Archives for category: Usos e Costumes

No B.O. n.º 1, deste 2.º semestre do ano, é publicado, no dia 7 de Julho de 1923, o seguinte edital da Administração do Concelho de Macau: ”Faço saber que, a partir da data da publicação deste edital no Boletim Oficial da Província, será proibido aos vigias chineses tocarem nas vias públicas e casas de vigia os bambus e tambores que é costume usarem para anunciar as horas ao público, sob a pena de desobediência aos mandados de autoridade”. Trata-se de um velho costume da China, mencionado de visu por Fernão Mendes Pinto e por Fr. Gaspar da Cruz, entre outros. SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p. 135

Celebrou- se em Macau neste dia, 25 de Junho de 1982, a “Festividade do Duplo Cinco”, data em que assinalou a passagem do solstício de Verão.

Neste dia realizaram-se as tradicionais corridas dos barcos-dragões. Equipas da Austrália, Malásia, Singapura, Hong Kong e do vizinho distrito chinês de Zhuhai participaram nas provas realizadas em Macau, atraindo milhares de pessoas à baía da Praia Grande.

Extraído de “macau82 jornal do ano”, GCS, 1982, p. 155

Hoje celebra-se em Macau a festa de Na Cha (décimo oitavo dia do quinto mês lunar). Antes da epidemia, a festa consistiria de dois desfiles nesse dia: um a partir do Templo de Na Tcha (perto das Ruínas de São Paulo) onde seriam realizados o ritual da adoração com incenso, seguindo uma parada da estátua de Na Tcha (a liteira que carrega a estátua foi produzida em 1903) acompanhada por uma equipa de dança do leão, tambores e gongos em Macau e nas ilhas; outro desfile partiria do monte onde está o templo, acompanhado por Kam Cha (Jinzha em chinês) e Mok Cha (Muzha em chinês), bem como o dragão guardião e fadas, espalhando flores. Sendo como uma parte do Património Mundial de Monumentos do Centro Histórico de Macau, o Templo de Na Tcha ( perto das Ruínas de São Paulo) é uma perfeita apresentação das características únicas multiculturais de Macau. (1) (2)  

Postal “Festa de Na Chá”, nº 9 duma colecção de 10 postais intitulada “Festividades Orientais em Macau”, com fotografias de Wong Wai Hong, trilingue (chinês, inglês e português), edição de “Ming Shun Published in Macau” (impressos em Hong Kong), de 2008. (3)

(1) http://www.temple.mo/?mod=festival&id=92&lang=Por (2) Veja-se:  https://www.revistamacau.com.mo/2017/06/06/tradicoes-festa-de-na-tcha/ (3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/06/03/noticia-de-3-de-junho-de-2022-festival-tun-ng-postal-barcos-dragao/

Continuação do artigo publicado em (1) e por mim postado em 29/09/2015, (2) sobre o antigo costume entre a classe dos pescadores de pendurar nas crianças de poucos anos de idade uma espécie de cabaça (soi pou 水抱, no dizer dos chineses) (3), feita de madeira maciça.

“O barco, mesmo oscilando nas ondas suaves, ao sopro da brisa, não a assusta. Sempre irrequieta, é natural que os pais temam pela sua segurança podendo perder-se dum momento para o outro, pelo impulso da sua vivacidade imoderada. Para que assim não venha a suceder, os pais tomam as necessárias precauções. Atam-lhe a pesada cabaça, de modo que os movimentos se tornem menos traquinas, evitando assim que caia pela borda fora sem darem por isso.

Esta é a versão para este costume. Mas ainda se conta outra que não foge ao carácter tradicional de certas crenças entre o povo chinês. Explicam que os pais prendem às crianças a cabaça para descobrirem facilmente a sua localização, caso venha a cair ao mar, pois a grande preocupação, é dar sepultura ao cadáver, de outro modo o acontecimento pode trazer para a família uma grande desgraça.

