Archives for category: Insígnias / Brasões

Encontrei este “Brazão d´Armas de Macau” num artigo intitulado “Macau na revista “Archivo Historico de Portugal: narrativa da fundação das cidades e villas do reino, seus brazões d´armas, etc” , publicado no ano de 1890 (1)

Brasão d´armas de macau“A cidade de Macau tem por brasão as armas reaes em escudo de prata, e em volta lê se o seguinte: Cidade de nome de Deus não há outra mais leal.A etymologia do nome de Macau vem de duas palavras chinezas Ama e Cau. A primeira designa io ídolo de um pagode, que ali havia desde tempos remotos. a segunda quer dizer porto. Começando os portuguezes a chamar ao sítio Amacau logo que ali se estabeleceram, deram depois à cidade com pouca differença o mesmo nome.” (1)
(1) “Archivo Historico de Portugal: narrativa da fundação das cidades e villas do reino, seus brazões d´armas, etc “,  1890.
http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/Periodicos/ArchivoHistorico/IISerie/IISerie_master/ArchivoHistoricodePortugal_SerieII.pdf

MEDALHA - MACAU 1557-1999“Medalha” circular de 5 cm de diâmetro e 0,3 cm de espessura de latão, comercializada em Dezembro de 1999, tendo de um lado o brasão do município e a legenda “MACAU 1557 – 1999”.

MEDALHA - MACAU 1557-1999 reversoe no reverso a insígnia do Leal Senado.

 

Comemorações do V Centenário da Morte do Infante INSÍGNIA DE MCAUEsta insígnia está na capa do livro “COMEMORAÇÕES, EM MACAU, DO V CENTENÁRIO DA MORTE DO INFANTE D. HENRIQUE” (1)
Os anjos estão de joelhos e usam chapins. Com vestes graves, longas, trabalhadas sobre o escudo, a coroa, antes fechada e sem cruz, encontra-se agora acastelada; a cruz inscrita no sol passou do frontão à base do escudo. As asas dos anjos alargam-se desenvoltas, a fim de acompanharem harmonicamente a largura da faixa ondulada onde se lê: NÃO HÁ OVTRA MAIS LEAL
Folheto Turístico INSÍGNIA DE MACAUOutra variante, apresentada num Guia Turístico (2)
Mais parecido com o brasão da cidade que se conserva no salão Nobre do Leal Senado da Câmara, sem a faixa ondulada com os dizeres.
Comparar as diversas insígnias em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/category/insignias-brasoes/
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/01/16/leitura-comemora-coes-em-macau-do-v-centenario-da-morte-do-infante-d-henrique-ii/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/10/23/guia-turistico-macau-the-garden-city-of-the-orient-i/

Saco de compras de plástico da década de 90, de cor branca, com a insígnia do Leal Senado, dimensões: 44 cm (altura) x 31 cm (largura) (lateralmente abertura máxima de  9,5 cm).

Saco Comercial LEAL SENADO port.Um dos lados: “LEAL SENADO” e a sua insígnia (fundo: azul)
Saco Comercial LEAL SENADO insígniaDo outro lado, a mesma imagem com o nome do Leal Senado, em chinês

澳門

Saco Comercial LEAL SENADO chinês澳門mandarim pinyin: Àomén; cantonense jyutping: Ou3 mun4 – Macau
mandarim pinyin: shì; cantonense jyutping: si – cidade
mandarim pinyin: zhéng; cantonense jyutping: zing3 – política
mandarim pinyin: tīng; cantonense jyutping: teng5 – departamento governamental
NOTA: comparar com anterior saco comercial do Leal Senado em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/03/13/saco-comercial-leal-senado/

