Archives for category: Templos Chineses

No dia 23 de Abril de 1998, (1) os “CTT – Correios e Telecomunicações de Macau” emitiram uma colecção de quatro selos (cada um no valor de 4 patacas), outros quatro selos, idênticos aos anteriores, mas em prata (o primeiro conjunto de selos de Macau, em prata) e um Bloco Filatélico (contendo um selo de $ 10,00), intitulada “Deuses da Ma Chou”, o 5.º da temática “Lendas e Mitos” (2)

Também nesta data, foi posto à venda, o livro filatélico com as explicações históricas e técnicas dos selos da Deusa A MÁ. Apresento hoje, o invólucro exterior, a capa e contracapa do livro. (3)

Invólucro exterior
Invólucro exterior

Não se sabe ao certo a origem do nome de Macau mas muito provavelmente provém dos nomes da Deusa A MÁ. Para assinalar o grande acontecimento histórico da assumpção da Administração de Maca para a República Popular da China, produzimos o 1.º conjunto de selos em prata com os Deuses da Ma Chou que consagram a Deusa A Má e o templo com o mesmo nome. É uma colecção de muito interesse que perdurará para sempre.” (3)

Capa do livro
Contracapa
Contracapa
Autora dos selos e da ilustração da capa: Poon Kam Ling. Ilustrações de: Ng Wai Kin

(1) Portaria n.º 84/98/M de 13 de Abril

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/05/09/noticia-de-9-de-maio-de-1994-filatelia-lendas-e-mitos/

(3) Deuses da Ma Chou, O Primeiro Conjunto de Selos de Macau, em Prata. CTT,1998. Tiragem autorizada: 7 000; Preço de venda ao público: MOP $ 199,00

Hoje comemora-se em Macau a festa anual a Pak Tai (北帝 – Běidì imperador do norte) que no terceiro dia da terceira lua. É nessa altura que o templo chinês Pak Tai (o mais antigo da ilha da Taipa e um dos mais antigos de Macau), regista maior afluência.
Estavam programados espectáculos de ópera chinesa que habitualmente eram levados á cena num teatro improvisado feito com canas de bambu em frente do templo dedicado a Pak Tai na vila da Taipa, mas devido às restrições por cauda do corona vírus  “Covid-19″, foram cancelados.
Segundo a lenda Pak Tai venceu o Rei dos Demónios que aterrorizava o universo. Como forma de gratidão foi-lhe dado o título de Divindade Superior do Profundo Paraíso Negro e também Verdadeiro Soldado do Norte. Considerado um “deus” com origem na dinastia Shang (1600.1046 AC) e é protector das artes marciais e dos desastres naturais.

Templo de Pak Tai – anos 50 do século XX

O templo de Pak Tai está localizado na Rua do Regedor, (1) tendo em frente o recinto quadrado denominado Largo Camões, e em frente ao então Canal dos Estaleiros da Taipa.
Fundado há cerca de trezentos anos, (2) foi outrora muito frequentado pelos devotos da ilha, mas encontra-se hoje particularmente esquecido. O seu interior conserva ainda vários relíquias que valem uma verdadeira fortuna.
Pak Tai era um príncipe que, devido à sua coragem, recebeu o título de Imperador do Norte. Foi comandante de doze legiões celestes com o fim de lutar contra o Rei-Demónio que pretendia devastara Terra. A lenda chinesa que lhe está associada conta que teve de lutar contra uma enorme tartaruga e uma comprida serpente que, o final, acabou por derrotar, derrubando assim o demoníaco soberano. Com este feito, Pak Tai acabaria por ser proclamado Supremo Imperador do Céu Negro.
Os portões estão protegidos por duas figuras representativas de antigos guerreiros com ar colérico e de espada desembainhada. O altar do deus Pak Tai encontra-se no pavilhão central, e ali figura uma estátua deste ídolo, que ostenta na mão direita uma haste com uma bandeira encarnada bordada a ouro.
Contam os habitantes que, certa vez, quando uma epidemia de cólera alastrou na ilha, um doente já moribundo pediu ao bonzo que organizasse uma procissão pelas ruas da vila. Após a cerimónia, o doente ficou subitamente curado, regressando a casa como se nada tivesse acontecido. O episódio terá sido testemunhado por centenas de pessoas.
Numa outra ocasião, uma povoação da Taipa foi devorada por um incêndio. Sem saber o que fazer, os populares resolveram solicitar a alguém que fosse buscar a tal bandeira encarnada na posse do ídolo de Pak Tai. Agitaram-na, fazendo com que o forte vento que soprava do quadrante Norte virasse para Sul, o que evitou que o fogo atingisse outras povoações”.
Conta-se ainda que, em tempos remotos, havia um grupo de piratas que pretendia saquear a ilha. Uma vez mais, o misericordioso Pak Tai veio em auxílio da população, mandando uma legião de soldados, enfileirar-se no local de desembarque, provocando a retirada dos invasores. Na verdade, não havia um único soldado na praia – o que aconteceu foi mais um milagre de Pak Tai” (3)
(1) A Rua do Regedor começa no cruzamento da Rua do Pai Kok e a Rua Governador Tamagnini Barbosa, a sul e termina a nordeste no cruzamento da Rua da Ponta Negra com o largo dos Bombeiros, na Ilha da Taipa.
(2) Terá sido construído durante 1843, dinastia Qing, no reinado do imperador Daoguang – Tao Kuang 宣宗 – sétimo imperador da dinastia manchu (sexto imperador Qing.
(3) Extraído de BARROS, Leonel – Templos Lendas e Rituais – Macau. APIM, 2003, pp. 43-44
NOTA: anterior referência a este Templo budista em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/11/26/postal-da-ilha-da-taipa-da-decada-de-90-seculo-xx-vi-templo-de-pak-tai/

“Chinese Marine Temple, Macao” (1)
Atribuído a  John Thomson 1870s – 1890s (2)

(1) https://artsandculture.google.com/asset/chinese-marine-temple-macao/XwHWkEfOobj4-w
(2) Ver referências anteriores em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/john-thomson/

Dez postais impressos na Tipografia Seng Si Lda (5.000 exemplares) e emitidos pela Direcção dos Serviços de Turismo, em Fevereiro de 2006, publicitando “Eventos de Macau” . Sem outras indicações (autores ? datas?)

Embalagem exterior de 15,5 cm x 10.5 cm x 0,5 cm, contendo no seu interior 10 eventos que anualmente eram em 2006 (e ainda são) realizados em Macau: ano novo chinês; procissão do Nosso Senhor dos Passos; festival do dragão embriagado; festival de artes de Macau; corrida dos barcos dragão; festival internacional de dança; concurso internacional de fogo de artifício; festival internacional de música de Macau; gastronomia macaense; e grande prémio de Macau..

DANÇA DO DRAGÃO NO TEMPLO DE Á MÁ

O primeiro grande evento do ano é sem dúvida as festividades de celebração do ANO NOVO CHINÊS, em que durante dez dias a população local assiste a um conjunto variado de festas e de acontecimentos sociais e culturais celebrando a entrada num Novo Ano.
Há danças do dragão e dos leões pelas ruas do centro da cidade, as pessoas visitam-se e organizam festas nos restaurantes e hotéis, os templos são visitados por multidões e as principais praças de Macau são decoradas com lanternas, flores e dísticos auspiciosos.
É tradicional que quando as pessoas se encontram digam “Kung Hei Fat Chói” e se ofereçam “Lai Si” (pequenos envelopes vermelhos) contendo dinheiro, que é uma forma tradicional e concreta de desejar, a familiares e amigos, boa sorte e prosperidade para o novo ano em que se entra. (1)

POSTAL (15 cm x 10 cm) – DST – ANO NOVO CHINÊS

(1) https://www.macaotourism.gov.mo/pt/events/calendar/chinese-new-year

Continuação da publicação dos postais de Macau digitalizados do «Jornal Único» de 1898 (1)
NOTA:Os chichés das vistas photographicoas foram tirados pelo photographo amador Carlos Cabral. Todos os trabalhos respeitantes a este «Jornal Único» foram executados em Macau
Extractos do artigo de A. Basto “O *Pagode da Barra”, publicado no «Jornal Único» pp. 43-49
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jornal-unico/
http://purl.pt/32511/3/html/index.html#/1

