Os festejos dos Santos Populares no ano de 1955, realizaram-se no vasto terraço do antigo mercado de S. Domingos, sob o patrocínio da Esposa do Governador, D. Laurinda Marques Esparteiro, com a realização a cargo do Leal Senado (comissão administrativa presidida por António Magalhães Coutinho)

Laurinda Marques Esparteiro corta a fita simbólica da inauguração dos festejos

Inaugurados na noite de 18 de Junho de 1955 (vigília de Santo António) os festejos repetiram-se na noite seguinte, dia em que é festejado em Macau aquele Santo, e nas subsequentes vigílias e noites de S. João e S. Pedro, respectivamente , 23, 24, 28 e 29  do mesmo mês. Devido ao grande entusiasmo verificado na última noite, houve ainda na noite de 30 um arraial à portuguesa, com o qual os organizadores fecharam com chave de oiro os festejos.

A afluência aos festejos dos Santos Populares

Na grande esplanada do terraço do mercado Municipal de S. Domingos que estava profusamente iluminado e decorado, viam-se tendas de venda de manjericos, refrescos, bebidas gasosas, quermesse, loto, tiro ao alvo, sem faltar as tendas de petiscos, doces, etc. Havia também barracas de divertimentos, de carácter inteiramente popular, e os coretos improvisados, onde a banda da Polícia de Segurança Pública, a tuna «Negro-Rubro» e uma charanga  chinesa  actuaram com os seus programas variados.

O Governador e Esposa acompanhados do Presidente do Leal Senado percorrendo o recinto dos festejos.

Nas últimas três noites os festejos culminaram com a realização de animado batuque por grupos de praças africanas do Batalhão de Caçadores n.º 2.
Todo o rendimento dos festejos dos Santos Populares destinou-se às obras de beneficência.

Os números de batuque por praças africanas foram dos que mais entusiasmaram a numerosa assistência

(1) Extraído de «MBI» II-46, 30 de Junho de 1955.