“Este estabelecimento será aberto em 2 de Fevereiro próximo, 2 peritos estarão constantemente em attendencia para exercer a arte de tonsura e barbear por preços módicos.
Aos freguezes mensais carregar-se-há $1, (1) sendo servido no estabelecimento, e para attendencia nas residências particulares $1.50 ao mez.
Os sobrescriptos farão o favor de encher a formula anexa e retornal-a. Aos avulsos carregar-se-há segundo o ajuste.

Pedro A. Collaço, (2) encarregado

Retirado do livro FRANÇA, Bento da – Macau e os seus habitantes. Relações com Timor. Lisboa, Imprensa Nacional, 1897, 286 p.
(1) Uma pataca.
(2) Muito possivelmente Pedro Alexandrino Collaço (3) nascido em 1851 e falecido na freguesia da Sé a 28 de Abril de 1906. 5.º filho de Francisco Xavier Collaço (1813-1887), macaense que foi capitão, comandante militar da Taipa de 16 de Julho a 7 de Novembro de 1864 (reformado como major da guarnição de Macau) e de Alexandrina Francisca de Sá (1827-1915) (4)
(3) Hoje os descendentes, depois da reforma ortográfica, utilizam a grafia “Colaço” embora muitos dos que emigraram para o estrangeiro mantiveram a grafia antiga. (4)
(4) FORJAZ, JorgeFamílias Macaenses, Volume I, 1996.