Agora não nos admira que assim procedam com tantas cautelas, porque se torna imperioso proteger a família contra qualquer desventura, mesmo que o causador seja um inocente.”

 (1) Artigo não assinado retirados de “MACAU Boletim de Informação e Turismo”, X, n.ºs 1 e 2, de Março/Abril de 1974, p. 11.

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/09/29/tipos-e-costumes-a-crianca-e-a-cabaca/

(3)  mandarim pīnyīn: shuǐ  bào; cantonense jyutping:seoi2 pou5

Kâu-T´ou-U狗肚魚  (1) – Peixe barriga de cão

É uma espécie de peixe de pequeno tamanho, aspecto repugnante e carne viscosa. Refere-se ao humor mucoso que sai das ventas de certos indivíduos porcos que não lavam a cara. (2)

Kàu-T´ou狗肚 (3) – Barriga de cão

Como os ventres dos cães são bojudos e sem gordura este termo foi adoptado para se referir a um indivíduo sem meios e sem carácter. (2)

Kei-Lim-T´ông忌廉筒  (4) – Rolos de créme

A palavra kei-lim é uma reprodução deturpada da palavra inglesa cream. O termo é empregado para se referir aos canudos de cabelos encaracolados do moderno penteado das raparigas chinesas. (2)

(1) 狗肚魚 – mandarim pīnyīn: gǒu dù yú; cantonense jyutping:gau2 tou5 jyu4

(2) GOMES, Luís G. – Tropos Usados na Gíria Chinesa, in «Mosaico», IV-19/20 de Março e Abril de 1952, p. 401.

(3) 狗肚 – mandarim pīnyīn: gǒu dù; cantonense jyutping: gau2 tou5

(4) 忌廉筒 – mandarim pīnyīn: jì lián tǒng, ; cantonense jyutping: gei6 lim4 tung2

NOTA de 01-05-2022: agradeço a seguinte informação dada por Isaías do Rosário, acerca do peixe “Kâu-T´ou-U – 狗肚魚,
O peixe “Kâu-T´ou-U – 狗肚魚” não existe, infelizmente, em Portugal.
Um dos meus pratos chineses favoritos é esse peixe frito, apenas com sal e malagueta – “chiu Im”.
O Peixe-pato de Bombaím, é originários dos mares tropicais do Indo-Pacífico e tem o nome científico de “Harpodon nehereus”.
A origem do nome do prato é oficialmente desconhecida, embora as histórias variem conforme a região. Alguns dizem que é depois da palavra hindi para correio, dak, devido ao odor pungente do prato, que lembra os vagões de madeira do trem postal de Bombaim. Outros afirmam que o termo peixe bummalo soava rude quando oferecido como uma refeição, então os vitorianos começaram a chamar a comida de um nome semelhante a Digchick, ou arenque seco. Outros nomes para a comida em várias regiões globais incluem bamaloh, loita, bombil e bumla.
Na ìndia portuguesa é conhecido por “Bombli”
“.

.

O aniversário do nascimento da deusa «Neong Ma», (1) que se comemora no 23.º dia da 3.ª Lua, (este ano no dia 23 de Abril), é para os marítimos, em Macau, a mais importante festividade religiosa do calendário chinês.

Em Macau, essa festividade celebra-se sobretudo no Pagode da Barra (2) onde ganha foros de acontecimento extraordinário. Todos os marítimos, e muitos outros devotos, ocorrem nesse dia, ao santuário da «Rainha do Céu», levando os mais abastados, valiosas ofertas e os outros a gratidão de seus corações reconhecidos. Colocando no altar da deusa os seus presentes, agradecem a proteção concedida nos últimos doze meses e pedem, na faina que vai recomeçar, ventos favoráveis e que se encham de peixe as redes largas. (3)

Templo de Ma Kok – desenho de R. Von Decker (1860) Litografia colorida de W. Korn & Co (4)

