Notícia publicada na imprensa estrangeira (1) sobre os festejos da aclamação (2) do rei D. João VI (3) realizados em Macau, no dia 26 de Dezembro (4) que começou com uma salva real e assistindo o Senado a uma Missa pontifical. Às 15 horas foi inaugurado o retrato do Rei, no salão nobre do Senado.

(1)«The Asiatic Journal and Monthly Register for British India and its Dependencies»,  VOL V – From July to December 1819, p. 396.

Retrato de D. Joao VI por Albertus Jacob Frans Gregorius.

(2) A aclamação do rei de Portugal era a cerimónia em que o herdeiro ao trono ascendia a monarca de Portugal. Em Portugal, após a coroação de D. João IV que se tornou rei de Portugal em 1640, este colocou a sua coroa aos pés de uma estátua de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, declarando-a “a verdadeira Rainha de Portugal” , nunca mais existiu uma coroação, existindo no seu lugar uma aclamação. https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_VI_de_Portugal

 (3) Em 20 de Março de 1816, faleceu a rainha Dona Maria I, subindo ao trono seu filho e já regente (por demência de D. Maria I), o futuro João VI de Portugal (1767-1826). A sagração não se realizou de imediato, sendo aclamado somente em 6 de fevereiro de 1818, dois anos depois, com grandes festividades. Sua aclamação realizou-se no Rio de Janeiro (Brasil) onde estava o reino. D. João VI (O Clemente) foi rei do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves de 1816 a 1822 (ano da independência do Brasil) e depois, de 1822 até à sua morte, em 1826, rei de Portugal e Algarves.

(4) O “Bando” do Senado, de 18 de Dezembro de 1818 anunciava para as 15 horas do dia 26 de Dezembro, a aclamação de D. João VI, no lugar das Casas do Leal Senado, com festejos nos dois dias seguintes. SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 20165 p. 30