Archives for posts with tag: 1690

Edital que os Ministros da Casa da Câmara mandaram por pelos lugares públicos desta cidade, com o parecer do governador do bispado, António de Morais Sarmento, (1) para que não se recolhesse freira nenhuma no Convento de Santa Clara, conforme ordens dos Vice-reis do Estado da Índia.

Extraído de «Arquivos de Macau« 2.ª série, Vol I, n. 4, Junho –Agosto de 1941, pp 205-206

(1) D. Diogo Correia Valente S.J. (bispo de Macau de 1630 a 1633) faleceu em 1633 e devido à ocupação e à independência de Portugal da Espanha, desde 1633, o deterioramento das relações entre estes dois países e as guerras contínuas influenciaram a nomeação do novo bispo dos quais resultou a longa vagatura da Diocese, durante quase 80 anos. O novo bispo de Macau foi D João de Casal, (bispo de 1690 a1735), nomeado em 1690 por D. Pedro II, mas só terá chegado a Macau em 1692.

O Padre António de Morais Sarmento, governador episcopal (ou vigário capitular nomeado pelo Cabido da sé de Macao?) de 1684 a 1691, foi encarregado pelo vice-rei da Índia em Maio de 1684 de «certas diligências em Macao». O Vice-Rei da Índia, invocando haver nele atitudes contrárias aos interesses do Padroado (dizia-se que o Padre Sarmento favorecia em Macau os clérigos regulares (teatinos, como então se chamava aos jesuítas) em 22 de Dezembro de 1691 queixava-se ao rei porque o governador do bispado favorecia os missionários estrangeiros contra as regalias do padroado e sugeriu a sua substituição pelo que o Governador do Bispado foi, até à chegada do novo bispo, o Cónego José da Silva. (TEIXEIRA, P. Manuel – Macau e a sua Diocese, Tomo II, 1940, p.149) e SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume I, 1997)

Ver anteriores referências ao Convento de Santa Clara em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/convento-de-santa-clara/

Extraído de «GAZETA DE MACAO», Vol. I, n.º 21 de 13 de Junho de 1839, p. 82

O Padre Teixeira em “Os Macaenses” (1965, p. 61) cita a Chapa do Mandarim de 1690, referindo-a aos  “Arquivos de Macau” (Fevereiro de 1964, pp. 39-40)

“ A 3 de Junho de 1690, o Procurador expôs que o mandarim Heung-Shan remetera uma chapa dos mandarins de Cantão, ordenando que «os Cabeças da Rua dessem pr lista todos os Chinas assistentes nesta cidade em Challes, Boticas, e Gudoens dos Moradores, e q´ de cada dez pessoas nomeasse hum, q´ fosse cabeça, p.ª dar  conta dos mais todas as vezes q´ lhe pedissem e q´ se dessemos nomes de todos os nossos moradores, q´ em seus Gudoens recolhem Chinas, p.ª darem conta deles». Os oficiais do Senado, para evitar questões, resolveram que se dessem as listas dos chinas das lojas e que os portugueses expulsassem de suas casas aqueles que lá viviam»

Arquivos de Macau, 3.ª Série – Vol.I n.º 1 – Fevereiro de 1964, pp. 39-40