Archives for category: Flora e Fauna
Extraído de “Leal Senado, Uma Experiência Municipal (1989-1997) ”, p. 45

O parque urbano municipal de Mong Há conhecido oficialmente como parque municipal da colina de Mong Há (1), na Avenida do Coronel Mesquita, foi inaugurado em Junho de 1997, após uma primeira fase da recuperação daquele espaço com projecto da arquitecta Maria José de Freitas. Era a concretização de um velho projecto do Leal Senado que remontava de 1991 e que viria a ser recuperado em 1994.

A primeira fase da recuperação daquele espaço (cerca de 60 mil metros quadrados) ficou com circuitos de manutenção, uma praça central com fontanário, uma estufa, um largo artificial, escadarias, parque infantil e uma casa de chá. Destaque ainda para a recuperação do antigo forte militar de Mong Há. (2)

ttps://www.iam.gov.mo/p/facility/content/garden

Posteriormente estariam programadas as segunda e terceira fases do projecto com a  colocação de uma escada rolante, uma galeria de arte na zona dos antigos estábulos e um elevador panorâmico.

(1) O Forte de Mong Há, situado na colina do mesmo nome, no lado norte de Macau, é uma fortaleza mais moderna, construída por precaução contra uma possível invasão chinesa na sequência da guerra Sino-Inglesa em 1841. Foi concluída em 1866 e manteve-se ao serviço activo até à década de 1960 quando foi desactivada. Hoje em dia toda a área foi transformada num parque com canteiros floridos, rampas relvadas e caminhos pedonais que contornam as velhas muralhas. É um agradável refúgio para os habitantes da vizinhança, com uma bela vista sobre a cidade. https://www.macaotourism.gov.mo/pt/sightseeing/gardens/mong-ha-hill-municipal-park

Anteriores referências a esta fortaleza em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fortaleza-de-mong-ha/

(2) “Leal Senado, Uma Experiência Municipal (1989-1997) ”, p. 45

CAPA

Nas comemorações da “Semana Verde” de 1982, associado à plantação de árvores na Praia de Hac Sá (1), os Serviços Florestais e Agrícolas de Macau, publicaram em Abril de 1982, um pequeno opúsculo (biligue: português e chinês) de 4 folhas (8 páginas) (29,5 cm x 20,5 cm) com o título: “A ÁRVORE 樹”, texto de António Estácio (2)  e desenhos de Leonel Barros.(3)

1.ª página
2.ª página
3.ª página
4.ª página
5.ª página
6.ª página
7.ª página
8.ª página
Contracapa

mandarim pīnyīn: shù; cantonense jyutping: syu6

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/03/21/noticia-de-21-de-marco-de-1978-dia-mundial-da-arvore/ Outras referências relacionadas ao Dia Mundial da Floresta/Dia Mundial da Árvore, neste blogue: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/gabinete-tecnico-do-ambiente/

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-estacio/

(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/leonel-barros/

Extraído de «TSYK», III -6 de 9 de Novembro de 1865, p. 24

Organizado pelo Instituto para os Assuntos Municipais, está a decorrer em Macau a 20.º Festival da Flor e a 39.ª edição da Semana Verde de Macau, de 12 a 21 de Junho de 2020. (1) A flor temática deste ano é a “Nelumbo nucífera / “Gong Deng”, mais conhecida por flor-de-lótus ou lótus sagrado (2)

A propósito da Semana Verde, que habitualmente se realiza no mês de Março, (3) publico o autocolante referente à “SEMANA VERDE 88”, de 1988, editado pela Câmara Municipal das Ilhas (4)

Dimensões: 7, 5 cm x 5 cm

SEMANA VERDE 88

一九八八綠化週

CARTAZ DO INSTITUTO PARA OS ASSUNTOS MUNICIPAIS

(2) Flor símbolo/emblema da Região Administrativa Especial de Macau, figurando na sua bandeira.