“Em 10 de Abril de 1586, por carta do vice-rei da Índia, D. Duarte de Menezes, conde de Tarouca, foi n´esta data, confirmada a Macau a denominação de «Cidade do nome de Deus na China» dando-se-lhe juntamente os mesmos privilégios que tinham sido concedidos à da santa Crus de Cochim, que eram os de Évora.
Brasão do Leal SenadoEm 1654, João de Souza Pereira, Governador de Macau (1650-1654), em nome d´El-Rei D. João IV, mandou colocar à entrada do edifício do Senado, este letreiro CIDADE DO NOME DE DEUS DE MACAU, NÃO HÀ OUTRA MAIS LEAL. (1)
Brasão da cidade Leal SenadoAlmas piedosas, num excesso de religiosidade descabida, acrescentaram-lhe um vocábulo; Cidade do Santo Nome de Deus, que se vê repetido em muitos escritos, mas sem razão de ser.(1)
O Coronel A. Guedes de Magalhães, no seu opúsculo Marcas Postais de Macau, p. 46, dá esta explicação das Armas da cidade:
Brasão Armas da Cidade«O escudo, no formato clássico português e terciado em mantel, contém:
No primeiro, em campo de prata, as cinco quinas de Portugal, de azul, carregadas cada uma de cinco besantes de prata em aspa, que há mais de oito séculos se distinguem na heráldica como símbolo de Portugal e aqui pretendem representar a unidade de todo o seu território.
No segundo, o símbolo característico da Província de Macau. Em lembrança do território em que se acha situada:
Em campo azul, um dragão de ouro armado e linguado de vermelho e realçado de negro, suportando nas garras uma das quinas de Portugal.
No terceiro, a representação do mar, sendo o campo de prata carregado de cinco faixas ondadas de verde, ligando as quinas de Portugal ao emblema simbólico de Macau.
A coroa mural  que assenta sobre o escudo, é de ouro, e constituída por cinco torres ligadas por quatro panos de muralha realçados de negro; as torres são carregadas sobre as portas por esferas armilares de vermelho e os panos da muralha com as ameias formadas por um escudete de prata com a Cruz de Cristo de vermelho.” (2)
(1) TEIXEIRA, Pe. M. – Macau e as suas Ilhas, Volume I., 1940
(2) TEIXEIRA, Pe. Manuel – Os Militares em Macau, 1976

Num processo arquivado, que se pode consultar (1), encontra-se um ofício enviado pela Direcção dos Serviços das Obras Públicas ao Governador de Macau, datado de 20 de Março de 1934, no qual se anexavam no total de 5 projectos de desenho de “Escudo de Armas da Colónia de Macau”, um dos quais, foi desenhado pelo desenhador chinês Chan Kuan Pui (José Chan 1896-1985) segundo a concepção do Senhor Tenente de Infantaria António Santa Clara Ferreira.
Após a selecção do Conselho da Administração, os projectos foram apresentados pelo Governador de Macau em 7 de Junho de 1934 ao Ministro do Ministério das Colónias Portuguesas para a aprovação. Nenhum dos projectos apresentados foi adoptado pelo Ministério da Colónias.

Em baixo, o ofício enviado pela Direcção dos Serviços das Obras Públicas e 4 dos 5 projectos de desenho:

Insígnias-Brasões Documento

Insígnias-Brasões Projecto I

Insígnias-Brasões Projecto II

Insígnias-Brasões Projecto III

Insígnias-Brasões Projecto IV

O Ministério das Colónias Portuguesas desenhou os escudos de armas das colónias para 8 colónias, um para cada uma, os quais foram usados após a promulgação em 8 de Maio de 1935. (2)
Assim de 8 de Maio de 1935 até 20 de Dezembro de 1999, o brasão de armas oficial (simplificado) para Macau (3) foi este:

Brasão Macau 1935O brasão de armas de Macau utilizado desde fins do século XIX até 1935, era: (4)

Brasão Macau  até 1935(1) Processo MO/AH/AC/SA/01/14775
http://www.archives.gov.mo/pt/featured/detail.aspx?id=93#sthash.nlvEEwFw.dpuf
(2) “14-09-1935 – Publicadas em B. O. n.º 37, as ordenações das Armas das Colónias, representadas simbolicamente por emblema heráldicos. No seu artigo 4.º, as Câmaras Municipais, Comissões Municipais e Juntas Locais têm armas, bandeira e selo da aprovação do Ministério das Colónias, ouvido o Governo da Colónia” (SILVA, Beatriz Basto da – Estudo – Insígnias de Macau e  – Cronologia da História de Macau, Volume 4.
(3) http://www.archives.gov.mo/pt/featured/detail.aspx?id=93#sthash.nlvEEwFw.dpuf
(4) http://pt.wikipedia.org/wiki/Bras%C3%A3o_de_armas_de_Macau
Referência anterior ao brasão de Macau em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/brasao-de-macau/

Ao longo dos anos, a insígnia de Macau e concomitantemente a do Leal Senado foi variando, algumas por imposição legal, outras por opções estéticas.
Assim começando pelo mais antigo.

