Archives for category: Folhetos de Cinema

Faleceu no dia 9 de Fevereiro mais um dos actores da minha geração, um galã na década de 60 (séc. XX) que fez uma curta carreira cinematográfica (cerca de vinte filmes), depois em séries televisivas e mais tarde enveredando pela vida diplomática.
John Gavin (1931-2018), nome artístico de Juan Vincent Apablasa, actor, presidente da “Screen Actors Guild” de 1971 a 1973 e diplomata norte-americano (embaixador dos Estados Unidos no México de 1981 a 1986). Conhecido pelas suas participações nos filmes “Imitation of Life” (1959), “Spartacus” (1960), “Psycho” (1960) e  “Thoroughly Modern Millie”(1967), e outros papéis principais numa série de filmes para o produtor Ross Hunter.
Em sua homenagem, apresento hoje o folheto de cinema do Teatro Apollo do filme “Imitation of Life” (“Imitação da Vida” ), um dos melhores filmes do ano de 1959,e talvez melhor interpretação deste actor no cinema.
Filme que se estreou em Macau no dia 4 de Setembro de 1959, “Imitação da Vida” (“Imitation of Life”) é um filme (“eastmancolor”) de 1959, (1)  do género melodrama, dirigido pelo talentoso Douglas Sirk (último filme deste realizador) e produzido por Ross Hunter para a Universal International
Actores: Lana Turner, John Gavin, Sandra Dee, Dan O’Herlihy, Susan Kohner, Robert Alda, Troy Donahue e Juanita Moore. (2)

Lana Turner no papel de Lora Meredith

O filme conta a história de Lora Meredith (Lana Turner), actriz famosa e consagrada que tinha uma filha e acolhe em sua casa uma mulher negra — Annie Johnson (Juanita Moore) — junto com sua filha para trabalhar como doméstica. Com o passar dos anos, as duas mulheres compartilham suas vidas e os problemas das respectivas filhas.
(1) Segunda versão cinematográfica do livro de Fannie Hurst; a primeira adaptação foi em 1934, realizado por John M. Stahl com a actriz Claudette Colbert.
(2) Susan Kohner e Juanita Moore foram indicadas para o Óscar de 1959 na categoria de para Melhor Atriz Secundária e Susan Kohner ganhou o globo de Ouro nesta categoria.

NOTA: A famosa cantora “Gospel” Mahalia Jackson(1911-1972)  aparece no filme como solista do coro da igreja.

Imagens retiradas de
https://en.wikipedia.org/wiki/Imitation_of_Life_(1959_film)
https://pt.wikipedia.org/wiki/John_Gavin
Trailers do filme em:
http://www.imdb.com/title/tt0052918/vi