Nelumbo nucífera- flor-de-lótus, lótus sagrado https://pt.wikipedia.org/wiki/Nelumbo_nucifer

(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/03/15/noticias-de-15-a-21-de-marco-de-1982-semana-verde-de-macau/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/03/17/noticias-de-15-a-21-de-marco-de-1995-i-postal-da-semana-verde-de-macau/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/03/15/noticias-de-15-21-de-marco-de-1984-e-1985-autocolan-tes-iii-e-iv-semana-verde-de-macau/

(4) 綠化週 – mandarim pīnyīn: lǜ huà zhōu; cantonense jyutping: luk6 faa3 zau1

Do mesmo artigo da Professora Ana Maria Amaro (1), umas receitas de tradição oral:

CHÁ DE POLOPÉ – Esta palavra aparece, por vezes, nos velhos cadernos de receitas de culinária e de mezinhas das senhoras de Macau, sem significado expresso. Ouvimos, às senhoras macaenses, chamar polopé e polopei à casca de toranja, por deturpação de pó lôk pei (波碌皮), nome chinês da casca de jamboa.(2) O chá de polopé, tal como o chá de casca de toranja, são usados contra sustos, o que nos leva a crer que polopé (3) é, realmente, casca de toranja.

MEZINHA SUZO-BARATASuzo-barata é o nome de Macau dado às pequenas bolas pretas que se vendem nas farmácias chinesas, geralmente envolvidas por hastilhas finas de bambu e que não são nem mais nem menos do que excrementos esféricos de escaravelhos. Segundo informadores chineses, na China do Norte é costume enterrar-se em pequenos covachos bolas do diâmetro de 3 a 5 cm, feitas com bosta de búfalo. Aí desenvolvem-se rapidamente os escaravelhos que depositarão nas bordas dos seus ninhos os excrementos esféricos com valor medicinal. (4) Tanto contra susto como contra mal-de-ar esta mezinha é muito estimada, tanto na China como em Macau.

O escaravelho chinês é o Xylotrupes dichotomus L. Alguns informadores macaenses consideravam que o chamado chá de sete folhas, usado em lavagens contra mal-de-ar também surtia efeito no caso de mal-de-susto. Contudo, ao que parece, reinava entre as senhoras portuguesas de Macau uma certa confusão entre o chá de sete folhas e o chá de sete estrelas (chat seng chá 七星 茶 ), específico para crianças, mas usado contra doenças gastro-intestinais (5)

Além da pedra cordial, atrás citada havia quem usasse, em Macau, pó de aljofre (pérola moída no sá pun– (沙盤 ) aberto com água ao qual se juntava, por influência chinesa, uma pitada de pó de carimbos (cinábrio). (6). Este pó cozido com coração de porco (usado homeopaticamente) é, também, considerado muito eficaz contra sustos e futuros males cardíacos.

(1) AMARO, Ana Maria – O mal de susto ou subissalto (A queda da alma) in: Revista de Cultura. – Vol. 3, nº 10 (Abril/Maio/Junho 1990), p. 43-50. Ver em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/01/25/leitura-mal-de-susto-ou-subissalto/

(2) Jamboa é o nome dado em “patois” de Macau à toranja (Citrus grandis Osbeck)., cujo nome clássico chinês é iau

(3) É possível, porém, que pelo-pé seja aqui equivalente a pelo-do-pé, isto é, pelos pubianos que se usavam no Brasil, sob esta designação, como “elixir de amor”, e portanto, como mezinha de carácter mágico. (1)

(4) É de registar que este simples, conhecido por “châu keong” (草 薑 ) gengibre de mau cheiro em tradução literal, entra também nalgumas receitas de mezinha para lavar contra mal de ar ou savan. (1) Creio que o caracter chinês 草 (mandarim: zào / cantonense: chou2) que está no artigo não está correcta pois significa “erva” e não mau cheiro 臭(mandarim: chòu/ cantonense: cau3). O correcto deveria ser “châu keong臭薑