(1) São obscuras as origens da deusa “Neong Ma», também conhecida por «Tin Hau» (Rainha do Céu) e, por isso, muitos historiadores chineses a identificam com a deusa budista Maritch e com a tão popular «Kun Iam», deusas dos taoistas. Em muitos templos, as deusas «Neong Ma» e «Kun Iam» ocupam o mesmo santuário para que os devotos possam dirigir as suas preces àquela que é mais da sua devoção. «Neong Ma» é, no entanto, a deusa por excelência da gente do mar. Em cada embarcação tem ela um altar, no coração de cada marítimo, uma crença inabalável, e em todas as localidades onde haja pescadores um templo que se distingue pela religiosidade dos seus devotos. (3)

(2) Estendendo-se em anfiteatro pela Colina da Barra, virada ao porto interior. O Pagode de Ma-Kok-Miu é uma nota de exotismo que vai morrer nas velas plácidas das lorchas, e na vida íntima dos tancás e sampanas que deslizam nas águas do rio. O Pagode da Barra ou Templo de Ma-Kok-Miu é o recinto sagrado onde a gente do mar rende à deusa «Neong Ma» um culto fervente que a tradição mantém e a crença alimenta e fortifica. (3)

(3) Extraído do artigo não assinado de «MBI», ano III, n.º 67 de 15 de Maio de 1956, pp. 8-10

(4) The Ma Kok Temple, Macao de R.Von Decker (1860) https://artsandculture.google.com/asset/the-ma-kok-temple-macao/TQH3GZ_m3zx3bA

No dia 5 de Abril de 1955 comemoraram os chineses o seu Dia de Finados, festa conhecida por «Cheng Meng». Por este motivo, muitos milhares de pessoas foram autorizadas a atravessar, durante três dias, a Porta do Cerco a fim de irem em romagem até junto dos túmulos dos seus mortos sepultados em território chinês. De Hong Kong muitas pessoas se deslocaram a Macau para esse fim, sendo enorme a bicha que se formou junto à fronteira. (1)

(1) Extraído de «MACAU», B. I., Ano II, n.º 41 15 de Abril de 1955, p. 16.

Hoje dia 5 de Abril de 2022, celebra-se o culto aos mortos «Cheng Meng».

Retiro parte dum artigo, não assinado da revista “Macau Boletim de Informação e Turismo», Vol. X, n.ºs 1 e 2 de Março/Abril de 1974, pp. 36-39”, acerca deste culto que, em 1974, recaiu também no dia 5 de Abril

“O culto dos mortos integra-se, anualmente, em duas festividades, das mais concorridas entre as que estabelece o calendário o calendário religioso.

Um delas realizou-se, no corrente ano (1974) no dia 5 de Abril, denominada «Cheng Meng». Para a sua celebração, desembarcaram em Macau alguns milhares de residentes de Hong Kong, que têm os seus mortos sepultados em território português, principalmente nas ilhas da Taipa e Coloane. Outros passaram por Macau a caminho da China, onde se encontram as sepulturas dos seus familiares, para além da Porta do Cerco, para onde seguiam noutros tempos os enterros, Hoje não se permite tal prática, mas respeitam-se as sepulturas. Mudaram-se os tempos e as gentes acomodam-se.

Presentemente é pelas encostas das colinas da Taipa e Coloane que se procura o campo para enterrar os mortos, sem haver qualquer área limitada, sendo aa escolha do local indicada pelo critério dos bonzos budistas, de acordo com determinadas características que só eles conhecem, porque a natureza da terra liga-se intimamente com a sorte do morto, uma primeira condição a ter em mente para garantir a felicidade dos que passaram a outras regiões.

Muitos estão já a ser enterrados nos cemitérios de Macau, alheando-se as famílias das recomendações dos calendários budista, modernizando-se neste particular, mas a veneração e o culto continuam a processar-se mais ou menos dentro do mesmo ritualismo tradicional.