Faleceu no dia 19 de Janeiro de 2018, a actriz Dorothy Malone (1925-2018) que Iniciou  a sua carreira cinematográfica em 1940 (em pequenos papéis) e começou a ser notada  pelo seu papel em “Written on the Wind” (em Macau. “Incerteza do Futuro”; mais conhecido como “Escrito no Vento”,) de 1956, cujo folheto de cinema apresentei em 14 de Agosto de 2014 (a propósito do falecimento da actriz Lauren Bacall). (1) Com este filme ganhou um óscar em 1957, como melhor actriz secundária.
O seu último filme foi de 1992 “Basic Instinct – Instinto Fatal”, no papel de amiga da Sharon Stone. Fez também carreira na TV tendo sido nomeada para o Globo de Ouro em 1965 e em 1966 pela série televisiva “Peyton Place” (1964-1968).
Também já anteriormente apresentei o folheto de cinema do Teatro Apollo (19 e 20 de Dezembro de 1956) dum dos filmes em que participou “Artistas e Modelos “ com os actores Dean Martin e Jerry Lewis. (2)
Hoje apresento outro dos filmes da sua vasta carreira, que passou no Teatro Apollo nos dias 12 e 13 de Janeiro de 1957, “At Gunpoint” com o título “Sob a Ameaça” com os actores Fred MacMurray e Walter Brennan
Filme de 1955, (estreado em Dezembro nos Estados Unidos, com êxito comercial) um “western” dirigido por Alfred L. Werker. Em Macau o espectáculo “emocionante filme em cinematoscópio” foi para maiores de 18 anos.
Anúncio das próximas estreias, no verso do folheto:
Para 14 e 15 de Janeiro de 1957: (3) “StageCoach To Fury” (1956) (nomeado para o óscar de melhor cinematografia a preto e branco), dirigido por William F. Claxton com os actores Forrest Tucker, Mari Blanchard e Wallace Ford
Para 16 de Janeiro: “Between Heaven and Hell” (1956) (nomeado para óscat de melhor músicaem filme dramático ou cómico) dirigido  por Richard Fleischer, com os actores Robert Wagner, Terry Moore e  Broderick Crawford.
https://en.wikipedia.org/wiki/At_Gunpoint
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/08/14/folheto-de-cinema-teatro-capitol-xiii-lauren-bacall/ (2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/12/18/noticia-de-18-de-dezembro-de-1956-folheto-de-cinema-teatro-apollo-xxxvi-artists-and-models/
(3) O filme estreou nos Estados Unidos a 13 de Dezembro de 1956 e na Inglaterra a 11 de Fevereiro de 1957 isto é depois da estreia em Macau!!! Em Portugal teve o título de “Diligência do Medo

Estreia no dia 11 de Janeiro de 1957, no Teatro Vitória o filme do “ The King of Rock´n Roll – ALAN FREED (1) – ROCK! ROCK! ROCK!”. Em Macau, “Dance, Dance, Dance”, em Portugal (estreado a 10 de Abril de 1957) : “Vamos dançar o Rock”. (2) Na altura, um sucesso de bilheteira em todo o mundo onde foi projectado bem como a venda do álbum “Rock! Rock! Rock!” (3)
Dirigido por Will Price, (filmado a preto e branco, 85 minutos), em 1956, apresentando vários artistas e conjuntos ligados ao “Rock´n Roll” com todo o destaque para “Alan Freed and his Rock´n Roll Band”. Aparecem também Teddy Randazzo (como actor principal –Tommy), Chuk Berry, “The Flamingos”, “Frankie Lymon and the Teenagers”, La Vern Baker entre outros conjuntos. É o primeiro filme da actriz de 13 anos, Tuesday Weld (4) (no papel de Dori; as canções no filme são cantadas por Connie Francis).
https://en.wikipedia.org/wiki/Rock,_Rock,_Rock_(film)

Os protagonistas principais: Tuesday Weld e Teddy Randazzo
http://deeprootsmag.org/2015/08/03/rock-rock-rock-1956/

(1) Em 1951, o “disc-jockey” Alan James Freed (1921-1965) criou o termo rock‘n’roll, antes conotado ao acto sexual. Freed teve um importante papel por atrair jovens brancos para a música feita pelos negros, lançando nomes em seus programas de rádio e posteriormente com a promoção de shows ao vivo. Apareceu em quatro filmes ligados ao tema “Rock´n Roll”: 1956: “Rock Around the Clock”; 1956: “Rock, Rock, Rock”; 1957: “Mister Rock and Roll”; 1957: “Don’t Knock the Rock” (2); 1959: “Go, Johnny Go!”. Ver biografia em:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Alan_Freed
(2) Anteriores referências a filmes com o tema “Rock´n Roll”:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/11/29/noticia-de-29-de-novembro-de-1956-folheto-de-cinema-teatro-vitoria-xxxi-moby-dick/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/12/30/noticia-de-30-de-dezembro-de-1956-folheto-de-cinema-teatro-vitoria-xvii-boas-festas-e-feliz-ano-novo/
(3)O álbum “Rock! Rock! Rock! “ foi o primeiro LP da editora  “Chess Records”. A capa tem a foto de Chuck Berry. Foi o primeiro LP deste artista. Nem todos os artistas que actuaram no filme estão no álbum pois este somente contém quatro temas de trãs artistas: Chuck Berry e dos conjuntos “The Moonglows” e “The Flamingos”.
https://en.wikipedia.org/wiki/Rock,_Rock,_Rock_(soundtrack) 
(4) Tuesday Weld com uma longa carreira iniciada com este filme (a ultima aparição cinematográfica “Chesea Walls“ é de 2001) ganhou o “Golden Globe” em 1960 como a artista mais promissora do ano pelo filme de 1959, “The Five Pennies”.
Trailers do filme e algumas canções mais famosas:
https://www.youtube.com/watch?v=RCt4_Dwt-Lk
https://www.youtube.com/watch?v=weD_ClKJx_0
https://www.youtube.com/watch?v=9jKrHzps0XM
https://www.youtube.com/watch?v=9r2HF5uHtNE

