Assi azinha, ung´a ano já passá

Más unga vêla, já sandê

Virá mám, virá ôlo, gurunhá

Neno sai có, mán mán más crescê

Destung’ a ano, nunca más lembrá

Iou qui pensám, muto medo morê

Vento suzo, vento-china, malínguá

Parece têm vida;  pussá bafado, tossê

Non sã savan, sã non bicho, respirá

Siguí órde, tudo cofiná, na casa já retê

Tánto-tánto gente logomente mâm-mâm lavá

Usá bôbo, já tirá, lavá rópa di rua… Qui ramêde

Nhónha azinha já comprá papel pra rabiósque limpá

Unga, vai Sé, pedi Siára di Fátima, vêla sandê

Outrunga corrê Miu dessá pivete no San Chi Pá

Muto tanto fica murum, cabeça sofrê

Mestre-china, logo vai mizinha receitá

Savanado, iou sã casa fichado nada fazê

Destunga laia, ismirado, non pódi pandegá

Calado-calado, perdê juízo, cai pê –mám

Tem tánto sapeca non pódi gastá.

Paxá non podi, tánto-tánto consumiçam

Cofinado, pedí vacina logomente apanhá

Gáridona azinha vai rua companhá cám.

Pandemia cavá, 

ninguim pôde isquecê.

Cabeça lembrá,

Afastá…afastá…

Ano assi azinha zaprecê