Archives for category: Relação Macau-Espanha

183912-09-1839- Em consequência da guerra entre a China e a Inglaterra, um navio mercante espanhol, o brigue mercante espanhol Bilbaino foi queimado pelos chineses no porto da Taipa por mandado do comissário imperial chinês Lin, que julgava ser esse navio inglês. O segundo piloto, encontrado a bordo, foi dali levado pelos chinas para Cantão, onde o expuseram de canga ao pescoço. O Senado de Macau publicou por essa ocasião um edital, ordenando uma ronda armada no Porto Exterior e na Taipa, e ao mesmo tempo proibindo a aproximação de navios com ópio. (TEIXEIRA, Padre Manuel – Taipa e Coloane, pp 1-2.)

PEREIRA, A. Marques – Ephemerides Commemorativas da história de Macau e das relações com a China, 1865.

O Comodoro Guilherme Ivens Ferraz descreve no seu diário de bordo publicado em livro «O cruzador “República” na China» (referenciado em anterior “post”) (1), no dia 8 de Junho ( 1926) sobre os aviadores espanhóis em Macau (referido em anterior “post”) (2)
Macau, 8 de Junho:
… Um acontecimento sensacional se deu em Macau, o qual foi a chegada do aviador espanhol Gallarza (3) no dia 1 de Maio, ficando a cidade em ansiedade por se desconhecer o paradeiro do capitão Loriga (4) e seu mecânico, saídos de Hanoi na mesma ocasião.

Eduardo GallarzaCapitão Eduardo Gonzalez Gallarza Iragorri (1898-1986)
http://www.valvanera.com/rigallarza.htm

O aparelho de Gallarza, ao aterrar foi de encontro a umas árvores de Mong-Ha, deformando as azas inferiores e partindo o montante esquerdo de duro-alumínio. Esta última avaria era de tal gravidade que o próprio aviador perdeu por completo o ânimo, considerando-se impossibilitado de concluir o vôo Madrid-Manila. (5)
Tal não sucedeu porém, tendo as avarias sido reparadas com a maior perfeição, apenas com os recursos da terra e muita boa vontade.
Apesar de todos os esforços feitos para obter notícias do paradeiro do aparelho do capitão Loriga, não se conseguiu ao menos a resposta aos instantes telegramas mandados às autoridades francesas da Indo-China.
No dia 3, Sua Ex.ª o Governador da Província ordenou-me que empregasse todos os esforços, para descoberta do paradeiro dos aviadores espanhóis extraviados. Para esse fim mandei aprontar com urgência a canhoneira, a lancha-canhoneira Macau e a lancha Demétrio Cinatti, dando-lhes instruções… (…).

Joaquin  TaboadaCapitão Joaquin Loriga Taboada (1895-1927)
http://www.biografiasyvidas.com/biografia/l/loriga.htm

… (…) Por uma feliz coincidência, logo na manhã seguinte a Pátria aproximando-se do vapor chinês Tejo o qual, nas alturas de Kokok seguia para o Norte em direcção a Cantão, verificou que a bordo dêsse vapor seguiam fazendo sinais, o capitão Loriga e o seu mecânico, sargento Perez. 
Transmitida em rádio esta notícia, foi grande e alvoroçado o regozijo de todos, que motivos tinham para julgarem perdidos os heroicos aviadores.Ao princípio da tarde entrou a Pátria no pôrto, trazendo os dois citados aviadores, que foram recebidos co o maior regozijo, seguindo-se festas deslumbrantes durante dias consecutivos.” (1)

Os aviadores espanhóis partiram de Macau, no dia 11 de Maio de 1926, tendo o avião levantado voo às 7.30 horas da manhã, no prosseguimento da viagem para Manila. A esquadrilha que saiu de Madrid era composta por três aviões “Breguet 19” e somente um chegou a Manila, percorrendo em 39 dias os 17.500 Km entre Madrid e Manila.
O Comodoro Guilherme Ivens Ferraz no mesmo diário:
No dia 9, saiu o República não só com o fim de marcar um ponto da derrota do avião, como para o socorrer, caso fosse necessário.
No dia 11 passou o avião sobre o República a uma altura sw cêrca 1:800 metros, verificando-se que seguia exactamentew na direcção que condizia a Aparri.” (1)

Tabela de Voo Madrid Manila 1926(1) LEITURA – O CRUZADOR “REPUBLICA” NA CHINA
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/01/02/leitura-o-cruzador-republica-na-china/
(2) (3) (4) Anterior referência a essa aventura bem como biografia dos dois aviadores em: MAIS NOTÍCIAS DE 11 DE MAIO – RAID MADRID – MANILA
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/05/11/mais-noticias-de-11-de-maio-raid-madrid-manila/
(5) “Gallarza no tuvo más remedio que intentar el aterrizaje en Macao, en una explanada de 400 metros de longitud por 100 de anchura rodeada de árboles y líneas de alta tensión por los cuatro costados. El campo estaba señalizado con una gran T en el centro y una cruz blanca a 50 metros de ella; el piloto creyó que esta cruz sería una indicación de terreno blando, que debería evitarse, lo que redujo aún más el escaso espacio útil y propició el fatal desenlace. Aunque el choque se produjo a escassa velocidad el borde de ataque del plano inferior quedó destrozado y se dobló el montante soporte de las alas izquierdas, así como una pieza en el fuselaje. La reparación del borde de ataque no presentaba dificultades importantes, pero el montante era de dura luminio y no se veía forma de poderlo enderezar sin romperlo o degradar su resistencia.”
http://www.ejercitodelaire.mde.es/stweb/ea/ficheros/pdf/1BD09937E85D784CC12575450033F65F.pdf