Archives for category: Ouvidoria / Ouvidores

25-08-1710 – Neste dia se alterarão fortemente os Chinas desta Cidade, na qual entrou hum Mandarim com seus soldados da Caza Branca, pela noticia que tiverão de que hum Português chamado Manoel Ayres de Oliveira (ou Manuel Álvares de Oliveira) Condestavel de hum Navio e cazado nesta cidade mattara hum China o qual depois de morto metteo em hum sacco ou Gune de Bangalla e o deitou ao mar, sem advertir que o dito sacco levava a sua marca. Forão taes as perturbações que os Chinas fiserão que depois de achar morto o Corpo do China no dito Sacco, que dellas resultou haver bastantes pancadas, que huns levarão, outros derão, não havendo mais remedio para se acabar esta tão grande história, do que prender o Ouvidor (Ouvidor Gaspar Martins) ao mattador no tronco, para se faser justiça nelle, porque as provas são verdadeiras de que elle fora o aggressor. Enviou-se para o  Baluarte de Bom Parto, (1)  e ahi se fes nelle a execução da morte, e para esta ter effeito tres veses quebrou o garrotte primeiro que morresse.  Assistirão a este acto de execução os P.es José d´Almeida e João Pereira, ambos da Companhia de Jesus, e tambem a mulher, e parentes do China morto e Ouvidor que era o Vereador mais velho Gaspar Martins.” (2)
NOTA: Nesse ano de  1710, a cidade de Macau vivia sobressaltada quer pela morte do Cardeal Patriarca Carlos Tomás Maillard de Tournon (a 8 de Junho) quer pelo permanente  conflito entre o Senado (com o apoio dos jesuítas) e o Governador Diogo de Pinho Teixeira (posse a 5-10-1706, com a residência na Fortaleza do Monte). Houve uma acalmia com a posse do novo governo de Francisco de Melo e Castro (em 28-07-1710) embora passado um ano depois, este fosse também desapossado pelo seu procedimento despótico (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. 2)

Carte de lentrée de la Reviére de Canton 1750“Carte de l´Entrée de la Riviere de Canton”  c. 1750
A “Isle de Macao” com a península “de Macau” ao sul.

(1) A Fortaleza de Nossa Senhora do Bom Parto que se supõe ser amais antiga fortaleza de Macau, estava concluída em 1622. Desmantelada em 1892 e destruída posteriormente, quase por completo, com a construção da Avenida da República.
(2) BRAGA, Jack –  A Voz do Passado. 1964

Silhouettes D´Asie Eudore Colomban 1921 CAPASilhouettes portugaises d’Asie
Conférence donnée
à l’Institut de Macao
dans sa séance du 19 Février 1921
Typographie des P. P. Salésiens
MACAO
1921

Um “livro”, com 35 páginas, escrito em francês, intitulado Silhouettes portugaises d´Asia” (1) reprodução duma conferência proferida no Instituto de Macau, no dia 19 de Fevereiro de 1921, por Eudore de Colomban. (2)

Silhouettes D´Asie Eudore Colomban 1921 Assinatura do autorFoi impresso na Tipografia dos Salesianos, em 1921.
O autor nessa conferência traçava a biografia de três personalidades:

  • Benoît de Goes (1562-1607) pp. 5-12 (3)
  • Alexis de Menezes (1559 – 1617) pp.13- 19 (4) e
  • Michel d´Arriaga (1776 – 1824) pp. 20 – 30 (5)

Silhouettes D´Asie Eudore Colomban 1921 MACAOO livro contém fotografias das personalidades referidas mas de muita má qualidade na impressão. A melhor foto do livro é esta, uma panorâmica da Baía de Praia Grande, vista da Colina da Penha.

(1) COLOMBAN, Eudore de – Silhouettes portugaises d´Asie. Typographia des P.P.Salesieux, Macao, 1921, 35 p. 21,5 cm x 14 cm.
(2) Eudore de Colomban (1873-1940), pseudónimo de Régis Gervaix, missionário das Missões Estrangeiras de Paris, foi ordenado em 24 de Setembro de 1898, tendo partido de imediato para Kuantong onde missionou vários anos. Veio para Macau em 1919 e em 1925 foi para Pequim como professor da literatura francesa. Faleceu em Paris em Novembro de 1940.
Ver referências anteriores em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/eudore-colomban/
Silhouettes D´Asie Eudore Colomban 1921 Bento de Góis(3) Bento de Góis. Nascido em Vila Franca do Campo (Açores) em 1562, padre jesuíta português (integrou a 3.ª expedição dos jesuítas enviados à corte do Grão Mongol Akbar em Lahore ao reino da Mongólia – 1595). Em 1602, partiu de Goa  com a missão de encontrar o lendário reino do Cataio na Ásia Central. Foi o primeiro europeu a percorrer o caminho terrestre da Índia para China provando que o “Cathay” de Marco Polo era a China. Faleceu a 11 de Abril de 1607, em Suzhou junto da muralha da China onde chegara em 1606.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Bento_de_G%C3%B3is
Aconselho leitura de “Bento de Góis – a paixão da Distância”de Lúcia Costa Melo Simas, de 2007 em:
http://www.ulisses.us/lucia-28-bento-goes.htm
Silhouettes D´Asie Eudore Colomban 1921 Aleixo de Meneses(4) Frei (Agostinho) Aleixo de Meneses (nascido Pedro de Meneses) foi Arcebispo de Goa (1595 -1612), governador da Índia (1607 – 1609), arcebispo de Braga (1612-1617) e governador de Portugal (161-1615 – dominação filipina). Faleceu em Madrid em 1617, sendo provisoriamente sepultado no Convento de São Felipe. Em 1621 foi trasladado para a capela-mor da igreja do Pópulo, em Braga.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Aleixo_de_Meneses
Silhouettes D´Asie Eudore Colomban 1921 Miguel de Arriaga(5) Miguel José de Arriaga Brum da Silveira, filho de José de Arriaga Brum da Silveira e de D. Francisca Josefa Borges da Câmara Corte Real, nasceu na vila da Horta (Açores) e faleceu em Macau com 47 anos de idade. Estudou Leis na Universidade de Coimbra, foi designado desembargador de Agravos da Casa da Suplicação do Brasil, tendo ido para Goa e depois nomeado ouvidor em Macau onde chegou a 29 de Junho de 1802.
Prestou salientes serviços a Macau (derrota dos piratas caudilhados por Cam Pau Sai; desempenhou o importante papel diplomático ao dissuadir os britânicos de ocupar Macau, evitando confrontos com a China; introdução da vacina em Macau e na China). Tal foi o mérito conquistado na China que quando morreu o imperador ordenou luto em sua honra.
TEIXEIRA, Padre Manuel – Vultos Marcantes em Macau, 1982.
Outras referências anteriores a Miguel  de Arriaga em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/miguel-de-arriaga-brum-da-silveira/

 

No dia 13 de Setembro de 1822, (1) o chamado Batalhão Regenerador, (porque o Batalhão Príncipe Regente, completamente saneado, passa a ser chamado como Batalhão Regenerador) tenta uma revolução absolutista em Macau com o Conselheiro Arriaga a liderar. Alguma agitação. Clima de anarquia. Felizmente em vez de armas, usou-se a força da prudência, e do patriotismo que se identificava com o governo constitucional, Miguel de Arriaga é preso, em tumulto durante a noite de 15 para 16, e é enviado à prisão da fortaleza do Monte. Saiu da lá por estar enfermo a 3 de Dezembro, mas continuou com prisão domiciliária. Foi libertado a 18 de Janeiro de 1823.

Miguel de Arriaga IPosteriormente a 25 de Março de 1823, Miguel de Arriaga Brum da Silveira (2) foi arrancado do seio da sua família às 4 horas da madrugada, sendo entregue pelo patrão-mor, como oficial de marinha, a um oficial de artilharia, que o conduziu para a bordo do navio Vasco da Gama, a fim de o embarcar para Lisboa. Arriaga conseguiu refugiar-se, porém, no navio inglês Páscoa, sob o comando de Hugh Cathre, surto em Vampu, donde escreveu ao Leal Senado, pedindo que o deixassem regressar à sua casa e andar livre, se fosse inocente, ou o julgassem e o prendessem se fosse encontrada alguma culpa. Escreveu também de Cantão ao Vice Rei da Índia, o que lhe viria a valer não só ser autorizado a regressar a Macau como ser recebido em triunfo (3)

(1) A Constituição Política da Monarquia Portuguesa que foi aprovada em 23 de Setembro de 1822, foi uma tentativa de pôr fim ao absolutismo e inaugurar em Portugal uma monarquia constitucional. Esteve vigente durante apenas dois efémeros períodos – um primeiro período entre 23 de Setembro de 1822, altura em que foi aprovada, e 3 de Junho de 1823, data em que as Cortes fazem a declaração da sua impotência que se seguiu ao golpe de D. Miguel que proclamou em Setembro, a queda da Constituição (29 de Maio de 1823; um segundo período entre 10 de Setembro de 1836, com a chamada revolução de Setembro, que, repôs transitoriamente em vigor a Constituição de 1822, abolindo a Carta Constitucional até que se elaborasse uma nova Constituição que só veio a aparecer a 4 de Abril de 1838.
http://www.arqnet.pt/portal/portugal/liberalismo/const822.html
Miguel de Arriaga II(2) Miguel José de Arriaga Brum da Silveira, nasceu na Horta (Açores) a 22-03-1776. Formou-se em Direito pela Universidade de Coimbra. Faleceu em Macau ao fim duma prolongada moléstia, no dia 13 de Dezembro de 1824.
Foi Juiz do Crime em Lisboa, desembargador da Casa de Suplicação do Brasil e da Relação das Índias em Goa, e Ouvidor Geral em Macau. Pelos relevantes serviços prestados à província, foi contemplado por D. João VI com a alcaidaria –mor da Vila da Horta (Açores)
Sobre esta personalidade controversa de “traidor” a “patriota e benemérito”, que em Macau se “portou” como um “pequeno rei” (superintendia a Fazenda, a Instrução religiosa e laica, as áreas administrativa, militar e da Justiça)
Sobre Miguel de Arriaga, ler artigo de Luís Sá Cunha, “Miguel de Arriaga: Uma águia num zoo”, na revista «Macau» (15-12-2013) disponível em:
http://www.revistamacau.com/2013/12/15/miguel-de-arriaga-uma-aguia-num-zoo/
(3) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, 3.º Volume.