Archives for category: Usos e Costumes

TÁT SÁNG U – 撻生魚 (1)

Significa: matar o peixe fresco, batendo-o contra qualquer coisa

Dizem os chineses que batem estirando o peixe para ver se pertencem à classe dos fá-kuât-lông 化骨龍.(2) Se for desta classe, o peixe uma vez batido deitará para fora do seu corpo dois pezinhos. Tais peixes não devem ser comidos pois amolecem os ossos. A verdade é que se não matar o peixe, batendo-o em todo o seu comprimento de encontro a uma superfície, não se pode cortá-lo em pedaços, por serem extremamente escorregadios e animados de grande vitalidade. Este termo emprega-se, porém, para se referir aos indivíduos que estatelam no chão. (3)

(1) 撻生魚 – mandarim pīnyīn: tà shēng yú;  cantonense jyutping: daat3 sang1 jyu4

(2) 化骨 龍 – mandarim pīnyīn: huà gǔ lóng; cantonense jyutping: faa3  gwat1 lung4

Dragão de osso (criatura lendária): o dragão de osso, o significado original é o glutão guloso nos nove filhos de Longsheng (pinyin: Tāotiè, uma fera feroz e gulosa na lenda). Há pessoas que mudam de ideia e chamam seus próprios filhos, muito gananciosos e muito capazes de comer. Há também um ditado que se refere a uma criatura de quatro patas que parece um peixe cru. Às vezes estica quatro patas pequenas, mas para evitar ser descoberto por humanos, muitas vezes dobra as patas traseiras e se veste como um peixe cru. Sua aparência usual é a mesma de “peixe cru” Sem diferença, ele pode suportar altas temperaturas e tem a capacidade de se fingir de morto. Se for dado no corpo humano, seus membros ficarão expostos e ossos serão completamente destruídos. Esta afirmação não tem base científica.https://baike-baidu-hk.translate.goog/item/%E5%8C%96%E9%AA%A8%E9%BE%8D/2556726?_x_tr_sl=zh-TW&_x_tr_tl=en&_x_tr_hl=en&_x_tr_pto=sc

(3) GOMES, Luís G. – Tropos Usados na Gíria Chinesa, in «Mosaico», V-27/28 de Novembro e Dezembro de 1952, p. 137.

TÂN-KÂU-FÂI炖 狗肺 (1) – Pulmão de cão cozido em banho-maria

Os chineses comem (ou comiam) todas as partes do cão com a excepção dos pulmões, portanto, este termo é empregado para dizer que um indivíduo é desprezado pelos seus semelhantes. Existe também o seguinte dito chinês, pei-kó iân-sâm-nei-sek, tóng-kâu-fai, (dar-lhe de comer um coração humano e tomá-lo por pulmão de cão), que é empregado para aludir à ingratidão de um indivíduo por favores recebidos. (2)

TÂN-MAU-IÔK炖 貓肉 (3) –Gato a banho-maria

O motivo por que os chineses comem (ou comiam) a carne de cães, gatos e cobras é porque julgam que a carne desses animais tem a propriedade de revigorar as energias. A palavra “gato”, nesta frase, refere-se, porém, às prostitutas e assim tân-máu-iôk significa ter relações sexuais com as prostitutas privadas. (2)

TÂN-UÓ-TCH´ÔNG炖禾虫 (4) – Cozer as larvas de arroz a banho-maria

Este termo emprega-se para se referir ao indivíduo que se deitou com uma cega. (2)

(1) 炖 狗肺mandarim pīnyīn: tún gǒu fèi; cantonense jyutping: dan6 gau2 fai3

(2) GOMES, Luís G. – Tropos Usados na Gíria Chinesa, in «Mosaico», V-27/28 de Novembro e Dezembro de 1952, p. 136.

(3) 炖 貓肉mandarim pīnyīn: tún māo ròu;  cantonense jyutping: dan6 maau1 juk6

(4) 炖禾虫mandarim pīnyīn: tún hé chóng; cantonense jyutping: dan6 wo4 cung4

TÁI-TCHI-PÀT – 大枝筆  (1) – Pincel grande

Como um pincel quanto maior for maior é o seu poder de absorção, este termo é empregado para significar um indivíduo dissipador, que absorve muito dinheiro para o gastar prodigamente.(2)

T´ÂI -TCHI P´OU-TIN – 提子布甸 (3) – Pudim de passas de uvas

É termo que se emprega para se referir a um indivíduo com a face marcada por sinais de bexigas.(2)

TCH´ÂT-LÔNG SÔNG-KOU – 岀龍鬆糕 (4) – Bolo fofo da saída do dragão

É um bolo que se vende aos pobres e que, quando se leva ao forno, se levanta a massa, deixando muitos buracos. Por este motivo, este termo é empregado para designar os indivíduos bexigosos.

