (1668-1710) que chegou a Macau, pernoitando apenas na Ilha Verde, a caminho de Cantão tendo sido enviado à China, pelo Papa Clemente XI, para acabar com as controvérsias entre os jesuítas e os missionários de outras ordens, sobre os Ritos Chineses. Faleceu em Macau a 8 de Junho de 1710, pouco depois de receber o barrete cardinalício.
Anteriores referências  aeste Patriarca em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/carlos-tomas-maillard-de-tournon/ 
3 – Devido à ocupação e à independência de Portugal de Espanha  e à disputa quanto à nomeação do novo bispo , desde 1633 (o último Bispo foi D. Diogo Correia Valente de 1630 a 1633) até 1690 ficou vaga o lugar de Bispo de Macau. O Bispo D. João do Casal (1641-1735), do hábito de S. Pedro, foi nomeado em 1690 por D. Pedro II, confirmado pelo Papa Alexandre VII, que na mesma data criou as Dioceses de Macau, Nanquim e Pequim, como distintas, cada um com o seu Bispo. D. João do Casal chegou a Macau tomando posse em 1692, instituiu o Cabido de Macau em 1698,  foi Provedor da Misericórdia, em 1706, e Governador Interino de Macau, em 1735. Faleceu em 20-09-1735, em Macau tendo sido sepultado na Sé Catedral-
Anteriores referências ao Bipso D. João do Casal em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/d-joao-do-casal/
Informações de: SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 1 e 2,  1997)

Sendo os meses de Verão propícios aos tufões nesta zona do Pacífico, é natural que nos meses de Julho, Agosto e Setembro surjam sempre notícias referentes a temporais,  tufões ou ventos fortes que passaram por Macau.
Tufões q assolaram Macau - Gráfico e frequência

Gráfico da “Época e Frequência dos Tufões” (1)

Assim neste dia de 2 de Setembro de 1709:
Neste dia houve hum tao grande temporal nesta Cidade, que fes crescer as agoas fóra dos seus limites, quebrarão os mares toda a praia grande e casas della, e na praia pequena se encherão os Gudões das mesas cazas de agoa, a qual sobio a tres covados de alto dentro delles, durando esta enchente desde 6 horas da manhãa athe as nove da noite sem deminuir. No vasar chegarão as Lorchas a receberem o fatto que estava nas boticas. Em fim não há lembrança a mais remota de que houvesse nesta Cidade outra semelhante ” (2)
E no mesmo dia, mas de 1871: (1)
No dia 2 de Setembro de 1871, passou pela cidade um violento tufão afundando-se na ponta de Kaó (Taipa) a barca holandesa «Rolina Maria» e a galera russa «Vístula». A primeira perdeu sete homens da sua tripulação de 16 homens e da segunda salvou-se toda a tripulação de 22 homens . O brigue português «Conceição de Maria», pertencente a Francisco Manuel da Cunha, que saía para Yokohama, com carga de açúcar e vinho, naufragou na ponta de Kai Kiao (Ponta Cabrita), salvando-se toda a sua tripulação. A corveta «Duque de Palmela», do comando do Capitão-Tenente Gregório José Ribeiro, a galera «D. Maria Pia» e a canhoneira «Camões» sofreram grandes avarias, em consequência dos embates com o barcos chineses dos quais 150 ficaram danificados.” (3)

crveta Duque da Palmela 1864-1913A corveta DUQUE DE PALMELA  (1864 – 1913) (4)

A corveta «Duque de Palmela» (arvorava 3 mastros) que esteve algum tempo destacada em Macau,  foi construído no Arsenal de Lisboa e era uma corveta de propulsão mista (vela/vapor) da Armada Portuguesa. Serviu de 1864 a 1875, passando a  navio escola entre 1876 e 1913 em Lisboa e Faro, sendo depois desmantelado.
Características:
Deslocamento: 952 tons.
Armamento:  12 peças de 32 mm e com um rodízio (Brackeley) de 56 mm
Dimensões: 50 metros de comprimento; 9 metros de boca; 4,50 metros de calado
Propulsão: 1 máquina a vapor (acoplada a 1 veio = 7 nós ), desenvolvendo uma força de 150 hp.
Guarnição: 164 homens incluindo oficiais. (5)
(1) Referência ao mesmo tufão mas com data de 3 de Setembro de 1871: ” Formou-se no Pacífico, passou na ilha de Luzon e afectou seriamente Macau. Naufragaram na ponta de Ká-Hó a barca holandesa «Rolina Morim» e a galera russa «Vístula». Também se afundou o lugre português «Conceição Maria» A pressão desceu até 717,85 mm” (NATÁRIO, Agostinho Pereira – Tufões que Assolaram Macau, 1957) e (SIMÕES, Joaquim Baião – Macau e os Tufões, 1985).
(2) BRAGA, Jack M. – A Voz do Passado, 1987
(3) GOMES, Luís G. –  Efemérides da História de Macau, 1954.
(4) https://www.revistamilitar.pt/artigo/1065
(5) localhttp://alernavios.blogspot.pt/2016/01/duque-de-palmela.html
Referência anterior à corveta «Duque de Palmela»
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/corveta-duque-de-palmela/