Anunciado para o dia 18 de Dezembro de 1956 no Teatro Apollo (no verso do folheto de cinema deste teatro do dia 13 de Dezembro de 1956) o filme “Artists and Models” (1) (Artistas e Modelos) somente foi projectado nos dias 19 e 20 de Dezembro (por razões de programação ou de contrato – as empresas cinematográficas em Macau dependiam das bobinas cedidas por Hong Kong ou talvez, como o filme é de 1955, seja uma repetição e não estreia).
Da dupla – Dean Martin e Jerry Lewis (2) – muito populares na altura –  o filme “Artists and Models” foi apresentado como “O hilariante filme da vistavisão.
Dirigido por Frank Tashlin para a “Paramount Pictures” (3) apresenta também as artistas Shirley MacLaine, Dorothy Malone e, Eva Gabor e Anita Ekberg.

No dia 21 de Dezembro estreou outro filme “”Teenage Rebel” (Jovem Rebelde). Creio ser este o único folheto que consta no seu verso o argumento dum filme por estrear.
(1) Não confundir com outro filme, com o mesmo título em inglês de 1937,  dirigido por Raould Walsh com os actores Jack Benny e Ida Lupino.
(2) Anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/09/05/in-memoriam-jerry-lewis-folhetos-de-cinema-do-teatro-apollo-xxxiii/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/03/25/folheto-de-cinema-teatro-vitoria-x-filmes-de-jerry-lewis-i-whos-minding-the-store/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/06/07/noticia-de-7-de-junho-de-1957-folheto-de-cinema-teatro-apollo-xvii-hollywood/
(3) Foi o décimo quarto filme da dupla formada por Dean Martin e Jerry Lewis, pela primeira vez trabalhando com o diretor Frank Tashlin (1913-1972) que se tornou seu diretor favorito. Tashlin conhecia bem o tema do filme, uma comédia sobre cartunistas, pois ele já dirigira vários desenhos animados dos Looney Tunes.
Trailers do filme:
https://www.youtube.com/watch?v=XNYSsj7kFlg
https://www.youtube.com/watch?v=p941L6cp1mw
https://www.youtube.com/watch?v=sBxbe4lzJ48

Recentemente foi exibido um excelente filme biográfico do pintor Vang Gogh “Loving Vicent”, de 2017, (em Portugal “ A Paixão de Van Gogh”) dirigido por Dorota Kobiela e  Hugh Welchman (1), mas o primeiro filme (2) que retrata a vida deste pintor terá sido este “Lust For Life, estreado no Teatro Capitol a 5 de Dezembro de 1956.
Lust for Life” é de 1956, (3) com produção da MGM dirigido por Vicent Minneli (4) e argumento de Norman Corwin adaptado da novela de 1934 de Irving Stone. Kirk Douglas (5) no papel de Van Gogh, James Donald no papel do irmão Theo, Pamela Brown, Everett Sloane e Anthony Quinn, que ganhou um óscar (melhor actor secundário) com o papel de Paul Gaugin.