(1) 大枝筆 – mandarim pīnyīn: dà zhī bǐ,  cantonense jyutping: daai6 zi1 bat1

(2) GOMES, Luís G. – Tropos Usados na Gíria Chinesa, in «Mosaico», V-27/28 de Novembro e Dezembro de 1952, pp. 135-136

(3) 提子布甸- mandarim pīnyīn: tí zǐ bù diàn; cantonense jyutping:dai2 zi2 bou3 din1

(4) 岀龍鬆糕 – mandarim pīnyīn: chū lóng sōng gāo; cantonense jyutping: chôt lung4  sung1   gou1

No B.O. n.º 1, deste 2.º semestre do ano, é publicado, no dia 7 de Julho de 1923, o seguinte edital da Administração do Concelho de Macau: ”Faço saber que, a partir da data da publicação deste edital no Boletim Oficial da Província, será proibido aos vigias chineses tocarem nas vias públicas e casas de vigia os bambus e tambores que é costume usarem para anunciar as horas ao público, sob a pena de desobediência aos mandados de autoridade”. Trata-se de um velho costume da China, mencionado de visu por Fernão Mendes Pinto e por Fr. Gaspar da Cruz, entre outros. SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p. 135

Celebrou- se em Macau neste dia, 25 de Junho de 1982, a “Festividade do Duplo Cinco”, data em que assinalou a passagem do solstício de Verão.

Neste dia realizaram-se as tradicionais corridas dos barcos-dragões. Equipas da Austrália, Malásia, Singapura, Hong Kong e do vizinho distrito chinês de Zhuhai participaram nas provas realizadas em Macau, atraindo milhares de pessoas à baía da Praia Grande.

Extraído de “macau82 jornal do ano”, GCS, 1982, p. 155

Hoje celebra-se em Macau a festa de Na Cha (décimo oitavo dia do quinto mês lunar). Antes da epidemia, a festa consistiria de dois desfiles nesse dia: um a partir do Templo de Na Tcha (perto das Ruínas de São Paulo) onde seriam realizados o ritual da adoração com incenso, seguindo uma parada da estátua de Na Tcha (a liteira que carrega a estátua foi produzida em 1903) acompanhada por uma equipa de dança do leão, tambores e gongos em Macau e nas ilhas; outro desfile partiria do monte onde está o templo, acompanhado por Kam Cha (Jinzha em chinês) e Mok Cha (Muzha em chinês), bem como o dragão guardião e fadas, espalhando flores. Sendo como uma parte do Património Mundial de Monumentos do Centro Histórico de Macau, o Templo de Na Tcha ( perto das Ruínas de São Paulo) é uma perfeita apresentação das características únicas multiculturais de Macau. (1) (2)  

Postal “Festa de Na Chá”, nº 9 duma colecção de 10 postais intitulada “Festividades Orientais em Macau”, com fotografias de Wong Wai Hong, trilingue (chinês, inglês e português), edição de “Ming Shun Published in Macau” (impressos em Hong Kong), de 2008. (3)

(1) http://www.temple.mo/?mod=festival&id=92&lang=Por (2) Veja-se:  https://www.revistamacau.com.mo/2017/06/06/tradicoes-festa-de-na-tcha/ (3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/06/03/noticia-de-3-de-junho-de-2022-festival-tun-ng-postal-barcos-dragao/

Continuação do artigo publicado em (1) e por mim postado em 29/09/2015, (2) sobre o antigo costume entre a classe dos pescadores de pendurar nas crianças de poucos anos de idade uma espécie de cabaça (soi pou 水抱, no dizer dos chineses) (3), feita de madeira maciça.

“O barco, mesmo oscilando nas ondas suaves, ao sopro da brisa, não a assusta. Sempre irrequieta, é natural que os pais temam pela sua segurança podendo perder-se dum momento para o outro, pelo impulso da sua vivacidade imoderada. Para que assim não venha a suceder, os pais tomam as necessárias precauções. Atam-lhe a pesada cabaça, de modo que os movimentos se tornem menos traquinas, evitando assim que caia pela borda fora sem darem por isso.

Esta é a versão para este costume. Mas ainda se conta outra que não foge ao carácter tradicional de certas crenças entre o povo chinês. Explicam que os pais prendem às crianças a cabaça para descobrirem facilmente a sua localização, caso venha a cair ao mar, pois a grande preocupação, é dar sepultura ao cadáver, de outro modo o acontecimento pode trazer para a família uma grande desgraça.

Agora não nos admira que assim procedam com tantas cautelas, porque se torna imperioso proteger a família contra qualquer desventura, mesmo que o causador seja um inocente.”

 (1) Artigo não assinado retirados de “MACAU Boletim de Informação e Turismo”, X, n.ºs 1 e 2, de Março/Abril de 1974, p. 11.

