Archives for category: Vivências

Neste momento em que se fala tanto de vacinas, encontrei este pequeno opúsculo de Maio de 1989 sobre as alterações às normas de vacinação até então regulamentadas: “PLANO TERRITORIAL DE NORMAS DE VACINAÇÂO – DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÙDE” (1)

As novas «Normas de Vacinação» entraram em vigor a 1 de Junho de 1989.

(1) PLANO TERRITORIAL DE NORMAS DE VACINAÇÂO – DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE, edição em português e chinês, 1989, 30 páginas, 20 cm x 14 cm

Numa postagem anterior (1) apresentei uma mochila como lembrança da minha participação como elemento da comitiva macaense aos jogos “7th FESPIC Bangkok 99”, realizado na Tailândia, ente 10 e 16 de Janeiro de 1999.

Desse mesmo encontro desportivo como lembrança, fiquei ainda com uma camisola desportiva do tamanho “M” (camisola de algodão, com colarinho, de mangas curtas, em forma de T.) oferecida pela organização aos atletas, dirigentes e técnicos da “Associação Recreativa e Desportiva dos Deficientes de Macau” que representou Macau sob a bandeira do Leal Senado, nesse evento desportivo.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/04/14/lembranca-mochila-do-fespic-bangkok-99/

Em Janeiro de 1987 chegaram a Macau cinco Irmãs da Congregação de Caridade de Santa Ana e iniciaram a sua obra no Asilo Betânia; em Maio de 1989 foram para o Asilo de Santa Maria; em Abril de 1992 para o Lar de S. Luís Gonzaga e em Janeiro de 1933 para o Centro de Santa Lúcia em Ká Hó, tratando e servindo todos os necessitados, especialmente os idosos e os doentes mentais que lhes foram confiados. Em 1994, quando foi publicado o opúsculo (1) que apresento, eram já vinte as Irmãs que se dedicavam nos Centros transformados em casas de bem estar e onde eram prestados bons cuidados e apoio a todos que ali se encontravam.

CAPA + CONTRACAPA

Maria Rafols nasceu em 5 de Novembro de 1781 em Villafranca de Panades.Barcelona, Espanha. Um dia encontrou o Pe João Boal, vigário do Hospital de Santa Cruz de Barcelona (falecido em 1829) e tenho sabido que este estava envolvido num projecto ambicioso de caridade para cidade, ofereceu-se para trabalhar ao serviço dos pobres. Aos 23 anos foi nomeada presidente feminina de um grupo de 12 irmãs da Caridade (como eram chamadas) encarregadas de melhorar a situação de 2 000 doentes do Hospital de Nossa Senhora da Graça em Saragoça. O modo de actuação da nova Irmandade foi-se tornando conhecido e o Bispo de Huesca, D. Joaquim Sanchez de Cutanda convidou-as para o serviço do Hospital e da Casa da Misericórdia da cidade (19 de Maio de 1807). Em 1808-1809, nos dois cercos feitos a Saragoça pelas tropas de Napoleão, a Irmandade contava já contava 21 Irmãs, exercendo uma acção contra a fome e a miséria dos feridos e prisioneiros da guerra. A rendição de Saragoça deixou a cidade coberta de cadáveres e em ruínas; nove companheiras sucumbiram de doença.

Em 15 de Julho de 1824, as Constituições da Irmandade foram aprovadas pela autoridade eclesiástica diocesana, e a 16 de Julho de 1825 treze Irmãs fizeram os primeiros votos públicos de pobreza, castidade, obediência e hospitalidade e as três fundadoras, Maria Raflos, Teresa Canti, Raimunda Torella e a irmã Teresa Ribeira fizeram os votos perpétuos no mesmo ano – 15 de Novembro de 1825. Maria Rafols faleceu a 30 de Agosto de 1853 (49 anos de vida religiosa). Em 1994 existia cerca de três mil Irmâs da Caridade.