“Wedding Party” também conhecida como “The Catered Affair” é um filme de 1956, drama/comédia da MGM dirigido por Richard Brooks  com argumento de Gore Vidal baseado numa peça escrita para televisão (em episódios) de Paddy Chayefsky e com música de André Previn. (6)

(1) Primeira longa-metragem, filme de animação, totalmente pintada à mão.
Trailers do filme
https://www.youtube.com/watch?v=hC3dqQPunKs
https://www.youtube.com/watch?v=v4-jigHrsYI
https://www.youtube.com/watch?v=Gy0RVDM1sNA
(2) Anterior a esta longa metragem só há um documentário de 20 minutos de 1948 dirigido por Alain Resnais. Outros filmes da vida de Van Gogh inclui um filme de animação “Vicent” de 1987, dirigido por Paul Cox com voz do actor John Hurt como Vicent; de 1990 “Vicent and Theo” dirigido por Robert Altman com os actores Tim Roth e Paul Rhys; “Van Gogh” filme francês de 1991, dirigido por Maurice Pialat com o actor (cantor/compositor) Jacques Dutronc (melhor actor em 1991, pela Academia Francesa de Cinema) e o de 2017, “Loving Vicent”.
(3) Trailer deste filme
https://www.youtube.com/watch?v=2Z3xHMNHQUs
(4) Vicent Minelli, um director de cinema que renovou o género da comédia musical dos anos 40 e 50 (século XX) com muitos filmes de sucesso, também realizou fora desta área, filmes com boas adaptações literárias, como por exemplo. este filme.
(5) Uma das melhores interpretações de Kirk Douglas, ganhou o “Globo de Ouro” e outros prémios em festivais, mas não o tão desejado Óscar, embora nomeado para “melhor actor” principal”

Estreia no dia 29 de Novembro de 1956, no Teatro Vitória, o filme “MOBY DiCK”, para maiores de 13 anos, nas três sessões diárias habituais.
Filme britânico (partes filmadas na Ilha da Madeira), de 1956, dirigido por John Huston (talvez o melhor filme deste realizador) para a “Warner Bros”, com argumento de Ray Bradbury e do próprio John Huston e os bons desempenhos dos actores, Gregory Peck, Richard Basehart, Leo Genn, James Robertson Justice e Orson Welles (brilhante actuação no pequeno papel do Padre Mapple).
De salientar a fabulosa fotografia de Oswald Morris (segundo alguns críticos, a melhor película sobre o mar).
Adaptação pessoal ao mesmo tempo muito fidelíssima da magistral novela de Herman Melville de 1851, história da obsessão do capitão Ahab (Gregory Peck) com a baleia branca Moby Dick que o feriu, tirando-lhe uma perna de Ahab, anos atrás.
Trailers do filme
https://www.youtube.com/watch?v=l_ibjoSB6Xs
https://www.youtube.com/watch?v=5LOlmBgV_v0
Próxima mudança: o filme “ROCK AROUND THE CLOCK” com o título “Ritmo Moderno” terá estreado nos primeiros dias de Dezembro desse ano, a proceder outros dois filmes da mesma temática: “Ritmo Inebriante” (“DON´T KNOCK THE ROCK”) estreado em 30 de Dezembro, já apresentado em anterior postagem (1) e “Dance, Dance, Dance”, (“ROCK,ROCK, ROCK”) estreado em 11 de Janeiro de 1957.

Imagem retirado de (2)

De interesse é o anúncio da apresentação do documentário: “ABRIL EM PORTUGAL” projectado com o filme “Ritmo Moderno”

“Apresentando
Jack(ie) Lane, a rapariga que chocou o Império! (2)
Amália Rodrigues, a maior cantora de Portugal!
Os bailarinos do mundialmente Tágide Clube de Lisboa!
Narração de Trevor Howard
Um complemento tecnicolorido da COLUMBIA PICTURES”

