“Com a longa tradição conquistada em mais de um século de existência, o Teatro D. Pedro V voltou a patentear a sua plateia ao público de Macau, após a renovação operada em todas as salas e dependências e as obras realizadas na estrutura exterior transformando todo o edifício e fazendo-o voltar àquela antiga presença, que fez dele um centro de cultura e onde actuaram grandes figuras do mundo musical, da ópera e do teatro.
Foi neste recinto, com uma audiência a vibrar de entusiasmo que se reviveram hora agradáveis, quando um grupo de carolas em que José dos Santos Ferreira mais uma vez evidenciou o seu valor e outros entusiastas, levados na onda impulsionadora que os invadiu e arrastou ao palco, encenou a revista «Nhum Velo», que foi apresentada nos dias 10 a 12 de Abril, com o mais assinalado sucesso e lotações esgotadas.
Organizado pela Direcção do Clube de Macau e de colaboração com um grupo de sócios, o espectáculo despertou o maior interesse na população e os calorosos aplausos da assistência bem explicaram o agrado que lhes deu tal actuação.
Na noite de 11, teve a presença do Governador de Macau e esposa, bem como do secretrário-adjunto para os assuntos sociais e cultura.
Este espectáculo teve por base peças escritas em «patois», a língua que tende a desaparecer, mas que ainda mantém um sabor especial, nas suas múltiplas formas expressivas de épocas passadas, em termos que a gíria reproduz a transmissão de conversas caseiras, no ambiente das velhinhas da terra que as usam sem rebuços nem distorcida pronúncia.
No entanto, também, foi apresentada a peça portuguesa «Os inquilinos do Sr. Zacarias», igualmente interpretada por sócios do clube.
A «Tuna Macaense» marcou a sua presença, na execução de música popular, na noite da récita. O som dos seus bandolins recorda as noites das festas, em que, se reuniam famílias, em serões musicais.
Foram noites alegres e divertidas, em que a hilariedade explodia às cenas de requintado humorismo que se sucediam no palco.”
Reportagem da revista « Macau B. I. T.», 1977.