Folheto de cinema do Teatro Capitol (composto e impresso na Tipografia “San Chong Trading & Co”; 1000 exemplares) do dia 19 de Abril de 1957, do “espectaculoso filme tecnicolorido” “Friendly Persuasion” (“Persuação Amigável”; em Portugal: ”Sublime Tentação”). Preços: $ 0.60, $ 0.80, $ 1.10, $1.50, $ 1.80.

Um filme de 1956, do gênero faroeste/drama, durante a guerra civil americana, ambientado em 1862 na família Birdweel, uma família de quakers (pacifistas) , no estado de Indiana.

 Um filme de ““Allied Artists Pictures Corporation”, dirigido por William Wyler, (1) com os actores Gary Cooper  (Jess Birdwell), Dorothy McGuire (Eliza Birdwell) e a estreia no cinema de Anthony Perkins (Josh Birdwell) (2) (3)

https://pt.wikipedia.org/wiki/Friendly_Persuasion

O filme é uma adaptação de um romance de 1945, de Jessamyn West que colaborou no argumento de Michael Wilson. (4)

O filme “O Belo Sexo” (The Oposite Sex)”, estrearia neste cinema a 1 de Junho de 1957

(1) O produtor e diretor William Wyler ao fim de oito anos conseguiu que o seu projeto fosse aprovado, tendo a  “Allied Artists Pictures Corporation” (anteriormente conhecido como Monogram Pictures Corporation) concordado para um orçamento de US $ 1,5 milhões. Foi o primeiro filme de William Wyler na cor para um estúdio comercial, custando no final mais de US $ 3 milhões, pelo que “Allied” vendeu os direitos de distribuição estrangeira para MGM para levantar mais fundos. O filme arrecadou US $ 4 milhões nas bilheterias norte-americanas em 1956.

 (2) Foi o segundo filme de Anthony Perkins (19321992) (imortalizado por seu papel como Norman Bates no filme Psycho (1960) de Alfred Hitchcock) depois de sua estréia no filme de 1953, “The Actress”. Anthony Perkins ganhou um Globo do Ouro (1957)  por este filme, como melhor actor promissor

NOTA: O compositor e orquestrador Dimitri Tiomkin compôs as músicas para o filmecom letras de Paul Francis Webster. A canção título “Friendly Persuasion (Thee I Love)” foi gravado por Pat Boone e tornou-se a canção mais comercial desse ano (1956.)  

(3) Na 29ª edição do oscar (1957) o filme foi nomeado para 6 Oscar: Melhor Filme, Melhor Diretor (William Wyler), Melhor Ator Secundário (Anthony Perkins), Melhor Música – Canção (Dimitri Tiomkin e Paul Francis Webster), Melhor Argumento adaptado (sem nome) (4), e Melhor Gravação de Som ( Gordon R. Glennan e Gordon E. Sawyer ). O filme ganhou o “Palme d’Or” (Palma de Ouro) no Festival de Cannes, 1957 .

(4) Michael Wilson (1914-1978) não aparece nos créditos do filme pois nessa época o argumentista fazia parte da lista negra de personalidades de Hollywood, consideradas comunistas. Somente na década de 1990 (1996) é que o nome de Michael Wilson foi acrescentado nos créditos da película. Uma semana antes de indicações ao Oscar do ano, a AMPAS Conselho de Governadores introduziu uma regra negando um Oscar para quem se recusou a falar com um comitê do Congresso dos Estados Unidos, tendo a “Writers Guild of America” protestado contra a nova regra sem sucesso. Eles deram a Michael Wilson um “Writers Guild of America Award” para “Melhor Drama Escrito americano”. Michael Wilson, entre muitos argumentos seus ou colaborando com outros, escreveu “The Bridge on the River Kwai” (1957), “Lawrence of Arabia” (1962), “The Sandpiper” (1965), “Planet of the Apes” (1968), e “Che!” (1969).

Trailers do filme: