Publicação ordenada pelo Governo da Colónia para distribuir pelos quartéis “Soldados de Portugal!” que reproduz a alocução proferida pelo General Gomes da Costa na revista passada a todos as forças da Província de Macau, em 9 de Abril de 1923, na comemoração do 5.º aniversário da Batalha de Lys.
A BATALHA DO LYS
Soldados de Portugal!
Desde 30 de Janeiro de 1917, em que saí do Tejo à frente da 1.ª Brigada Portuguesa, nos achávamos, pràticamente, em guerra contra a Alemanha. Pouco mais de uma ano depois – a 9 de Abril de 1918 – tinha lugar o grande ataque alemão às tropas portuguesas, ao sul de Armentiéres, no vasto campo de Messines.
Mais de um ano havia que o inimigo se achava paralisado em frente do sector português, travando connosco repetidos combates; havia mais de um ano que nos mantínhamos no mesmo terreno apesar dos esforços do adversário para dêle nos desalojar… (…)
Como as vagas do Oceano, correndo encapeladas, umas após outras, engrossando sucessivamente, sucessivamente tomando mais corpo e mais violência, assim as vagas da infantaria alemã vão correndo, avançando, rolando impetuosas, com um fragor medonho, alagando todo o terreno, arrastando consigo os restos da guarnição portuguesa, indo espraiar-se por todo o terreno à retaguarda, até ao Lys. Os restos da Divisão Portuguesa que não foram esmagados pelo bombardeamento, conseguiram estabelecer-se à retaguarda daquele rio, e durante dias ali se mantiveram numa luta feroz, esperando os reforços, que a ofensiva de Somme forçara o Alto Comando a desviar para lá.
Mas o inimigo não passou !
Estava cumprida a missão que incumbia às tropas portuguesas naquele campo de batalha.
Sete mil e quinhentos homens, de entre os quais 327 oficiais, foi o preço por que pagamos a glória desta Batalha que se ficou chamado do Lys, por ter sido nas margens dêste rio que nos fixamos; 7:500 homens custou a Portugal esta vitória; 7:500 homens nos custou a última e uma das mais formidáveis ofensivas alemãs; ofensiva desesperada, ofensiva de quem se sente acabar, e luta com todo o desespero… (…) 
COSTA, General Gomes da – Soldados de Portugal!. Macau, Imprensa Oficial, 1923, 14 p., 18,5 cm x 13 cm.