O filme (curta metragem de 20 minutos, colorido, filmado em 35 mm, depois convertido em” cinemascope”) “April in Portugal” realizado em 1955 (mas estreado só a 20 de Abril de 1956, nos EUA) é um documentário “turístico” britânico dirigido por Euan Lloyd, produzido por Irving Allen e Albert R. Broccoli (produtor de muitos filmes de James Bond), narrado pelo actor britânico Trevor Howard (1913-1988).
Interpretando uma guia turística de nome “Jackie Lane”, a artista Jocelyn Lane (actriz e modelo nas décadas de 50 e 60 – século XX e que casou com o príncipe to Prince Alfonso of Hohenlohe-Langenburg em 1973) vai apresentando ao longo do documentário além da paisagem, os artistas portugueses: Amália Rodrigues (1920-1999); o matador português António dos Santos (primo do mais consagrado toureiro a pé Manuel dos Santos que actuou em Macau em 1966) (3) e Fernando Gil e o seu ballet
Anúncio do filme “The Eddy Duchin Story” estreado no Teatro “Proctors”, em Nova Iorque, no dia 25 de Julho de 1956 com apresentação “EXTRA” de “April in Portugal
http://jocelynlanepage.blogspot.pt/2015/06/april-in-portugal-1955.html
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/12/30/noticia-de-30-de-dezembro-de-1956-folheto-de-cinema-teatro-vitoria-xvii-boas-festas-e-feliz-ano-novo/
(2) Questiona-se a etiqueta de apresentação desta artista: Jack(ie) Lane, a rapariga que chocou o Império
A explicação terá sido: a exploração pela imprensa “cor de rosa” britânica de um “incidente” ocorrido no final de 1955 em que Jocelyn Lane se apresentou numa première real em Londres com um vestido muito “ousado”.
Starring Jackie Lane the girl who shocked an Empire.”  We will discuss this further in a future post, but the U.S. ad campaign was trying to exploit an incident that had occurred in the fall of 1955.  Jocelyn made international headlines after being blasted in the London press for a daring dress that she wore to a royal premiere… ?
http://jocelynlanepage.blogspot.pt/2015/06/april-in-portugal-1955.html
(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/02/04/slide-colorido-de-macau-turistico-da-decada-de-60-seculo-xx-v-touradas-em-macau/

Estreia do “célebre filme brasileiro Prémio da Academia” ,“O ORFEU NEGRO “ no Teatro Apollo no dia 1 de Novembro de 1961.
Talvez o primeiro filme “brasileiro” (1) a ser projectado nos cinemas de Macau, embora a versão falada em português, tivesse legendagem em inglês e chinês.  “Orfeu Negro”, uma co-produção italo-franco-brasileiro de 1959, dirigido por Marcel Camus (adaptação da peça teatral de Vinicius Morais, “Orfeu da Conceição”) foi, na altura, um enorme êxito mundial tendo ganho vários prémios internacionais nomeadamente o “Óscar de melhor filme estrangeiro” e “Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro” em 1960 e a “Palma de Ouro” (França) em 1959.

Exciting! Scored tops in New York” (revista LIFE)

Drama (não musical embora a música desempenhe um papel importante) que retrata uma história que vai buscar inspiração à mitologia grega, mais precisamente ao enredo que envolve Orfeu que se apaixona por Eurídice, uma jovem recém-chegada do interior, despertando ciúmes em Mira (noiva de Orfeu) num cenário de uma favela do Rio de Janeiro, na época do Carnaval, na década de 50.
Música de Tom Jobim e Luis Bonfá (nos créditos) embora Vinicius de Morais e António Maria tivessem suas músicas incluídas no filme.
“PRÓXIMA MUDANÇA”
“PARRISH”, filme de 1961, dirigido por Delmer Davies, estrearia neste mesmo Teatro no dia 17 de Novembro de 1961.
(1) Considerar o filme brasileiro, segundo alguns críticos, seria impróprio pois não é mais do que uma co-produção internacional  para um produto folclórico muito sobrevalorizado na época.
Trailers do filme:
https://www.youtube.com/watch?v=fWIwTOtvbSk
https://www.youtube.com/watch?v=HtjQ1t5FWv8
https://www.youtube.com/watch?v=M6a_mCJNEUQ
https://www.youtube.com/watch?v=c29iDvEmnrg