Aquando da comemoração do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau da República Popular da China nomeadamente na primeira emissão filatélica como MACAU-CHINA,  além do lançamento dos  selos e bloco, (1) foram emitidos pelos Correios de Macau, seis bilhetes postais  (15 cm x 10,5 cm; cada: MOP 2.00) correspondentes à temática dos seis selos.
BPL001 – TEMPLO DE A-MÁ com selo de 1.00 pataca e carimbo comemorativo
Dança do dragão em frente do templo da Barra, construído na Dinastia Ming, o dragão gigantesco está dançando

BPL002 – PONTE DE AMIZADE com selo de 1.50 patacas e carimbo comemorativo
Competição de barcos de dragão debaixo da Ponte de Amizade moderna e grandiosa decorre o concurso de barcos de dragão
(1)
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/12/20/noticia-de-20-de-dezembro-de-1999-filatelia-comemora-cao-do-estabelecimento-da-regiao-administrativa-especial-de-macau-da-republica-popular-da-china-ii/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/12/20/noticia-de-20-de-dezembro-de-1999-filatelia-comemora-cao-do-estabeleci-mento-da-regiao-administrativa-especial-de-macau-da-republica-popular-da-china/

Mais uma versão da lenda da deusa A Má e o Pagode da Barra, em Macau. 
Extracto do artigo de A. Basto “O Pagode da Barra”, publicado no «Jornal Único» pp. 43-49.
Sobre o Templo de A Má/ Barra,  ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/templo-de-a-ma-da-barra-%E5%AA%BD%E9%96%A3%E5%BB%9F/

Do livro da Professora Dra. Ana Maria Amaro,Jogos, Brinquedos e outras Diversões Populares de Macau” (1), de 1972, a propósito dos teatros de sombras, nomeadamente os “sombras das mãos – Sau Ieng Chi 手影子” (2) –  retiro este pequeno texto (p. 62)
“Hoje, em Macau as figuras mais frequentes, que as próprias crianças fazem com as mãos, projectando-as na parede, com acessórios simples, são as mais popularmente conhecidas e divulgadas, também no hemisfério ocidental.
Desde o vulgar gato, em que o indicador e o dedo mínimo duma das mãos, dobrados, formam as orelhas, o antebraço, o corpo e, o dedo mínimo da outra mão, a cauda, à pomba e à águia em voo, batendo as asas, até às figuras mitológicas, a que se aliam, aos dedos, hastilhas de bambu, e às vezes, pedaços de papel dobrados ou recortados, são conhecidas numerosíssimas figuras.
Mães e criadas organizavam sessões de sombras, às vezes acompanhadas de citações, adivinhas ou onomatopeias, e as crianças tinham de as interpretar, o que causava a maior excitação e entusiasmo, por comparticipar, assim, na brincadeira. Era um curioso processo educativo que, hoje a televisão veio substituir.
Lembram-se, ainda hoje, filhos da terra e antigos residentes, dos espectáculos de auto do pau. Estes espectáculos já não eram realizados na casa do auto, actual Teatro Cheng Peng, onde se representavam as óperas chinesas, mas nas ruas, em tendas armadas em estilo de pagode, onde alguns mestres faziam actuar figuras de pau e bambu, que possuíam, apenas, cabeças e braços móveis, e, por vezes, roupagens ricamente bordadas. Estes autos de pau, eram sobretudo, representados no terreiro defronte do templo de Kuan Tai (關帝) da chamada Associação das Três Ruas, vizinho do Mercado de S. Domingos. Desapareceram nos princípios deste século.
Os teatros de sombras, há muito que não existem em Macau, tendo-se perdido, na maioria dos macaenses, a sua própria recordação. Só alguns dos residentes mais antigos se lembram de teatrinhos deste género, montados em tendas ambulantes, que se exibiam, principalmente em noites calmosas, ao longo da Praia Grande.
Ao que consta, eram habituais os teatros de sombras na meia laranja, que restava dum antigo fortim existente defronte da actual Firma F. Rodrigues & C.º, diante do que foi, dantes, a casa do 1.º conde de Senna Fernandes, na Praia Grande.”
(1) AMARO, Ana Maria – Jogos, Brinquedos e outras Diversões Populares de Macau. Imprensa Nacional, 1972.
No verso da contracapa, refere 1976:
“Este livro acabou de se imprimir aos seis dias do mês de Agosto de Mil Novecentos e Setenta e Seis nas Oficinas Gráficas da Imprensa Nacional de Macau”
(2) 手影子mandarim pīnyīn: shǒu yǐng zǐ; cantonense jyutping: sau2 jeng2 zi2