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/09/29/tipos-e-costumes-a-crianca-e-a-cabaca/

(3)  mandarim pīnyīn: shuǐ  bào; cantonense jyutping:seoi2 pou5

Kâu-T´ou-U狗肚魚  (1) – Peixe barriga de cão

É uma espécie de peixe de pequeno tamanho, aspecto repugnante e carne viscosa. Refere-se ao humor mucoso que sai das ventas de certos indivíduos porcos que não lavam a cara. (2)

Kàu-T´ou狗肚 (3) – Barriga de cão

Como os ventres dos cães são bojudos e sem gordura este termo foi adoptado para se referir a um indivíduo sem meios e sem carácter. (2)

Kei-Lim-T´ông忌廉筒  (4) – Rolos de créme

A palavra kei-lim é uma reprodução deturpada da palavra inglesa cream. O termo é empregado para se referir aos canudos de cabelos encaracolados do moderno penteado das raparigas chinesas. (2)

(1) 狗肚魚 – mandarim pīnyīn: gǒu dù yú; cantonense jyutping:gau2 tou5 jyu4

(2) GOMES, Luís G. – Tropos Usados na Gíria Chinesa, in «Mosaico», IV-19/20 de Março e Abril de 1952, p. 401.

(3) 狗肚 – mandarim pīnyīn: gǒu dù; cantonense jyutping: gau2 tou5

(4) 忌廉筒 – mandarim pīnyīn: jì lián tǒng, ; cantonense jyutping: gei6 lim4 tung2

NOTA de 01-05-2022: agradeço a seguinte informação dada por Isaías do Rosário, acerca do peixe “Kâu-T´ou-U – 狗肚魚,
O peixe “Kâu-T´ou-U – 狗肚魚” não existe, infelizmente, em Portugal.
Um dos meus pratos chineses favoritos é esse peixe frito, apenas com sal e malagueta – “chiu Im”.
O Peixe-pato de Bombaím, é originários dos mares tropicais do Indo-Pacífico e tem o nome científico de “Harpodon nehereus”.
A origem do nome do prato é oficialmente desconhecida, embora as histórias variem conforme a região. Alguns dizem que é depois da palavra hindi para correio, dak, devido ao odor pungente do prato, que lembra os vagões de madeira do trem postal de Bombaim. Outros afirmam que o termo peixe bummalo soava rude quando oferecido como uma refeição, então os vitorianos começaram a chamar a comida de um nome semelhante a Digchick, ou arenque seco. Outros nomes para a comida em várias regiões globais incluem bamaloh, loita, bombil e bumla.
Na ìndia portuguesa é conhecido por “Bombli”
“.

.

O aniversário do nascimento da deusa «Neong Ma», (1) que se comemora no 23.º dia da 3.ª Lua, (este ano no dia 23 de Abril), é para os marítimos, em Macau, a mais importante festividade religiosa do calendário chinês.

Em Macau, essa festividade celebra-se sobretudo no Pagode da Barra (2) onde ganha foros de acontecimento extraordinário. Todos os marítimos, e muitos outros devotos, ocorrem nesse dia, ao santuário da «Rainha do Céu», levando os mais abastados, valiosas ofertas e os outros a gratidão de seus corações reconhecidos. Colocando no altar da deusa os seus presentes, agradecem a proteção concedida nos últimos doze meses e pedem, na faina que vai recomeçar, ventos favoráveis e que se encham de peixe as redes largas. (3)

Templo de Ma Kok – desenho de R. Von Decker (1860) Litografia colorida de W. Korn & Co (4)

(1) São obscuras as origens da deusa “Neong Ma», também conhecida por «Tin Hau» (Rainha do Céu) e, por isso, muitos historiadores chineses a identificam com a deusa budista Maritch e com a tão popular «Kun Iam», deusas dos taoistas. Em muitos templos, as deusas «Neong Ma» e «Kun Iam» ocupam o mesmo santuário para que os devotos possam dirigir as suas preces àquela que é mais da sua devoção. «Neong Ma» é, no entanto, a deusa por excelência da gente do mar. Em cada embarcação tem ela um altar, no coração de cada marítimo, uma crença inabalável, e em todas as localidades onde haja pescadores um templo que se distingue pela religiosidade dos seus devotos. (3)

(2) Estendendo-se em anfiteatro pela Colina da Barra, virada ao porto interior. O Pagode de Ma-Kok-Miu é uma nota de exotismo que vai morrer nas velas plácidas das lorchas, e na vida íntima dos tancás e sampanas que deslizam nas águas do rio. O Pagode da Barra ou Templo de Ma-Kok-Miu é o recinto sagrado onde a gente do mar rende à deusa «Neong Ma» um culto fervente que a tradição mantém e a crença alimenta e fortifica. (3)

(3) Extraído do artigo não assinado de «MBI», ano III, n.º 67 de 15 de Maio de 1956, pp. 8-10

(4) The Ma Kok Temple, Macao de R.Von Decker (1860) https://artsandculture.google.com/asset/the-ma-kok-temple-macao/TQH3GZ_m3zx3bA

No dia 5 de Abril de 1955 comemoraram os chineses o seu Dia de Finados, festa conhecida por «Cheng Meng». Por este motivo, muitos milhares de pessoas foram autorizadas a atravessar, durante três dias, a Porta do Cerco a fim de irem em romagem até junto dos túmulos dos seus mortos sepultados em território chinês. De Hong Kong muitas pessoas se deslocaram a Macau para esse fim, sendo enorme a bicha que se formou junto à fronteira. (1)

(1) Extraído de «MACAU», B. I., Ano II, n.º 41 15 de Abril de 1955, p. 16.