(5) Esta composição é, aliás, constituída por 12 simples que se vendem em pacotinhos nos ervanários de Macau, já triturados e prontos a serem fervidos no gargu (bule de barro que vai ao lume). Deve ministrar-se às crianças durante três dias consecutivos, contra indisposições intestinais acompanhadas d febre ligeira. (1)

(6) O cinábrio (HgS) é um produto tóxico, usado em medicina chinesa como antiespasmódico e sedativo em casos de taquicardia de natureza nervosa e ainda no tratamento de convulsões infantis. É, também, considerado pelos tauistas uma substância dotada de poderes sobrenaturais. (1)

Na continuação da notícia de 18 de Abril de 1991 (1) – lançamento pelos Correios e Telecomunicações de Macau, (C. T. M.) de um sobrescrito de 1. º dia de circulação, quatro selos e obliteração de 1.º dia com o motivo: «Conchas da Região», apresento hoje a pagela e os quatro selos (estes sem obliteração) dentro de um envelope (15,8 cm x 12 cm), transparente, dos Correios e Telecomunicações de Macau (sector da filatelia, Largo do Senado, Macau).

Os desenhos bem como a descrição das conchas são da autoria de Leonel Barros. Os quatro selos (4 cm x 3 cm) com o mesmo valor: 3 patacas.

1 – Harpa harpa – Harpa nobre – Swollen Harp

Estas conchas vivem em águas profundas a 200 metros de profundidade. Totalmente carnívoras, no entanto, há ocasiões em que se alimentam também de corais mortos. Muito abundante no Mar da Chinaa 100 ilhas de Macau

2 – Tonna zonata – Concha abajú – Oil Lamp Cone

Concha circular, grande, de côr acastanhada. Alimenta-se de crustáceos, equinodermes, conchas bivalves e peixes.- Vivem em grandes profundidades e são muito abundantes na ilha de Ainão. Foram até hoje encontradas 25 variedades.

3 – Chicoreus rosarius – Concha fusiforme – Rosary Shell

Concha de tamanho médio, a maioria dos espinhos são recurvados. Muito vulgar na região do Indo-Pacífico até próximo do Japão. Todas as conchas desta família (muricídeos) possuem formas irregulares. Vivem em águas pouco profundas (20 metros) e são totalmente carnívoras. Certas espécies desta família, quando perturbadas expelem um pigmento arroxado que os antigos egípcios utilizvam na tinturaria . oO opérculo é muito mais escuro do que o corpo.

4 – Murex pécten – Concha esqueleto – Skeleton Shell

Pertence também à família dos muricídeos. Corpo coberto de espinhos, uns mais compridos e outros mais curtos. O opérculo tem a forma elíptica e de côr castanho-escuro. Vive também em águas pouco profundas (20 a 30 m). No Japão algumas variedades desta família são encontradas nas ostreiras, principalmente em Hokaido.

Pagela n.º 55 – Correios e Telecomunicações de Macau – Tiragem: 8.500 ex.
Dados Técnicos

Lançamento pelos Correios e Telecomunicações de Macau, em 18 de Abril de 1991, de um sobrescrito de 1. º dia de circulação,quatro selos e obliteração de 1.º dia, todos com o mesmo motivo: «Conchas da Região» Os desenhos bem como a descrição das conchas cujos exemplares constam nos selos, são da autoria de Leonel Barros

Os quatro selos (4 cm x 3cm) com o mesmo valor: 3 patacas. (1)

Este envelope (16,2 cm x 11,4 cm) com a «CONCHA TRAPÉZIO – Pleuroploca trapezium»

CONCHAS DA REGIÂO

Os homens primitivos, utilizavam as conchas como ornamento de protecção contra os maus espíritos, sendo o molusco utilizado na alimentação. As conchas que possuem superfície polida e brilhante, o que geralmente acontece com a família das Cypracidae, eram muito procuradas devido ao seu tamanho reduzido quando jovens, tendo sido utilizadas como moeda, ma antiguidade, até ao aparecimento do cobre na dinastia Ching. Ainda hoje muitos dos pescadores trazem-nas penduradas ao pescoço como amuleto com o fim de conseguirem bom pescado, enquanto que os camponeses enterram essas conchas debaixo da terra com o fim de conseguirem boas colheitas.

