Archives for category: Jogos de Fortuna e Azar

Anúncio (assinado: J. M. Wolff, acting manager) publicado no dia 7 de Janeiro de 1860, no «Boletim do Governo de Macau», dos espectáculos duma empresa australiana, no hipódromo de Macau, durante uma semana (seis dias) a iniciar no dia 9 de Janeiro (segunda-feira), com autorização de “Members of The Portuguese Council on the Campo de Sm. Francisco” . Os espectáculos foram realizados pela Companhia “Lewis Great Australian Hippodrome” e da trupe “Mammoth Troupe of Male and Female Star Equestrian Artists”, que, em Hong Kong, tiveram o patrocínio principal do Governador de Hong Kong Sir Hercules Robinson e sua esposa e do Comandante em Chefe da Marinha na China, Sir James Hope

O espectáculo era diário às 20h00, e a partir de 9 de Janeiro com duas actuações extras; uma “Grand Day Performance” na quarta feira, dia 11 de Janeiro, às 14h00 e outra “Farewell Day Performance” também às 14h00. Os bilhetes (50 avos; 1 pataca e 2 patacas) estavam à venda no Hotel Praia Grande (Sr. Carvalho) e no escritório do hipódromo das 15h00 às 17h00 diariamente, nessa semana

Extraído de «Boletim do Governo de Macau», VI-5 de 7 de Janeiro de 1860, p. 20

O campo aberto que daria o futuro hipódromo e onde se realizaram as primeiras corridas, feitas por amadores, (1) situava-se em terrenos junto à Porta do Cerco, numa área  que foi conquistada ao mar, ao norte da Doca da Areia Preta. Área esta mais ou menos limitada pela Estrada dos Cavaleiros e pela Estrada Marginal do Hipódromo (antiga Rua do Cerco). (2) Só em 1924/1925 surge as primeiras informações sobre o licenciamento e organização de corridas de cavalos (3) (4) (5) e depois em 1927, o Hipódromo do «Macao Jockey Club» (6)

(1) 1927 – No campo aberto do futuro Hipódromo, realizaram-se as primeiras corridas de cavalo. Ainda não se tinha erigido o “Macao Jockey Club” nem havia delineada a magnífica pista de corridas. As demarcações eram improvisadas, mas prevalecia o espírito desportivo, sobretudo, dos ingleses que traziam cavalos de corrida de Hong Kong com imensos gastos, só pelo prazer de correr, com o mesmo entusiasmo com que os vemos colaborar e participar actualmente nas corridas de automóvel do Grande Prémio. (FERNANDES, Henrique de Senna – O Cinema de Macau II in http://www.icm.gov.mo/rc/viewer/30018/1706

(2) Até à fundação de Hong Kong , em 1841, a Comunidade Britânica de Macau possuía junto das portas do Cerco o seu campo de corridas. Já em 1829, o mandarim da Casa Branca publicava um edital em 28 de Abril, dizendo que, tendo ido a Macau, «vira os Estrangeiros fazerem carreiras de Cavallos na praia do Porta do Cerco…». Harriet Low no seu diário , de 5 de Novembro de 1829 refere: « o campo de corridas está no lugar chamado Barreira (Porta do Ceco),que impede todos os estrangeiros de passarem além. O campo mede cerca de três quartos de milha”… » (TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I, 1997, pp.484-485).

(3) 26-04-1924 – Concessão do exclusivo da exploração de corridas de cavalos. Diploma Legislativo n.º 14 e sua correção no B. O. n.º 17, desta data. (BBS – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p.162)

(4) 22-08-1924 – Construção de um campo para corridas de cavalos (Cfr. outros processos que se seguem nomeadamente o n.º 142/A da mesma série (A.H.M. – F. A. C. n.º 128-S-E) + (BBS – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p.164)

(5) 09-06-1925 – Pedido de Lou Lim Ioc, Presidente da Companhia «Clube Internacional de Recreio e Corridas de Macau, Limitada» para que lhe seja arrendado um terreno junto à Porta do Cerco (A.H.M. – F. A.C. P. n.º 134 -S-C) (BBS – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p.172)

(6) 19-03-1927 – Foi inaugurado o Campo de Corridas de Cavalos de Macau + (BBS – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p.195)

Desenho publicado em 1873, no “Harper’s Weekly”, (1) de 14 de Junho (p. 517) com a seguinte legenda: “Life in China : A Gambling House at Macau