VISTA FRONTAL DO TEMPLO DE A MA
George Chinnery ca 1833
Tinta em papel (sem data)

Do Diário de Rebecca Chase Kinsman: (1)
Outro dia fomos visitar a “Jos House” ou templo (Pagode da Barra) no outro lado da cidade, cerca de ¾ de milha da nossa casa (2). É um lugar muito notável – jaz ali uma enorme aglomeração de rochas tombadas, como que atiradas por alguma terrível convulsão da natureza – ficando a mais alta a 130 ou 150 metros do mar. Confronta com o porto interior de Macau. O templo fica entre rochas e é dedicado à “Rainha do Céu”, a quem eles chamam a “Santa Mãe”. O templo é feito de sólidas rochas com pequenos templos ou oratórios um por cima do outro, sendo as escadas talhadas ou cortadas na rocha. Entre as fendas crescem árvores, e as videiras e flores rebentam onde quer que encontrem terra.

VISTA COM TERRAÇO DO TEMPLO DE A-MA
George Chinnery ca 1833-36
Aguarela sobre papel (sem data)

No oratório que fica mais acima estava um padre com a cabeça rapada, vestido de cabaia larga e negra chin chinning jos, ou seja, rezando.
Estava sentado num banquinho com uma espécie de mesa diante dele sobre a qual se via um vaso de cobre côncavo e outro mais pequeno aparentemente de madeira – ele tinha duas espécies de varetas de bombo na mão com que batia nele alternadamente, rezando ao mesmo tempo numa monótona espécie de canto – as únicas palavras que podíamos distinguir eram ah! Ma (4) – frequentemente repetidas – a palavra chinesa para Mãe é Má. Provavelmente, o bonzo estava rezando à “Santa Mãe” por vento favorável por alguns juncos ou barcos chineses prontos a partir para qualquer viagem. Parecia muito solene … (3)
(1) Sobre Rebecca Chase Kinsman , ver anterior referência em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/10/13/noticia-de-13-de-outubro-de-1843-cartas-de-rebecca-chase-kinsman-chegada-a-macau-i/
(2) A família estava hospedado em casa de R. Lejee (membro da casa de Wetmore & Co.) que ficava na Praia Grande, de dois andares (o primeiro para os criados e o segundo para a família) com um jardim ladeado dum alto muro.
(3) Extraído de TEIXEIRA, Padre Manuel – Macau no Séc. XIX visto por uma jovem americana, pp. 56/57.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/03/17/leitura-macau-no-sec-xix-visto-por-uma-jovem-americana/
(4) “Não repetia ah! Má, mas O Mi To Fo, isto é, AMITHABA, buda invocado por eles” (3)

Mais dois postais (n.º3 e n.º4) da colecção de 10 postais intitulada “Ten Scenic Spots of Macau”, uma colecção especial emitida na ocasião da transferência de Macau, em 1999. (1)
Postal n.º 3. –“Temple of A-MA “
“The temple  of a-Ma was built five centuries ago and was the most popular temple in Macau. The temple was built in the very spot where she set foot on land before walking to the crest in nearby Barra Hill and ascending into heaven in a lowing halo of light and perfume”(2)

Verso do postal n.º 3

Postal n.º 4 – “Monte Fort”
Monte Fort was built between 1617 and 1626 as part of the Church  of St.Paul´s project and with the added purpose of defending the city from possible attack. Monte Fort was rebuilt to become a historical museum” (3)

Verso do postal n.º 4

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/01/23/postais-ten-scenic-spots-of-macau-i/
(2) Anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/templo-de-a-ma-da-barra
(3) Anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fortaleza- do-monte/