Artigo escrito pelo Dr. Manuel Ferreira Cabrita, Chefe do Serviço Meteorológico de Macau, publicado no jornal «Diário de Notícias» e republicado no «M.B. I.». (1) O tufão KATE foi pela primeira vez assinalado na carta sinóptica do dia 19 de Setembro às 00.00 horas do tempo médio de Greenwich sob a forma de uma depressão tropical, portanto, com ventos que não excediam 33 nós. Estava então na fase de desenvolvimento sendo de prever que se transformasse rapidamente num tufão o que de facto se veio a verificar 24 horas depois.
Apesar a falta de informações que normalmente se verifica na região em que o tufão foi pela primeira vez assinalado, 450 milhas a sudoeste de Guam, foi fácil prever com relativa segurança que passaria perto de Macau.
Era essa a trajectória normal nesta época do ano, e os campos da pressão atmosférica quer à superfície quer em altitude, indicavam WNW como a direcção mais provável do seu deslocamento. Com efeito assim se verificou até que o tufão alcançou a costa de Luzon, na manhã de 23. Então começou a desenvolver-se e a deslocar-se para sul uma célula do anticiclone siberiano que originou uma pequena mudança de direcção no deslocamento do tufão que passou a fazer-se para W. esta mudança de direcção teve a vantagem de fazer com que o tufão se não aproximasse de Macau como sucederia se mantivesse a primitiva direcção de deslocamento; por outro lado teve o inconveniente de originar gradientes muito apertados ao longo da costa sul da China que foram os responsáveis pelos ventos relativamente fortes que foram observados.
Logo que o tufão entrou no círculo com centro em Macau e com 300 milhas de raio, foi mandado içar o sinal n.º 1 de tufão indicador de que um tufão poderia vir a afectar o estado do tempo na Província. Isto deu-se na manhã do dia 24 às 8.45.
A carta desenhada depois levou-nos à conclusão de que a trajectória do tufão teria muito provavelmente a direcção este-oeste e nessas condições osv entos não excederiam 61 Km/há não ser em rajadas isoladas e pouco frequentes. Nestas condições manamos substituir o sinal n.º 1 de tufão pelo de ventos fortes (velocidades entre 41 e 61 km/h e com chuva) convencidos de que não teríamos que o modificar até  que todo o perigo passasse. De facto assim sucedeu, tenho o sinal estado içado até às 09.40 do dia 26, altura em que o tufão estava já entrando na costa da Indochina.
O tufão esteve mais próximo de Macau às 00.00 horas do dia 25 quando se encontrava a cerca de 250 milhas a sul desta Província.
(1) «MACAU Boletim Informativo» ANO III, n.º 52 de 30/09/1955, p. 13.