KÂM – 柑 (1) – Tangerina

Este vocábulo quando figura na palavra composta Tch´iu-tchâu-kâm  (tangerina de Tchíu-Tchâu), cuja casa é grossa e muita enrugada, sendo empregada para se referir a um indivíduo cuja pele do rosto está muita engelhada ou bexigosa. (2)

KÂM KÊOK KÁP金脚甲 (3) – Unhas dos dedos do pé douradas

Tal termo não se aplica às unhas coloridamente polidas das modernas raparigas chinesas que fazem pédicure mas às unhas dos pés dos lavradores que estão sempre incrustadas de terra amarela, por andarem a trabalhar constantemente pelos campos. (2)

KÂM LIN金蓮 (4) – Lírios dourados

A originalidade deste poético termo, que se refere aos atrofiados pés das antigas mulheres chinesas, deve-se ao imperador Tông Fân Hau (499-501 AD) que, cheio de admiração pela sua concubina P´án Fêi que estava dançando sobre lírios, exclamou entusiasmado “Cada passo seu faz nascer um lírio”. (2)

(1) mandarim pīnyīn: gān ; cantonense jyutping: gam1

(2) GOMES, Luís G. – Tropos Usados na Gíria Chinesa, in «Mosaico», IV-19/20 de Março e Abril de 1952, p.400.

(3) 脚甲mandarim pīnyīn: jīn jiǎo jiǎ; cantonense jyutping: gam1 goek3 gaap3

(4) mandarim pīnyīn: jīn lián; cantonense jyutping: gam1 lin4

.