As conchas marinhas são verdadeiras joias do mar. São lindas e cada espécie é distintamente diferente. A maior zona zoogeográfica marinha que se conhece abrange o Oceano Índico e o Oceano Pacífico, onde se situam a Polinésia e Melanésia, a Malásia, o Arquipélago da Indonésia, as Filipinas, as Ilhas Havaianas, o Golfo de Bengala e o Golfo de Omam. Todo este aglomerado de ilhas são banhadas por águas mornas tropicais que formam a corrente marítima de Kuroshio.Essas águas cristalinas oferecem à vida marinha tropical boa alimentação e boas condições de vida do que resulta a presença de uma grande variedade de conchas – univalves e bivalves – todas elas possuindo feitios e cores variadíssimas.

Existem cerca de cento e cinquenta mil variedades de conchas marinhas algumas delas hermafroditas divididas em sete classes. maioria destes animais não vivem mais do que sete anos, não obstante, alguns, os maiores, pesando cerca de trezentos ou mais quilos, vivem cerca de setenta anos.

As que apresentamos aqui na presente colecção de selos são as que existem na região do Indo-Pacífico zona em que o Território de Macau está inserido. Leonel Barros

(1) A descrição das conchas cujos exemplares constam nos selos, e a pagela n.º 55 desta temática, será para uma posterior postagem.

地區貝殼mandarim pīnyīn: dì qū bèi ké; cantonense jyutping: dei6 keoi1 bui3 hok3

Portaria n.º 70/91/M – Emite e põe em circulação selos postais alusivos à emissão extraordinária «Conchas da Região (B. O. 3.º supl., n.º 15 de 18-04-1991)

O suplemento Ilustrado do jornal «Notícias de Macau», de 23 de Dezembro de 1972, documenta a homenagem promovida no dia 18 de Novembro, no jardim da Flora, em memória de Alfredo Augusto d’Almeida, (1) cidadão macaense que, sempre comum perfil modesto, tanto pugnou pela preservação do património histórico, cultural da sua terra, com especial carinho pela flora e aspectos paisagísticos. Foi descerrado um busto deste dedicado funcionário do Leal Senado, esculpido por Oseo Acconci.” (2)
O busto colocado no corredor central do Jardim da Flora, moldado em gesso em 1971, tem uma inscrição em português e chinês

