Não terá sido uma estreia pois o filme é de 1936, por isso, uma reposição no Teatro Capitol para o dia 10 de Abril de 1957, um espectáculo para maiores de 18 anos de idade. Sessões às 14.30, 20.00 e 22.00 horas com a apresentação prévia dos habituais documentários (este da M.G.M.) e reclamos de próximos filmes.

Folheto de cor esverdeada, composto e impresso na Tipografia”San Chong Trading & Co” – 10 de Abril de 1957 – 1000 EX.

“San Francisco” é uma drama – musical de 1936, da M- G-M., dirigido por Woody S. van Dyke (com uma colaboração do director D. W. Griffith) e argumento de Robert E. Hopkins e Anita Loos (e ainda a colaboração de Eric von Stroheim), baseado no terramoto da cidade de S. Francisco em 18 de Abril de 1906. O êxito financeiro do filme (2) baseou-se na trilogia dos actores contratados, Clark Gable, Jeanette MacDonald, (3) e  Spencer Tracy e as canções popularizadas (4) por  Jeanette MacDonald,  

(1) Durante 2 semanas entre 27 de Março e 11 de Abril de 1957, o Teatro Capitol apresentou, ás quartas e quintas-feiras,  reposições de filmes  por isso os folhetos de cinema desse período apresentam na frente e no verso, o argumento de dois filmes.

No verso deste folheto, anunciava a próxima reposição em 17 de Abril de 1957 do filme “O Médico e o Monstro” (“Dr. Jekyll and Mr. Hyde” versão de 194) que apresentei na  postagem de 17-04-2018. https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/04/17/noticia-de-17-de-abril-de-1957-folheto-de-cinema-teatro-capitol-xxxviii-o-medico-e-o-monstro/

 (2) As últimas imagens do filme, as ruínas fumegantes após o terramoto, são uma montagem da cidade de S. Francisco mas da década de 30. Nomeado para 5 “Óscar” – somente obteve um: “Melhor Gravação de Som” para Douglas Shearer.

Jeanette Anna MacDonald (1903 – 1965), em 1934

(3) Jeanette MacDonald teve outro grande filme nesse mesmo ano de 1936 “Rose Marie”, também, dirigido pelo mesmo realizador W.S. van Dyke, contracenando com o actor/cantor Nelson Eddy

(4) A canção título do filme “San Francisco” (música de Bronisław Kaper e Walter Jurmann, letras de Gus Kahn) que é cantada no filme seis vezes por Jeanette MacDonald, tornou-se um dos hinos da cidade.

Trailers do filme: