Archives for category: Divertimentos

Um aviso ao público de 18 de Agosto de 1856, publicado no Boletim do Governo (1), anunciando a apresentação em Macau, em Setembro de 1856, da Companhia Italiana do célebre funambulo, acrobático e mímico Luis Feroni (Fumoni ?)  para a realização de uma série de variadas, e escolhidas  representações de ginástica,  na Feitoria de Paiva na Rua da Prainha n.º 17 . (2)

«BGPMTS», II-44 de 22 de Agosto de 1856, p. 176

Rua da Prainha principia na Calçada de Francisco António, (1) do lado da numeração ímpar, e no Pátio de Francisco António, (2) do lado da numeração par, e termina na Calçada da Feitoria, (3) junto da Travessa do Cais.

(1) O homem que deu o nome à Calçada e ao Pátio foi o Dr. Francisco António Seabra, natural do Brasil, o qual chegou a Macau em 1819 a bordo do navio Diana da praça do Rio de Janeiro. Possuía ali uma feitoria, na Calçada da Feitoria, (3) onde eram consertados os navios que ali entravam com fácil acesso pelo cais da Prainha. (4) Casou com Regina Seabra Joannes.

A 14 de Abril de 1830, o mandarim Tso-tang, de apelido Ien, publicou um edital, dizendo «que o carpinteiro Acão e outros ocultamente estavam concertando uma embarcação europeia do português (António) Martins, dentro da Feitoria de Francisco António, usurpando desta sorte o seu direito; e que, visto que pretendem fazer alguma obra, deverão dar parte». O Tso-tang proibiu que o carpinteiro continuasse a obra. (4)

(2) O Pátio de Francisco António (após o «Cadastro das Vias Públicas de 1874) era conhecido anteriormente por Armação de Francisco António ou Pátio do Esteio que começa na Rua do Almirante Sérgio e acaba na da Prainha (4)

(3) Calçada da Feitoria começa na Rua de S. José, junto da Rua do Barão, e termina na Travessa do cais, junto do Pátio de Chan Loc, de um lado, e junto da Rua da Prainha, do outro.

(4) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I, ICM, 1997, pp. 34 e 427/428.

Extraído de «BGM», IX-35 de 8 de Agosto de 1863 pp. 139-140

 “A população portuguesa, depois da visita duma esquadrilha de hidroaviões ingleses de Hong-Kong, a caminho de Singapura, e da vinda do destroyer japonês “Ashi” por uns dias, concentrou o seu interesse na inauguração do Clube de Caçadores, instalado numa área verde da zona do hipódromo, à Areia Preta, e quase paredes meias com o clube da União Recreativa. Macau estava, nessa altura, pejada de entusiastas de caça e a prática venatória fazia-se nas várzeas e colinas da “terra-china”, donde os caçadores traziam, ao cair das tardes de Domingo, narcejas, rolas, perdizes, patos bravos e outras peças de caça. Mas, como nem sempre se podia ir à China, pensou-se em criar aqui o tiro a pratos para distracção dos aficionados.

A inauguração realizou-se em 19 de Maio, às 16:30 horas, numa tarde ardente e luminosa, com a assistência do Governador, autoridades civis e militares, inúmeros sócios e respectivas famílias. A festa começou por um leilão de 24 espingardas, sendo todas disputadas. A seguir veio o torneio inaugural com a intervenção de 22 caçadores.

A luta foi renhida e temos à mão os resultados. O 1° classificado foi Mário Baptista, 14 pontos; o 2° foi Celedónio Gomes, 13 pontos; para o 3°, classificaram-se Dr. José Alves Ferreira e António Ferreira Batalha, 12 pontos; a seguir, Fernando Rodrigues (pai), Alberto Mello, José Simão Rodrigues e Mário Ribeiro, 11 pontos; Américo Pacheco Jorge, 10 pontos, António Ribeiro e Horácio Pais Laranjeira, 8 pontos; Veríssimo do Rosário, 7 pontos; Júlio de Oliveira, Guedes Pinto, D. João de Vila Franca, 6 pontos; Emílio Bontein da Rosa, 5 pontos; Luís Miranda, Luís Mello, António Mello Jr., 4 pontos; José Sales da Silva, 3 pontos; D. João Mesquitela, 2 pontos; e António Alexandrino de Mello, 0 pontos. Para o terceiro lugar, houve depois um desempate entre Dr. José Alves Ferreira e António Ferreira Batalha, vencendo aquele. Distribuíram-se depois os prémios para os três primeiros classificados e António Alexandrino de Mello recebeu o prémio de consolação, que aceitou com bonomia e grandeza de alma.

António A. de Mello, filho do Barão de Cercal, era uma veneranda e popular figura de macaense e tinha a qualidade de ser um grande gourmet. Nesta festa inaugural do Clube dos Caçadores, o chá-gordo que se seguiu ao torneio foi dirigido e organizado por ele. De modo que, se recebeu um prémio de consolação, consolou também a todos os presentes com um finíssimo chá-gordo que ainda persiste na memória daqueles que tiveram a dita de participar nele.”

FERNANDES, Henrique de Senna – Cinema em Macau III (1932-36) in «Revista da Cultura» , n.º 23 (II Série) Abril/Junho de 1995, pp.151-152

CAPA
Programa (27,5 cm x 14,5 cm) foi impresso na Tipografia Welfare Co. – Macau

Actuou em Macau de 4 a 8 de Maio de 1984, o Grupo Acrobático de Guangdong (Cantão) – 中國廣東 雜技團,(1) fundada em 1951, a convite do Sr. Chiu Iu. Creio que os espectáculos foram no Teatro Alegria. Era a 3.ª vez que o Grupo se deslocava a Macau sendo as anteriores actuações nos anos de 1959 e 1960

(1) 中國廣東 雜技團mandarim pīnyīn: zhōng guó guǎng dōng zá jì tuán; cantonense jyutping: zung1 gwok3 qwong2 dung1 zaap6 gei6 tyun4

Extraído de «TSYK», I-17 de 28 de Janeiro de 1864, p. 67

Do livro da Professora Dra. Ana Maria Amaro,Jogos, Brinquedos e outras Diversões Populares de Macau” (1), de 1972, a propósito dos teatros de sombras, nomeadamente os “sombras das mãos – Sau Ieng Chi 手影子” (2) –  retiro este pequeno texto (p. 62)
“Hoje, em Macau as figuras mais frequentes, que as próprias crianças fazem com as mãos, projectando-as na parede, com acessórios simples, são as mais popularmente conhecidas e divulgadas, também no hemisfério ocidental.
Desde o vulgar gato, em que o indicador e o dedo mínimo duma das mãos, dobrados, formam as orelhas, o antebraço, o corpo e, o dedo mínimo da outra mão, a cauda, à pomba e à águia em voo, batendo as asas, até às figuras mitológicas, a que se aliam, aos dedos, hastilhas de bambu, e às vezes, pedaços de papel dobrados ou recortados, são conhecidas numerosíssimas figuras.
Mães e criadas organizavam sessões de sombras, às vezes acompanhadas de citações, adivinhas ou onomatopeias, e as crianças tinham de as interpretar, o que causava a maior excitação e entusiasmo, por comparticipar, assim, na brincadeira. Era um curioso processo educativo que, hoje a televisão veio substituir.
Lembram-se, ainda hoje, filhos da terra e antigos residentes, dos espectáculos de auto do pau. Estes espectáculos já não eram realizados na casa do auto, actual Teatro Cheng Peng, onde se representavam as óperas chinesas, mas nas ruas, em tendas armadas em estilo de pagode, onde alguns mestres faziam actuar figuras de pau e bambu, que possuíam, apenas, cabeças e braços móveis, e, por vezes, roupagens ricamente bordadas. Estes autos de pau, eram sobretudo, representados no terreiro defronte do templo de Kuan Tai (關帝) da chamada Associação das Três Ruas, vizinho do Mercado de S. Domingos. Desapareceram nos princípios deste século.
Os teatros de sombras, há muito que não existem em Macau, tendo-se perdido, na maioria dos macaenses, a sua própria recordação. Só alguns dos residentes mais antigos se lembram de teatrinhos deste género, montados em tendas ambulantes, que se exibiam, principalmente em noites calmosas, ao longo da Praia Grande.
Ao que consta, eram habituais os teatros de sombras na meia laranja, que restava dum antigo fortim existente defronte da actual Firma F. Rodrigues & C.º, diante do que foi, dantes, a casa do 1.º conde de Senna Fernandes, na Praia Grande.”
(1) AMARO, Ana Maria – Jogos, Brinquedos e outras Diversões Populares de Macau. Imprensa Nacional, 1972.
No verso da contracapa, refere 1976:
“Este livro acabou de se imprimir aos seis dias do mês de Agosto de Mil Novecentos e Setenta e Seis nas Oficinas Gráficas da Imprensa Nacional de Macau”
(2) 手影子mandarim pīnyīn: shǒu yǐng zǐ; cantonense jyutping: sau2 jeng2 zi2

Nos salões do Clube Militar, realizou-se no dia 5 de Junho de 1954, um Baile de Primavera que reuniu grande número de sócios, acompanhados de suas respectivas famílias, e de muitos convidados.
Num ambiente de distinção e elegância, característica das reuniões festivas naquele clube, o baile foi animado por uma excelente orquestra e pela alegria comunicativa de todos os presentes”
Extraído de «MBI» I-21 de 15 de Junho de 1954.

“O Correio Macaense,” Vol. V, n.º 230, 17-02-1888,  (1)

Os Estatutos do “Club União” (autoria de Pedro Nolasco da Silva)  foram aprovados em 28 de Agosto de 1879 (Portaria Provincial n.º 99) depois, reformados pela Portaria Provincial  n.º 58 de 13 de Abril de 1887. Esta Associação transformou-se em duas posteriormente: “Associação dos Proprietários do Teatro D.Pedro V” e “Associação do Club União” – estatutos aprovados pelo Governo em 9 de Julho de 1896 – Portaria Provincial n.º 89 (Boletim Oficial n.º 28). Mais tarde, a Associação “Club União” dissolveu-se , sendo substituída pelo “Clube de Macau”. (2)
Do «Directório de Macau de 1885», retiro o seguinte:
e do «Directório de Macau» de 1890
(1) O semanário político, literário e noticioso «O Correio Macaense» apareceu a 2 de Setembro de 1883, fundado por António Gomes da Silva Teles, tendo sido suspenso, em 1888.(3)
Do Directório de Macau, 1885
(2) TEIXEIRA, M. – Galeria de Macaenses Ilustres, 1942, p. 297
(3) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.

No dia 15 de Novembro de 1990, o «Correio de Macau» lançou mais uma emissão extraordinária filatélica (1) sob o tema:

“JOGOS E DIVERSÕES DE MACAU – JOGOS COM ANIMAIS”

com um  sobrescrito (16,  cm x 11,3 cm), quatro selos postais (nos valores de 20 e 80 avos; 1 pataca e 10  patacas) e  obliteração (carimbo) de 1º dia de circulação.
Nesse mesmo dia foram emitidos quatro postais com o mesma tema.
Dentro do envelope, vinha outro envelope mais pequeno, transparentes de 12 cm x 9,2 cm, da Divisão de Filatelia do mesmo correios: continha no seu interior os quatro selos da emissão (sem carimbo).

Selo de 20 avos : luta de grilos

 

Selo de 80 avos: luta de pássaros

 

Selo de 1 pataca: corrida de galgos

 

Selo de 10 patacas: corrida de cavalos

(1) Portaria n.º 219/90/M: emite e põe em circulação selos postais alusivos à emissão extraordinária “Jogos e diversões de Macau – Jogos com animais”.
Boletim Oficial de Macau n.º 45 de 5 de Novembro de 1990, p. 4040.

No dia 13 de Novembro de 1996, o “Correios e Telecomunicações de Macau” (1) lançou mais uma emissão extraordinária filatélica sob o tema:

“BRINQUEDOS TRADICIONAIS CHINESES – 中國傳統玩具

com um  sobrescrito (16,2  cm x 11,5 cm), quatro selos (nos valores de 0.50; 1.00;  3.00 e 4.50 patacas) e obliteração (carimbo) de 1º dia de circulação.
Os desenhos são de Victor Marreiros.
Portaria n.º 264/96/M – Emite e põe em circulação selos postais alusivos à emissão extraordinária «Brinquedos tradicionais chineses».
中國傳統玩具mandarim pīnyīn: zhōng guó chuán tǒng wán jù; cantonense jyutping: zung1 gwok3 cyun4 tung2 waan4 geoi6