Insígnias da cidade 1626 Forte do MonteO emblema granítico da Fortaleza de S. Paulo do Monte está datado

ANNO DNI 1626

O mais antigo brasão de Armas de Macau conhecido é o que está esculpido em granito e colocado sobre a Entrada da Fortaleza de S. Paulo do Monte (originalmente chamada de Nossa Senhora do Monte). (1) Está datado de 1626, ano da conclusão das obras da Fortaleza.
“Por cima do portão de entrada da muralha Sul desta fortaleza havia uma pedra esculpida com 1 metro quadrado de área e um frontão triangular em cima, mas esta laje foi retirada e está, presentemente, na muralha interior virada para o portão da rampa de acesso à esplanada superior. Os pregos utilizados para sustentar a laje ainda se podem ver por cima do portão” (2)
O frontão triangular tem esculpida a figura de S. Paulo, Patrono da fortaleza.
A pedra rectangular que está por baixo consiste essencialmente de um escudo de Portugal, encimado por uma coroa rematada com cruz. O escudo é flanqueado por dois querubins de pé, vestidos apenas de uma faixa esvoaçante, assente em cavalete, O anjo do lado esquerdo ostenta sobre a levíssima redouça a Cruz de Cristo, e, simetricamente, o anjo da direita equilibra a esfera armilar rematada por uma estrela.
Em 1654, o título de Leal foi conferido ao Senado de Macau por D. João IV. E em nome de El-Rei, o Capitão Geral João de Souza Pereira mandou pôr no letreiro a nova dignidade, à entrada do Leal Senado.

Insígnias da cidade 1961 Portaria“A tradicional representação heráldica da cidade de Macau: o escudo de armas de Portugal sobrepujado da antiga coroa real aberta e amparado por dois anjos de joelhos, vestidos de prata e realçados de ouro, nimbados de uma cruz de Cristo, de vermelho – o da dextra, e de uma esfera armilar, de ouro – o da sinistra -; listel branco tendo inscritos em caracteres negros nos dizeres «Cidade do Nome de Deus não há outra mais leal» ” (3)
NOTA: Sobre este assunto, aconselho o trabalho de investigação da Dra. Beatriz B. da Silva em
         SILVA, Beatriz Basto da – Estudo-Insígnias de Macau. Edição do Leal Senado,1986, 83 p.
(1) Fortaleza que cresceu lentamente e irregularmente ao longo dos anos. Terá começado a 1617, em 1623 tornou-se residência governamental de D. Francisco de Mascarenhas, primeiro Capitão-General (posse a 17 de Julho 1623). Referências anteriores sobre a Fortaleza do Monte em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fortaleza-do-monte/
(2) GRAÇA, Jorge – Fortificações de Macau, concepção e história. 19 – – (?)
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/01/16/leitura-comemora-coes-em-macau-do-v-centenario-da-morte-do-infante-d-henrique-ii/
(3) Portaria n.º 18 626 do Ministério do Ultramar de 27-07-1961 (publicado no B. O. n.º 32 de Macau)

Guia turístico do Departamento de Informação e Turismo, editado em inglês, sem data disponível. (1)

The Garden City of the Orient - EMBLEMA

Macau which is situated at the border with the People´s Republic of China, is a small and abundantly peaceful, 400-years-old Portuguese outpost in the South China Sea and is only 40 miles from Hong Kong. Although its 250,000 inhabitants are predominantly Chinese, Macau is Portuguese with a Chinese accent. There are only influence is recognised in continental architecture, Roman Catholic churches and shrines, language, government, military and police forces – and its delicious cuisine.
The Portuguese residents form a special group with intellectual interests of their own.
The same is true of the Chinese, who have their own theatre, opera, religion, and family traditions. Several newspapers, some in Portuguese and others in Chinese, and two broadcasting stations keep the city informed and entertained, but there is an evident integration of both communities…(…)

The Garden City of the Orient - DESENHO IThere is so much to be seen in Macau, that your visit can justifiably extend for several days: if your time is limited, an overnight stopover is recommended.

HOW LONG TO STAY

If you go hydrofoil, it is possible to “do” Macau in a one-day trip from Hong Kong. Experienced travelers recommend a more leisurely pace, and suggest a minimum of two days to get acquainted with the “Garden City of the Orient”. This is sound advice.”

(1)   Macau – The Garden City of the Orient. Information and Tourism Department, s/ data, 30 p., 19 cm x 12, 7 cm.
Ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/10/23/guia-turistico-macau-the-garden-city-of-the-orient-i/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/10/24/guia-turistico-macau-the-garden-city-of-the-orient-ii-mapa-turistico/