No Jardim Botânico Tropical (JBT) (outrora chamada Jardim Colonial ou Jardim do Ultramar), (1) em Lisboa, existe uma zona (2) separada do resto do jardim por bambus, onde pode apreciar um Arco – Arco de Macau (réplica estilizada do arco que limita a entrada do Pagode da Barra), um jardim oriental (3), um cantinho dedicado a Camões (réplica do busto da Gruta de Camões, em Macau) com um busto, (4) e um Pavilhão chinês junto à chamada “Porta da Lua”. (5)
(1) O Jardim Botânico Tropical (JBT) (outrora chamada Jardim Colonial, Jardim do Ultramar ou Jardim Agrícola Tropical) é um dos maiores jardins de Lisboa e está situado na zona monumental de Belém, junto ao Mosteiro dos Jerónimos. Ocupa uma área total de cerca de 7 hectares, integrando um Parque Botânico aberto ao público com 5 hectares. Com um património vegetal especializado em flora tropical, o Jardim encontra-se classificado como Monumento Nacional, desde 2007, juntamente com o Palácio Presidencial e outros espaços da zona de Belém.
O Jardim Museu Agrícola Tropical (JMAT) foi criado em 25 de Janeiro de 1906 por Decreto Régio, (D. Carlos I) no contexto da organização dos serviços agrícolas coloniais e do Ensino Agronómico Colonial no Instituto de Agronomia e de Veterinária, tendo-se denominado então Jardim Colonial. Localizava-se nas Estufas do Conde de Farrobo e respectivos terrenos anexos (actualmente o Jardim Zoológico de Lisboa), posteriormente em 1914, o Jardim foi transferido para a “Cêrca do Palácio de Belém”, onde ainda hoje se encontra , tendo passado a funcionar no Palácio dos Condes da Calheta o Museu Agrícola e Colonial.
Esta situação manteve-se até 1944, data em que o Jardim Colonial se fundiu com o Museu Agrícola Colonial para formar o Jardim e Museu Agrícola Colonial. O Jardim deixou então de estar sob a dependência pedagógica do Instituto Superior de Agronomia e o seu Director deixou de ser um docente deste Instituto. A designação evoluiu em 1951 para Jardim e Museu Agrícola do Ultramar, passando a integrar em 1974 a Junta de Investigações do Ultramar, posteriormente Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT).
Em 1983 o Jardim adotou a designação de Jardim-Museu Agrícola Tropical (JMAT), constituindo uma das unidades funcionais do Instituto de Investigação Científica Tropical.
Em 2015, o Jardim Botânico Tropical passou a integrar a Universidade de Lisboa, após a extinção por fusão na Universidade do IICT, I.P, sendo parte da nova Unidade Especializada IICT, criada no âmbito da ULisboa.
Informações extraídas de
http://www.museus.ulisboa.pt/pt-pt/jardim-botanico-tropical
http://www2.iict.pt/jbt/?idc=204
(2) Esta zona foi construída quando o jardim albergou a Secção Colonial da Exposição do Mundo Português (1940), tentando evocar o oriente através de flora das ex-colónias asiáticas.
(3) No Jardim Oriental, o espaço temático estava dedicado às espécies asiáticas, nomeadamente os emblemáticos bambus, pretendendo-se recriar o ambiente dos jardins daquelas regiões com os seus trilhos estreitos, desníveis e jogos de água. A entrada deste Jardim é marcada por um arco,
Infelizmente na última visita, em Agosto de 2017, o jardim está muito mal cuidado, aparentemente “abandonado”, uma pequena ponte semidestruída, o lago e um riacho sem água, vegetação sem tratamento, muito lixo, sem dúvida um desprezo pelo nosso património.
(4) A publicar numa próxima postagem.
(5) Do Pavilhão chinês através da Porta da Lua, durante a Exposição do Mundo Português, dava para uma rua onde se replicava o comércio tradicional de Macau.