Página 40 e interior da contracapa

(1) “Maria Rafols, heroína da Caridade do Século XIX, Fundadora da Congregação das Irmãs de Caridade de Santa Ana”. Biografia da vida e obra de Maria Rafols. Opúsculo de 40 páginas, em português, inglês e chinês, 20,5 cm x 14 cm. Impresso em 30 de Outubro de 1994.

NOTA: Sou testemunha das acções contínuas e prontas destas Irmâs sempre ao serviço dos mais pobres, necessitados e doentes. Prestei assistência médica nos anos 80 e 90 (séc. XX) nos Asilos dependentes das Missões nomeadamente no Asilo «Santa Maria» (fundado pelo Padre Luís Ruiz Suarez em 1969, instalando-se na casa do antigo Infantário da Associação das Senhoras Chinesas na Travessa dos Santos n.º 2-4 (entrada principal), depois melhoradas com as obras de beneficiação; tinha uma porta lateral que dava para a Rua do Pato (por onde se entrava) e no «Asilo Betânia» também fundado pelo Padre Luís Ruiz Suarez, em 1970, na Avenida do Conselheiro Borja a caminho da Ilha Verde (eram barracas de latas, antigo centro de refugiados do Instituto de Acção Social de Macau). Por detrás do «Asilo Betânia» ficavam as casas do antigo dormitório para refugiados, onde o mesmo Padre Ruiz Suarez fundou, em 1970, o «Centro «São Luís» destinados aos rapazes com atrasos mentais e doentes crónicos (a entrada era o mesmo do Asilo Betânia). O Centro de Santa Lúcia foi fundado em 1977 para albergar raparigas subdesenvolvidas num edifício (novo com capacidade para 70 pessoas em 1978), em Ká Hó.

Três painéis de azulejos existentes no átrio interior do Leal Senado (fotografias pessoais de 2017)

1789

15-07-1789 – É eleito Bispo de Macau, D. Fr. Marcelino José da Silva. Franciscano da Ordem de Terceira, e frade conventual de S. Bento de Aviz, doutor pela Universidade de Coimbra. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 1, 2015, p. 320)

16-07-1789 – Faleceu em casa do seu Marechal de Campo, Simão de Araújo Rosa, o Governador Francisco Xavier de Mendonça Corte Real. Fica no cargo interinamente, Lázaro da Silva Ferreira até 1790.

1888

25-09-1888- O Processo n.º 344 – Série R da Administração Civil (A.H.M.) contém a representação dirigida ao Governo de Sua Magestade, pelo Leal Senado da Câmara de Macau, como protesto pela sua dissolução pelo Governador Firmino José da Costa.

1999

O “Leal Senado” deixou de existir e as suas funções municipais e administrativas passaram provisoriamente para a “Câmara Municipal de Macau Provisória“. Mas, no dia 31 de Dezembro de 2001, este organismo provisório foi também abolido, dando lugar ao “Instituto dos Assuntos Cívicos e Municipais” (IACM).

Assi azinha, ung´a ano já passá

Más unga vêla, já sandê

Virá mám, virá ôlo, gurunhá

Neno sai có, mán mán más crescê

Destung’ a ano, nunca más lembrá

Iou qui pensám, muto medo morê

Vento suzo, vento-china, malínguá

Parece têm vida;  pussá bafado, tossê

Non sã savan, sã non bicho, respirá

Siguí órde, tudo cofiná, na casa já retê

Tánto-tánto gente logomente mâm-mâm lavá

Usá bôbo, já tirá, lavá rópa di rua… Qui ramêde

Nhónha azinha já comprá papel pra rabiósque limpá

Unga, vai Sé, pedi Siára di Fátima, vêla sandê

Outrunga corrê Miu dessá pivete no San Chi Pá

Muto tanto fica murum, cabeça sofrê

Mestre-china, logo vai mizinha receitá

Savanado, iou sã casa fichado nada fazê

Destunga laia, ismirado, non pódi pandegá

Calado-calado, perdê juízo, cai pê –mám

Tem tánto sapeca non pódi gastá.

