Estreia do “célebre filme brasileiro Prémio da Academia” ,“O ORFEU NEGRO “ no Teatro Apollo no dia 1 de Novembro de 1961.
Talvez o primeiro filme “brasileiro” (1) a ser projectado nos cinemas de Macau, embora a versão falada em português, tivesse legendagem em inglês e chinês.  “Orfeu Negro”, uma co-produção italo-franco-brasileiro de 1959, dirigido por Marcel Camus (adaptação da peça teatral de Vinicius Morais, “Orfeu da Conceição”) foi, na altura, um enorme êxito mundial tendo ganho vários prémios internacionais nomeadamente o “Óscar de melhor filme estrangeiro” e “Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro” em 1960 e a “Palma de Ouro” (França) em 1959.

Exciting! Scored tops in New York” (revista LIFE)

Drama (não musical embora a música desempenhe um papel importante) que retrata uma história que vai buscar inspiração à mitologia grega, mais precisamente ao enredo que envolve Orfeu que se apaixona por Eurídice, uma jovem recém-chegada do interior, despertando ciúmes em Mira (noiva de Orfeu) num cenário de uma favela do Rio de Janeiro, na época do Carnaval, na década de 50.
Música de Tom Jobim e Luis Bonfá (nos créditos) embora Vinicius de Morais e António Maria tivessem suas músicas incluídas no filme.
“PRÓXIMA MUDANÇA”
“PARRISH”, filme de 1961, dirigido por Delmer Davies, estrearia neste mesmo Teatro no dia 17 de Novembro de 1961.
(1) Considerar o filme brasileiro, segundo alguns críticos, seria impróprio pois não é mais do que uma co-produção internacional  para um produto folclórico muito sobrevalorizado na época.
Trailers do filme:
https://www.youtube.com/watch?v=fWIwTOtvbSk
https://www.youtube.com/watch?v=HtjQ1t5FWv8
https://www.youtube.com/watch?v=M6a_mCJNEUQ
https://www.youtube.com/watch?v=c29iDvEmnrg