Archives for category: Vestuário

D. Alexandre Pedrosa Guimarães (1) publica uma Pastoral contra o traje feminino usado em Macau desde 1557: “ … He a primeira que as mulheres de qualquer condição, e estado nunca mais tornem a entrar nos templos com condes, que são estes trapos sujos e porcos, que amarrão na testa …”

Senhora macaense (e outras figuras) com saraça e bioco (2) armado Pena sobre papel – Esboço de George Chinnery (1825-1852)

No dia 8 de Abril, o povo de Macau protesta contra esta Pastoral e a 30 de Junho de 1780, os pais e mães de família de Macau, apresentam apresenta ao vigário-geral do Bispado, uma exposição de mais de 100 páginas, cujo resumo, segundo Mons. Teixeira, é o seguinte: (3)

“I. Em Goa as mulheres usam o sari, que se envolve pela cabeça e é diferente do trajo português.

II. Idem, em Diu e Damão.

III. As mulheres usam também os seus trajos tradicionais em Bombaim, Ceilão S. Tomé, Costa de Coromandel e Bengala.

IV. Nos domínios portugueses da América as mulheres envolvem-se numas toalhas, cobrindo a cabeça com um pano.

V. Na Europa, incluindo Lamego, Coimbra e Porto, usam mantilhas. (4)

Este uso é legítimo e necessário:

1.º Por ser denominado conde (5) forrado de papel, fingindo um bró (6) de fronte agudo de altura de três dedos sobre que se amarra um pano branco de três pontas para segurar a tal forma de bró de fronte, e nele se possa segurar o pano ou saraça (7) com uma fita. 2.º Também porque este uso é imemorial de dois para três séculos sem contradição nem ter havido no dito uso escândalo nem ocasião de pecado.

3.º E sim porque o Exmo. Sr. D. Bartolomeu, Bispo (8) que foi desta cidade mais de dez anos e que nela teve geral aprovação por suas pias e virtuosas demonstrações de muita caridade; e com a mesma repartia as mulheres pobres os panos de segurar os denominados condes para que as mesmas pudessem ir às Igrejas gozar os ofícios e Santos Sacramentos.

4.º Logo, porque pela proibição feita por Sr. D. Alexandre, Bispo desta Cidade, se tem seguido escandalosas murmurações, procedimentos irregulares, descomposturas pelos adros das Igrejas, e muitas tem deixado de frequentar os Santos Sacramentos pelo pejo e vergonha de não irem compostas conforme a sua criação (…)” e seguia-se o protesto.

Apesar desta Pastoral, as mulheres continuaram com o seu vestido tradicional, que ainda usavam em meados do século XIX.”

Senhora de Macau com saraça, com o seu criado Pena sobre papel – Esboço de George Chinnery (1825-1852)

(1) D. Alexandre da Silva Pedrosa Guimarães (1727-1799) foi eleito Bispo de Macau a 13 de Julho de 1772. Chegou a Macau a 23-08-1774, tomando posse a 04-09-1774. Tomou posse do cargo de Governador e capitão-Geral de Macau, interinamente, a 25-06-1777. Adepto incondicional da política pombalina, e acérrimo inimigo dos jesuítas, deixou de ser governador a 1 de Agosto de 1778, (3) com a queda do Marquês de Pombal, e falecimento do Rei D. José em 1777. https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/d-alexandre-da-silva-pedrosa-guimaraes/

(2) Bioco – Véu, rodeandoo rosto, em forma de coca (do castelhano, espécie de capuz). De tradição mourisca (9)

(3) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume I, 2015, p. 303.

(4) Mantilha – espécie de manto de seda, ou de outro tecido, com que as mulheres cobrem a cabeça e parte do corpo geralmente até um pouco abaixo da cintura (9)

(5) Condê (do tâmul) – penteado que consiste em repuxar o cabelo e armá-lo em grande nó que se prende na nuca com ganchos geralmente de prata. Em Macau usou-se o termo para designar o pano branco com que se armava e prendia a saraça que servia de véu (9)

(6) Bró – palavra usada no Brasil para designar o penteado feminino constituído por um monte de cabelo repuxado e arrumado no alto da cabeça. (9)