Paxá non podi, tánto-tánto consumiçam

Cofinado, pedí vacina logomente apanhá

Gáridona azinha vai rua companhá cám.

Pandemia cavá, 

ninguim pôde isquecê.

Cabeça lembrá,

Afastá…afastá…

Ano assi azinha zaprecê

Natal diferente, mais isolados, mas com a mesma alegria
Na chaminé, Pai Natal atrasado por causa do teste
Presépio reduzido, nada de aglomerações

Na consoada, não podia faltar na mesa, a tradição maquista, com as lembranças “muto tanto sabroso” das mãos da sempre amiga Diana (mais uma vez, muito obrigado)

Empada
Fartes
Alua

Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/category/gastronomia-macaense/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/12/24/poema-natal-azinha-chega-na-anote-di-consoada/

Equipamento desportivo – blusão e calças – da “Associação Recreativa dos Deficientes MACAU – CHINA” do ano 2000. A “Associação Recreativa e Desportiva dos Deficientes de Macau” (ARDDM)(1) foi fundada na década de 60 (século XX) por Leonel Borralho, e ,em 2000, era presidente,  António Fernandes e vice-presidente, Jorge Leitão Pereira.

(1) A denominação «ARDDM», em 2009, foi alterada para Comité Paraolímpico de Macau-China – Associação Recreativa e Desportiva dos Deficientes de Macau – China. (CPM ARDDM). https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/associacao-recreativa-e-desportiva-dos-deficientes-de-macau-arddm/

CAPA + CONTRACAPA

Organizado pela 1.ª vez, por iniciativa da Direcção dos Internatos Médicos (DIM)  dos Serviços de Saúde de Macau, as “1.ªs Jornadas do Médico Interno” decorreram no Auditório da Escola Técnica dos Serviços de Saúde, de 23 a 25 de Novembro de 1995.

 O tema escolhido por esta Direcção tendo como participantes prioritários os médicos dos internatos complementares das diferentes especialidades (carreira médica de clínica geral; carreira médica hospitalar e carreira médica de saúde pública) e do internato geral, (1) foi “Urgências Médico Cirúrgicas

PROGRAMA DIA 23
PROGRAMA DIA 24
PROGRAMA DIA 25

(1) Decreto-Lei n.º 52/85/M, de 25 de Julho (criação do internato geral); depois aperfeiçoado pelo Decreto-Lei n.º 17/88/M de 7 de Março (criação da Direcção dos Internatos Médicos – DIM); este diploma foi revogado sucessivamente pelo Decreto-Lei n.º 65/88/M; Decreto-Lei n.º 68/92/M, de 21 de Setembro e parcialmente pelo Decreto-Lei n.º 8/99/M; e depois pela: Lei n.º 10/2010. Actualmente, após criação da “Academia Médica”, em 2018, esta instituição veio substituir a Direcção dos Internatos Médicos, ficando responsável pela formação profissional médica e pela organização, coordenação e supervisão dos internatos médicos. https://bo.io.gov.mo/bo/i/92/38/declei68.asp.

Iniciam-se, hoje, as corridas constantes do 67.º Grande Prémio de Macau que neste ano, devido á situação sanitária de Macau, (1) ficaram muito reduzidas (com um programa de somente 5 corridas somente em três dias, 20 a 22) (2) e sem a presença de muitos dos mais conceituados condutores e marcas das diferentes modalidades.

Uma das corridas canceladas é a prova de motos por isso recordando antigas corridas, desta modalidade, apresento cinco fotografias (infelizmente não datadas e com poucas condições de conservação) de uma das corridas de moto (de finais da década de 60 ou princípios dos anos 70). De interessante serem fotos pessoais de um dos percursos do circuito pouco fotografados durante as provas – a Estrada de Cacilhas – á frente dos actuais prédios n.º 7 e n.º 9. (esta última, no lugar onde era a casa dos meus pais).

