T´ÜN K´ÜT UÓ TCH´ÔNG斷橛禾虫 (1) – Bocados de larvas dos arrozais

Uma donzela formosa na expressão do seu rosto mas de físico mal conformado e achaparrado é comparada a um bocado de uma larva dos arrozais porque sendo este bicho já pequeno, quando o seu corpo fica dividido embocados, estes serão forçosamente de tamanho insignificante.

Estas larvas de arroz, parecidas com minhocas, depois de preparadas com vários condimentos, são comidas pelos chineses na época da recolha; isto é, na estação da ceifa. Quando partidas ao meio é impossível juntar-se as duas partes em consequência da extrema vitalidade que possuem esses bichos e também pelo facto de serem extremamente escorregadios. Por isso, ao indivíduo que fale ou escreva, desorientadamente, coisas sem pés nem cabeça, isto é, sem nexo nem ligação entre si, se pode aplicar esta frase.(2)

禾虫He Chong, Fujian Fuzhou called flow trilobata, scientific name warts kiss Nereis, is annelids , polychaetes , are aquatic animals , shaped like a long centipede. The mid-autumn festival is the breeding season for the insects. The insects will emerge from the mud in the middle of the night. At this time, the insects (lime) are mature and very plump. The protein content of grass insects is very rich.”

https://baike.baidu.com/item/%E7%A6%BE%E8%99%AB/5874111

TCHÔK TCHEK ÁP竹織鴨 (3) – Pato tecido com bambu

Para os chineses a sede do pensamento encontra-se no coração. Como os patos que se fazem com hastilhas de bambu tecidas e se destinam a servir de brinquedos às crianças não têm coração, este termo é empregado para se referir a um indivíduo desmemoriado que anda sempre com a cabeça no ar. O tchôk-tchek-áp é também o nome dum petisco chinês constituído por um pato com recheio. Para se rechear o pato, desventra-se, completamente, o animal e, para que não perca a forma natural, pois são-lhe extraídos todos os ossos, introduz-se-lhe no interior um esqueleto artificial tecido com hastilhas de bambu.(2)

(1) –斷橛禾虫 mandarim pīnyīn: duàn jué hé chóng,; cantonense jyutping: dyun3 kyut3 wo4 cung4

(2) GOMES, Luís G. – Tropos Usados na Gíria Chinesa, in «Mosaico», V-27/28 de Novembro e Dezembro de 1952, pp. 144 e 148

(3) 竹織 mandarim pīnyīn: zhú  zhī yā; cantonense jyutping: zuk1 zik1 aap3