A
ALFREDO AUGUSTO DE ALMEIDA QUE EM VIDA
TANTO AMOR DEDICOU A ESTE JARDIM
1898-1971

(1) Alfredo Augusto de Almeida (21 de Janeiro de 1898 – 13 de Novembro de 1971) –Autodidacta,naturalista e botanista amador, funcionário municipal e público por muitos anos, trabalhou no Serviço de  Obras Públicas e ao serviço do Leal Senado, renovou e transformou o espaço verde do Jardim da Flora, introduzindo novas espécies de flores, árvores de fruto e até uma pequena fauna.
Foi devido ao seu interesse e entusiasmo pelas plantas e jardins que planeou muitos espaços públicos de Macau. Preservou e recuperou muitas pedras que tinham alguma ligação histórica à cidade que estavam para destruição mormente aqueles que foram sujeitos ao vandalismo no período «1-2-3» de 1966, preservadas nas paredes do Leal Senado e na Fortaleza do Monte.
Era Tetraneto do Primeiro Barão de Porto Alegre, Januário Agostinho de Almeida (1759 -1825), um dos comerciantes de ópio mais ricos de Macau nos inícios do século XIX.
Segundo o que refere Jorge Forjaz (3) «Alfredo Augusto de Almeida não herdou a fortuna dos seus antepassados e, por isso, foi toda a vida um humilde funcionário público e municipal. Mas herdou as suas virtudes, a sua grandeza de alma e um nobre coração.
Filho de Macau, da mais ilustre aristocracia macaense, este homem foi sempre leal e honesto, nobre e respeitador no trato social e amigo da sua terra como poucos. Os jardins de Macau devem-lhe muito e o da Flora deve-lhe quase tudo, inclusivamente a classificação científica de todas as plantas e animais que lá existiam.
O Museu Arqueológico da Fortaleza do Monte foi ele que o salvou, foi ele que o colocou ali.
Era um self made man, lia e consultava as autoridades em botânica e na arqueologia; por isso o Prof. Williams, de St. Francis Xavier College, perito em botânica, nunca vinha a Macau que não fosse a sua casa; o mesmo fez sempre o brigadeiro e historiador Sir Lindsay Ride, que tinha por ele o maior apreço; o então Governador Jaime Silvério Marques (1959-1962) correspondia-se frequentemente com este funcionário, a quem tanto apreciara e elogiara durante o seu Governo de Macau.
Em 1935, ele reconstruiu o jardim da Igreja de S. Lourenço, sob as indicações da Srª D. Laura Lobato.
Oseo Acconci, que tanto o estimava, moldou o seu busto, um mês antes da sua morte.». (3)
(2) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. 5, 1998
(3) FORJAZ, Jorge – Famílias Macaenses , Volume I, 1996
Outra bibliografia consultada:
RIDE, Lindsay; RIDE, May; WORDIE, Jason –  The Voices of Macao Stones,1999.
ARAÚJO, Amadeu Gomes de – Diálogos em Bronze, Memórias de Macau, 2001-

Hoje dia 13 de Setembro de 2019, celebra-se o 15.º dia do 8.º mês – Dia do Festival do Outono, mais conhecido como a Festa do «Bate-Pau» ou das «lanternas»
Do “Ta-Ssi-Yang-Kuo – Arquivos e Anais do Extremo Oriente Português” (1) (pp. 392~393), a propósito dos “Costumes e crenças da China” de Francisco Pereira Marques, retiro o seguinte:
A lua corresponde ao mez de setembro é consagrada pelos chins à festa do bate-pau ou das lanternas a que eles chamam Chung – chau e os inglezes Mid Autumn festival, por coincidir com a quadra outomnal.

Caixa contendo quatro bolos bate-pau

Dá-se o nome de bate-pau a um bolo que os chins preparam n´esta ocasião, que é arredondado e parecido com um pastelinho com crosta de farinha, recheado de doces. Há varias espécies de bolos de bate-pau: uns que que só entra feijão; outros o mungo (2); outros a semente de trate (3); e outros o gergelim, amêndoa e toucinho.
Só durante esta lua ou pouco antes é que os chins preparam estes bolos para venda e exportação.
Tambem por este tempo os chins vendem caramelos em forma de castello, embarcação, jarro, etc.; pães de farinha figurando um porco de tamanho de trez e quatro polegadas, metido n´um cesto de bambú de feitio conico; bolos de massa de farinha muito dura coma configuração de um prato com pintura a côres, representando paisagens e figuras humanas, postos n´uma caixinha de papelão de forma circular, polygonal ou oblonga, segundo o feitio do bolo, com uma rede muito fina e transparente de cassa. Este bolo só é feito para ornato e presente às creanças.