(7) “Da análise do documento em estudo parece poder-se concluir que este nome era atribuído ao véu ou espécie de Mantilha com que as mulheres cobriam a cabeça e o busto. Supomos que, neste caso, se trate, apenas de ambiguidade no uso dos termos uma vez que as mulheres usariam além do baju ou do quimão, duas saraças ou panos-saraças: um para servir de saia e outro para mantilha – iguais, ou muito parecidos, nas dimensões e nos desenhos. Estes panos podiam ser de algodão estampado (provavelmente batik) ou em seda, por vezes bordada ou pintada, trazidas da Índia e, ao que parece, mais tarde também de Manila” (9)

Saraça (do malaio sarásah) – tecido de cor, geralmente de algodão, com que se enrolam da cintura para baixo as malaias e algumas índias cristãs (DALGADO, Sebastião R.  – Glossário Luso-Asiático , 1919, Vol. II, p. 293).

A saraça era um vestido fino de algodão que se usava por cima do baju ou quimão. Nos pés usavam chinelas, pouco dispendiosas, mas, com o manto, seria necessário calçar sapatos com as respectivas fivelas. (3) (9)

(8) D. Bartolomeu Manuel Mendes dos Reis (1720 – 1799), doutorado em Teologia pela Universidade de Coimbra em 29 de Novembro de 1752, foi nomeado Bispo de Macau, em Dezembro de 1752 (confirmado em 29 de Janeiro de 1753), tendo chegado a Macau e tomado posse em 1754. Durante o seu episcopado, por causa da perseguição promovida pelo Marquês de Pombal e supressão da Companhia de Jesus, em Portugal, os jesuítas foram expulsos de Macau e sequestrados os bens, ficando a Diocese de Macau gravemente prejudicada. O bispo, desgostoso com a expulsão dos jesuítas, partiu para Portugal em 1765. (3)

(9) AMARO, Ana Maria – O Traje da Mulher Macaense, 1989, pp. 124, 181, 183 e 185)

Numa postagem anterior (1) apresentei uma mochila como lembrança da minha participação como elemento da comitiva macaense aos jogos “7th FESPIC Bangkok 99”, realizado na Tailândia, ente 10 e 16 de Janeiro de 1999.

Desse mesmo encontro desportivo como lembrança, fiquei ainda com uma camisola desportiva do tamanho “M” (camisola de algodão, com colarinho, de mangas curtas, em forma de T.) oferecida pela organização aos atletas, dirigentes e técnicos da “Associação Recreativa e Desportiva dos Deficientes de Macau” que representou Macau sob a bandeira do Leal Senado, nesse evento desportivo.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/04/14/lembranca-mochila-do-fespic-bangkok-99/

Equipamento desportivo – blusão e calças – da “Associação Recreativa dos Deficientes MACAU – CHINA” do ano 2000. A “Associação Recreativa e Desportiva dos Deficientes de Macau” (ARDDM)(1) foi fundada na década de 60 (século XX) por Leonel Borralho, e ,em 2000, era presidente,  António Fernandes e vice-presidente, Jorge Leitão Pereira.

(1) A denominação «ARDDM», em 2009, foi alterada para Comité Paraolímpico de Macau-China – Associação Recreativa e Desportiva dos Deficientes de Macau – China. (CPM ARDDM). https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/associacao-recreativa-e-desportiva-dos-deficientes-de-macau-arddm/

Camisola de algodão (100%), “Large”, de cor branca, com manga curta que desdobrada tem a forma de T (vulgarmente conhecida por “Tshirt”) para a prática desportiva (e não só), oferecida (já não me lembro bem), talvez pelos Serviços de Trânsito da PSP de Macau), na década de 90 (século XX) (1), com mensagens em português e chinês acerca do “Código de estrada – Código da vida”

FRENTE DA CAMISOLA

CÓDIGO DA ESTRADA ———————– CÓDIGO DE VIDA

SINAIS DE FUMO – SINAIS SONOROS – SINAIS DE FORÇA – SINAIS DE AMIZADE – SINAIS DE RIQUEZA – SINAIS DE POBREZA – SINAIS DE TEMPESTADE – SINAIS DE AMOR

SINAIS DE VIDA

POSTERIOR DA CAMISOLA

(1) Creio ter sido depois de 1993, com a publicação do Decreto-Lei n.º 17/93/M (B.O.  N.º 17/1993), em que se aprovou o novo Código de Estrada. Este diploma foi depois revogado por “Lei n.º 3/2007”

Camisola de algodão, de cor branca, com colarinho, de mangas curtas, em forma de T., usado nas actividades desportivas nomeadamente no Hóquei em Campo. Este modelo era utilizado pelos jogadores Veteranos do «Hóquei Clube de Macau», nas suas deslocações ao estrangeiro, na década de 80 (século XX).

