Archives for posts with tag: 1703
PEREIRA, A. MARQUES – Ephemerides Commemorativas da História de Macau e das Relações da China com os povos Christãos , 1868, p. 73

Anteriores referências a este governador: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-da-gama-machado/

22-07-1702 – 1703 – governador Pedro Vaz de Siqueira (2.ª vez) 15-08-1703 – 1706 – governador José da Gama Machado

“15-08-1703 – Tomou posse da Capitania e Governo de Macau o Cavaleiro professo da Ordem de Cristo, José da Gama Machado, natural de Damão, filho de Manuel da Gama Machado e chegado a 7 de Agosto. Teve dissabores com os moradores; durante o seu governo registou-se a presença do Legado Apostólico, Carlos Tomás Maillard de Tournon, Patriarca de Antioquia, cuja vinda suscitou também inúmeras contendas, por causa dos direitos do Padroado do Oriente e dos Ritos Chineses. Dura administração, envolvendo Goa, Macau e Timor. Exercício até 1706” (SILVA, Beatriz Basto da –  Cronologia da História de Macau, Volume I, 2015, pp. 208-209)

15-08-1703 – Neste dia de Ascenção de N. S. tomou posse do Cargo de Governador e Capitão Geral desta Cidade José da Gama Machado, o qual veio em huma Fragata de Goa invocada N. S. das Neves e Capitão de Mar e Guerra Luís Teixeira de Pinto, sendo recolhido para Goa o seu antecessor na dita Fragata… (BRAGA, Jack – A Voz do Passado)

Entrou em Macau no dia 23 de Agosto de 1708, desgovernada e desmastreada por um tufão que a assaltara, a fragata Nossa Senhora das Neves que vinha de Goa, comandada pelo capitão-de-mar-e-guerra Jerónimo de Mello (Pereira), trazendo como passageiros, feitor por sua Magesta Miguel Pinto, Tenente D. Henrique de Noronha e o Capitão de Infantaria António de Albuquerque Coelho, (1) que mais tarde seria Governador de Macau. (2) (3)  

A fragata entrou no porto desarvorada, sem mastros nem leme, e a ré sem beque, (e, por isso, saracoteando-se) sendo precizo ir (outras) em embarcações rebocá-la para dentro, por cauza do grande temporal que apanhou na altura de 19 graos (golfo de Tonquim, junto à ilha de Hainão). Ficou em Macau, de invernada para se consertar” (4)

“A fragata N.ª Sra.ª das Neves, de Sua Majestade (ou do estado da Índia, a que Macau e Timor estavam sujeitos), chegou pela primeira vez à cidade do Nome de Deus, na primeira metade de Agosto de 1703 sob o comando do capitão-de-mar–e-guerra Luís Teixeira Pinto e trazendo o governador e capitão-geral desta cidade José da Gama Machado (tomou posse a 15-08-1703).  Recolheu a fragata a Goa, antes do Inverno, levando o governador cessante (Pedro Vaz de Sequeira). No dia 23 de Agosto de 1708, o mesmo barco de guerra chega de Goa… (…). A sua oficialidade, entretanto, causou grande inquietação na Cidade do Nome de Deus. Foi o caso do célebre romance amoroso entre António Albuquerque Coelho (1) e a órfã Maria de Moura. A infantaria da fragata, com o seu comandante, aquartelou na Casa de Campo de S. Francisco (que, por volta de 1780, era de Francisco Josué, natural de Vila do Mato, Beira, e seu pai; em 1801, de um filho do mesmo nome). Albuquerque demorou-se em Macau, com os seus soldados e a fragata, até ao 1.º de Agosto de 1714, dia do enterro, na Igreja de S. Francisco, de sua esposa, falecida do segundo parto. Em 13-11-1715, a Sr.ª das Neves já não existe por talvez nunca se ter recomposto do temporal que a colheu, em 1708, e da invernada seguinte em Macau.” (3)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-albuquerque-coelho/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/08/23/noticia-de-23-de-agosto-de-1708-fragata-nossa-senhora-das-neves/

(2) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1952

 (3) PIRES, Benjamim Videira – A Vida Marítima de Macau no Século XVIII, 1993, p. 26

(4) BRAGA, Jack  M.  – A Voz do Passado, 1987,p.25