Bolo Bate.pau embalado

O bolo de bate-pau é o symbolo da lua, e os chins chamam-n´o em dialecto mandarim Yué-ping 月餅 e em cantonense Yut—peang. Geralmente o seu peso nao atinge meia libra.
Os macaístas conhecem-n´o pelo nome de bate-pau, por ser preparado com um pau em forma de ferula, com um orifício no centro onde se mettem a massa de farinha e os recheios, carregando com a palma da mão para comprimil-o bem; e em seguida batem o pau com força, por duas ou tres vezes sobre a meza, para fazer expellir o bolo que é levado acto contínuo ao forno, a assar.
Todo este mez lunar é consagrado a esta festa, mas o decimo quinto dia da lua é o mais solemne.
As lojas, onde se fazem e vendem stes bolos, costumam ter nos seus terraços ou telhados um mastro com bandeiras e ou lanternas.”
(1) PEREIRA, J. F. Marques (“coligidos, coordenados e anotados” )- Ta-Ssi-Yang-Kuo, Archivos e annaes do Extremo-Oriente Português. 1899-1900. Série II, – Vols. III e IV. Edição S.E.C., !984.
(2) Mungo é uma espécie de feijãosinho que os chins do sul chamam Loc tau 綠豆(feijão verde) e, se não me engano, é o Phaseolus mungo, conhecido entre os ingleses pelo nome de “kidney beans”. Os chins cozem o mungo com jagra (melaço) fezes de assucar mascavado, a que chamam Wong-tong 黃糖 (assucar amarello) e vende-se em pães e se serve quente em chávenas como refrigerante, com o nome de Loc-tau-choc 綠豆粥(cozimento de mungo com jagra) e Loc-tau-sá  綠豆沙 (cozimento de mungo) , segundo o modo de o prepararem.
Quasi todos os navegantes que fazem viagens longas nas embarcações, costumam prover-se de mungo, e, quando a bordo há falta de hortaliça, os chinas borrifam agua sobre uma porção de mungo, que, ao cabo de dois ou três dias, gréla em espiga tenra.. Cozem-n´o como hervas e dão-lhe o nome de Teang-ká-choi 蛋家菜,, isto é, hortaliça dos barqueiros.
(3) Trate é uma planta aquática muito apreciada no Oriente. Os chins aproveitam toda esta planta, desde a flôr até a raiz, e denominam-na Lin-chi 蓮子… (…)
Os chins gostam muito da semente d´esta planta, que cosem com sopa e carne. Aproveitam esta semente para fazer doce e também preparam uma bebida, cosida com assucar e ovo de galinha e que servem ás chávenas, conhecida pelo nome de Lin-chi-kang 蓮子 羹 A sua raiz denominam Lin-ngan 蓮藕 e é apreciada para se cozer com carne de porco ou de vacca, e também fazem d´ella doce. Attribuem-lhe propriedades sedativas e anti-aphrosidíacas.
Anteriores referência a este festa em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/bolo-lunar-bolo-de-bate-pau-%E6%9C%88%E9%A5%BC/

Festa Chineza do Outono

Do livro de  Chrétien-Louis-Joseph de Guignes (1759-1845),  “Voyages à Peking, Manille et l’Île de France, faits dans l’intervalle des années 1784 à 1801”. 8vo. 3 vol. Avec Atlas in folio. Paris 1808
https://www.chineancienne.fr/17e-18e-s/de-guignes-voyage-%C3%A0-peking/

A propósito do temporal / ciclone que se abateu sobre Macau no dia 12 de Julho de 1883, (1) mais três relatórios datados de 14 de Julho de 1883, publicados no «Boletim da Província de Macau e Timor», no suplemento n.º 28 (Vol. XXIX), de 19-07-1883, respectivamente do Administrador (substituto) do Concelho de Macau, F. C. Lobo, do Director das Obras Públicas, Constantino José de Brito, (2)  do administrador do Concelho da Taipa e Colovane, tenente José Correa de Lemos, (3) bem como uma tabela de “Observações meteorológicas feitas no porto interior a bordo da canhoneira Tâmega” durante o cyclone” assinada pelo comandante A. J. Pinto Basto. (4)
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/07/12/noticia-de-12-de-julho-de-1883-temporal-ciclone-sobre-macau-i/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/constantino-jose-de-brito/
(3)  https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-correia-de-lemos/
(4) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/08/06/leitura-cruzador-s-gabriel-viagem-de-circumna-vegacao/