Ao fundo, o Miradouro de Nossa Senhora de Mar, à direita as três “vivendas” da STDM (nomeadamente para a permanência do Stanley Ho quando vinha a Macau, nos primeiros tempos da STDM, constituída em 1962), (3) (à esquerda a “guarita” de madeira construía pela STDM, para a vigilância (a PSP fazia guarda nas 24 horas, quase sempre por polícias trabalhando em horas extraordinários)

À esquerda, uma saliência à estrada (ainda hoje existente) obra da STDM que alisou e cimentou parte do monte que exista atrás do muro para fazer parque de estacionamento para frota dos carros dos seus gerentes e convidados para as festas. Nos dias de grande prémio, com o circuito “fechado”, servia para colocação dos carros rebocados “avariados” ou  “acidentados” – na foto uma mota e um carro.

No inferior direito, o muro da casa n.º 9

(1) De forma a assegurar que o evento decorra com as condições de segurança, a comissão organizadora implementou um número de medidas de prevenção epidémica. Como por exemplo a obrigatoriedade de quarentena de 14 dias à entrada em Macau, e redução dos lugares para o público de 14.000 para 10.000.

 (2) O 67º Grande Prémio de Macau será realizado de 20 a 22 de Novembro. O programa inclui cinco corridas: Grande Prémio de Macau de Fórmula 4, (a substituir a de Fórmula 3), Taça GT Macau, Corrida da Guia Macau, Taça de Carros de Turismo de Macau e Taça GT – Corrida da Grande Baía. https://www.macau.grandprix.gov.mo/pt/news/event/1553

(3) Após a compra à família da vivenda do alferes Luís (n.º 7 da Estrada de Cacilhas), a STDM, acrescentou num dos terrenos do lado, um prédio com garagem que serviu para, nesses primeiros anos, estacionamento dos automóveis de corrida utilizados por Teddy Ip (1913-2003) – um dos sócios da STDM – grande impulsionador do Grande Prémio de Macau e piloto participante, na década de 50 (século XX). https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/teddy-ip/

Continuação da postagem anterior sobre as comemorações do 10º aniversário dos Cuidados de Saúde Primários (C. S. P.) em Macau, realizadas de 23 a 28 de Outubro de 1995.

CADERNO de resumo dos trabalhos e CONVITE
CAPA + CONTRACAPA do CADERNO (30 cm x 21 cm) DE RESUMOS DOS TRABALHOS APRESENTADOS EM PÓSTERES

MENSAGEM na 1.ª página do Caderno de resumos

“Em 1995, Macau tinha uma rede de nove centros de Cuidados de Saúde Primários (sete em Macau e dois nas ilhas da Taipa e Coloane), através dos quais, nos últimos três anos, quase duplicou o número de utentes, passando de 37 mil em 1991 para mais de 68 mil em finais de 94, número que representa um aumento de 28,7 por cento relativamente a 1993. No tocante a consultas, passaram de 124 mil em 91, para cerca de 212 mil em 1994, significando que houve um aumento, em relação a 93, superior a 31 por cento. De referir também, no âmbito da prestação de serviços de saúde à população, que o Centro Hospitalar Conde de S. Januário, registou durante o ano passado mais de 4000 intervenções cirúrgicas e 4255 partos (correspondentes a 70 por cento dos nascimentos ocorridos em Macau), para além de mais de 99 mil consultas externas e cerca de 76 mil consultas de urgência.” (1)

AUTOCOLANTES DO EVENTO

(1) Informações recolhidas de «Jornal Tribuna de Macau», n.º 4862, 20 de Outubro de 2015 http://jtm.com.mo/opiniao/ha-20-anos/dez-anos-de-cuidados-primarios-de-saude/