Comentário ao quadro referido por Wenxian Zhang: (2) “Ever since the gambling was legalized in 1848, Macau has become know worlwide as the “Monte Carlo of the Orient”. This painting from Harper´s Weekly shows a gambling house in Macau that was patronized by native Chinese and Westerners. In addition to a group of male gamblers, a woman and a child are also portrayed. In the the image at the head of table, a dealer is sorting chips; a pipe-smoking man on the left is counting coins in his hand, while a young woman on the right is wagering her barcelet”

(1) “Harper’s Weekly, A Journal of Civilization” foi uma revista política americana com sede em Nova Iorque. Publicada pela Harper & Brothers de 1857 a 1916, apresentava notícias nacionais e estrangeiras, ficção, ensaios sobre muitos assuntos e humor, além de ilustrações. https://pt.wikipedia.org/wiki/Harper%27s_Weekly

(2) ZHANG Wenxian – China Through American Eyes. World Scientific Publishing Co. Pte Ltd., 2018

Extraído de «A AURORA MACAENSE», I – 18, 13 de Maio de 1843

NOTA: “jogos de azar e parada”, hoje denominadas “jogos de fortuna ou azar” – são aqueles cujo resultado é contingente por assentar exclusiva ou fundamentalmente na sorte. A parada é o dinheiro que se arrisca em cada lance.

Publicado na imprensa estrangeira no dia 20 de Novembro de 1916, um artigo intitulado «MACAO – MONTE CARLO OF THE ORIENT» (1) 

MACAO – «MONTE CARLO OF THE I ORIENT»
FLOURISHING FANTAN MONOPOLY
AMONGST THE CELESTIAL ADVENTURERS.

“In my China paper the following brief telegram, headed “Macao,” takes the eye:
Eleven lenders have been received for the fantan gambling monopoly for a period of five years, dating from the expiry of the present monopoly on June 30, 1917, of which six are for over 1,000,000 a year. The highjest is $1,266.660, and the lowest $610,000 a year, as compared with the present payment of $603,000 per annum.
Evidently the fantan business flourishes at Macao. But what is Macao, and what is fantan? Those who love a resounding label speak of Macao as the Monte Carlo of the Orient. M. Blanc will not he flattered, and he who has not set eyes upon Macao will not be illuminated.
Macao is to Hong Kong as Margate to London, says H. Sachen in the “Manchester Guardian.” It is some forty miles away, and a trifle further from Canton. On Sundays you may make the return trip in a day.
The river steamers are capacious and comfortable. You can eat as well aboard them as ashore, with the same excellent service of Chinese “boys”— surely the best in the world except the almost extinct old-fashioned English waiter, — and if you travel by night you may get a cabin which the P. and O. would not despise. And there are suggestions of romance. On the top deck the pilot’s quarters are walled off with steel bars, and two armed sentries tramp up and down.
The West River and the Canton River swarm with pirates—there are those who say that every dweller jby the river is a pirate when his other business is slack—and one of their pleasant devices is to come aboard as passengers and seize the ship.
I have heard British skippers —most of the ships in Chinese waters are officered by Britons —prefer the room of the armed guards imposed upon them by the Hongkong Government to their company. Down below, where the Chinese are gatherled, there are more sentries. Here .the Chinese lie with their copious belongings, packed, odorous, but well mannered. It is not odours alone you may find there. In Chinese towns there is usually some epidemic  disease. When I came back from Canton we had smallpox aboard, and I in the season you may have plague. The Chinese take such things calmly. They will use as a pillow the body of a fellow-passenger dead of plague…”          (continua…)
(1) « The Sun» Volume III, Issue 867
https://paperspast.natlib.govt.nz/newspapers/SUNCH19161120.2.45
«The Sun» jornal neozelandês sediado em Christchurch, iniciou-se em Fevereiro de 1914 e terminou em 1935 – fusão com outro jornal da mesma cidade e depois em Auckland de 1927 a 1930.
https://paperspast.natlib.govt.nz/newspapers/sun

Este anúncio, publicado no “Directório de Macau de 1932” é semelhante ao anúncio de 1934 que apresentei em anterior postagem sobre esta mesma «Leitaria/Vacaria Macaense» (1)
O “Clube de Corridas de Galgos de Macau” (“The Macao Greyhound Racinc Club”) foi fundado em 28-09-1932 (2) com o objectivo realizar corridas de galgos para entretimento / divertimento. As corridas duraram até 1936 quando foram suspensas.(3)
(1) Ver anteriores referências a esta Leitaria/Vacaria em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/leitaria-vacaria-macaense/
(2) “Em 1932, um grupo de chineses e americanos organizam em Macau a «Associação de Corridas de Cães de Macau» e fazem construir um canídromo. A inauguração do espaço foi um acontecimento importante, a que não faltou o concurso de uma orquestra feminina, composta de 22 raparias americanas, com vistoso uniforme. Mas o preço das entradas, muito elevado para o nível médio de vida, não permitiu a manutenção do espectáculo que acabou em 1936. Em substituição das corridas de cães, o espaço do canídromo foi transformado em parque de diversões (ópera, acrobacia, jogo) assim se mantendo até cerca de 1940. Em 1940, o Governo de Macau transforma o espaço do canídromo no «Campo Desportivo 28 de Maio“. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 4, 1997)
“In 1932, greyhound racing was first introduced to Macao by Fan Che Pang (范潔朋) and a group of overseas Chinese and Americans, who later formed the “Macao Canine Club” and built a greyhound racing stadium, which is now the “Yat Yuen Canidrome”.  However, this newly introduced game was not truly popular at that time. The business stopped operating several years after until it was reopened in September 1963
http://www.dicj.gov.mo/web/en/history/
(3) Ver anteriores referências ao Canídromo
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/canidromo/

Oa amplos portões em arco,, entrada para o «Canídromo Clube de Macau / Macau Canídrome Club»

Mais um “slide” digitalizado da colecção “MACAU COLOR SLIDES – KODAK EASTMAN COLOR” comprados na década de 70 (século XX), se não me engano, na Foto PRINCESA. (1)
Em 1940, o Governo de Macau transforma o espaço do canídromo que foi construído pela «Associação de Cães de Macau» para realizar corridas de “cães” (de 28-09-1932 até 1936, quando foram suspensas), no terreno depois chamado «Campo Desportivo 28 de Maio». Em 28-09-1963 nesse mesmo campo desportivo, teve (re) início das corridas de galgos na sequência da concessão efectuada em Agosto de 1961 à empresa «The Kun Pha».
Depois disso, o projecto sofreu alterações até 16-03-1963 quando foram aprovados os Estatutos doa Associação Desportiva e Recreativa «Canídromo Clube de Macau» (“Macau Canidrome Club»” – 逸園賽狗場) (2) (3)  (Portaria n.º 7213 – B.O. n.º 11)

A Companhia “The Macau (Yat Yuen) Canidrome Club “ que foi responsável pelo Canídromo de Macau (a única pista de corridas de galgos na Ásia) fechou a 21 de Julho de 2018.

Fotografia de 2008
https://en.wikipedia.org/wiki/Canidrome_(Macau)

(1) https://www.google.com/search?sxsrf=ACYBGNSn7Rmv6jkuR-8RXyab3nyp4y78NQ:1567866434430&q=nenotavaiconta+slides+coloridos+de+Macau
(2) 逸園賽狗場 – mandarim pīnyīn: yì yuán sài gǒu  cháng; cantonense jyutping: jat6 jyun4 coi3 gau2 coeng4
(3) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 4, 1997.

Extraído de «Boletim Geral das Colónias», Ano XI, Agosto/Setembro de 1935.

Cortejo do funeral – Lu Lim Ioc (31-7-1927), ao longo da Avenida do Conselheiro Ferreira de Almeida
Sem referência do editor

Lou Lim Ieoc/Ioc 盧廉若 (1877-1927), filho mais velho de Lou Kau/Cau (1837 – 1906), abastado comerciante (com vários  interesses comerciais entre este, acionista da «Nam Iong Tobacco Company», um dos proprietários do Banco Pou Hang, presidente da Companhia «Clube Internacional de Recreio e Corridas de Macau, Limitada»)e grande filantropo de Macau
Foi um dos fundadores da Associação Comercial de Macau. Presidente da Câmara de Comércio da China em Macau e do Hospital Kiang Wu (contribuiu para a reconstrução do Hospital), Presidente da Sociedade da Educação Chinesa (chegou a manter, à sua custa várias escolas), membro do Conselho Legislativo de Macau.
Tem o Título de honra da China durante a dinastia Qing, medalhado pela República Chinesa e em 1925 condecorado pelo Goverto Português com a Comenda da Ordem de Cristo (governava interinamente Macau Joaquim Augusto dos Santos, na ausência do Governador Rodrigo José Rodrigues)
Morreu a 15 de Julho d3 1927.