 

A propósito de mais um «aniversário» do Farol da Guia, com a postagem de 24 de Setembro (1)  apresento uma camisola de algodão, de mangas curtas, em forma de T (t-shirt) de cor azul, com uma estampagem, um  design muito sugestivo para os turistas – um dinossauro com o farol da guia no topo da cabeça e  “atado” ao pescoço.
Creio que é um produto das “Indústrias Culturais e Criativos de Macau
Comprado este ano, 2017, na Rua do Campo, No 258, Broadway Plaza, por cima do Centro Comercial Chi Fu.
(1) Ver anterior postagem:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/09/24/noticia-de-24-de-setembro-de-1865-1965-o-farol-da-guia/

Camisola de algodão, de cor branca, com colarinho redondo de cor verde, com manga curta que desdobrada tem a forma de T (vulgarmente conhecida por “Tshirt”) para a prática desportiva (e não só), oferecida pelo Instituto de Desportos de Macau,  em finais da década de 90.

“MACAU 澳門

Estampa estilizada, de cor verde na região dorsal superior

Realizaram-se em Tróia (Portugal) (1) de 20 a 25 de Abril de 1990, os VII JOGOS MÉDICOS NACIONAIS. (2) Uma delegação – médicos e um fisioterapeuta (um especial grande abraço a Emanuel Vital) – dos Serviços de Saúde de Macau, participou neste encontro nas modalidades de ténis, ténis de mesa e futebol (de cinco).

Como recordação deste encontro desportivo, uma “T-shirt” com o logótipo dos “Jogos” desse ano.
Dorsal da camisola

(1) A Península de Tróia é uma restinga arenosa com mais de 25 km de comprimento e 0,5 a 1,5 km de largura, no litoral da freguesia de Carvalhal, no concelho de Grândola, entre o oceano Atlântico (a oeste) e o estuário do rio Sado (a leste). A península formou-se nos últimos 5000 anos de sul para norte, desde a Comporta até Tróia em frente à cidade de Setúbal. Encontre na sub-região de Área Metropolitana de Lisboa.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Pen%C3%ADnsula_de_Troia
(2) Não sei se ainda se realizam esses jogos. Na Net circula a divulgação de 2012 (30 de Maio a 4 de Abril) – 28.º Jogos Médicos Nacionais. Terá sido a última?

peca-de-vestuario-t-shirt-dos-s-s-m-ipeca-de-vestuario-t-shirt-dos-s-s-m-ivCamisola “T shirt” (XL) utilizada pelo Grupo Desportivo dos Serviços de Saúde nas competições desportivas na década de 80 (século XX).

peca-de-vestuario-t-shirt-dos-s-s-m-ii

peca-de-vestuario-t-shirt-dos-s-s-m-iii

Hoje realiza-se em Macau, a 33.ª edição da «Marcha da Caridade do jornal Ou Mun», evento organizado anualmente no Mês de Dezembro pela Associação de Beneficência dos Leitores do Ou Mun, o jornal em língua chinesa com maior tiragem no território.
O local de concentração neste ano é junto à estátua de Kun Iam, na Avenida Dr. Sun Yat-Sen, tendo o percurso cerca de 4 quilómetros.
vestuario-desportivo-do-s-s-2000-completovestuario-desportivo-do-s-s-2000-logotipo-pormenorComo recordação da minha participação no ano de 2000 (a primeira «Marcha» após a transferência da soberania do território), apresento  o vestuário desportivo  oferecido nesse ano aos funcionários dos Serviços de Saúde a fim de participarem na «Marcha de Caridade por um Milhão».

vestuario-desportivo-do-s-s-2000-calcas

vestuario-desportivo-do-s-s-2000-gola

vestuario-desportivo-do-s-s-2000-logotipo