Quem se deslocar nestes dias do «Cheng Meng» às ilhas da Taipa e Coloane deparará com um espectáculo inédito para os ocidentais. Pelas colinas, estendem-se as sepulturas, umas mais aparatosamente construídas – outras mais modestamente, assinaladas apenas por uma pedra com a correspondente inscrição, uma terra batida, a testemunhar a modéstia da família. (…)

Transportam com eles os mais variados géneros comestíveis que são consumidos mesmo sobre a sepultura pelos membros da família presentes. Compreendem galinhas, porco assado, arroz, frutas variadas. O porquinho assado evidencia certo nível de bem-estar do agregado familiar.

Espiritualmente, os mortos estão ali presente e participam do ágape, para marcar a convivência íntima que deve unir as gerações vivas àquelas que passaram, mas cujos rastos ainda iluminam as vias dos que pisam a terra. É esta função do culto aos mortos, função profundamente humana, se humanismo dinama das relações que prendem os homens uns aos outros, num encadeamento contínuo”. (…)

Sobre as sepulturas acendam-se os «pivetes» – velas de culto características – e queimam-se os «cai chin», (dinheiro para os mortos) e ainda outros artigos de papel para que aos mortos nada falte no outro mundo, onde continuam a ser felizes na medida em que os vivos se mostrarem generosos para com eles e as suas necessidades forem satisfeitas.

O termo «Cheng Meng», do vocabulário chinês, significa «erguer-se de manhã cedo», porque é logo ao despontar do dia que todos procuram dirigir-se para as campas, para terem tempo suficiente ao cumprimento da grande obrigação para com os mortos.

Esta mesma efeméride foi publicado pelo próprio autor (M. P.) no «BPMT», XIII-13 de 1 de Abril de 1867, p. 72 com indicação (creio, errada) da data: 1 de abril de 1859 (28,º dia da 2.ª lua do 9.º anno de Tau-Kuang) (1)

Extraído de BPMT», XIII-13 de 1 de Abril de 1867, p. 72

 (1) “1-04-1829 – O Mandarim de Heong-San pediu ao Procurador do Senado que mandasse suster o corte do monte, sitio conhecido por Tchu-Tchai, próximo da ermida de Nossa Senhora da Penha em virtude dos principais moradores chineses se terem queixado que isso prejudicava o Fong –Soi (influência geomântica) do Templo da Barra.” (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, p. 54)

KÂM – 柑 (1) – Tangerina

Este vocábulo quando figura na palavra composta Tch´iu-tchâu-kâm  (tangerina de Tchíu-Tchâu), cuja casa é grossa e muita enrugada, sendo empregada para se referir a um indivíduo cuja pele do rosto está muita engelhada ou bexigosa. (2)

KÂM KÊOK KÁP金脚甲 (3) – Unhas dos dedos do pé douradas

Tal termo não se aplica às unhas coloridamente polidas das modernas raparigas chinesas que fazem pédicure mas às unhas dos pés dos lavradores que estão sempre incrustadas de terra amarela, por andarem a trabalhar constantemente pelos campos. (2)

KÂM LIN金蓮 (4) – Lírios dourados

A originalidade deste poético termo, que se refere aos atrofiados pés das antigas mulheres chinesas, deve-se ao imperador Tông Fân Hau (499-501 AD) que, cheio de admiração pela sua concubina P´án Fêi que estava dançando sobre lírios, exclamou entusiasmado “Cada passo seu faz nascer um lírio”. (2)

(1) mandarim pīnyīn: gān ; cantonense jyutping: gam1

(2) GOMES, Luís G. – Tropos Usados na Gíria Chinesa, in «Mosaico», IV-19/20 de Março e Abril de 1952, p.400.

(3) 脚甲mandarim pīnyīn: jīn jiǎo jiǎ; cantonense jyutping: gam1 goek3 gaap3

(4) mandarim pīnyīn: jīn lián; cantonense jyutping: gam1 lin4

.