Cortejo do funeral – Lu Lim Ioc (31-7-1927), ao longo da Avenida do Conselheiro Ferreira de Almeida
Sem referência do editor

Infelizmente Lou Lim Ioc morreu cedo, segundo consta, vítima e apoplexia, tendo sido faustosos os seus funerais, e luzido o préstito que percorreu Macau em 31 de Julho de 1927. A urna com os seus restos mortais, seguiu para Cantão, onde veio a ser sepultado na encosta da colina conhecida por Pak San.
Lou Lim Ieoc teve 17 filhos das suas sete esposas, das quais só a primeira – aquela que usufruía, na China todas as prerrogativas de mulher legítima – habitava na sua luxuosa residência (herdado do pai Lou Kau que adquiriu um vasto terreno sito nas várzeas  próximas da velha aldeia de Mong Há, construindo uma confortável residência, rodeada por um idílico jardim em estilo palaciano conhecido por U Wó Un . Jardim de Recreio (hoje conhecido como jardim de Lou Lim Ieoc)
A despesa diária da sua casa orçava entre 5 a 7 contos, quantia muito elevada naquele tempo. Contudo, os seus rendimentos permitiam-lhe viver como um grande senhor.“ (TEIXEIRA, P- Manuel – Toponímia de Macau, Vol.I, 1979)

Cortejo do funeral – Lu Lim Ioc (31-7-1927), ao longo da Avenida do Conselheiro Ferreira de Almeida
Sem referência do editor

Anteriores referências a este filantropo e do seu pai bem como ao jardim da residência, em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/lou-lim-ioc/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/lou-cheok-chin-lu-cao/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jardim-lou-lim-ioc/

Duas caixas de fósforos do “Macau Palace Casino” iguais no tamanho mas diferentes em um dos lados (1) e muito parecidas com uma outra caixa de fósforo do mesmo “Macau Palace Casino” que publiquei em 16-03-2013 (1)
Estas têm o tamanho de 5,5 cm x 3,5 cm x 0,8 cm.

Um dos lados das duas caixas (A e B)
Outro lado das duas caixas (A e B)- NEW CASINO DE MACAU 
Fósforos da caixa A com as “cabeças” de cor preta
Lado lateral da caixa A – tel: 2958
Fósforos da caixa B com as “cabeças” de cor vermelha
Lado lateral da caixa B – Tel: 5166

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/03/16/caixa-de-fosforos-macau-palace-casino/

Mais uma caixa de fósforo (5,5 cm x3,5 cm x0,8 cm) do restaurante “Macau Palace Restaurant” (1) em que uma das faces apresenta uma foto do junco adaptado que serviu como casino e restaurante e  igual à foto da caixa de fósforo do «Macau Palace Casino» (2) mas com o anúncio de

MACAU PALACE RESTAURANT
PONTE N0. 12B TEL 4480
Macau

O Restaurante “MACAU PALACE” que ficava no rés do chão do “barco” (junco adaptado) conhecido como o Casino/Restaurante Flutuante, começou a funcionar no ano de 1962, no Porto Interior, atracado à Ponte Cais n.º 12/B até 2006. Depois transferido para o então Terminal Marítimo do Porto Exterior e finalmente desactivado em 2007 (abandonado na zona de Fai Chi Kei).
Do lado oposto, uma imitação gráfica de um envelope de correio aéreo com o endereço em chinês:

澳門皇大酒家 (3)
Fósforos com a “cabeça” vermelha
Lateral com indicação de “BUSINESS HOUR: 24 HOURS SERVICE

(1) Referências anteriores ao “Macau Palace” quer o restaurante quer o casino em https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/restaurante-macau-palace/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/03/16/caixa-de-fosforos-macau-palace-casino/
(3) 澳門皇大酒家mandarim pīnyīn: ào mén huáng gōng dà, jiǔ jiā; cantonense jyutping: ou3 mun4 wong4 gung1 daai6 zau2 gaa1 – tradução literal: (Macau) restaurante grande palácio imperial